sábado, 18 de julho de 2015

Zacarias 1 1-21 - AS OITO VISÕES DE ZACARIAS.

Sobre o livro de Zacarias – conforme a BEG.
Autor/características gerais:
·           O próprio profeta Zacarias é o autor do livro que leva o seu nome. Em Zc 1.1 se identifica o autor como "Zacarias, filho de Baraquias, filho de Ido".
·           A visão tradicional, a qual estamos adotando, é de que esse homem era um contemporâneo de Ageu, no século 6. a.C., e que todo o livro foi escrito por ele.
Propósito:
Encorajar a confiança nas profecias de Zacarias, não apenas nas referentes ao julgamento, mas, também, nas referentes às grandes bênçãos prometidas para Jerusalém quando o reino de Deus vier em sua plenitude.
Data:
520.475 a.C. (ministério de Zacarias).
Verdades fundamentais:
·           Deus prometeu bênçãos maravilhosas para o seu povo após o exílio, por meio de Zorobabel, o filho de Davi, e por meio de Josué, seu sumo sacerdote.
·           Apesar das falhas daqueles que retornaram do exílio, Deus não falharia em cumprir as suas promessas.
·           Deus tem todo o poder para derrotar seus inimigos e o fará algum dia.
·           Uma batalha final trará a vitória absoluta para o povo de Deus.
Contextualização:
O pano de fundo histórico de Zacarias é o mesmo de Ageu, mas seus ministérios diferem quanto à ênfase.
·           O trabalho de Ageu concentrou-se na reconstrução do templo.
·           O trabalho de Zacarias também estava preocupado com a reconstrução do templo, mas suas profecias também encorajaram o povo quanto a Jerusalém ser o local, num futuro de médio prazo, para o reino de Deus.
Visando um melhor entendimento dos acontecimentos históricos da época, apresentamos, a seguir, um quadro comparativo – conforme a BEG – entre Ageu, Zacarias e Esdras.
Zacarias contém uma variedade de formas literarias. As visões contidas na primeira parte são semelhantes às de Ezequiel e Daniel. O livro é sempre citado como um exemplo de literatura apocalíptica antecipada, e certamente métodos e temas característicos desse tipo de literatura estão em evidência.
·           No cap. 14, encontra-se a descrição de uma guerra final contra Jerusalém, na qual Deus sai como um guerreiro vitorioso para salvar o seu povo de seus inimigos.
·           Da mesma maneira, as visões dos cavalos (1.7-17), dos quatro carros (6.1-8) e da mulher dentro do efa (5.5-11) também podem ser vistas como formas antecipadas de literatura apocalíptica.
O bem-estar e o futuro de Jerusalém, como a cidade santa, é o tema difundido em Zacarias. Muitas das visões desenvolveram esse tema (1.7-17, 2.1-13; 5.1-4).
O cap. 8 traz o retrato de uma Jerusalém idílica, e o livro conclui com um capitulo que desenvolve esse tema (cap. 14).
O enfoque de Zacarias sobre Jerusalém reflete a teologia de Sião que é principalmente encontrada em SI 46-48; 132.
Cristo em Zacarias:
Zacarias falou tanto do futuro imediato de Israel como do futuro distante com Cristo.
Como ocorre com a maioria das profecias da restauração de Israel pós-exílio, as palavras de Zacarias tiveram um significado imediato para Zorobabel o filho de Davi; para Josué, o sumo sacerdote, e para Jerusalém.
Ao mesmo tempo, todavia, Zorobabel representava apenas a continuação e não o fim da linhagem davídica.
Josué também representava a continuação da linhagem sacerdotal e fazia parte dos homens de presságio (3.8).
Como resultado, o que foi dito sobre Zorobabel e Josué anteviu o que o último filho de Davi, o Messias, cumpriria um dia plenamente.
Por exemplo, as profecias sobre a bênção de Deus sobre Jerusalém (p. ex., 2.5,11) eram ofertas genuínas aos que retornaram do exílio.
