segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Mateus 20 1-34 - A PARÁBOLA DOS TRABALHADORES DA VINHA.

Estamos vendo o Evangelho de Mateus escrito com o propósito de inspirar os cristãos ao serviço grato e fiel de promover o reino de Deus ao apresentar Jesus como o tão esperado rei e apresentar o reino que ele trouxe como o cumprimento do plano da redenção de Deus. Estamos agora na parte VI, veremos o capítulo 20.
VI. AS MUDANÇAS DO REINO (19.1-25.46) - continuação.
As ações de Jesus, suas parábolas e respostas a desafios revelaram que o seu reino traz mudanças extraordinárias na crença e nas práticas do povo de Deus. Jesus condenou fortemente líderes religiosos de Israel por causa de sua hipocrisia e advertiu-os quanto ao julgamento divino.
Os caps. 19-25 focalizam essas mudanças ocasionadas pela vinda do reino em Cristo. O material foi também dividido em duas seções, seguindo a BEG: A. Narrativa: parábolas e "ais" (19.1-23.39) – estamos vendo e B. Sermão: o julgamento do reino (24.1-25.46).
A. Narrativa: parábolas e "ais" (19.1-23.39) - continuação.
Como já dissemos, os caps. 19-23 registram a última viagem de Jesus para a Galileia e a sua entrada em Jerusalém antes da sua crucificação. Essa passagem enfatiza reações divergentes aos ensinos de Jesus - tanto aceitação quanto rejeição.
Vejamos agora mais uma parábola sobre o reino de Deus e a forma de assalariar os trabalhadores da vinha do Senhor.
Essa é uma fala dura dirigida apenas àqueles que falharam por não reconhecer sua dependência absoluta da graça para qualquer coisa boa que vêm das mãos de Deus. Não há razão para um cristão ter ciúmes dos bons dons que Deus dá aos outros.
O Senhor contrata para sua vinha diversos trabalhadores em horários diferentes ao longo de um dia que se inicia bem cedinho, de madrugada, e acaba ao final da tarde. Ele vai e combina com os primeiros trabalhadores o salário de um denário e os manda para a sua vinha. Bem, se foi combinado um denário o pagamento deveria ser um denário.
Em seguida, vai ao longo do dia contratando aqueles que estão desocupados até que chega aos trabalhadores da última hora e também com eles diz que lhes pagará o que for justo. Na hora de pagar, começa com os últimos até chegar aos primeiros e a todos paga um denário. Houve revolta dos primeiros e o clamor por justiça.
Vejamos: a vinha é do Senhor; o salário é do Senhor; o trabalho é do Senhor; os critérios e regras são do Senhor; o convite – chamado - é feito pessoalmente pelo Senhor; a oportunidade não é conquistada, mas do Senhor; a hora da escolha e do chamado pertence ao Senhor; a busca pelos trabalhadores é feita pelo Senhor; o pagamento ao final do combinado é feito pelo Senhor e, se formos ainda mais além, os trabalhadores da vinha são do Senhor. É tudo de Deus, por Deus e para Deus, a Deus portanto toda a glória.
Ele conclui a sua parábola com um chavão de que os últimos serão os primeiros e os primeiros, os últimos. Como dissemos, no capítulo anterior, não há correlação entre a posição na terra e aprovação celestial, a não ser uma correlação negativa, em determinados casos. Do mesmo modo, não há ligação causal entre a quantidade de trabalho terreno e o tamanho da recompensa celestial (cf. 20.1-16).
Em seguida, subindo para Jerusalém ele faz nos versos de 17 a 19 a sua terceira predição sobre sua paixão e ressurreição (cf 16.21 e 17.22-23). Os discípulos ouviam, entendiam, mas aquilo permanecia travado em seus corações.
Depois vem um pedido estranho de uma mãe que quer glórias para seus filhos e a resposta sábia de Jesus.
O bom pastor, Jesus, teve um momento de tensão no grupo motivado por esse desejo carnal de uma mãe aflita por seus filhos, mas querendo posições e privilégios.
Nos versos 22-23, o Senhor pergunta a eles sobre o pedido deles se eles estariam dispostos a beber de seu cálice. Refere-se isso à imagem do Antigo Testamento do derramamento da ira de Deus. Que os discípulos iriam realmente beber desse cálice significa que eles experimentariam sofrimento, mas observe que Jesus o chamou de “meu cálice" (ênfase acrescentada).
Como Jesus toma o cálice da ira de Deus pelos crentes, estes não provaram da ira que mereciam. Em união com Cristo, seus seguidores já haviam passado pelo julgamento. Eles estão agora justificados em Cristo e são herdeiros de sua glória (Rm 8.17). No entanto, é privilégio deles serem identificados corri Cesto em seu sofrimento (IPe 2.21) e conhecer a sua disciplina purificadora (Mt 3.2-3; 1Pe 4.16-17).
