quinta-feira, 16 de julho de 2015

Ageu 1 1-15 - AGEU PREGA A LEGÍTIMA PALAVRA DE DEUS E O POVO SE ARREPENDE.

Sobre o livro do profeta Ageu – conforme a BEG.
Dados sobre o autor:
·           O profeta Ageu (“minha festa”) é o autor.
·           Ele foi contemporâneo de Zacarias com quem trabalhou para incentivar os judeus que haviam retornado do exílio a reconstruir o templo (Ed 5.1; 6.14).
Ambos os profetas começaram seus ministérios em 520 a.C., "no segundo ano do rei Dario" (1.1; Zc 1.1).
·           Ele é citado no livro de Esdras – Ed 5.1; 6.14.
·           O livro encerra com grande expectativa sobre Zorobabel, deixando pouca dúvida de que o livro foi escrito antes que o programa de restauração do governador falhasse.
Data: 520 a.C. (ministério de Ageu).
Verdades fundamentais:
·           Deus ofereceu muitas bênçãos aos primeiros que retornaram após o exílio.
·           O reino de Deus deve ter prioridade sobre o nosso conforto pessoal.
·           Os servos do reino de Deus precisam ser imaculados.
·           A esperança do povo de Deus está no templo e na casa de Davi na medida em que eles foram cumpridos em Cristo.
·           O povo de Deus está destinado a herdar a terra em Cristo.
Contextualização.
Como já dissemos, Ageu e Zacarias foram contemporâneos, portanto eles tinham o mesmo pano de fundo da história.
Os judeus haviam retomado à Terra Prometida por causa de um decreto de Ciro (Ed 1.1-4), em 538 a.C. e haviam começado a reconstruir o templo.
A oposição externa e o desânimo interno fizeram com que o povo abandonasse o projeto (Ed 4.1-4) por dezesseis ou dezessete anos.
Quando Ageu e Zacarias começaram o seu trabalho, em 520 a.C., a oposição veio de Tatenai, governador persa do trans-Eufrates (Ed 4.9-10), mas Dario 1 (Histaspes), que governou a Pérsia de 522 a 486 a.C., reeditou o decreto de Ciro para que o templo fosse reconstruído no prazo de quatro anos (Ed 6.13-15).
O segundo templo foi dedicado no dia 12 de março de 516 a.C.
Quanto às profecias de Ageu, por meio do seu livro, temos a informação de que foram entregues entre agosto e dezembro de 520 a.C.
Propósito e características gerais:
Incentivar a reconstrução do templo na esperança de trazer grandes bênçãos para Israel depois do exílio.
O livro de Ageu consiste de quatro mensagens, sendo que cada uma é encabeçada pela frase "veio a palavra do SENHOR por  intermédio do profeta Ageu [ou "a Ageu"]" (1.1; 2.1; 2.10; 2.20).
Essas quatro mensagens alternam os chamados ao arrependimento diante da contínua retenção das bênçãos de Deus sobre a terra (1.1-11; 2.10-19) com as promessas de grandes bênçãos sobre o  templo e por intermédio da linhagem davídica (2.1-9; 4 2.20-23).
Juntos, Ageu, Zacarias e Malaquias usam o título "SENHOR dos Exércitos" mais de noventa vezes (quatorze vezes em Ageu).
As palavras no hebraico têm exatamente esse mesmo significado. O significado do título tem dois aspectos:
·           Ele reforça o poder soberano do Senhor que reina sobre Israel e sobre toda a terra por meio do seu poder militar (I Sm 17.45)
·           Ele enfatiza a sua fidelidade ao povo com o qual ele está em aliança, o que leva esse povo a adorá-lo (cf. SI 24).
Por intermédio de Ageu, seu "enviado" (1.13), o Senhor conclamou o remanescente infiel do povo de sua aliança a arrepender-se e reconstruir o seu templo.
A preocupação de Deus estava baseada na sua própria satisfação soberana e no seu desejo de ser honrado (1.8). A falta de vontade do povo de construir o templo revelava a sua profunda falta de desejo pela presença especial de Deus.
