sábado, 25 de julho de 2015

Dia 20/40 - LOBO E CORDEIRO, LEÃO E BOI, JUNTOS...

Nossa reflexão de hoje sobre a unidade, sobre o estar juntos nos levará novamente ao livro de Isaías.
Is 65:24 E acontecerá que, antes de clamarem eles, eu responderei;
e estando eles ainda falando, eu os ouvirei.
Is 65:25 O lobo e o cordeiro juntos se apascentarão,
o leão comerá palha como o boi;
e pó será a comida da serpente.
Não farão mal nem dano algum
em todo o meu santo monte, diz o Senhor. Is 65.24, 25.
Do verso 17 ao 25 deste capítulo, veremos os novos céus e a nova terra! É Deus quem cria todas as coisas, inclusive novos céus e nova terra. O novo ato de Deus é experimentado agora em suas bênçãos. (42:9; 43:18-19; 48:6; 60:19-22; II Pe 3:13; Ap 21:1).
Das coisas passadas, das adversidades e desgraças, jamais haverá novamente memória delas. Isso não significa um apagão geral com perda de identidade e do senso de pertencimento ao mundo, a Deus e ao tempo.
Deus colocou no coração dos homens a eternidade, mas estamos presos, momentaneamente, no tempo e no espaço, assim, mesmo sabendo de que um dia morreremos, sabemos de alguma forma que seremos ressuscitados por ele, para vivermos eternamente com ele. É muita glória que apenas sentimos seu frescor de bem longe, mas é só por uns instantes...
Os santos, os eleitos, os remanescentes, os que o buscam, devem celebrar agora a vinda da salvação (66:10) e se alegrarem perpetuamente, pois que ele cria para Jerusalém motivos de exultação e para o povo, motivos de grande gozo – vs. 18. Isaías faz alusão à linguagem de Gn 1:1 para atrair a atenção para a renovação radical do mundo que acontecerá quanto à restauração do seu povo for completada (Rm 8:18-25).
Deus exultará em Jerusalém e se alegrará no seu povo e doravante nunca mais se ouvirá voz de choro, nem de clamor – vs. 19; Ap 21:4.
O fato de não haver mais ali nem crianças, nem velhos, trata-se apenas de declarações poéticas que expressam a vida sem fim que chegará ao clímax da restauração após o exílio. Elas prometem uma vida significativa e abençoada para todos, em contraste com a doença e a morte prematura que resultaram da maldição de Deus (Dt 28:20-22).
Por isso que edificarão casas e as habitarão e plantarão vinhas e comerão dos seus frutos, o que hodiernamente nem sempre é uma garantia. Nem todos os que constroem, nem os que plantam são os que desfrutam, por causa do pecado, da presença do mal e da morte no mundo, decorrentes das maldições de Deus.
Como é triste edificar para outros habitarem e plantar para outros desfrutarem. Isso terá um fim uma vez que os dias de cada um de nós será como o das árvores e os seus escolhidos poderão gozar por longo tempo das obras de suas mãos – vs. 22.
Não trabalharão debalde, nem terão filhos para a calamidade, pois que serão a descendência bendita do Senhor. O oposto do julgamento de Deus sobre a existência humana (Gn 3:16-18). Tanto eles quanto seus descendentes serão abençoados pelo Senhor (cf. 61:9). .
Assim, antes de clamarem e ainda estando eles falando, o Senhor já estaria vindo com a resposta e com a providência. Uma figura que significa que não haverá tempo para tristeza entre a oração e o louvor (30:19; 58:9). Hoje sofremos e padecemos em oração, muitas vezes sem entender porque o socorro tardou ou porque o Senhor não respondeu ou porque ainda fez outra coisa que não esperávamos. 

Nesse tempo, haverá paz na criação, paz para a comunidade redimida (11:6-9).  O lobo e o cordeiro juntos se apascentarão, o leão comerá palha como o boi, isto é, haverá respeito, unidade e diversidade, mas o pó será a comida da serpente, uma alusão a Gn 3:14. A maldição de Satanás será finalmente consumada. Nem mal nem dano algum se fará em todo santo monte. Significa ausência de toda desgraça e injúria para todo o sempre!
...


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.