sábado, 9 de abril de 2022

CONTINUE - NÃO DESISTA!

Quando você sente que não pode mais, mas sabe que deve continuar, então continue, não desista! Lembre-se do porque você começou, lembre-se para onde está indo, pense nos benefícios que virão em função de você alcançar o alvo; portanto, continue, não desista!

Realizações incríveis são regularmente alcançadas do outro lado da adversidade. Quando você perder um pouco de terreno, use-o para criar um impulso ainda maior e quando recuperar o terreno perdido, esteja certo de que você estará - pela graça de Deus - mais forte do que nunca.

Quando estiver esgotado, exausto e não puder dar mais um passo, descanse um pouco e depois continue, não desista! Continue, porque cada novo passo o aproxima ainda mais do alvo e o torna mais forte.  Persistência vai ganhar o dia sobre músculo, inteligência e posição inicial. Aonde quer que você vá, - com os olhos voltados e fixos em Deus, você certamente chegará lá se continuar e não desistir.

Nélio DaSilva

“Sejam fortes e não desanimem,
pois o trabalho de vocês será recompensado.”  II Cronicas 15:7

domingo, 20 de fevereiro de 2022

EVENTOS FUTUROS NÃO PROBABILÍSTICOS

Imagem de Gerd Altmann por Pixabay 

Segundo as Leis de Newton, o Universo parece funcionar como um relógio; tudo tem uma causa e um efeito.

Será q na Natureza tudo funciona assim? Segundo a Física Quântica, tudo tem causa e efeito, mas as coisas funcionam segundo as Probabilidades.

Na Física Clássica, se você conhece a posição e a velocidade de um objeto, você consegue prever, calcular, onde ele estará no futuro.

Segundo a Física Quântica, se você conhece a posição do objeto, você não consegue saber a velocidade do mesmo; e vice-versa, se você conhece  a velocidade do objeto, você não saberá a sua posição, é impossível você ter essas duas informações simultaneamente, posição e velocidade; se você souber de uma, será impossível você saber da outra informação, isso se você tiver 100% da informação de uma delas ( sem levar em conta q é impossível você ter 100% de certeza de alguma coisa). Ou seja, você nunca saberá com antecedência onde o objeto vai estar no futuro.

É o Princípio da Incerteza de Heisenberg.

Será q a Natureza funciona assim?...

Para quem gosta de equações, a fórmula é simples:

∆Sx∆V >= h/4π

(Incerteza na Posição vezes incerteza na velocidade
é maior ou igual a h/4π)

Onde:

∆S: incerteza na posição;

∆V: incerteza na velocidade;

h = Constante de Planck.

Também:

∆S = Variação na posição;

∆V = Variação na Velocidade.

Resumindo... Tudo na natureza com relação a eventos futuros é probabilístico. No entanto, é certeza quando se trata da Palavra de Deus que afirma que se cumprirá exatamente como previsto. Por exemplo, a Segunda vinda de Cristo. A Bíblia afirma que á fé é “a certeza de coisas que se esperam, a convicção de fatos que se não veem.” (Hb 11.1 - ARA). Certeza (não probabilística), mas não simplesmente de coisas, mas de “coisas que se esperam” – ideia de futuro onde há esperança que foi gerada pela fé que foi prevista pela Palavra. Convicção (não probabilístico), mas não simplesmente de fatos, mas de “fatos que não se vêem) – novamente, ideia de futuro onde há esperança que foi gerada pela fé que foi prevista pela Palavra. A única coisa que foge ao princípio da incerteza é a Palavra de Deus e as profecias bíblicas.

Autores:
A parte de física: João Carlos Barreto;
A parte teológica: Pr. Daniel Deusdete A. Barreto.

 

 

sábado, 12 de fevereiro de 2022

10 MOTIVOS PARA PARTICIPAR DA ESCOLA DOMINICAL

  1. Acordar cedo para ir à igreja é um ótimo sinal de que você prioriza o Reino de Deus na sua vida.
  2. A Escola Dominical é uma boa ajuda para você cumprir o 4° mandamento, usando as horas do domingo com foco na piedade.
  3. Sua presença na Escola Dominical te ajuda a cumprir aquela promessa (meio esquecida) que você fez quando tornou-se membro da igreja de sustentá-la moralmente...
  4. Ir à Escola Dominical te dá condições morais de pregar o Evangelho e de falar em "compromisso" com outras pessoas.
  5. Frequência na Escola Dominical (e nos demais trabalhos) envia à liderança da igreja a mensagem de que você está pronto(a) para assumir mais responsabilidades no Reino.
  6. Nas aulas de Escola Dominical você tem oportunidades de fazer perguntas e tirar dúvidas de uma forma que você não poderia fazer no culto.
  7. Em uma classe de Escola Dominical você é enriquecido com as participações e testemunhos de outros irmãos e também pode fortalecer a fé deles com seu testemunho.
  8. A Escola Dominical é um excelente ambiente para levar pessoas que você está evangelizando. É a demonstração prática de que a Igreja baseia seus ensinos só nas Escrituras.
  9. Na Escola Dominical há o reforço adequado do ensino que você ministra ao seu filho ou filha, diariamente, nos outros 6 dias da semana.
  10. Indo à Escola Dominical você mostra na prática o quanto ama os seus irmãos na fé e como quer estar junto deles aprendendo a Palavra.
p/ Ageu Magalhães.

quinta-feira, 6 de janeiro de 2022

A ARTE DE CONTAR OS DIAS

 


A história das artes coleciona, por milênios, as mais representativas peças de pintura e poesia, peças que vivem a encantar olhos, corações e mentes da humanidade; elas se tornaram célebres e, ainda hoje, buscam perfeita interpretação. Portanto, não seria exagero dizer-se que a relíquia dessas obras permanece nas paredes do tempo para cumprir missão inacabada: relançar entre gerações o repto da imortal Esfinge de Tebas: Decifra-me ou te devoro. 