O povo estava sob as maldições da aliança (1.6,9,11), mas não se dava conta disso. Como resultado do ministério de Ageu e da atuação do Espírito de Deus (1.14), o povo respondeu com obediência (1.12). Ageu reafirmou que o Senhor estava com o seu povo, assim como estivera quando o tirou do Egito (1.1 3; 2.4-5).
O ministério de Ageu estava baseado na expectativa de que Deus renovaria as promessas de sua aliança com o povo quando o levasse de volta para a terra.
As palavras de Ageu são semelhantes às dos profetas anteriores em vários pontos (2.7-8).
A reconstrução do templo foi uma importante parte da renovação, e Ageu desenvolveu essa esperança, ao associar o templo com a renovação da casa de Davi. Ageu afirmou a esperança de que o ungido de Deus e seu representante na Terra, o grande filho de Davi, o messias, traria sua glória, paz e prosperidade ao povo de Deus (2.6-9).
Zorobabel prefigurou o Messias nos dias de Ageu e foi objeto de muita esperança para a nação. Ao final, todavia, somente Jesus, o Messias pode cumprir a promessa feita a Zorobabel (2.23) de ser o governante real de Deus ("anel de selar") na terra.
Cristo em Ageu:
Os dois temas centrais desse livro — o templo e a vitória da linhagem davídica — encontram cumprimento em Cristo.
Reconstruir o templo era crucial para que a nação fosse restaurada às bênçãos de Deus. Ali era o lugar de oração, adoração, perdão, etc. Cristo é o templo final (Jo 2.21-22), mas a igreja, seu corpo, é o templo do Espírito Santo (1 Co 6.19-20).
Quando Cristo retornar, os novos céus e a nova terra serão a santa habitação de Deus (Ap 21.22-23).
A restauração da linhagem de Davi também era uma parte essencial da bênção de Deus sobre a comunidade restaurada. A linhagem davídica deveria conduzir o povo na batalha e garantir a sua prosperidade.
Jesus é o Messias, o último e perfeito filho de Davi (Mt 11; Lc 20.41-44; Rm 1.3). Após a sua morte, ele estabeleceu o seu reino quando ascendeu ao seu trono celestial (At 1.9-11).
Ele agora reina até que todos os seus inimigos sejam subjugados (1Co 15.25-27; 1Pe 3.22). Quando retornar, governará sobre os céus e a terra (Hb 2.8; Ap 1.5). A igreja está unida com Cristo em sua entronização (Rm 8.37; 1Pe 5.10), para que um dia, todo aquele que vencer, reine com ele.
Esboço de Ageu:
I. O CHAMADO PARA RECONSTRUIR O TEMPLO (1.1-15).
II. O TEMPLO MAIOR E AS BÊNÇÃOS DE DEUS (2.1-9).
III. A BÊNÇÃO DE DEUS PARA UM POVO CORROMPIDO (2.10-19).
IV. A VITÓRIA PARA O POVO DE DEUS (2.20-23).
Ageu 1 1-15 – Reflexões e Segmentação.
I. O CHAMADO PARA RECONSTRUIR O TEMPLO (1.1-15).
Dos versos de 1 a 15, veremos o chamado para reconstruir o templo.
As profecias de Ageu começaram com um vigoroso chamado para a comunidade restaurada reconstruir o templo. A palavra do Senhor veio a Zorobabel, filho de Salatiel, governador de Judá e também a Josué, filho de Jozadaque, o sumo sacerdote, mas por intermédio de seu profeta Ageu, no segundo ano do reinado do rei Dario.
Ageu conclamou o povo para que se arrependesse de sua negligência em reconstruir o templo.
Dividiremos essa primeira parte em três seções, conforme propõe a BEG: A. O problema do povo: letargia (1.1-4); B. A pobreza do povo: econômica e espiritual (1.5-11); e, C. A resposta do povo: O arrependimento (1.12-15).
A. O problema do povo: letargia (1.1-4).
Essa primeira seção consiste do chamado do profeta para o povo parar de perseguir seus próprios interesses e reconstruir o templo do Senhor. As pessoas estavam empregando o seu tempo para desfrutar de seus respectivos lares enquanto a casa do Senhor ainda estava em ruínas.
No sexto mês, no primeiro dia do mês, conforme a BEG, em 29 de agosto de 520 a.C. a mensagem de Ageu foi publicamente endereçada aos líderes para que o povo também pudesse responder (v. 12).
