quinta-feira, 15 de abril de 2010

365 dias de propósito! Dia 268/365

TEMA: A Oração do Pai Nosso 2 – Mt 6: 9 - 13
 
Dando continuidade, como prometemos, ontem,voltemos à quarta lição:
 
  1. Que ao nos referirmos a Deus, o Pai bendito, devemos santificar o seu nome, pedir que o seu reino venha sobre nós e que a sua vontade seja feita. É o reconhecimento da soberania de Deus e da excelência de sua pessoa.
 
Ninguém há como Deus ou é como ele, por isso o adoramos: Deus não é somente bom, ele é a bondade. Deus não é somente amoroso, ele é o amor. Deus não é somente santo, como seu nome a quem devemos santificar, ele mesmo é a santidade. Deus não somente é justo, ele é a justiça. Eu adoro a Deus pelo que ele é para que eu alcance maior bondade, amor, santidade e justiça.
 
Por isso que o seu reino deve ser todo abrangente e envolver todas as coisas tanto as visíveis quanto as invisíveis nos céus e na terra e em tudo o que neles há. Sendo Senhor de seu reino por ele mesmo criado e mantido a nossa oração não pode ser outra se não que seja feita a sua vontade para que ocorra entre nós a sua bondade, amor, santidade e justiça.
 
Ao desejarmos a santificação de seu nome e a vinda de seu reino e que a sua vontade seja feita estamos como que sintonizando nosso ser ao ser de Deus para cumprir os seus propósitos e nos sentirmos bem. Ninguém se sente bem na maldade, no ódio, na impiedade e na injustiça, pois todas essas coisas é como uma estação de rádio fora da sintonia correta, nenhuma melodia ou som puro se ouvirá, mas apenas ruídos e chuviscos.
 
Curiosamente, há 98 anos, em 15 de abril de 1912, por volta das 02h20min, após chocar cerca de três horas antes com um iceberg no Atlântico Norte, o navio RMS Titanic sofre naufragio. Dizem que ao ser este navio batizado, exclamaram seus construtores “nem Deus afunda este navio”. O fato é que com Deus não se deve brincar. Seu nome é santo, por isso que oramos santificado seja o teu nome.
 
  1. Que há sete petições na oração do pai nosso e nenhuma delas é para satisfação pessoal (abro este parêntesis para dizer que não é errado lançar sobre ele todas as nossas necessidades e ansiedades – ver I Pe 5:7).
 
Três delas estão relacionadas a Deus e a sua honra: santificado seja o teu nome, venha a nós o teu reino e seja feita a tua vontade.
 
Uma relacionada às nossas necessidades temporais: o pão nosso de cada dia – eu entendo aqui não somente o que comer, mas o que beber, o que vestir e onde morar.
 
Uma relacionada ao nosso relacionamento com o nosso próximo que envolve principalmente o perdão e de forma condicionada, isto quer dizer que seremos perdoados sim, com certeza, mas se também perdoarmos aos que nos devem.
 
Uma relacionada à nossa vida espiritual no sentido de andarmos em fidelidade aos mandamentos do Senhor, sendo o pedido ao Senhor o “não nos deixar cair em tentação”. Quando será que Deus nos deixará cair em tentação? Pela rejeição de seu conhecimento (ver Romanos capítulo primeiro), portanto se você está em pecado ou se inclinando de uma forma anormal à tentação, pode ter certeza de que você ou está ou estará, em breve, rejeitando o conhecimento de Deus. Um escritor antigo, John Owen, disse que quando você se sente atraído pelo pecado – apenas a atração – você já entrou em tentação, mas acalme-se, ainda não caíste.
 
Uma última relacionada à livramento: livrá-nos de todo mal. Deus é o nosso escudo e nos dará livramento que somente na eternidade saberemos.
 
  1. Que há uma ênfase no que concerne ao reino de Deus e óbvio seu poder e sua glória. Primeiro numa petição a Deus “venha o teu reino”, depois a declaração; “pois teu é o reino”. As parábolas de Jesus nos ensinavam sobre o reino e a pregação é a do evangelho do reino. Ao falarmos tanto de reino, o que nos vem à mente senão,  a figura de um Rei? E quem é o nosso Rei? Ele o Senhor que nos está ensinando a oração do “Pai Nosso”.
 
Sobre o Rei: “33 O profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis os seus caminhos! 34 Porque quem compreendeu a mente do Senhor? ou quem foi seu conselheiro? 35 Ou quem lhe deu primeiro a ele, para que lhe seja recompensado? 36 Porque dele e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém.” (Rm 11: 33-36).
 
Na próxima vez em que você orar o Pai Nosso pense nas lições que o Senhor nos deixou e que ainda ele abriu mão de sua própria vida para dá-la a nós que somos seu povo. Ao desenvolvermos e cultivarmos uma atitude e uma disposição mental de nos preocuparmos com o “nós” e não somente com o “eu” estaremos mais próximos do reino de Deus: “E Jesus, vendo que havia respondido sabiamente, disse-lhe: Não estás longe do reino de Deus. E já ninguém ousava perguntar-lhe mais nada.” (Mc 12:34).
 
A Deus toda a glória! - Acompanhamento de Minhas Leituras Diárias
 
  • Já estou no capítulo 36 do livro de Ezequiel - Bíblia Shedd (Shedd Bible), ARA – 2ª ed. – Ed. Vida Nova, Russell P. Shedd.
  • Estou na pág. 575/660, do livro Criação e Consumação (From Creation To Consummation), Vol. 1 – O Reino, a Aliança e o Mediador – ed. Cultura Cristã. Gerard Van Groningen.
  • Estou com 05h37m43s da segunda parte com 10h24m22s depois de terminar a primeira parte de 09h00m35s da parte 1/2 de áudio de VERDADE ABSOLUTA - Libertando o Cristianismo de seu Cativeiro Cultural, Nancy Pearcey, 1ª edição/2006, ed. CPAD.
  • Já ouvi [em breve, relacionarei tudo que já li e ouvi nesses 365 dias de propósitos]:
  • 08h06m54s de 13h26m47s de áudio do livro UMA HISTÓRIA DO PENSAMENTO CRISTÃO - Dos Primórdios ao Concílio de Calcedônia - Justo L. González
  • 9h15m40s de áudio de CALVINISMO – o canal em que se moveu a Reforma do século 16, enriquecendo a vida cultural e espiritual dos povos que o adotaram. O sistema que hoje a igreja cristã deve reconhecer como bíblico – de Abraham Kuyper (1837 – 1920).
 
Observações:
  • Eu tenho ciência da necessidade de me cuidar na alimentação correta e da necessidade de fazer exercícios físicos regulares por causa de minha vida altamente sedentária. Fica aqui o registro da necessidade, veremos quanto tempo levará para eu tomar uma atitude. (registrado em 02/04/2010).

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.