Essas bênçãos poderiam ter sido percebidas em alguma extensão durante os primeiros anos pós-exílio, mas muitas se arderam por causa do pecado.
Mas o que foi oferecido a Zorobabel certamente se cumpriria no Messias, que traria todas as esperanças da dinastia de Davi e do sacerdócio ao seu pleno cumprimento por meio de sua perfeita obediência.
Portanto, podemos afirmar com certeza que Zacarias forneceu muitos vislumbres do Messias, Jesus.
·           Zacarias concentrou-se na família real de Davi (Zorobabel) e no sacerdócio zadoquita (Josué) como figura centrais na realização das bênçãos de Deus na restauração.
·           Não é de admirar, então, que o cumprimento desses dois papéis em Cristo esteja ligado às profecias de Zacarias.
·           Jesus é o Rei que entrou em Jerusalém montado num jumento, como foi profetizado em 9.9-10, passagem que foi citada por Mateus para referir-se à entrada triunfal de Jesus (Mt 21.1-11).
·           A traição e a morte de Cristo são citadas em 13.7.
·           Além do mais, Zacarias desenvolveu a figura messiânica de um ramo de videira que combina as funções de um sacerdote e do rei (3.8; 6.12).
Embora o Messias não seja especificamente mencionado em 2.5.10, a promessa da habitação de Deus no meio do seu povo se realizou em Cristo (Jo 1.14).
Da mesma maneira, a Festa dos Tabernáculos celebrada em 14.16-20, encontrará sua máxima expressão no estágio final do reinado do Messias nos novos céus e na nova terra (Ap 21.1-3).
Esboço de Zacarias – conforme a BEG:
Dividiremos o presente livro em duas grandes partes, as quais estaremos seguindo. As subdivisões serão vistas à medida que formos avançando. I. AS PROFECIAS COM APLICAÇÃO IMEDIATA (1.1 -8.23); II. AS PROFECIAS COM APLICAÇÃO NO FUTURO (9.1-14.20).
Zacarias 1 1-21 – Reflexões e segmentação.
Vamos então dar início às nossas reflexões e segmentação do livro de Zacarias.
I. AS PROFECIAS COM APLICAÇÃO IMEDIATA (1.1 -8.23)
Zacarias trouxe profecias que falaram de um futuro próximo da comunidade restaurada. O povo respondeu ao chamado de Zacarias com arrependimento.
O profeta teve oito visões que demonstraram a importância de Zorobabel e Josué no plano de Deus para os que retornaram do exílio, Zacarias relembrou os motivos para o exílio de Judá e apresentou a oferta de Deus de grandes bênçãos para os que retornaram se eles se arrependessem de suas hipocrisias.
Desde o primeiro versículo até o capítulo oito, estaremos vendo as profecias com aplicação imediata. Esses capítulos contêm profecias que foram entregues aos primeiros a retomarem do exílio, enquanto lutavam com o desafio de reconstruir o templo.
Esse material divide-se em titulo (1.1) e em quatro partes principais: uma mensagem introdutória (1.2-6), as oito visões (1.7-6.8), a coroação de Josué e a transformação de Jerusalém (7.1-8.23). Elas irão formão as subdivisões a seguir: A. Título (1.1) – veremos agora; B. Mensagem Inicial (1.2-6) – veremos agora; C. Ai oito visões noturnas (1.7-6.8) – começaremos a ver agora; D. A coroação de Josué (6.9-15); e, E. A transformação de Jerusalém (7.1-8.23).
A. Título (1.1).
No título, podemos identificar o profeta e o período do seu ministério.
Tudo aconteceu no oitavo mês do segundo ano de Dario, provavelmente em outubro-novembro de 520 a.C.
Zacarias começou o seu ministério dois meses depois que aqueles que retomaram do exílio retomaram a reconstrução do templo. Zacarias era filho de Berequias, neto de Ido e seu nome significa “o Senhor se lembra".
