segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

365 dias de propósito! Dia 146/365

Minha LBH: Estou no capítulo 3 do livro de Jó. No livro O ESCÂNDALO DO COMPORTAMENTO EVANGÉLICO - Por que os evangélicos estão vivendo exatamente como o resto do mundo?, de Ronald J. Sider (Título original: The Scandal of the Evangelical Conscience), estou na página 50/134. Quanto às Institutas de João Calvino, parte III, que estou ouvindo em meu N95, no UNO, já estou em 12h36m49s/25h56m37s.

 

Todos nós que lemos Jó ficamos extasiados com tamanho sofrimento e a primeira pergunta que surge nos nossos corações é porquê? (antes de prosseguir, recomendo você ouvir uma mensagem entitulada PORQUÊ? Ministrada pelo Rev. Sabino Cordeiro Dourado, pastor titular da "Primeirona" – Primeira Igreja Presbiteriana de Taguatinga que se encontra disponibilizada também no YouTube: http://www.youtube.com/watch?v=KEKzUMwEbrI).

 

Porque tanto sofrimento? Porque Jó foi acometido de tantas tribulações, justamente ele de quem Deus testemunha de que era reto e íntegro? Porque Deus o permitiu? São tantos porques que ficamos também intrigados. Ao lermos o livro e ao meditarmos em sua narrativa, o que esperamos? Na primeira vez que o li, eu sinceramente esperava encontrar respostas para todos os meus porquês, mas fiquei tremendamente frustrado. Surgiram mais dúvidas.

 

Quando também vemos a história de Jesus e as narrativas que envolvem seu nome existe em nós expectativas procurando saber as razões e os porquês de muitas coisas, mas também Jesus não parece nem dar bola às questões que lhe são formadas. Ele não se interessa em responder, mas se limita a fazer sua apresentação pessoal e associá-la à sua sabedoria e poder. Para Jó isso foi suficiente. Ele Jó abandonou os seus porquês trocando-os pelo conhecimento do Santo. Para ele, Jó, bastou saber que Deus é quem soberana, sabiamente e com amor é quem controla todas as coisas.

 

Nós também não precisamos saber os porquês, primeiro porque muitos porquês não entenderíamos ainda que Deus nos explicasse detalhe por detalhe. Mais do que entender, nós fomos chamados para confiar. Deus não abre mão disso. Deus exige confiança 100%. Se, por exemplo, 100 pessoas se apresentassem para nós e 99 delas se travestissem de Deus e dissessem "eu sou o pão da vida", Deus exigiria de nós confiança plena e cabal em sua afirmação contra aquelas 99 falsas.

 

Deus nada explicou para Jó. Jesus nada explicou para seus discípulos. Ambos exigiram de Jó e dos discípulos confiança plena, cabal e reconhecimento de seu poder, soberania, sabedoria e bondade. Reparem nas outras religiões e em outros deuses e vejam a diferença. Nosso Deus se nos impõem, os outros deuses explicam. Nosso Deus exige e pede confiança plena, cabal e absoluta, os outros deuses esperam que alcancemos alguma espécie de libertação pela gnose de algo. Não é o conhecimento que liberta, mas Deus (corro o risco de ser mal interpretado).

 

Não quero dizer com isso que somos irracionais e desprezadores do intelecto. Depois que conhecemos o Senhor e confiamos nele passamos a entender melhor alguns porquês complicadíssimos por causa do seu Espírito que em nós habita. Ainda voltaremos a meditar nesse assunto. Por hoje é só!

 

A Deus toda a glória.

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.