segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

Números 36: 1-13 - UMA OBSERVAÇÃO ADICIONAL ACERCA DAS HERANÇAS.

Finalizando Números, finalizando a terceira subparte 3). Olhando para a conquista futura que vai de 32:1 ao 36:13, a qual foi dividida em 6 seções, estaremos vendo agora a sexta e última  seção: 6) Uma observação adicional acerca das heranças – 36:1-13.
A observação adicional diz que os chefes de família de um clã de Manassés apresentaram a Moisés um problema decorrente de sua decisão anterior – 27:8 – segundo a qual, se um homem não tivesse nenhum filho, uma filha poderia receber a herança. Esses chefes temiam que isso resultasse na transferência de terras de uma tribo para outra.
Com isso, tudo agora estava preparado para o avanço esperado e todos aguardavam este momento que não poderia se dar com Moisés vivo.
Uma nova fase, com um novo líder, com uma nova proposta e trabalho, estava prestes a começar e, com certeza, havia, entre o povo, uma grande expectativa dos eventos a seguir.
Todas as instruções foram dadas e o povo apenas deveria obedecer para que o sucesso fosse total e cabal. Tudo pronto! No entanto, muita coisa estava ainda para acontecer. Jamais podemos deixar de perceber em todos os relatos a preservação da semente messiânica que traria o Messias no futuro distante de Israel.
Nm 36:1 E chegaram os chefes dos pais da família de Gileade,
               filho de Maquir, filho de Manassés, das famílias dos filhos de José,
                              e falaram diante de Moisés, e diante dos príncipes,
                                            chefes dos pais dos filhos de Israel,
Nm 36:2 E disseram:
               O SENHOR mandou a meu senhor que, por sorte,
                              desse esta terra em herança aos filhos de Israel;
                                            e a meu senhor foi ordenado pelo SENHOR,
                                                           que a herança do nosso irmão Zelofeade
                                                                          se desse às suas filhas.
               Nm 36:3 E, casando-se elas com alguns dos filhos
                              das outras tribos dos filhos de Israel,
                                            então a sua herança será diminuída da herança
                              de nossos pais, e acrescentada à herança da tribo
                                            a que vierem a pertencer; assim se tirará da sorte
                                                           da nossa herança.
               Nm 36:4 Vindo também o ano do jubileu dos filhos de Israel,
                              a sua herança será acrescentada à herança da tribo
                                            daqueles com que se casarem;
                              assim a sua herança será tirada da herança
                                            da tribo de nossos pais.
Nm 36:5 Então Moisés deu ordem aos filhos de Israel,
               segundo o mandado do SENHOR, dizendo:
A tribo dos filhos de José fala o que é justo. Nm 36:6 Isto é o que o SENHOR
               mandou acerca das filhas de Zelofeade, dizendo:
Sejam por mulheres a quem bem parecer aos seus olhos, contanto que se casem
               na família da tribo de seu pai.
Nm 36:7 Assim a herança dos filhos de Israel não passará de tribo em tribo;
               pois os filhos de Israel se chegarão cada um à herança
                              da tribo de seus pais. Nm 36:8 E qualquer filha que herdar
               alguma herança das tribos dos filhos de Israel se casará com alguém
                              da família da tribo de seu pai;
               para que os filhos de Israel possuam cada um a herança de seus pais. Nm 36:9 Assim a herança não passará de uma tribo a outra;
               pois as tribos dos filhos de Israel se chegarão
                              cada uma à sua herança.
Nm 36:10 Como o SENHOR ordenara a Moisés,      
               assim fizeram as filhas de Zelofeade.
Nm 36:11 Pois Maalá, Tirza, Hogla, Milca e Noa, filhas de Zelofeade,
               se casaram com os filhos de seus tios. Nm 36:12 E elas casaram-se
                              nas famílias dos filhos de Manassés, filho de José;
                                            assim a sua herança ficou na tribo
                                                           da família de seu pai.
Nm 36:13 Estes são os mandamentos e os juízos que mandou o SENHOR
               através de Moisés aos filhos de Israel nas campinas de Moabe,
                              junto ao Jordão, na direção de Jericó.
Números acaba assim de repente, sem sinal de fim. O próximo evento esperado seria o encerramento do ministério de Moisés com a sucessão da liderança. Isso apenas veremos no próximo livro, Deuteronômio, do capítulo 31 ao 34.
Números começou no deserto e acabou no deserto e seu título no hebraico deriva da quinta palavra do primeiro versículo de Números cujo significado é este: “no deserto”.
Uma geração começa e termina no deserto sem herdar a sua herança. Uma segunda geração, surgida no deserto, alguns ainda tinham nascido no Egito, é que vai entrar na terra santa, da promessa de Deus.
O evento que iniciou Números foi o levantamento do censo de Israel por Moisés por parte do Senhor que mandou e o último versículo de Números termina dizendo que estes são os mandamentos e os juízos que mandou o Senhor, através de Moisés, aos filhos de Israel, nas campinas de Moabe, junto ao Jordão, na direção de Jericó.
Quem mandou os mandamentos e os juízos foi Deus mesmo que usou seu mediador Moisés e que está prestes a trocar o mediador por Josué.
Tudo começou em 01/02/02 (no segundo ano, no primeiro dia do segundo mês) exatamente treze meses depois do êxodo do Egito e relatou os acontecimentos ocorridos ao longo de 39 anos. A morte de Arão, por exemplo, ele morreu dia primeiro, no quinto mês, no quadragésimo ano (05/01/40), com 123 anos de idade. Números se encerra antes da morte de Moisés, antes da entrada do povo na terra prometida.