B. Mensagem Inicial (1.2-6).
Zacarias começou o seu ministério conclamando os que haviam retornado do exílio a arrependerem-se dos seus pecados.
O Senhor havia se irado e muito contra os antepassados do povo. Embora o povo já tivesse respondido ao chamado de Ageu para reconstruir o templo, o coração das pessoas ainda estava distante de Deus.
A ira que o Senhor havia demonstrado para com aquela geração de exilados ainda continuava até esse dia porque o povo continuou a rebelar-se contra ele.
Quem lê e estuda de forma desatenta pode imaginar que Deus é muito irascível, mas a sua ira não é como a dos homens apaixonada e desprovida de bom-senso, antes a sua ira é santa, justa e boa.
Ela é tão santa e boa como é a sua verdade, o seu amor e a sua justiça. Quando Deus se ira, jamais há nele desejo mal, antes são seus atributos santos e perfeitos que estão agindo e controlando o universo.
Por meio de seu profeta, Deus se dirige ao seu povo como o Senhor dos Exércitos. Essa tradução tradicional do nome do Senhor foi particularmente relevante para as visões que se seguiram (1.7-6.8).
Deus exigia deles uma atitude de se voltarem para ele, pois que em sendo assim, ele se voltaria para eles. A palavra hebraica traduzida por "tornar" também pode significar "arrepender-se".
O arrependimento envolve dar totalmente as costas ao pecado e voltar-se para Deus. O retorno de Deus envolveria dar totalmente as costas ao julgamento e voltar-se para abençoar o seu povo (vs. 16; 2.11).
O fato era que o povo estava caminhando rumo à perdição até que Deus em sua infinita misericórdia levanta Ageu e Zacarias para pregar ao povo o arrependimento. Se não houvesse a pregação, estariam até hoje seguindo outro caminho.
A resposta do povo somente viria por causa da pregação da palavra de Deus a qual estamos hoje, século XXI, conclamados a pregar para a nossa geração.
Deus os alerta de que não era para eles serem como os seus antepassados que não tinham dados ouvidos aos profetas pré-exílio ou do período do exílio (p. ex., Isaías e Jeremias). Eles não tinham ouvido (entenda obedecido), nem tinham atendido, uma vez que seus corações estavam endurecidos pelo engano do pecado. Seus pais demonstraram obstinação e rebelião (2Rs 17.13-15), consequentemente, as maldições da aliança (Dt 28.15-68) caíram sobre eles por causa de sua desobediência.
Nada acontece se não pregamos, mas quando pregamos há dois públicos. Um ouve, entende, se arrepende e se volta para Deus; outro, endurece seu coração para juízo.
Onde estariam agora os antepassados deles e os profetas? Todos haviam partido, mas não as palavras e decretos anunciados pelos servos de Deus, os profetas - Is 44.26. Eles se arrependeram - Ne 9.1-10.39; Dn 9.1-19 – e exclamaram que segundo as suas obras que mereciam, assim eles estavam recebendo.
Os que retornaram confessaram que seus pais mereceram o exílio, um tema proeminente entre os primeiros profetas. Além do mais, confessaram que eles mesmos haviam recebido da parte de Deus o que mereciam durante os decepcionantes primeiros anos de restauração.
Admitir a justiça do julgamento de Deus era um elemento crucial do arrependimento deles.
C. Ai oito visões noturnas (1.7-6.8).
Doravante, a partir do verso 7 até o capítulo 6.8, estaremos vendo as oito visões noturnas que Zacarias recebeu a respeito do que Deus faria com relação às dificuldades que os que retornaram enfrentaram.
