domingo, 20 de dezembro de 2009

365 dias de propósito! Dia 152/365

Minha LBH: Estou no capítulo 21 do livro de Jó. Terminei o livro O ESCÂNDALO DO COMPORTAMENTO EVANGÉLICO - Por que os evangélicos estão vivendo exatamente como o resto do mundo?, de Ronald J. Sider (Título original: The Scandal of the Evangelical Conscience). Hoje iniciarei o livro CRIAÇÃO E CONSUMAÇÃO - Volume 1. Gerard Van Groningen. Editora Cultura Cristã – 656 páginas. Quanto às Institutas de João Calvino, parte III, que estou ouvindo em meu N95, no UNO, já estou em 16h20m07s/25h56m37s.

 

Eu levei 9 dias para ler o livro de Sider. A média, portanto, foi de 15 páginas por dia. O livro não é difícil de entender e tem a função de nos despertar para a realidade do evangelho nas igrejas dos EUA. Dizer e afirmar por meio de estatísticas, por exemplo, que o  número de divórcios no meio evangélico é maior do que no mundo secular é alarmante. Imaginem então questões como a violência doméstica, racismo, materialismo sendo mais frequentes no meio evangélico que em outro lugar?

 

Com os lábios dizemos que Jesus é o Senhor e com nossas ações demonstramos maior lealdade ao dinheiro, ao sexo e aos interesses pessoais. As estatísticas foram conduzidas por institutos de pesquisas respeitados, entre eles, o Gallup e o Barna Group. Como pode o crente moderno estar assim com um estilo de vida mais hedonista, materialista, egoísta e imoral do que os que são do meio secular? A moda hoje parece ser o evangelho da satisfação pessoal.

 

A psicologia pop, diz Sider, prega que temos o direito de decidirmos o que é melhor e o que nos proporciona felicidade pessoal e se meu cônjuge não está me satisfazendo, eu tenho o direito de ir após outro que me satisfaça. Não há compromisso com Deus, pelo contrário, Deus tornou-se escravo deles, pois além de assim procederem em busca da tal felicidade, ainda exigirão de Deus a bênção com o outro, inda que do mesmo sexo.

 

Hoje é tudo relativizado. As regras morais e conceitos verdadeiros se tornaram meros jogos de poder entre grupos, raças e classes. Nada mais pode ser considerado certo ou verdadeiro. A crença moderna é que o que é certo para mim não é necessariamente certo para o outro, e vice-versa. O pecado imperdoável é, então, afirmar que existem absolutos como o certo e o errado.

 

O homem rejeitou mesmo o conhecimento de Deus para dar ouvidos a Charles Darwin que defendeu a idéia de que todas as coisas resultavam de um processo evolutivo casual e, destarte, a ética e os conceitos religiosos passaram a ser vistos como noções meramente subjetivas. Foi e está sendo o triunfo do relativismo.

 

E os crentes em Jesus Cristo, mesmo aqueles que crêem terem nascidos de novo, como explicou a pesquisa, estão adotando a visão relativista das coisas. Isso também explica o crescente número de igrejas independentes que surgiram por questões muitas das vezes frívolas e de total rebeldia. A autoridade não é respeitada, antes contrariada. O pensamento reinante é "...ninguém me obriga a ir a lugar algum nem tenho de dar satisfação de meus atos a esses pastores; sou livre para ir buscar a Deus onde eu quiser e da forma que eu quiser e Deus está obrigado a me abençoar e me aceitar do jeito que eu quiser..."

 

Como será essa realidade no Brasil? Será que nossos crentes são mais crentes e apegados à cosmovisão cristã que olha o mundo conforme os olhos de Deus? Seria muito interessante que algum seminário ou escola teológica desenvolvesse tal pesquisa.

 

Você cre que Deus exite e que a sua palavra é a Bíblia? Então viva coerentemente conforme a tua crença para não correr o risco de ir após o mundo. Que Deus nos dê um domingo abençoado em sua presença. Daqui há pouco irei para a melhor escola do mundo. Vamos? Lá darei aula de cosmovisão cristã. A Deus toda a glória.

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.