O Senhor em sua sabedoria e amor administra a situação de forma a trazer com isso edificação ao grupo, oportunidade de crescimento e ao mesmo tempo censurar o pecado, a ganância, o egoísmo e a corrupção.
A situação poderia ter trazido divisão, ódio, revolta, separação e cada um por si, mas não, Jesus os trouxe para junto dele. Isso mesmo, para JUNTO dele mesmo e ali pode tratá-los e mostrar a cada um que ele queria eles unidos, juntos, amando, perdoando, sendo compreensivos, mas acima de tudo, dando ao reino de Deus a prioridade.
Ele chega a comparar o mundo com a igreja e ensina que os princípios e valores são diferentes.
Aquele que quiser ser o maior, mais importante e o mais ilustre deveria não ser o destaque, mas ser aquele que serve e esteja pronto para dar a sua vida pela de seus amigos.
Poderíamos cada um de nós sacrificarmos nossas idiossincrasias em prol da unidade?[1]
Do seu jeito, paciente e atencioso, ele conclui sua lição aos seus discípulos falando que não viera para ser servido, mas para dar a sua vida em resgate por muitos – vs. 28.
Esse termo se refere ao preço pago para libertar uma pessoa da escravidão da punição judicial. O preço da nossa liberdade do pecado e da condenação é a vida de Jesus, ou, em linguagem simbólica, o seu sangue (1Pe 1.18-19).
O Novo Testamento nunca indica diretamente para quem o preço é pago, mas se aquilo do qual estamos libertos é da ira de Deus, o preço teve de ser pago para o próprio Deus (cf. SI 49.7-9).
Jesus estiva para beber o "cálice" (vs. 23) da ira de Deus, não pelos seus próprios pecados, mas como um meio de pagar por muitos.
A preposição grega traduzida como "para" também pode ser entendida como "em lugar de". Expressa-a natureza substitutiva do sofrimento de Jesus.
O fato de Jesus ter dito aqui "muitos" em vez de “todos os homens" indica um foco específico ou definido para a sua atividade redentora (cf. também o "muitos" em S 53.11-12). Jesus morreu por pessoas específicas (Jo 17.6-20; 1Tm 2.6). Pois como poderia ele ter morrido, por exemplo, por Judas e não ter alcançado ele na sua salvação?
Saindo eles dali de Jericó, novamente uma grande multidão o estava seguindo. Lucas indica que eles estavam chegando, e não saindo, de Jerico. Uma explicação possível é que Mateus e Marcos estão se referindo à antiga cidade de Jerico, enquanto Lucas se refere à cidade mais nova de Jerico construída por Herodes, que estava localizada cerca de 1,5 km da cidade mais antiga.
No meio da multidão havia dois cegos – os cegos de Jericó – que clamavam em alta voz para Jesus ter misericórdia deles. Mateus menciona dois, enquanto Marcos e Lucas mencionam apenas um cada.
A multidão os repreendeu para ficassem em silêncio, mas eles, então, é que gritavam ainda mais forte. Havia por ali outros cegos que ficaram quietos? Pode ser que sim. Se houve, não receberam o milagre.
Jesus, então para e lhes dá atenção. A sua pergunta a eles foi o que eles estavam querendo dele. Imediatamente responderam a Jesus que queriam ver. Jesus teve compaixão deles e imediatamente recuperaram a visão e passaram a segui-lo.
Mt 20:1 Porque o reino dos céus
é semelhante a um dono de casa que saiu de madrugada
para assalariar trabalhadores para a sua vinha.
Mt 20:2 E, tendo ajustado com os trabalhadores a um denário por dia,
mandou-os para a vinha.
Mt 20:3 Saindo pela terceira hora,
viu, na praça, outros que estavam desocupados
Mt 20:4 e disse-lhes:
Ide vós também para a vinha,
e vos darei o que for justo.
Eles foram.
Mt 20:5 Tendo saído outra vez,
perto da hora sexta e da nona,
procedeu da mesma forma,
Mt 20:6 e, saindo por volta da hora undécima,
encontrou outros que estavam desocupados
e perguntou-lhes:
Por que estivestes aqui desocupados o dia todo?
Mt 20:7 Responderam-lhe:
Porque ninguém nos contratou.
Então, lhes disse ele:
Ide também vós para a vinha.
Mt 20:8 Ao cair da tarde,
disse o senhor da vinha ao seu administrador:
Chama os trabalhadores
e paga-lhes o salário,
começando pelos últimos,
indo até aos primeiros.