Esse material divide-se em oito partes: o homem entre as murteiras (1.7-17), os quatro chifres e os quatro ferreiros (1.18-21), um cordel de medir (2.1-13), as vestes limpas para o sumo sacerdote (3.1-10), o candelabro de ouro e as duas oliveiras (4.1-14), o rolo voante (5.1-4), a mulher dentro do efa (5.5-11) e os quatro carros (6.1-8). Essas oitos partes formarão nossa divisão proposta, conforme a BEG: 1. O homem entre as murteiras (1.7-17) – veremos agora; 2. Os quatro chifres e os quatro ferreiros (1.18-21) – veremos agora; 3. Um homem com um cordel de medir (2.1-13); 4. As vestes limpas para o sumo sacerdote (3.1-10); 5. O candelabro de ouro e as duas oliveiras (4.1-14); 6. O rolo voante (5.1-4); 7. A mulher dentro do efa (5.5-11); 8. Os quatro carros e o sumo sacerdote (6.1-8).
1. O homem entre as murteiras (1.7-17).
A primeira visão foi a de um homem entre as murteiras. Esses versículos registram a primeira das oito visões que Zacarias recebeu no curso de uma noite (v. 8). Interessante e curioso que todas as visões vieram em uma única noite e que noite essa enfrentada pelo profeta de Deus!
A primeira visão enfatizou o compromisso de Deus com o povo da aliança de ser o restaurador de Jerusalém e o protetor da cidade contra as forças pagãs.
A visão conclamava o povo de Deus a olhar além das circunstâncias do momento e a colocar a sua confiança nas promessas do Senhor.
Tarefa difícil para cada um de nós que temos o costume errôneo de achar que estamos sós e que não há saídas para nossos dilemas enfrentados, muitas das vezes, pelas nossas próprias astúcias.
Na sua primeira visão:
·         Um homem montado em um cavalo vermelho.
·         Murtas[1] num desfiladeiro.
·         Um homem entre as murtas.
·         O anjo do Senhor que estava entre as murtas.
·         Zacarias.
·         Um anjo que falava com ele.
·         Cavalos vermelhos, marrons e brancos atrás do homem montado em um cavalo vermelho.
O relato ao anjo do Senhor que estava entre as murtas, por parte do homem que estava entre as murtas, foi de que toda a terra estava, agora, repousada e tranquila.
As nações auto-confiantes são comparadas ao estado judeu que se debatia com o governo persa. No entanto, a segurança que Deus ofereceu ao seu povo era de que as nações que se sentiam seguras passariam pelo julgamento – ver, por ex. Ob 3,8,18.
O anjo do SENHOR – vs. 12 - era o mensageiro de Deus que interpretou as visões para Zacarias (veja o vs. 19; 2.3; 3.1; 4.1 – a BEG recomenda, nesse momento, conhecer o seu excelente artigo teológico "Anjos"[2], em Zc 1).
Aquele anjo do Senhor perguntou ao Senhor dos Exércitos até quando deixaria ele de ter misericórdia de Jerusalém e das cidades de Judá, pois que já sua ira durava já setenta anos? Uma referência à profecia de Jr 25.11-12, que anunciou o exílio. O livro das Crônicas associa o fim dos setenta anos de Jeremias com o decreto de Ciro, em 539 a.C. (2Cr 36.21).
A resposta do Senhor foi boa e acalentadora. Palavras que refletiam o amor de Deus pelo seu povo e reafirmavam o seu compromisso de não abandonar os seus filhos - Hb 13.5.
Aquele anjo então passou uma palavra para Zacarias proclamar. O amor zeloso de Deus pelo seu povo e cidade escolhidos o levou a agir em favor deles (8.2). Um tema semelhante está expresso em Sf 3.9.20.
Era para ele dizer que tinha sido zeloso com Jerusalém e Sião, mas estava irado contra as nações que se sentiam seguras. Observe o contraste com o vs. 2, em que Deus está irado com o seu próprio povo. Aqui, o amor de Deus pelo que é seu (veja o vs. 14) o levou a proteger o povo ao trazer julgamento sobre as nações que afligiram seus filhos além da medida.
