quinta-feira, 24 de março de 2016

I João 3 1-24 - OS FILHOS DO DIABO.

Como já dissemos, João, o apóstolo amado, escreveu sua primeira epístola para alertar sobre os falsos mestres que ensinavam que Cristo não tinha verdadeiramente vindo em carne e incentivar um estilo de vida apropriado para os seguidores do Cristo encarnado. Estamos vendo o capítulo 3/5.
Breve síntese do capítulo 3.

É coisa séria o que está falando o discípulo do amor com relação ao nosso próximo! E não venha me perguntar quem é o nosso próximo como fizeram com Jesus.
Este capítulo é especial quando quisermos chamar a atenção para o que Deus fez por nós. As palavras são duras para quem insiste em desprezar seu irmão, ignorá-lo e não perdoá-lo. João chega a chamá-los de filhos do diabo!
Porque não perdoamos ou queremos não perdoar? Será porque somos melhores que nosso irmão? Se somos melhores do que eles, temos de que nos orgulhar, mas não diante de Deus que tudo vê.
Vejamos o presente capítulo com mais detalhes, conforme ajuda da BEG:
III. “JESUS É O CRISTO" E SUAS IMPLICAÇÕES MORAIS (2.18 - 3.24) - continuação.
Como dissemos, dos vs. 2.18 ao 3.24, estamos vendo João falando de que “Jesus é o Cristo" e suas implicações morais.
Essa parte foi dividida em duas seções: A. Advertência sobre a heresia do anticristo (2.18-27) – já vimos; e, B. Vivendo corno filhos de Deus (2.28-3.24) – concluiremos agora.
B. Vivendo como filhos de Deus (2.28-3.24) - continuação.
Como falamos, dos vs. 2.28 ao 3.24, estamos vendo como é na ótica de João viver como filhos de Deus. Essa seção também foi dividida em duas: 1. Puro e justo (2.28-3.10) – concluiremos agora; 2. Amar uns aos outros (3.11-24) – veremos agora.
1. Puro e justo (2.28-3.10) - continuação.
Vimos, dos vs. 2.28 ao 3.10, que João nos ensina que a primeira implicação de ser filho de Deus é que os cristãos devem lutar pela pureza e pela justiça.
Todos os que recebem Cristo desfrutam da maravilha de serem filhos de Deus (veja Jo 1.12). Isso é muita bênção, mas também há muitas responsabilidades.
Assim, entendemos que há dois tipos de filhos de Deus: 1. Por criação, pois, afinal, todos fomos criados por Deus, então, todos somos filhos de Deus; 2. Por adoção. Nem todos somos filhos de Deus, da família de Deus, mas somente os que o recebem.
Se somos filhos de Deus, purificamo-nos a nós mesmos, assim como ele é puro! – Vs. 3. Pelo fato de os cristãos serem filhos de Deus, eles serão glorificados como Cristo quando ele retornar (Rm 8.29-30).
Mas enquanto os cristãos esperam por esse dia, eles devem se abster da contaminação do pecado porque compreendem que Deus é puro.
Esse tema é muito semelhante à ligação anterior entre Deus como luz e os cristãos vivendo na luz (1.5-22).
A promessa do aparecimento de Cristo que gera essa esperança – vs. 3 - enche os cristãos de confiança, e não de preocupação (1Ts 4.13-18).
O contraste fundamental entre luz e trevas e entre os filhos de Deus e aqueles que são do mundo está explicado agora como um contraste entre aqueles que obedecem às leis de Deus e aqueles que quebram essa lei. Repare bem no vs. 4.
Os princípios morais da lei de Deus ainda se aplicam aos cristãos, ainda que eles não mais estejam condenados pela lei (a BEG recomenda aqui a leitura de seu excelente artigo teológico "Os três usos da lei", em SI 119 – pedagógico, civil e moral).
O que Jesus, em suma veio, fazer na terra passando pelo que passou se não, principalmente, para tirar os nossos pecados? Jesus tirou a maldição do pecado, mas ele também eliminou o domínio dele de sobre a vida dos cristãos (Rm 6.6-7).
Como resultado, os cristãos podem agora viver vidas que são agradáveis a Deus. O cristão agora não vive mais pecando – vs. 6. Literalmente esse “vive pecando... vive pecando” é "peca... peca". Essa tradução (cf. vs. 9) sugere que João tinha em mente o comportamento usual ou característico de uma pessoa.
De acordo com essa visão, João reconhecia, mas não desculpava, a possibilidade de pecar. Diversas outras interpretações têm sido sugeridas.
Por exemplo, a forma de expressão de João pode simplesmente indicar o que os cristãos não deveriam fazer (p. ex., "Bons cidadãos não desrespeitam as leis de trânsito").
O significado dessa interpretação para a vida dos cristãos não é muito diferente da primeira interpretação.
Uma terceira visão, no entanto, argumenta que João tinha em mente o pecado específico da apostasia (mencionado em 2.19 e possivelmente aludido em 5.16-18).