Mt 20:9 Vindo os da hora undécima,
recebeu cada um deles um denário.
Mt 20:10 Ao chegarem os primeiros,
pensaram que receberiam mais;
porém também estes receberam um denário cada um.
Mt 20:11 Mas, tendo-o recebido,
murmuravam contra o dono da casa, Mt 20:12 dizendo:
Estes últimos trabalharam apenas uma hora;
contudo, os igualaste a nós,
que suportamos a fadiga
e o calor do dia.
Mt 20:13 Mas o proprietário, respondendo, disse a um deles:
Amigo, não te faço injustiça;
não combinaste comigo um denário?
Mt 20:14 Toma o que é teu e vai-te;
pois quero dar a este último tanto quanto a ti.
Mt 20:15 Porventura, não me é lícito
fazer o que quero do que é meu?
Ou são maus os teus olhos
porque eu sou bom?
Mt 20:16 Assim,
os últimos serão primeiros,
e os primeiros serão últimos
[porque muitos são chamados,
mas poucos escolhidos].
Mt 20:17 Estando Jesus para subir a Jerusalém,
chamou à parte os doze e, em caminho, lhes disse:
Mt 20:18 Eis que subimos para Jerusalém,
e o Filho do Homem será entregue
aos principais sacerdotes
e aos escribas.
Eles o condenarão à morte.
Mt 20:19 E o entregarão aos gentios para ser
escarnecido, açoitado e crucificado;
mas, ao terceiro dia,
ressurgirá.
Mt 20:20 Então, se chegou a ele a mulher de Zebedeu,
com seus filhos, e, adorando-o, pediu-lhe um favor.
Mt 20:21 Perguntou-lhe ele:
Que queres?
Ela respondeu:
Manda que, no teu reino,
estes meus dois filhos se assentem,
um à tua direita,
e o outro à tua esquerda.
Mt 20:22 Mas Jesus respondeu:
Não sabeis o que pedis.
Podeis vós beber o cálice que eu estou para beber?
Responderam-lhe:
Podemos.
Mt 20:23 Então, lhes disse:
Bebereis o meu cálice;
mas o assentar-se à minha direita
e à minha esquerda
não me compete concedê-lo;
é, porém, para aqueles
a quem está preparado
por meu Pai.
Mt 20:24 Ora, ouvindo isto os dez,
indignaram-se contra os dois irmãos.
Mt 20:25 Então, Jesus, chamando-os, disse:
Sabeis que os governadores dos povos os dominam
e que os maiorais exercem autoridade sobre eles.
Mt 20:26 Não é assim entre vós; pelo contrário,
quem quiser tornar-se grande entre vós,
será esse o que vos sirva;
Mt 20:27 e quem quiser ser o primeiro entre vós
será vosso servo;
Mt 20:28 tal como o Filho do Homem,
que não veio para ser servido,
mas para servir
e dar a sua vida em resgate por muitos.
Mt 20:29 Saindo eles de Jericó,
uma grande multidão o acompanhava.
Mt 20:30 E eis que dois cegos,
assentados à beira do caminho,
tendo ouvido que Jesus passava, clamaram:
Senhor, Filho de Davi, tem compaixão de nós!
Mt 20:31 Mas a multidão
os repreendia para que se calassem;
eles, porém, gritavam cada vez mais:
Senhor, Filho de Davi, tem misericórdia de nós!
Mt 20:32 Então,
parando Jesus,
chamou-os e perguntou:
Que quereis que eu vos faça?
Mt 20:33 Responderam:
Senhor, que se nos abram os olhos.
Mt 20:34 Condoído,
Jesus tocou-lhes os olhos,
e imediatamente
recuperaram a vista
e o foram seguindo.
Eles sabiam quem era Jesus e do que ele seria capaz de fazer por eles e assim clamam por Jesus que por ali passava. Havia uma multidão entre eles e Jesus que os repreendia, mas eles não ligaram para ela e clamavam com foça para que Jesus tivesse compaixão deles.
Jesus para a sua jornada para lhes dar atenção e lhes pergunta o que quereis que eu vos faça? Não estava óbvio que queriam a cura da cegueira? Ainda sim, Jesus quer ouvir deles. E eles lhe pedem que se lhe abram os olhos.
Estes dois cegos obtém a sua cura da cegueira imediatamente por Jesus ter tocado neles.
p.s.: link da imagem original:
Contagem regressiva: Faltam 240 dias para 20/04/16 (Inicio: 05/05/15). Tu, SENHOR, conservarás em perfeita paz aquele cujo propósito é firme; porque ele confia em ti. (Is 26.3).
A Deus toda glória! p/ pr. Daniel Deusdetehttp://www.jamaisdesista.com.br


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.