O Senhor dizia que estaria se voltando para Jerusalém com misericórdia e afirmava que seu templo seria reconstruído. Um tema comum nas visões (2.12; 3.2). O fato de Deus ter escolhido o povo e a capital como seus os distinguiu das outras nações pagãs. O objetivo de sua escolha era o de trazer a prosperidade ao seu povo. (“As minhas cidades ainda transbordarão de bens"). Ageu prometeu bênçãos semelhantes aos que retornaram do exílio mais ou menos nessa mesma época (Ag 2.6-9).
Se o povo reconstruísse o templo e se arrependesse de seus maus caminhos, Deus concederia muitas bênçãos à recém-formada comunidade de Jerusalém.
2. Os quatro chifres e os quatro ferreiros (1.18-21).
Zacarias teve outra visão envolvendo os quatro chifres e os quatro ferreiros.
A segunda visão de Zacarias tratava de quatro chifres (ou seja, chifres de animal). Os chifres de animais simbolizavam o poder e o orgulho no antigo Oriente Próximo e em outros locais do Antigo Testamento (SI 75.4-5).
Nessa visão, os quatro chifres representavam as quatro nações que oprimiram o povo de Deus; os quatro ferreiros representavam as nações que destruiriam os chifres.
Quando Zacarias olhou para o alto e viu os quatro chifres ele perguntou ao anjo que falava com ele o que era aquilo e ele respondeu a ele tratar-se daqueles que dispersaram Judá, Jerusalém e Israel.
A identificação dos quatro chifres poderia ser a mesma das profecias de Daniel (Dn 2.36-45; 7.17-28), que no caso corresponderiam à Babilónia, a Medo-Pérsia, a Grécia e Roma. A menção de Israel e de Judá pode indicar que as quatro nações opressoras eram a Assíria, a Babilónia, o Egito e a Pérsia (10.10-11). Também é possível que os quatro chifres representavam “os quatro cantos da terra” (Ap 20.8); ou seja, nações de todos os lados.
Depois ainda Zacarias perguntou quem eram os quatro artesões que o Senhor estava mostrando para ele. Os quatro ferreiros da segunda visão tinham vindo para derrubar o poder das nações opressoras. Essa visão simboliza que outras nações destruiriam as nações que afligiram o povo de Deus, o cumprimento da garantia dada a Abraão de que Deus amaldiçoaria aqueles que amaldiçoassem os descendentes de Abraão (Gn 12.3).
ZACARIAS
»ZACARIAS [1]
Zc 1:1 No oitavo mês do segundo ano de Dario
veio a palavra do Senhor ao profeta Zacarias,
filho de Berequias, filho de Ido, dizendo:
Zc 1:2 O Senhor se irou fortemente contra vossos pais.
Zc 1:3 Portanto dize-lhes:
Assim diz o Senhor dos exércitos:
Tornai-vos para mim, diz o Senhor dos exércitos,
e eu me tornarei para vós,
diz o Senhor dos exércitos.
Zc 1:4 Não sejais como vossos pais,
aos quais clamavam os profetas antigos, dizendo:
Assim diz o Senhor dos exércitos:
Convertei-vos agora dos vossos maus caminhos
e das vossas más obras;
mas não ouviram, nem me atenderam,
diz o Senhor.
Zc 1:5 Vossos pais, onde estão eles?
E os profetas, viverão eles para sempre?
Zc 1:6 Contudo as minhas palavras e os meus estatutos,
que eu ordenei pelos profetas, meus servos,
acaso não alcançaram a vossos pais?
E eles se arrependeram, e disseram:
Assim como o Senhor dos exércitos fez menção de nos tratar,
segundo os nossos caminhos,
e segundo as nossas obras,
assim ele nos tratou.
