segunda-feira, 28 de março de 2016

III João 1 1-14 - SEJAMOS SEMPRE PRESTATIVOS E HOSPITALEIROS.

A terceira epístola de João foi escrita para incentivar o serviço ao próximo, especialmente a hospitalidade àqueles que ministram o evangelho. Há somente um capítulo.
Breve síntese do capítulo único de III João.
João escreve mais uma epístola e desta vez para incentivar o serviço ao próximo, especialmente a hospitalidade àqueles que ministram o evangelho.
Iremos encontrar nesta carta de apenas 15 versos:
  • Que os cristãos que são fiéis em demonstrar bondade aos outros devem ser elogiados.
  • Que praticar a hospitalidade, especialmente para os ministros do evangelho, é um grande privilégio e uma responsabilidade do cristão.
  • Que os líderes cristãos devem estimar-se e apoiar-se mutualmente, e não temer nem maltratar uns aos outros.
I. SAUDAÇÃO E CUMPRIMENTO (1-2).
João saudou seu querido amigo Gaio e expressou desejo de que ele estivesse bem. João começou a carta com uma saudação típica, desejando aos destinatários as bênçãos de Deus.
O autor novamente se identificou como "o presbítero" (como em 2Jo 1), provavelmente corno uma referência à sua idade. Ele endereçou a epístola ao amado Gaio, presbítero também.
João tinha profunda afeição por Gaio, o principal destinatário dessa carta, e chamou-o de "amado" por quatro vezes (veja vs. 1,2,5,11). João também descreveu os membros do seu próprio grupo como "amigos" de Gaio (vs. 14).
Esses vínculos de companheirismo cristão fazem um nítido contraste com as ações de Diótrefes (vs. 9-10).
João não prometeu a Gaio que ele teria boa saúde e sucesso – vs. 2 -, pelo contrário, simplesmente disse a ele que orava pelo seu bem-estar como qualquer bom amigo faria.
A saúde e a prosperidade não são garantidas para os cristãos antes do retorno de Cristo em glória. Obviamente que sempre a buscaremos, seja por meio de médicos, como pela oração ou pelo cultivo ainda de hábitos bem saudáveis.
II. ELOGIOS À HOSPITALIDADE (3-10).
João elogiou Gaio pela hospitalidade demonstrada aos missionários no passado e condenou Diótrefes por maltratar os companheiros cristãos. João afirma ter se alegrado quando pode ver pelos irmãos que testificaram da verdade de que Gaio andava na verdade. A verdade em João muitas vezes é o sinônimo de caminho.
João, como dissemos, elogiou Gaio pela sua hospitalidade em relação aos missionários. Ele contrastou o cristão ideal com as ações de Diótrefes. Esse material se divide em palavras positivas com respeito a Gaio (3-8) e de condenação a Diótrefes (9-10). Elas formaram a seguinte divisão proposta, conforme a BEG, que veremos agora: A. Encorajamento positivo (3-8) e B. Contraste negativo (9-10).
A. Encorajamento positivo (3-8).
Até esse momento, Gaio havia sido fiel quanto a cuidar dos missionários cristãos.
O verbo "testemunhar" – vs. 3 - tem conotações de controvérsia legal (indicando a seriedade das questões do ponto de vista de João) e da alegre proclamação do evangelho (indicando que a vida exemplar de Gaio era uma consequência da salvação efetuada por Deus em Cristo). O verbo é usado nesse mesmo sentido nos vs. 6,12.
João muito se alegrava em que seus filhos andassem na verdade. João se referia aos cristãos sob seu cuidado como seus filhos, o que ele fez catorze vezes em 1João e três vezes em 2João. Quando eles procediam de modo correto, ele lhes mostrava sentimentos e orgulho paternais.
João elogiou Gaio por receber com hospitalidade os mestres cristãos viajantes. A obrigação de acolher e encorajar aqueles que proclamam o verdadeiro evangelho de lugar em lugar, e a alegria que vem ao fazer isso, coloca-se em contraste com a necessidade de evitar receber aqueles que proclamam o falso evangelho (1Jo 4.1-3; 2Jo 10-11).
Os que proclamam a verdadeira mensagem cristã e os que os incentivam e os auxiliam colaboram em servir à verdade. Essa visão da hospitalidade vem da ética cristã mais ampla de demonstrar amor às outras pessoas, como João enfatizou em suas outras epístolas.
João no vs. 7 estava provavelmente se referindo de modo metafórico aos incrédulos, aqueles que não faziam parte da igreja.
A igreja primitiva consistia tanto de pessoas de origem judaica quanto de gentios.
Aqui, a linguagem de João sugere que a comunidade cristã via a si mesma como o verdadeiro remanescente de Israel em distinção aos pagãos, aqueles de fora da comunidade cristã.
B. Contraste negativo (9-10).
A cooperação e o amor que deveriam ser o sinal característico dos cristãos tinham sido quebrados pelo comportamento de Diótrefes.