Ela foi endereçada a Zorobabel - é bem provável que seja o mesmo que Sesbazar (cf. Ed 1.8), já que ambos são citados por terem reconstruído o templo. Sesbazar pode ter sido o seu nome persa oficial. Ele era neto do rei Jeoaquim (1Cr 3.19) e descendente de Davi – e ao sumo sacerdote, Josué, filho de Jozadaque. Descendente de Zadoque, o sacerdote (veja 1Cr 6.8,15).
Sob o governo persa, Zorobabel era o responsável pelos assuntos civis diários da região. Como sumo sacerdote, Josué cuidava dos assuntos eclesiásticos. Como profeta, Ageu não foi nomeado por homens, mas recebeu o chamado de Deus para levar a palavra de Deus aos líderes do seu povo.
No verso 2, Deus se refere ao seu povo como “este povo”, uma expressão negativa para o povo de Deus (2.14). Os vs. 1-11 são, na verdade, uma acusação formal contra a indiferença espiritual do povo e suas prioridades invertidas que afirmavam que ainda não tinha chegado o tempo de reconstruir a casa do Senhor.
A objeção do povo não era contra a própria reconstrução, mas contra o cronograma do projeto.
As objeções podem ter sido de ordem econômica, porque a terra estava com problemas (cf. vs. 10-11), ou teológica, porque:
(1)     De acordo com Ez 37.24-27, o próprio Messias deveria reconstruir o templo.
(2)     De acordo com Jr 25.11-14, a nação deveria servir a um rei estrangeiro por setenta anos.
O templo foi destruído em 586 a.C. O povo pode ter arrazoado que não deveria começar a reconstrução da casa do Senhor antes de 516 a.C. Essas desculpas demonstraram que o povo não estava buscando o reino de Deus e a sua justiça (Mt 6.33).
A Casa do SENHOR, conforme se encontra no verso 2, era o templo, o local da habitação da especial presença de Deus junto ao seu povo, o local onde seu nome habitava (1Rs 8.27-30). Essa mesma presença está na igreja, hoje, o que levou Paulo a identificar a igreja como o templo de Deus (1Co 3.16-17).
No verso 4, Ageu revelou a hipocrisia das objeções do povo por meio de uma pergunta retórica, pois eles estavam morando em casas de fino acabamento enquanto a casa do Senhor continuava destruída. Aqueles que tinham recursos suficientes evidentemente haviam instalado tetos de madeira em suas casas - tetos que eram requintados para os padrões daqueles dias (1 Rs 7.3; Jr 22.14).
B. A pobreza do povo: econômica e espiritual (1.5-11).
Dos versos de 5 a 11, veremos o povo enfrentando problemas econômicos e espirituais, mas que não associavam isso às coisas de Deus.
O trabalho dos que retornaram do exílio era vão. O lucro sobre a colheita era reduzido porque não haviam reunido os materiais apropriados e terminado o templo.
Eles estava trabalhando muito e tinham semeado bastante, mas recolhido pouco.
Eles não estavam percebendo por que estavam experimentando as dificuldades econômica e social: era porque ainda não haviam saído totalmente de sob a maldição que Deus havia colocado sobre a nação durante o exílio (Lv 26.20; Dt 11.8-15; 28.29,38-40). Como ainda não haviam se arrependido totalmente, Deus frustrou os seus esforços.
O verso 8 revela que Deus deveria ser glorificado com a empolgação e o entusiasmo do povo em querer reconstruir a sua casa e o honrar.
O propósito de Deus para a reconstrução do templo era o seu próprio prazer e o seu desejo de ser honrado pelo seu povo. A falta de interesse do povo pela reconstrução revelava a falta de desejo genuíno de agradar a Deus ou de promover a sua honra.
Assim, no verso 9, vemos que cada um deles corria por causa de sua própria casa, e não por causa das coisas do reino de Deus e de sua justiça. Esse era o ponto crucial do problema. O foco da vida de cada pessoa estava em formar a sua fortuna pessoal e não em construir o reino de Deus.