Zc 1:7 Aos vinte e quatro dias do mês undécimo,
que é o mês de sebate, no segundo ano de Dario,
veio a palavra do Senhor ao profeta Zacarias,
filho de Berequias, filho de Ido, dizendo:
Zc 1:8 Olhei de noite, e vi um homem montado num cavalo vermelho,
e ele estava parado entre as murtas que se achavam no vale;
e atrás dele estavam cavalos vermelhos, baios e brancos.
Zc 1:9 Então perguntei:
Meu Senhor, quem são estes?
Respondeu-me o anjo que falava comigo:
Eu te mostrarei o que estes são.
Zc 1:10 Respondeu, pois, o homem que estava parado entre as murtas,
e disse:
Estes são os que o Senhor tem enviado
para percorrerem a terra.
Zc 1:11 E eles responderam ao anjo do Senhor,
que estava parado entre as murtas, e disseram:
Nós temos percorrido a terra,
e eis que a terra toda está tranqüila e em descanso.
Zc 1:12 Então o anjo do Senhor respondeu, e disse:
O Senhor dos exércitos,
até quando não terás compaixão de Jerusalém,
e das cidades de Judá,
contra as quais estiveste indignado estes setenta anos?
Zc 1:13 Respondeu o Senhor ao anjo que falava comigo,
com palavras boas, palavras consoladoras.
Zc 1:14 O anjo, pois, que falava comigo, disse-me:
Clama, dizendo:
Assim diz o Senhor dos exércitos:
Com grande zelo estou zelando por Jerusalém e por Sião.
Zc 1:15 E estou grandemente indignado contra as nações
em descanso; porque eu estava um pouco indignado,
mas eles agravaram o mal.
Zc 1:16 Portanto, o Senhor diz assim:
Voltei-me, agora, para Jerusalém com misericórdia;
nela será edificada a minha casa,
diz o Senhor dos exércitos,
e o cordel será estendido sobre Jerusalém.
Zc 1:17 Clama outra vez, dizendo:
Assim diz o Senhor dos exércitos:
As minhas cidades ainda se transbordarão de bens;
e o Senhor ainda consolará a Sião,
e ainda escolherá a Jerusalém.
Zc 1:18 Levantei os meus olhos, e olhei, e eis quatro chifres.
Zc 1:19 Eu perguntei ao anjo que falava comigo:
Que é isto?
Ele me respondeu:
Estes são os chifres que dispersaram
a Judá, a Israel e a Jerusalém.
Zc 1:20 O Senhor mostrou-me também quatro ferreiros.
Zc 1:21 Então perguntei:
Que vêm estes a fazer?
Ele respondeu, dizendo:
Estes são os chifres que dispersaram Judá,
de maneira que ninguém levantou a cabeça;
mas estes vieram para os amedrontarem,
para derrubarem os chifres das nações
que levantaram os seus chifres
contra a terra de Judá,
a fim de a espalharem.
Anjos: Eles estão ao nosso redor?
Nas últimas décadas tem havido um ressurgimento do interesse pelos anjos. Infelizmente, muitos dos ensinamentos acerca dos anjos são, na melhor das hipóteses, especulativos. Logo, é importante saber o que as Escrituras ensinam a esse respeito. A teologia reformada como um todo não enfatiza o assunto de modo particular, mas os anjos são mencionados em suas Confissões e nos Catecismos (p. ex., CM 12,13,16,19).
Deus criou dois tipos de seres pessoais: os anjos (do termo grego que significa "mensageiro") e os seres humanos. Existe um grande número de anjos (Mt 26.53; Ap 5.11). São agentes morais inteligentes, incorpóreos e, normalmente invisíveis. Também podem se mostrar para os homens numa forma aparentemente física (Gn 18.2-19.22; Jo 20.10-14; At 12.7-10). Não se casam e não estão sujeitos à morte física Mt 22.30; Lc 20.35-36). Podem se mover entre dois pontos no espaço e um grande número desses seres pode ocupar uma área pequena (Lc 8.30, uma referência a anjos caídos; veja o artigo "Demônios", em 1Co 10).