Nesse caso, João quis dizer que o verdadeiro cristão não irá abandonar totalmente a sua fé.
Se Jesus veio na terra, passando pelo que passou, para tirar os nossos pecados, então, ele também veio para destruir as obras do diabo – vs. 8 – “Para isso o Filho de Deus se manifestou: para destruir as obras do diabo”.
A oposição entre Cristo e Satanás foi prognosticada já em Gn 3.15. A obra destrutiva de Satanás usou a justa lei de Deus como um instrumento para prender o prisioneiro pecador sob o medo da morte e da condenação. Por ter sofrido a punição devida aos pecadores sob tal lei, Cristo destruiu as obras de Satanás na sua base (Hb 2.14-15).
João esclarece no vs. 9 que todo aquele que é nascido de Deus não pratica o pecado, porque a semente de Deus permanece nele; ele não pode estar no pecado, porque é nascido de Deus.
Dessa forma, fica claro e manifesto quem são os filhos de Deus e quem são os filhos do diabo – vs. 10. Nisto são manifestos os filhos de Deus e os filhos do diabo.
João identificou uma maneira segura de distinguir entre os filhos de Deus e os filhos do diabo. Sua linguagem aludiu tanto às distinções de Gn 3.15, em que os descendentes de Eva são contrastados com os descendentes da serpente, quanto à declaração de Jesus de que o pai dos fariseus era o diabo (Jo 8.44).
No sentido de hábitos e orientação de vida, os filhos de Deus fazem aquilo que é correto. Mencionar de modo geral a vida justa é insuficiente. Como em várias expressões nessa carta, o principal interesse de João era mostrar que vida justa é demonstrada pelo nosso amor pelos outros cristãos.
2. Amar uns aos outros (3.11-24).
Tendo introduzido a ideia de que os filhos de Deus serão puros e justos como Deus o Pai e Cristo, João voltou-se para uma aplicação específica que ele considerava importante para os seus leitores.
Ele esclarece no vs. 11 que essa é a mensagem que temos ouvido desde o princípio: que nos amemos uns aos outros. Provavelmente seja essa uma referência ao ministério terreno de Cristo (veja 1.1; 2.7). A lei do amor não foi uma invenção de João. O mandamento de Cristo é reforçado pelo seu próprio dom do amor (Jo 13.34-35).
A história do mundo é um relato de ódio que remonta ao conflito arquetípico entre Caim e Abel (Gn 4.1-16). João traçou o ódio de Caim com a radical incompatibilidade de seus motivos com os de Abel (Jo 3.19; 8.37).
Essa incompatibilidade existirá sempre entre o mundo e o povo de Deus (vs. 13), mas essa animosidade não faz parte do companheirismo entre os cristãos.
Sua ausência é uma prova concreta de que os cristãos passaram "da morte para a vida" (vs. 14). Porém, se tal animosidade ocorre no companheirismo, isso significa uma rejeição tácita do evangelho de Cristo (vs. 11).
João falando do amor dá provas de sua manifestação ao afirmar que ele nos deu a sua vida – vs. 16-17. Aqui João revelou uma maneira na qual a encarnação é importante para a vida cristã.
Jesus o homem nos amou de tal maneira que deu a vida por nós, aceitando a dor da morte na cruz para que fôssemos salvos da destruição eterna (Jo 10.11-15).
O amor dos cristãos uns pelos outros deve ser demonstrado por decisões práticas semelhantes, até mesmo incluindo a disposição de morrer pelo outro. João mencionou a ajuda material como um exemplo menos custoso (vs. 17; cf. Tg 1.27).
Dizer que se ama é muito fácil, por isso que ele nos exorta dizendo que não amemos apenas de boca, mas em ação e em verdade.
Há ocasiões em que o coração dos cristãos não confirma que eles são filhos de Deus, mesmo quando suas vidas se conformam ao ensino de 1João. João assegurou seus leitores – vs. 19 - que nesse caso eles deveriam "tranquilizar o coração". Isso por causa do vs. 18 que pede que o amor vá além das palavras, mas seja pragmático.
E se o nosso coração nos condenar? A palavra é usada também em 4.4, sugerindo um conflito real no qual Deus prevalece sobre o coração dos cristãos. A Palavra de Deus que absolve os cristãos deveria prevalecer sobre a palavra do coração deles, que os condenam.
Como é importante uma boa consciência diante de Deus. Ela nos gera paz, segurança e grande esperança, além de muita confiança com Senhor a ponto de termos certeza, pela fé, de que tudo que pedimos ao Senhor, dele receberemos. Essa confiança deve estar fundamentada, obviamente, na consciência de que os desejos dos cristãos concordam com os de Deus (1Jo 5.14-15).
Ele então expõe esse mandamento: - que creiamos no nome de seu Filho Jesus Cristo e que nos amemos uns aos outros, como ele nos ordenou - vs. 23. As duas partes desse mandamento refletem as duas partes dos Dez Mandamentos, lembrando aos cristãos que a sua relação com Deus tem prioridade sobre os relacionamentos deles com quaisquer outras pessoas. A fé em Cristo orienta corretamente os cristãos para Deus e capacita-os a amar uns aos outros.
