sábado, 15 de agosto de 2015

Mateus 11 1-30 - JESUS CONVIDA: VINDE A MIM OS CANSADOS E OPRIMIDOS.

Estamos vendo o Evangelho de Mateus escrito com o propósito de inspirar os cristãos ao serviço grato e fiel de promover o reino de Deus ao apresentar Jesus como o tão esperado rei e apresentar o reino que ele trouxe como o cumprimento do plano da redenção de Deus. Entramos hoje na parte IV, no capítulo 11.
IV. A NATUREZA DO REINO (11.1-13.58).
Jesus revelou a natureza do reino a João Batista e aos judeus. Suas ações e palavras desafiavam as expectativas populares sobre o Messias e o seu reino. Ele fez uso de inúmeras parábolas para explicar que o reino já havia chegado e que todos deveriam se arrepender e permanecer fiel a ele para que pudessem entrar nesse reino.
Os caps. 11 a 13 revelam a natureza do reino. Onde ele está? O que é ele? Como ele vem? O registro de Mateus é dividido em duas partes: narrativas (11.1-12.50) e sermão (13.1-52). Elas formarão nossa divisão proposta, seguindo a BEG: A. Narrativa: quem era João? Quem é Jesus? (11.1 - 12.50) – começaremos a ver agora e B. Sermão: parábolas do reino (13.1-58)
A. Narrativa: quem era João? Quem é Jesus? (11. 1-12.50).
Até o próximo capítulo estaremos vendo a narrativa: Quem foi João? Quem é Jesus? Mateus explica a natureza do reino ao focalizar as identidades e os papéis de João Batista e de Jesus.
Já tinha acabado Jesus de dar aquelas instruções aos discípulos que constam do capítulo anterior, como por exemplo, pregar, curar, ressuscitar mortos, purificar leprosos, expelir demônios e lá estava ele trabalhando com o ensino e a pregação.
Uma vez que geralmente Mateus evita o uso anacrónico ou prematuro do titulo "Cristo" como um nome para Jesus, isso provavelmente significa "Quando João ouviu, no cárcere, falar dos feitos messiânicos..." João havia predito que a vinda do Messias traria julgamento, extermínio do mal e separação do joio e do trigo (3.10-12).
Porém, conquanto Jesus tenha trazido bênçãos do reino, ele também permitiu que o seu precursor fosse preso pelo ímpio Herodes. João perguntava a si mesmo onde estava a libertação dos cativos que o Messias traria (Is 61.1-2).
João envia seus discípulos para perguntar ao Senhor o que ele já sabia sobre o Cristo, mas que parecia estranho. Jesus responde mostrando os sinais que ele estava fazendo que homem algum poderia fazer. Jesus então dá testemunho de João Batista como aquele que é o maior dentre todos os nascidos de mulher.
Jesus fez com que os discípulos de João testemunhassem os seus milagres - milagres que diretamente cumpriram Is 35.5-6. João não deveria ficar ofendido pelo fato de Jesus não ter vindo primeiramente para trazer julgamento, mas para sofrer julgamento.
João Batista foi maior do que qualquer outro profeta porque ele foi o precursor mais imediato daquele para o qual todos os profetas estavam apontando: portanto, ele apontou para Cristo de maneira mais clara do que os outros. Mas ele também foi alvo da profecia, o cumprimento da profecia de Elias em MI 4.5-6 (veja o vs.14) e aquele que anunciaria o servo do Senhor (Is 40.3; Mt 3.3).
Depois da cruz, da ressurreição e do Pentecostes, “aquele que é menor no reino" é maior do que João porque pode apontar para Jesus muito mais claramente do que João pôde.
Claro, João está agora no reino junto com todos os crentes do Antigo Testamento, mas quando eles viviam na terra podiam apenas esperar ansiosamente por isso (cf. Hb 11.39.40).
Essa grandeza também pode indicar o recebimento de uma grande medida de bênçãos no reino de Deus à medida que ela se desenvolve ao longo da História. Os crentes que vivem depois da morte, ressurreição e ascensão de Cristo se alegram com a presença do reino de Deus numa medida maior quando comparada com a que João viveu.
Que alegria nossa hoje podemos contar e apontar para Cristo como João Batista fez diretamente. Também como ele, não estaremos livres, por enquanto, das Herodias e dos Herodes, mas nosso testemunho deve ser firme e fiel, sempre!
Conforme a BEG, o verbo grego traduzido "tomado por esforço" do vs. 12, também pode significar "sofrendo violência", mas em outra literatura grega quase sempre toma o primeiro sentido.
Além disso, o dito paralelo em Lc 16.16 traz "vem sendo anunciado o evangelho do reino", que corresponde a “tomado pelo esforço".
Por outro lado, em outra literatura grega o substantivo traduzido "os que se esforçam" sempre significa “pessoas violentas" e tem uma conotação negativa, como o verbo "apoderar-se" geralmente tem.