Os anjos habitam no céu (Mt 18.10; 22.30; Ap 5.11), onde adoram a Deus constantemente (SI 103.20-21; 148.2). Também partem de lá para realizar diversas tarefas das quais Deus os incumbe (Hb 1.14). Estes são os anjos "santos" ou "eleitos" (veja Mt 25.31; Mc 8.38; Lc 9.26; At 10.22; 1Tm 5.21; Ap 14.10), aos quais a obra da graça de Deus por meio de Cristo está, no presente, revelando mais da sabedoria divina do que conheciam antes (Ef 3.10; 1Pe 1.12).
A atividade dos anjos foi mais proeminente nos pontos críticos do plano divino de salvação (no tempo dos patriarcas, do êxodo e da entrega da lei, no período do exílio e da restauração, e no nascimento, ressurreição e ascensão de Jesus Cristo) e voltará a se sobressair quando Cristo voltar (Mt 2 5.3 1; Mc 8.38).
Os anjos santos guardam os fiéis (SI 34.7. 91.11), especialmente os pequeninos (Mt 18.10), e observam o tempo todo o que se passa na igreja (1Co 11.10). É possível que tenham mais conhecimento das coisas divinas do que os seres humanos em geral (Mc 13.32), e que ministrem de maneira especial aos cristãos na hora de sua morte (Lc 16.22). No entanto, as Escrituras não detalham tais coisas. Os anjos bons observam os cristãos na esperança de verem a graça triunfar em sua vida.
A figura misteriosa do "anjo do Senhor" ou "anjo de Deus" aparece com frequência no início do Antigo Testamento. Em algumas ocasiões, ele é identificado com Deus e, em outras, distinguido dele (Gn 16.7-13; 18.1-33; 22.11-18; 24.7,40; 31.11-13; 32.24-30; 48.15-16; Ex 3.2-6; 14.19; 23.20-23; 32.34-33.5; Nm 22.22-35; Js 5.13-15; Jz 2.1-5; 6.11-23; 9.13-23). Alguns estudiosos concluem que, num certo sentido, o anjo do Senhor é uma manifestação de Deus na qual ele age como o seu próprio mensageiro; é tido com frequência como um aparecimento pré-encarnado do Filho de Deus. Outros acreditam que ele é estreitamente identificado com Deus por ser o representante de Deus (veja as notas sobre Gn 16.7; Êx 3.2; 14.19; Jz 2.1).
As Escrituras descrevem todos os anjos santos como criaturas gloriosas. São chamados de "filhos de Deus" (Jo 1.6; 2.1; SI 29.1). É dito que são radiantes e poderosos (Is 6.1-4; 2Ts 1.7; 1Pe 3.22; 2Pe 2.11; Ap 15.8) e também que constituem o exército vitorioso de Deus (Ex 14.19). No entanto, as Escrituras também ressaltam a honra e o esplendor dos seres humanos santos. O salmista diz que o homem foi criado "por um pouco, menor do que Deus" (SI 8.5), urna posição honrosa. Porém, o apóstolo Paulo observa que essa não é a ordem final entre anjos e homens. Diz aos coríntios que, quando Cristo voltar, os cristãos hão de "julgar os próprios anjos" (1Co 6.3). Um dia, a raça humana - a imagem de Deus - reinará não apenas sobre a terra e suas criaturas, mas também sobre os anjos.
p.s.: link da imagem original:
Contagem regressiva: Faltam 18 dias para 04/08/2015, quando eu irei concluir a Segmentação de toda a Bíblia.
A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdetehttp://www.jamaisdesista.com.br




[1] Murta é um género botânico que compreende uma ou duas espécies de plantas com flor, da família das Myrtaceae, nativo do sudoeste da Europa e do Norte de África. – fonte: wikipedia.
[2] Ele está reproduzido na íntegra, conforme está na BEG, ao final de nossa reflexão.
...


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.