Um aspecto da obra do Espírito Santo no coração dos cristãos é assegurá-los de que eles estão em Cristo. No entanto, o sentido que eles têm de sua segurança deve ser divorciado de sua obra mais objetiva de capacitá-los a obedecer à verdade.
I Jo 3:1 Vede que grande amor nos tem concedido o Pai,
a ponto de sermos chamados filhos de Deus;
e, de fato, somos filhos de Deus.
Por essa razão, o mundo não nos conhece,
porquanto não o conheceu a ele mesmo.
I Jo 3:2 Amados, agora, somos filhos de Deus,
e ainda não se manifestou o que haveremos de ser.
Sabemos que, quando ele se manifestar,
seremos semelhantes a ele,
porque haveremos de vê-lo como ele é.
I Jo 3:3 E a si mesmo se purifica todo o que nele
tem esta esperança,
assim como ele é puro.
I Jo 3:4 Todo aquele que pratica o pecado
também transgride a lei,
porque o pecado é a transgressão da lei.
I Jo 3:5 Sabeis também que ele se manifestou
para tirar os pecados,
e nele não existe pecado.
I Jo 3:6 Todo aquele que permanece nele
não vive pecando;
todo aquele que vive pecando
não o viu,
nem o conheceu.
I Jo 3:7 Filhinhos, não vos deixeis enganar por ninguém;
aquele que pratica a justiça é justo,
assim como ele é justo.
I Jo 3:8 Aquele que pratica o pecado
procede do diabo,
porque o diabo vive pecando desde o princípio.
Para isto se manifestou o Filho de Deus:
para destruir as obras do diabo.
I Jo 3:9 Todo aquele que é nascido de Deus
não vive na prática de pecado;
pois o que permanece nele é a divina semente;
ora, esse não pode viver pecando,
porque é nascido de Deus.
I Jo 3:10 Nisto são manifestos
os filhos de Deus
e os filhos do diabo:
todo aquele que não pratica justiça
não procede de Deus,
nem aquele que não ama a seu irmão.
I Jo 3:11 Porque a mensagem que ouvistes desde o princípio é esta:
que nos amemos uns aos outros;
I Jo 3:12 não segundo Caim,
que era do Maligno
e assassinou a seu irmão;
e por que o assassinou?
Porque as suas obras eram más,
e as de seu irmão, justas.
I Jo 3:13 Irmãos, não vos maravilheis se o mundo vos odeia.
I Jo 3:14 Nós sabemos que já passamos da morte para a vida,
porque amamos os irmãos;
aquele que não ama permanece na morte.
I Jo 3:15 Todo aquele que odeia a seu irmão
é assassino;
ora, vós sabeis que todo assassino não tem a vida eterna permanente em si.
I Jo 3:16 Nisto conhecemos o amor:
que Cristo deu a sua vida por nós;
e devemos dar nossa vida pelos irmãos.
I Jo 3:17 Ora, aquele que possuir recursos deste mundo,
e vir a seu irmão padecer necessidade,
e fechar-lhe o seu coração,
como pode permanecer nele o amor de Deus?
I Jo 3:18 Filhinhos, não amemos
de palavra,
nem de língua,
mas de fato e de verdade.
I Jo 3:19 E nisto conheceremos que somos da verdade,
bem como, perante ele, tranqüilizaremos o nosso coração;
I Jo 3:20 pois, se o nosso coração nos acusar,
certamente, Deus é maior do que o nosso coração
e conhece todas as coisas.
I Jo 3:21 Amados, se o coração não nos acusar,
temos confiança diante de Deus;
I Jo 3:22 e aquilo que pedimos dele recebemos,
porque guardamos os seus mandamentos
e fazemos diante dele o que lhe é agradável.
I Jo 3:23 Ora, o seu mandamento é este:
que creiamos em o nome de seu Filho, Jesus Cristo,
e nos amemos uns aos outros,
segundo o mandamento que nos ordenou.
I Jo 3:24 E aquele que guarda os seus mandamentos
permanece em Deus,
e Deus, nele.
E nisto conhecemos que ele permanece em nós,
pelo Espírito que nos deu.
Oremos para que nossos corações insensatos e insensíveis se tornem mais dedicados aos nossos irmãos. Você quer melhorar seu relacionamento com Deus, melhore seu relacionamento com o seu próximo!
p.s.: link da imagem original:
Contagem regressiva: Faltam 27 dias para 20/04/16 (Inicio: 05/05/15). Tu, SENHOR, conservarás em perfeita paz aquele cujo propósito é firme; porque ele confia em ti. (Is 26.3).
Obs.: nessa fase atual das postagens do Jamais Desista, a estruturação e a divisão dos assuntos e os comentários produzidos são, em sua grande maioria, baseados na Bíblia de Estudo de Genebra – BEG.
A Deus toda glória! p/ pr. Pr. Daniel Deusdete.
...
 


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.