Era devido a isso, dessa ganância e egoísmo que o céu retinha o seu orvalho e a terra tinha deixado de dar o seu fruto, Deus estava fazendo vir a seca. A seca sobre as colheitas de Judá era a maldição de Deus sobre a agricultura, que estava relacionada à fidelidade do povo na aliança (1.6; Dt 7.13). A palavra "ruínas", no v. 9, soa como a palavra hebraica para "seca" que é usada aqui. Ageu brincou com a semelhança do som para mostrar que a seca era a resposta de Deus para a negligência do povo para com a sua casa.
Interessante que em nossas análises das situações atuais em que vivemos, imaginamos como causa da fome, da corrupção, da violência, dos desvios comportamentais e outros problemas globais uma infinidade de causas e as combatemos uma a uma, mas no entanto, desprezamos totalmente Deus, seu reino e a sua justiça.
No texto está claro de onde vinham os problemas e o que deveria ser feito. Na verdade o homem em sua sabedoria, tornou-se estulto e arrogante ao desprezar a verdadeira sabedoria: Jesus Cristo, o Senhor Soberano nos céus e na terra e que em breve voltará para mostrar a todos a sua glória.
Veja, no verso 10 e no 11, a explicação de onde vinham os problemas que fez com que o trabalho das mãos do povo fosse prejudicado. Eles vinham da desobediência do povo e da sua negligência para com as coisas do reino de Deus e da sua justiça.
·           O céu tinha retido o orvalho.
·           A terra tinha deixado de dar o seu fruto.
·           Deus, então, tinha provocado uma seca nos campos e nos montes.
·           A seca, portanto, atingiu:
ü  O trigo.
ü  O vinho.
ü  O azeite.
ü  Tudo mais que a terra produz.
ü  Também afetou os homens e o gado.
C. A resposta do povo: O arrependimento (1.12-15).
Dos versos 12 ao 15, veremos algo interessante que seria a resposta do povo à pregação do profeta de Deus, Ageu: arrependimento.
O povo alegremente respondeu em temor a Deus e recebeu a promessa da presença do Senhor, uma promessa que o Senhor cumpriria imediatamente quando o seu Espírito despertasse a nação, desde os lideres até o povo, para reassumir a obra na casa do Senhor.
Essa é a verdadeira pregação! Aquele que prega outra coisa, pode até ser louvado pela sua sabedoria, eloquência e habilidade, mas a palavra pregada não gerará vida e arrependimento. Ageu pregou a legítima palavra de Deus e o arrependimento veio. Profeta de Deus: pare de inventar coisas e pregue a palavra de Deus!
Que palavra eficiente e eficaz a pregada por Ageu. Zorobabel, filho de Sealtiel, o sumo sacerdote Josué, filho de Jeozadaque, e todo o restante do povo obedeceram à voz do Senhor, o seu Deus, por causa das palavras do profeta Ageu, a quem o Senhor, o seu Deus, enviara. E o povo temeu ao Senhor.
O restante do povo aqui “resto” – vs. 12 - é um termo comum usado pelos profetas (veja Jr 23.3) para designar aqueles do povo de Deus que permaneceram fiéis no meio da incredulidade. Paulo usou o termo em Rm 9-11 para designar os judeus que haviam aceitado a Cristo (Rm 11.5).
A resposta por parte dos líderes e de "todo o resto do povo" foi a obediência pressurosa. A manifestação externa dessa resposta foi a retomada da obra de construção do templo.
A obediência do povo resultou do reconhecimento de que era Deus quem estava falando por meio da voz do profeta e o povo temeu. A resposta interior do povo foi uma renovação da reverência pelo Senhor e o desejo da presença divina em seu meio. O uso, aqui, do nome divino "Yahweh" ("o Senhor") pode indicar que o povo reconheceu suas obrigações enquanto povo da aliança de Deus. O povo reverenciou a Deus como o seu gracioso soberano.
Ageu, o mensageiro do Senhor – vs. 13 – empolgado e alegre no Senhor, trouxe, em consequência, outra mensagem da parte do Senhor de que Deus estaria com eles: “Eu sou convosco, diz o Senhor”.
Quando o povo se arrependeu de seus pecados, recebeu a melhor segurança possível: a presença de Deus. Os profetas enfatizaram que a presença do Senhor era um aspecto essencial da renovação da aliança após o exílio (Jr 32.38; Zc 2.11).
