sexta-feira, 5 de março de 2010

365 dias de propósito! Dia 227/365

Você está contente com o que você tem, com o que você é e onde você está? 9
 
Ontem no Seminário Presbiteriano da IPB, na 906 Sul, tive aula de VOCAÇÃO E ESPIRITUALIDADE, com o Prof. Rev. Ricardo Barbosa, que já tem perto de 30 anos de ministério pastoral, na Igreja Presbiteriana do Planalto, SGAN 708- Área Especial - Brasília-DF, Telefone: (061) 3272-0809. Para conhecer mais sobre este homem de Deus e seu ministério visitem: http://www.ippdf.com.br/ A questão do foco é muito importante.
 
A sua aula enfocou, praticamente, o tema de nossa reflexão e fiquei pasmo com a “Cristoincidência”. Parecia que estávamos sintonizados em uma mesma estação, guardadas, obviamente, as distintas proporções, pois afinal de contas o Rev. Ricardo Barbosa é mestre e eu simples aluno nas questões do Reino de Deus e de sua Justiça.
 
Seu desafio inicial, em sua primeira aula foi fazer com que apresentássemos nosso conceito de VOCAÇÃO. Ficamos muito confusos e cada um falou algo, mas não de forma abrangente nem clara. Na visão do professor, estávamos confundindo os chamados de Deus, ou seja, há um chamado principal e outro secundário. O principal seria que nós fomos chamados (TODOS): 1. à comunhão/koinonia – I Co 1:9. 2. para sermos discípulos/seguidores de Cristo. 3. para sermos santos/filhos de Deus. 4. à nova liberdade em Cristo. Já o chamado secundário, seria as questões circunstanciais ao longo de nossa vida a qual poderia ser a nossa profissão/função.
 
Assim, ninguém, de certa forma, foi chamado, sendo por isso, alguém especial e superior aos demais, ao pastorado. O pastor, ou o médico, ou o dentista, ou o faxineiro, ou o bancário, ou o administrador, são funções igualmente dignas e não superior às demais. No entanto, todos têm em si o chamado primário e nele todos devem dar seu testemunho de fidelidade.
 
Essa é também a visão de Gerard Van Groningen que entende que o Reino de Deus é todo abrangente e que Deus, desde o início, instituiu os mandatos espiritual, cultural e social. Assim, trabalhar, estudar, passear é tão espiritual como estar em uma igreja. Eu gosto dessa visão e me pactuo com ela. E você?
 
Sabem no que isso resulta ao final de contas? No reconhecimento final de que Deus é soberano e que está no controle de tudo e de todas as coisas, logo é também o grande administrador por excelência que usando os seus recursos (tudo e todas as coisas de seu Reino todo abrangente, inclusive nós, filhos de Deus) os distribui aqui e ali cumprindo cada qual um propósito específico e relacionado ao desenvolvimento e ao progresso. Logo, você tem, é  e está onde Deus, o grande administrador, quer que você esteja. Aleluias!
 
A Deus toda a glória! - Acompanhamento de Minhas Leituras Diárias
 
  • Estou no capítulo 37, de Isaias - Bíblia Shedd (Shedd Bible), ARA – 2ª ed. – Ed. Vida Nova, Russell P. Shedd.
  • Ainda estou na pág. 435/656, do livro Criação e Consumação (From Creation To Consummation), Vol. 1 – O Reino, a Aliança e o Mediador – ed. Cultura Cristã. Gerard Van Groningen.
  • Estou ouvindo 05h35m46s de 13h26m47s de áudio do livro UMA HISTÓRIA DO PENSAMENTO CRISTÃO - Dos Primórdios ao Concílio de Calcedônia - Justo L. González.

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.