           De toda a sorte, de tudo que se tem visto nada mais excede em beleza que o corpo imensurável da Criação divina, consumada em seis dias; cuja contemplação nos faz captar, no instante de um momento, o estro do salmista Davi: “Os céus proclamam a glória de Deus, e o firmamento anuncia as obras das suas mãos. Um dia discursa a outro dia, e uma noite revela conhecimento a outra noite. Não há linguagem, nem palavra, e deles não se ouve nenhum som; no entanto, por toda a terra se faz  ouvir e as suas palavras até aos confins do mundo” (Sl 39.1-4).  Com que propósito tudo isso se fez? Para que a criatura humana saiba interpretar o dom do Amor Divino, e o goze para sempre – mais ainda após identificar no Jardim das Oliveiras o corpo de Jesus Cristo, filho do Deus Altíssimo, ferido pelas transgressões humanas.

         Do ponto de vista poético, o tempo é a tela da vida; em seu seio o ser humano é desafiado a expor a arte de encontrar, esperar e realizar o que aspira de si e para si mesmo – como expressões objetivas do que é belo, bom, e verdadeiro – para social e mais amplo proveito. Nesse sentido, o profeta Moisés, em rasgo de salmo poético (Sm 90.13), buscou inspiração auspiciosa na eternidade do seu Deus, e, em nome do seu povo, assim clamou: “Ensina-nos a contar os nossos dias para que alcancemos coração sábio.” Ele cumpria a gigantesca tarefa de liderar a marcha de milhares de israelitas ao longo de 40 anos: a contar de início a travessia do Mar Vermelho, o sacrificante  percurso pelo deserto, e, por fim, a conquista da Terra Prometida. Milênios após, o poeta Castro Alves – em luta contra a marcha pressurosa do seu próprio tempo, exclamou: “Eu não quero lauréis, quero as rosas da infância”! Morreu aos 24 anos.

          De modo comum, o verbo contar, utilizado por Moisés, é mais aplicado em termos aritméticos, visando a soma e multiplicação de dias; tal tendência talvez se explique por força da inexorável noção de finitude, contra a qual, mesmo inconscientemente, o ser humano – avesso a perdas --  adota recursos velados de vãs recusa e fuga. O próprio Deus, Senhor da vida, sabe quanto sua criatura preza o valor da longevidade, pois a concede, por soberana vontade, a muitos dos que o temem e servem. Nesse sentido, Ele próprio se admirou de Salomão lhe ter rogado, logo no início do seu reinado, tão somente “entendimento para discernir o que é justo”; não a rara longevidade, ou qualquer outro bem que lhe foi facultado como oferta franca e ilimitada: “Pede o que queres que eu te dê” (2Rs 3.5). Conclusão: a decisão divina foi referenciada na dimensão temporal; porém, centrou-se em escala  qualitativa: “Eis que faço segundo as tuas palavras: dou-te coração sábio e inteligente, de maneira que antes de ti não houve teu igual, nem depois de ti o haverá” (v. 12).

          As imagens apresentadas no início do presente texto encontram melhor moldura em exemplares fatos bíblicos, diante dos quais fica claro que podemos contar mais mostrando aparentemente menos. Um deles desvenda o postulado da virtude: “Assentado diante do gazofilácio, observava Jesus como o povo lançava ali o dinheiro. Ora, muitos ricos depositavam grandes quantias. Vindo, porém, uma viúva pobre, depositou duas pequenas moedas correspondentes a um quadrante. E, chamando os seus discípulos, disse-lhes: Em verdade vos digo que esta viúva pobre depositou no gazofilácio mais do que o fizeram todos os ofertantes. Porque todos eles ofertaram do que lhes sobrava; ela, porém, da sua pobreza deu tudo quanto possuía, todo o seu sustento” (Mc 12:41-44). Eis um dia de milagre, a ser contado por corações sábios: aos olhos dos “que não viram e creram”, Jesus transformou duas pequenas moedas em tesouro engastado num´alma aparentemente simples; milagre que não estava ao alcance das mãos de Midas.

         No curioso circuito de ideias, voltemos à poesia para encontrar lindos e instigantes versos de Carlos Drummond de Andrade, mui a propósito daqueles que tentam “alcançar coração sábio” – por meio do fracionamento do seu tempo: “Quem teve a ideia de cortar o tempo em fatias, a que se deu o nome de ano, foi um indivíduo genial. Industrializou a esperança, fazendo-a funcionar no limite da exaustão. Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar e entregar os pontos. Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra vez, com outro número e outra vontade de acreditar que daqui em diante tudo vai ser diferente”.  Sim, para tanto é preciso crer que “há tempo para tudo”; que a arte de viver implica saber lidar com os fios do dia-a-dia. Assim, com estilo do amor, “o modo de fazer é ser”.

         Ser ou ter? Eis a questão, cuja resposta procede de coração sábio – dádiva divina, pelo qual seremos capazes de contar: -- quer somando, multiplicando ou dividindo disponível tempo com quem precisa de alguém que queira escutar; com os próximos listados por Jesus Cristo: famintos, sedentos, forasteiros, nus, enfermos, presos.

Autor, em 01.01.2022: Antonio Magno Figueira Netto