»AGEU [1]
Ag 1:1 No segundo ano do rei Dario,
no sexto mês, no primeiro dia do mês,
veio a palavra do Senhor, por intermédio do profeta Ageu,
a Zorobabel, governador de Judá, filho de Sealtiel,
e a Josué, o sumo sacerdote, filho de Jeozadaque,
dizendo:
Ag 1:2 Assim fala o Senhor dos exércitos, dizendo:
Este povo diz:
Não veio ainda o tempo,
o tempo de se edificar a casa do Senhor.
Ag 1:3 Veio, pois, a palavra do Senhor,
por intermédio do profeta Ageu, dizendo:
Ag 1:4 Acaso é tempo de habitardes
nas vossas casas forradas,
enquanto esta casa fica desolada?
Ag 1:5 Ora pois, assim diz o Senhor dos exércitos:
Considerai os vossos caminhos.
Ag 1:6 Tendes semeado muito,
e recolhido pouco;
comeis,
mas não vos fartais;
bebeis,
mas não vos saciais;
vestis-vos,
mas ninguém se aquece;
e o que recebe salário,
recebe-o para o meter num saco furado.
Ag 1:7 Assim diz o Senhor dos exércitos:
Considerai os vossos caminhos.
Ag 1:8 Subi ao monte, e trazei madeira,
e edificai a casa; e dela me deleitarei,
e serei glorificado, diz o Senhor.
Ag 1:9 Esperastes o muito,
mas eis que veio a ser pouco;
e esse pouco, quando o trouxestes para casa,
eu o dissipei com um assopro.
Por que causa? diz o Senhor dos exércitos.
Por causa da minha casa, que está em ruínas,
enquanto correis, cada um de vós,
à sua própria casa.
Ag 1:10 Por isso os céus por cima de vós
retêm o orvalho,
e a terra retém os seus frutos.
Ag 1:11 E mandei vir a seca sobre a terra,
e sobre as colinas,
sobre o trigo e o mosto e o azeite,
e sobre tudo o que a terra produz;
como também sobre os homens e os animais,
e sobre todo o seu trabalho.
Ag 1:12 Então Zorobabel, filho de Sealtiel,
e o sumo sacerdote Josué, filho de Jeozadaque,
juntamente com todo o resto do povo,
obedeceram a voz do Senhor seu Deus,
e as palavras do profeta Ageu,
como o Senhor seu Deus o tinha enviado;
e temeu o povo diante do Senhor.
Ag 1:13 Então Ageu, o mensageiro do Senhor, falou ao povo,
conforme a mensagem do Senhor, dizendo:
Eu sou convosco, e diz o Senhor.
Ag 1:14 E o Senhor suscitou o espírito do governador de Judá
Zorobabel, filho de Sealtiel,
e o espírito do sumo sacerdote
Josué, filho de Jeozadaque,
e o espírito de todo o resto do povo;
e eles vieram, e começaram a trabalhar
na casa do Senhor dos exércitos, seu Deus,
Ag 1:15 ao vigésimo quarto dia do sexto mês.
O próprio Deus realizou a resposta de seu povo por meio de sua presença no meio dele. Ele, o Senhor, suscitou o espírito - ou encorajou (NVI) - do governador de Judá, Zorobabel, filho de Sealtiel, e o espírito do sumo sacerdote Josué, filho de Jeozadaque, e o espírito de todo o restante do povo, de modo que eles começaram a trabalhar no templo do Senhor dos Exércitos, o seu Deus, no dia vinte e quatro do sexto mês do segundo ano do reinado de Dario, em 21 de setembro de 520 a.C.
Do dia que começou a pregar até o efeito esperado que foi a resposta favorável do povo com o arrependimento deles foram de apenas 23 dias!
Ageu enfatizou a resposta interior do povo pelo uso repetido de "espírito" (três vezes). A palavra de Deus trabalhou de modo eficaz por meio do Espírito para realizar o seu propósito soberano (cf. Is 55.11).
p.s.: link da imagem original:
Contagem regressiva: Faltam 20 dias para 04/08/2015, quando eu irei concluir a Segmentação de toda a Bíblia.

A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdetehttp://www.jamaisdesista.com.br
...


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.