O melhor entendimento desse versículo é que o reino está sendo pressionado para frente com vigor mesmo que homens violentos (p. ex., Herodes, que aprisionou João) estejam tentando dominá-lo pela força. Não é o forte ou o vigoroso que entra no reino, mas o fraco e necessitado que sabe da sua própria fraqueza e, assim, depende de Deus (11.28.30). '
Jesus confirma que todos os Profetas e a Lei profetizaram até João e ele declara que esse João era aquele anunciado por Malaquias (Ml 4.5) como o Elias que haveria de vir, ou seja, João não é Elias, mas cumpre a mesma função de mensageiro.
A relação desse versículo de Ml 4.5 com 'meu mensageiro' em Ml 3.1 é clara.
·         Ambos os versículos iniciam com a expressão 'eis".
·         Ambos usam a mesma forma do verbo enviar.
·         Em ambos os casos a missão é trazer arrependimento.
·         À luz do dia vindouro do Senhor “preparará o caminho” em 3.1 é semelhante a “converterá” em 4.6.
A pressuposição é que este “novo Elias" seja o mesmo personagem de “meu mensageiro” (3.1). Aqui, no Novo Testamento vemos essa identificação de Elias com João Batista (Mt 17.10-13; Mc 9.11-13; Lc 1.13,17).
Ele seria aquele que converteria o coração dos pais aos filhos. O arrependimento e a volta para Deus traz a restauração dos relacionamentos familiares (Lc 1.17).
Jesus estava indignado com aquela geração que parecia como uma criança mimosa que queriam chamar a atenção. O fato era que João Batista jejuava e não bebia vinho e eles diziam que ele tinha demônio; depois veio Jesus, o Filho do Homem que comia e bebia e eles o chamaram de comilão e beberrão, amigo de publicanos e “pecadores”.
Então ele conclui dizendo que a sabedoria será comprovada pelas obras que a acompanham. Isto é, assim como as pessoas são conhecidas pelos seus frutos (7.16,20), assim também uma vida sábia será confirmada pelo que resulta dela.
Depois, Jesus increpa as cidades em que ele operara milagres onde os habitantes não creram nele. A expectativa de Jesus, se é que podemos falar assim, era que cressem depois que vissem os milagres, mas eles não tinham crido.
O filtro de Deus em relação aos homens continua sendo a fé.
Quando somos filtrados, do lado direito do Senhor, ficam os que creem e do lado esquerdo os incrédulos, os que não creem. Deus opera e coopera com os que creem; mas Deus abomina e exclui todos os que não creem.
Se meu coração está endurecido e eu estou com raiva de Deus, eu estou do lado dos que não creem. Para esses não há salvação! Aprenda a reconhecer este estado em sua alma para que jamais se deixes levar pelo engano de Satanás e sejas afastado dos retos caminhos do Senhor.
Não há misericórdias para os incrédulos! Contra quem Deus se indignou no deserto e falou que não entrariam no seu descanso? Contra os incrédulos!
O que podemos entender do vs. 25 é que Deus é soberano ao escolher aqueles a quem ele revelará a sua verdade. Toda sabedoria e aprendizado humano são irrelevantes para a questão de conhecer a Deus (1Co 1.26-31).
Eu entendo que Deus escondeu isso por causa da opção, da escolha deles, pelo endurecimento de seus corações que fizeram com que se apoiassem na sua pretensa sabedoria e conhecimento (se diziam sábios e cultos) próprios.
Aqui – vs. 27, conforme está na BEG - Jesus faz revelações extraordinárias:
(1)    A soberana disposição de Deus sobre todas as coisas foi entregue a Jesus.
Como em Dn 7, o filho do Homem recebeu todo o poder e domínio.
(2)    Jesus possui um conhecimento exclusivo do Pai, e somente o Pai o conhece verdadeiramente.
Seu conhecimento é, assim, equiparado ao do Pai, e sua condição de Filho é algo único.
(3)    A soberania de Jesus se estende até quanto a decidir quem conhecerá o Pai. Isso é paralelo ao vs. 25, mas aqui é Jesus quem revela o Pai.
Essas reivindicações são tão amplas que muitos estudiosos modernistas argumentam que elas não são autênticas, são posteriores e helenistas, mas pesquisas da linguagem e formas continuam a demonstrar o seu caráter semítico e primitivo.
A única razão real para negar que Jesus disse essas palavras é a pressuposição de que ele não poderia, possivelmente, ter dito essas coisas, um argumento circular.
Dos versos de 28 a 30, vemos, claramente, a soberania de Deus baseada num governo justo, verdadeiro e bom. Porque o filho é soberano em revelar Deus, ele tem autoridade para convidar pessoas para irem a ele. Como ele é manso e humilde, convida primeiro os oprimidos e sobrecarregados e, em segundo lugar, os fortes e livres de cuidados, ou seja, Deus é justo e verdadeiro e suas escolhas são perfeitas.
O judaísmo suporta o jugo da lei, que se tornou um fardo pesado (At 15.10). Jesus não oferece independência, mas um jugo diferente. É "fácil" e "leve" (vs. 30), não porque requer menos responsabilidade, mas porque é administrado por um Pastor que deseja um relacionamento pessoal, mais do que a dureza impessoal da lei separada de quem dá a lei. Jesus, o Senhor do sábado, oferece descanso (12.8).
