sábado, 29 de outubro de 2011

TEMA: Criação, Queda, Redenção e Consumação! - 23 - Faltam 546 dias para 26/04/13 e 957 dias para a Copa

No deserto pelos próximos 40 anos é praticamente uma metade de uma vida. Jesus também teve o início de seu ministério num deserto por 3 dias nos quais não comeu nem bebeu. Na verdade, seu jejum durou 40 dias e ele foi conduzid ao deserto pelo Espírito Santo de Deus.

Lá ele sofreu aqueles ataques do malígno que outra coisa não queria se não a queda também do segundo Adão. Eu entendo que nós também estamos no deserto, na fase atual de nossas vidas de crentes, pois já saimos de uma condição que hoje nos entristecemos só de lembrar e estamos caminhando para outra condição, onde não haverá mais pranto, nem choro, nem dor.

No deserto começaram as primeiras murmurações por água. Moisés e Miriam tinha acabado de louvar ao Senhor e o povo tinha se alegrado com o livramento dos egípcios e a nuvem de dia e a coluna de fogo de noite ali também junto com eles e vem a murmuração. É triste que nossos olhares primeiramente se voltam para o que nos falta e não para o que temos recebido.

Depois de murmurarem por água, murmuraram por pão e ainda murmuraram por água mais uma vez. A água é essencial a vida? sim, é essencial. O pão também e a carne são essenciais? Sim, são vitais. Se não comermos nem bebermos, morreremos. Quem é pois nosso provedor? Estamos vivos porque queremos estar vivos ou porque Deus é quem sustem a nossa vida?

Temos poder sobre a vida para a controlar? Por que então não descansamos nela, confiando que Deus tudo proverá para a sua glória e honra e a nós cumprirá gozá-lo para sempre?

Já vejo aqui duas coisas que fazemos de errado e que são graves enquanto estamos no deserto:

  1. não valorizamos o que temos, onde estamos e o que somos que foi Deus quem nos deu, nos colocou aqui e ali e nos fez, por isso murmuramos muitas vezes desejando coisas que ele mesmo irá nos prover pois se não morreríamos e se fosse assim, não nos conservaríamos vivos.
  2. não controlamos a vida escolhendo as circunstâncias pelas quais haveremos de passar ou enfrentar, logo, devemos crer que o que recebemos vem de Deus embora seja duro e difícil aceitar algum tipo de sofrimento decorrente.

Deus atende nossos desejos, mas devemos tomar cuidado com certas coisas a fim de que os nossos próprios desejos não sejam a causa de nossa própria ruína, morte e destruição. Cuidado com os seus desejos no deserto. Não estamos longe da presença daquele que prometeu que cuidaria de nós e que nada nos faltaria. Olha o perigo ai, gente.

A murmuraçãoé um mal tão terrível para o crente que se ele soubesse de onde ela vem, ele jamais faria com ela qualquer negócio. CUIDADO!

Como se não bastassem tais coisas um inimigo externo nos ameaça em nossa jornada e assim uma guerra se levanta contra os amalequitas, mas enquanto um líder está a interceder pelo povo, de mãos erguidas aos céus, a vitória é assegurada ao povo que vence o inimigo facilmente. Quando o líder se cansa na intercessão, outros devem se levantar para o apoiar e assim seu braço sempre estará sendo mantido levantado garantindo a vitória já entregue pelo Senhor que está ali cuidando de nós em todo tempo.

Depois dessa vitória de todo povo, lá vai o grande líder Moisés que o Senhor escolheu a erguer um altar ao Jeová-Nissi naquele deserto marcando o caminho e mostrando que o Senhor nosso Deus é a nossa bandeira. Todo o povo se alegrou.

Estamos no deserto amados, mas no deserto com Cristo, com o seu Espírito Santo que hoje nos é de dia a nuvem que nos protege e de noite o fogo que nos aquece.

A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdete – http://www.jamaisdesista.com.br

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.