terça-feira, 14 de setembro de 2010

1000 dias de propósito! Faltam 955 dias!

TEMA: Sangue Precioso 2 – Sl 32.
 
Quem são os bem-aventurados? Continuando nossa reflexão, vejamos o que o Espírito Santo nos ensina e estejamos atentos para aprender.
 
Bem-aventurados são aqueles:
è aquele cuja iniqüidade é perdoada,
è aquele cujo pecado é coberto
è aquele homem a quem o SENHOR não atribui iniqüidade
è aquele homem em cujo espírito não há dolo.
 
As conseqüências de se calar os pecados:
        è envelhecimento dos ossos devido os constantes gemidos
        è mão pesada do Senhor, de dia e de noite
                è vigor tornando-se em sequidão de estio
 
Ser convencido de que somos injustos, falhos, fracos, pecadores e mesmo ingratos, maus, egoístas, é até fácil por causa dos padrões de comparação. Isto é, somente sei que sou injusto porque deve haver alguém justo. No entanto, eu sei que entre os homens não há um justo se quer, logo o justo a que me refiro e com quem me comparo é o Senhor, único justo.
 
Há uma grande diferença em querer ser justo e ser justo. Todos queremos ser justos, mas nenhum  de nós é justo. Todos queremos ser perfeitos, mas nenhum de nós é perfeito. Todos queremos ser bons, mas nenhum de nós é bom. Jesus mesmo advertiu um jovem que o chamou de bom dizendo que há somente um único que é bom. Ao falar assim, Jesus estava dizendo: você sabe o que você acaba de dizer e o que acaba de me chamar? Eu creio que aquele jovem não sabia.
 
Agora, o convencimento de que nossas injustiças, falhas, fraquezas, pecados, ingratidão, maldades, egoísmos são uma ofensa a Deus, somente o Espírito Santo é capaz. Conversando e discutindo poderemos entender claramente nossas falhas, mas que isso é altamente ofensivo a Deus e que precisamos do sangue de Jesus, somente o Espírito de Deus é capaz. Somente o Espírito de Deus é capaz de nos convencer e assim nos conduzir a Cristo.
 
Irmãos,  se Deus resolvesse revelar para nós a nossa podridão e a nossa maldade, não resistiríamos e morreríamos de tristeza e de dor. A Bíblia fala que nossas justiças são como os trapos de imundície (Mas todos nós somos como o imundo, e todas as nossas justiças como trapo da imundícia; e todos nós murchamos como a folha, e as nossas iniqüidades como um vento nos arrebatam. Isaías 64:6).
 
Qual então o caminho para a situação de pecado? O salmista nos diz:
 
è 5. Confessei-te o meu pecado e
è a minha iniqüidade não mais ocultei.
è Disse: confessarei ao SENHOR as minhas transgressões;
 
Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça. ” (I Jo 1:9).
 
Confessai, pois, os vossos pecados uns aos outros e orai uns pelos outros, para serdes curados. Muito pode, por sua eficácia, a súplica do justo.” (Tg 5:16).
 
O que aprendemos destes versículos se não que devemos nos derramar como cera diante do sol na presença do Senhor? Precisamos falar com Deus e confessar a ele os nossos pecados e as nossas iniqüidades. Um dia destes, tive a oportunidade de escrever a pastoral e nela comentei que se a minha sinceridade fosse a minha parceira em minha cama eu dela viveria desconfiado, mesmo quando pareço-me profundamente sincero.
 
Acompanhamento de minhas leituras/áudios:
  • Já li: Gn. Estou lendo Rm da Bíblia de Estudo de Genebra – segunda edição revisada e ampliada, The Spirit os the Reformation Study Bible, ed. Cultura Cristã, Sociedade Bíblica do Brasil, 2009 - texto bíblico: Almeida Revista e Atualizada.
  • Estou na pág. 158/545, do livro HÁ UM SIGNIFICADO NESTE TEXTO – Interpretação Bíblica: os enfoques contemporÂneos (Is There a Meaning in This Text?), de Kevin Vanhoozer, ed. Vida. A leitura deste livro está sendo obrigatória na matéria de Metodologia Exegética, ministrada no Seminário Presiteriano de Brasília, professor, Rev. Ricardo Almeida.
  • Estou na página 116/438 Ele nos deu Histórias – Um guia completo para a interpretação de histórias do Antigo Testamento (He Gave Us Stories), de Richard L. Pratt, Jr. Ed. Mundo Cristão.
Registro das leituras/áudios Terminados:
1.    Terminei as 302 páginas do livro No Crepúsculo do Pensamento – Estudos sobre a pretensa autonomia do pensamento filosófico (In the twilight os western though: studies in the pretended autonomy of philosophical thought), de Herman Dooyeweerd, ed. Hagnos, 2010. [Gostei e recomendo. Autores tão ilustres no campo intelectual e tão fervorosos no espírito, com uma fé tão profunda e tremendamente arraidada, reformada, fortalecem a nossa fé. No entanto, terei de lê-lo novamente para melhor compreender as suas idéias].
 
A Deus toda a glória!
 

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.