Mt 11:1 Ora, tendo acabado Jesus
de dar estas instruções a seus doze discípulos, partiu dali
a ensinar
e a pregar nas cidades deles.
Mt 11:2 Quando João ouviu,
no cárcere,
falar das obras de Cristo,
mandou por seus discípulos perguntar-lhe:
Mt 11:3 És tu aquele que estava para vir
ou havemos de esperar outro?
Mt 11:4 E Jesus, respondendo, disse-lhes:
Ide e anunciai a João o que estais ouvindo e vendo:
Mt 11:5 os cegos vêem,
os coxos andam,
os leprosos são purificados,
os surdos ouvem,
os mortos são ressuscitados,
e aos pobres está sendo pregado o evangelho.
Mt 11:6 E bem-aventurado é aquele
que não achar em mim motivo de tropeço.
Mt 11:7 Então, em partindo eles, passou Jesus a dizer ao povo
a respeito de João:
Que saístes a ver no deserto?
Um caniço agitado pelo vento?
Mt 11:8 Sim, que saístes a ver?
Um homem vestido de roupas finas?
Ora, os que vestem roupas finas
assistem nos palácios reais.
Mt 11:9 Mas para que saístes?
Para ver um profeta?
Sim, eu vos digo,
e muito mais que profeta.
Mt 11:10 Este é de quem está escrito:
Eis aí eu envio diante da tua face o meu mensageiro,
o qual preparará o teu caminho diante de ti.
Mt 11:11 Em verdade vos digo:
entre os nascidos de mulher,
ninguém apareceu maior
do que João Batista;
mas o menor no reino dos céus
é maior do que ele.
Mt 11:12 Desde os dias de João Batista até agora,
o reino dos céus é tomado por esforço,
e os que se esforçam se apoderam dele.
Mt 11:13 Porque todos os Profetas
e a Lei profetizaram até João.
Mt 11:14 E, se o quereis reconhecer,
ele mesmo é Elias,
que estava para vir.
Mt 11:15 Quem tem ouvidos [para ouvir],
ouça.
Mt 11:16 Mas a quem hei de comparar esta geração?
É semelhante a meninos que, sentados nas praças,
gritam aos companheiros:
Mt 11:17 Nós vos tocamos flauta,
e não dançastes;
entoamos lamentações,
e não pranteastes.
Mt 11:18 Pois veio João,
que não comia nem bebia, e dizem:
Tem demônio!
Mt 11:19 Veio o Filho do Homem,
que come e bebe, e dizem:
Eis aí um glutão
e bebedor de vinho,
amigo de publicanos
e pecadores!
Mas a sabedoria é justificada por suas obras.
Mt 11:20 Passou, então, Jesus a increpar as cidades
nas quais ele operara numerosos milagres,
pelo fato de não se terem arrependido:
Mt 11:21 Ai de ti, Corazim!
Ai de ti, Betsaida!
Porque, se em Tiro e em Sidom
se tivessem operado os milagres
que em vós se fizeram,
há muito que elas se teriam arrependido
com pano de saco e cinza.
Mt 11:22 E, contudo, vos digo:
no Dia do Juízo,
haverá menos rigor para Tiro e Sidom
do que para vós outras.
Mt 11:23 Tu, Cafarnaum,
elevar-te-ás, porventura, até ao céu?
Descerás até ao inferno;
porque, se em Sodoma se tivessem operado os milagres
que em ti se fizeram,
teria ela permanecido até ao dia de hoje.
Mt 11:24 Digo-vos, porém, que menos rigor haverá,
no Dia do Juízo, para com a terra de Sodoma
do que para contigo.
Mt 11:25 Por aquele tempo, exclamou Jesus:
Graças te dou, ó Pai,
Senhor do céu e da terra,
porque ocultaste estas coisas
aos sábios e instruídos
e as revelaste aos pequeninos.
Mt 11:26 Sim, ó Pai,
porque assim foi do teu agrado.
Mt 11:27 Tudo me foi entregue por meu Pai.
Ninguém conhece o Filho,
senão o Pai;
e ninguém conhece o Pai,
senão o Filho
e aquele a quem o Filho o quiser revelar.
Mt 11:28 Vinde a mim,
todos os que estais cansados e sobrecarregados,
e eu vos aliviarei.
Mt 11:29 Tomai sobre vós o meu jugo
e aprendei de mim,
porque sou manso
e humilde de coração;
e achareis descanso para a vossa alma.
Mt 11:30 Porque o meu jugo é suave,
e o meu fardo é leve.
O jugo do Senhor é leve. O jugo do mundo é pesado. Com Jesus alcançamos o descanso para nossas almas e sem ele, nada conseguimos.
p.s.: link da imagem original:
Contagem regressiva: Faltam 249 dias para 20/04/16 (Inicio: 05/05/15). Tu, SENHOR, conservarás em perfeita paz aquele cujo propósito é firme; porque ele confia em ti. (Is 26.3).

A Deus toda glória! p/ pr. Daniel Deusdetehttp://www.jamaisdesista.com.br
...


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.