Conclusão do livro de Números.

Novamente, estou satisfeito com o resultado alcançado se bem que acho que ainda há muito a melhorar. De fato é muito bom terminarmos algo que começamos! Como é bom termos propósitos e levarmos a sério nossa missão! Como é bom termos fé neste Deus maravilhoso cuja graça é maior do que a nossa vida!
O povo de Deus estava no deserto já havia treze meses e Deus dá ordens a Moisés para fazer um censo e levantar o número de soldados prontos para a batalha com idade superior a 20 anos.
Assim, pude constatar que este é um livro que possui um início preciso, pontual, mas não tem um fim certo. Parece até que foi interrompido bruscamente.
Ele começou com aquela ordem de Deus e termina com o narrador dizendo que estes são os mandamentos e os juízos que mandou o SENHOR através de Moisés aos filhos de Israel nas campinas de Moabe, junto ao Jordão, na direção de Jericó.
Do início ao fim é Deus orientando, esclarecendo, falando, instruindo, mostrando o quê, como, de que forma, quando, quanto, por quanto tempo.
Percebe-se assim o Deus imanente na história de Israel e que se utiliza de líderes por ele escolhidos para realizarem as suas obras, no caso aqui, para conduzir o povo do Egito à terra de Canaã.
Foram 40 anos num território em que a jornada iria durar apenas 40 dias. Matematicamente a proporção é de 1:360. Era melhor o povo ter ficado calado do que ter murmurado.
Mas, até isso foi misericórdia e grande tolerância divina a qual poderia ter exterminado na hora toda aquela geração incrédula e reprovada, mas não, a suportou por 40 anos e esperou o seu fim. Todos estavam morrendo e a nova geração ia surgindo.
Apenas 2 de milhões conseguiram passar para a próxima faze, por quê? Por que neles houve outro espírito, o Espírito Santo. Aqui a voz de Deus com certeza não era a voz do povo.
Há tantas lições em Números! E o que dizer das roupas que cresceram junto com os corpos, do maná que nunca cessou, da nuvem de dia e da coluna de fogo de noite, dos milagres, das maravilhas, das aventuras e da presença gloriosa de Deus na vida do povo?
Cada vez que me dedico ao estudo das Escrituras, cada vez mais me convenço que Deus tanto é onipotente, como soberano.
Sem dúvida: A DEUS TODA A GLÓRIA!
A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdete – 
http://www.jamaisdesista.com.br
...


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.