Diótrefes era um líder que abusava do ofício que ocupava. Evidentemente, Diótrefes considerava os outros mestres cristãos como ameaças, em vez de cooperadores; seu ponto de vista egoísta fazia com ele mandasse embora os evangelistas viajantes e excomungasse aqueles que os recebessem.
A presença pessoal do apóstolo era uma extensão da presença de Cristo, tanto para encorajamento quanto para advertência (2Co 13.1-3,10).
III. EXORTAÇÃO À HOSPITALIDADE (11-12).
João exortou Gaio a demonstrar maior integridade. Embora Gaio tivesse tratado bem os missionários no passado, João sentia a necessidade de exortá-lo a continuar a fazer isso.
Embora esse princípio entre a prática do bem e do mal tenha ampla aplicação, o principal objetivo de João era que Gaio e outros não imitassem Diótrefes quanto ao tratamento maligno dos missionários, mas seguissem o que eles haviam aprendido como sendo o correto.
O corpo da carta termina com uma recomendação de Demétrio, o portador da carta, como um cristão fiel.
Essa recomendação pelo nome, como a colocação do nome do destinatário, era necessário para assegurar que a carta não fosse nem ocultada e nem usada de maneira incorreta por aqueles que, como Diótrefes, queriam romper a unidade da congregação (vs. 9).
Demétrio pode ter sido um mestre viajante ou um membro fiel da congregação.
Repare que há uma grande predominância nos escritos de João com relação à verdade. Ele a usa de diversas maneiras, principalmente, para falar de Cristo e do caminho.
IV. CONCLUSÃO E DESPEDIDA (13-14).
João expressou o desejo de ver Gaio e concluiu com uma saudação final. João abstém-se de escrever mais na esperança de visitá-los pessoalmente, e envia saudações daqueles que estavam com ele.
O desejo normal de João por companheirismo pessoal (2Jo 12) era intensificado pela necessidade de restaurar a paz dentro da comunidade dos cristãos.
Até que João chegasse, Gaio foi exortado a saudar pelo menos aqueles que estavam dispostos a aceitar o zelo de João.
João pediu que Gaio cumprimentasse todos seus amigos pessoalmente em seu nome.
III Jo 1:1 O presbítero
ao amado Gaio,
a quem eu amo na verdade.
III Jo 1:2 Amado, acima de tudo,
faço votos por tua prosperidade e saúde,
assim como é próspera a tua alma.
III Jo 1:3 Pois fiquei sobremodo alegre
pela vinda de irmãos
e pelo seu testemunho da tua verdade,
como tu andas na verdade.
III Jo 1:4 Não tenho maior alegria do que esta,
a de ouvir que meus filhos andam na verdade.
III Jo 1:5 Amado,
procedes fielmente naquilo que praticas para com os irmãos,
e isto fazes mesmo quando são estrangeiros,
III Jo 1:6 os quais, perante a igreja,
deram testemunho do teu amor.
Bem farás encaminhando-os em sua jornada
por modo digno de Deus;
III Jo 1:7 pois por causa do Nome foi que saíram,
nada recebendo dos gentios.
III Jo 1:8 Portanto, devemos acolher esses irmãos,
para nos tornarmos cooperadores da verdade.
III Jo 1:9 Escrevi alguma coisa à igreja;
mas Diótrefes, que gosta de exercer a primazia entre eles,
não nos dá acolhida.
 III Jo 1:10 Por isso, se eu for aí,
far-lhe-ei lembradas as obras que ele pratica,
proferindo contra nós palavras maliciosas.
E, não satisfeito com estas coisas,
nem ele mesmo acolhe os irmãos,
como impede os que querem recebê-los
e os expulsa da igreja.
III Jo 1:11 Amado, não imites o que é mau,
senão o que é bom.
Aquele que pratica o bem
procede de Deus;
aquele que pratica o mal
jamais viu a Deus.
III Jo 1:12 Quanto a Demétrio,
todos lhe dão testemunho,
até a própria verdade,
e nós também damos testemunho;
e sabes que o nosso testemunho é verdadeiro.
III Jo 1:13 Muitas coisas tinha que te escrever;
todavia, não quis fazê-lo com tinta e pena,
III Jo 1:14 pois, em breve, espero ver-te.
Então, conversaremos de viva voz.
III Jo 1:15 A paz seja contigo.
Os amigos te saúdam.
Saúda os amigos, nome por nome.
Amados não escolhemos os problemas que enfrentaremos, mas escolhemos como iremos ou não glorificarmos a Deus neles. E você o quem feito no meio do problema?
Eu não preciso de ser lembrado de que não estou com nada, nem que não sou nada, mas um amigo verdadeiro estenderá as suas mãos, me ajudará a atravessar o problema e me dirá: - vá sempre em frente, avance e jamais desista!
p.s.: link da imagem original:
Contagem regressiva: Faltam 23 dias para 20/04/16 (Inicio: 05/05/15). Tu, SENHOR, conservarás em perfeita paz aquele cujo propósito é firme; porque ele confia em ti. (Is 26.3).
Obs.: nessa fase atual das postagens do Jamais Desista, a estruturação e a divisão dos assuntos e os comentários produzidos são, em sua grande maioria, baseados na Bíblia de Estudo de Genebra – BEG.

A Deus toda glória! p/ pr. Pr. Daniel Deusdete. 
...


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.