domingo, 26 de outubro de 2014

Esdras 1:1-11 - A AÇÃO DE DEUS NO REGRESSO DOS EXILADOS POR ORDEM DE CIRO, REI PERSA.

Sobre o livro Esdras e Neemias
O livro de Esdras e Neemias, muito provavelmente, foi escrito pelo mesmo autor – desconhecido – embora as tradições consideram que o autor tenha sido Esdras. Ele teria sido o responsável por escrever I e II Crônicas e Esdras e Neemias. De fato, o livro de Esdras-Neemias parece mesmo continuidade de I e II Crônicas.
Eles eram considerados ambos um só livro conforme se vê na Bíblia Hebraica, no Talmude, nos escritos de Flávio Josefo, nos manuscritos mais antigos da Septuaginta.
Um dos primeiros teólogos a separar esses livros foi Orígenes, depois Jerônimo e atualmente as traduções modernas.
Ambos, Esdras e Neemias, foram contemporâneos, sendo que muito provavelmente, Esdras tenha chegado primeiro a Jerusalém – em 450 a.C., “no sétimo ano” – Ed 7:8 – de Artaxexes I. Neemias deve ter vindo “no ano vigésimo” – 445 a.C.; Ne 2:1.
O propósito desses livros era incentivar o remanescente de Israel do pós-exílio que haviam regressado à Terra Prometida a continuar o trabalho que Zorobabel, Esdras e Neemias haviam iniciado.
Obviamente que se trata de um livro histórico com essa demonstração positiva desses trabalhos de Zorobabel, Esdras e Neemias com a finalidade de servir de exemplo  e incentivo para sua continuidade.
Assim, o livro de Esdras conta como alguns judeus que estavam na Babilônia como prisioneiros voltaram, por volta de 515 a.C., para Jerusalém reconstruírem o templo e começaram outra vez,  a adorar a Deus em Jerusalém.
Verdades fundamentais encontradas no livro, conforme a Bíblia de Estudo de Genebra – BEG. 1. Deus apoiou e abençoou Zorobabel, Esdras e Neemias no trabalho de incrementar a restauração depois do exílio. 2. Quando a restauração de Israel perdeu o seu vigor, Esdras e Neemias forneceram liderança fiel. 3. O templo e Jerusalém eram de suma importância para que Deus abençoasse o seu povo. 4. O seu povo (todo o povo de Deus, ou seja, todo o remanescente do povo do pós-exílio) teve de ser conduzido ao arrependimento e à santidade, para que pudessem receber a bênção de Deus.
Iremos também seguir a divisão de capítulos proposta pela BEG para termos um referencial de qualidade em nossos estudos e reflexões.
Parte I – O REGRESSO DOS EXILADOS E A RECONSTRUÇÃO DO TEMPLO – 1:1 a 6:22.
Parte II – O REGRESSO DE ESDRAS E A RECONSTRUÇÃO DA COMUNIDADE – 7:1 a 10:44.
Há duas informações importantes na introdução desses livros pela BEG que merecem destaque. Uma fala de que Esdras e Neemias se trata de uma compilação de vários documentos separados, entretecidos com grande habilidade por meio de listas. A outra também fala de várias correspondências oficiais que são as cartas que permaneceram em suas próprias línguas originais – o aramaico, língua usada na diplomacia internacional dessa época e lugar -, não sendo traduzidas.
As listas são:
(1) Dos utensílios do templo (1:9-11).
(2) Dos primeiros exilados que regressaram (2:3-70; repetida em Ne 7:8-73).
(3) Dos líderes que regressaram com Esdras (8:2-14).
(4) Dos envolvidos em casamentos mistos (10:18-43).
(5) Dos que reconstruíram o muro (Ne 3).
(6) Dos que selaram a aliança (Ne 10:1-27).
(7) Dos novos residentes em Jerusalém e cidades vizinhas (Ne 11).
(8) Dos sacerdotes e levitas que voltaram com Zorobabel (Ne 12:1-26).
As cartas são:
(1) A carta de Reum a Artaxerxes (4.11-16).
(2) A resposta de Artaxerxes (4.17-22).
(3) A carta de Tatenai a Dario (5.7-17).
(4) O memorando referente ao decreto de Ciro (6.2-5).
(5) A resposta de Dario a Tatenai (6.6-12).
(6) A carta de Artaxerxes em favor de Esdras (7.12-26).
Além disso, o livro também traz
·         O decreto de Ciro (1:2-4).
·         As memórias de Esdras (7:27-9:15).
·         As memórias de Neemias (Ne 1:1 – 7:5; 12:27-43; 13:4-31).
A revelação de Cristo é uma característica importante do livro de Esdras—Neemias. O livro revela Cristo de pelo menos cinco maneiras.
1.        O trabalho de Esdras e Neemias teve como base a iniciativa de Zorobabel, o descendente de Davi que representou a família real no início da restauração final do povo de Deus à bênção (Ag 1 - 2; Zc 1 - 8). O trabalho de Zorobabel ficou aquém das expectativas, mas, posteriormente, Jesus viria da linhagem de Zorobabel (Mt 1.12-16) e receberia as promessas dadas à casa de Davi depois do exílio.
Contados desde Abraão, Zorobabel foi o 31º e Jesus Cristo foi 42º.

2.        Os retratos idealistas de Zorobabel, Esdras e Neemias como líderes prenunciam a obra de Cristo. Do mesmo modo que esses homens dedicaram a própria vida a conduzir o povo de Deus às bênçãos divinas, Cristo conduz os seus às bênçãos supremas e eternas.
Como Cristo – Mt 23:1-39 -, Esdras e Neemias confrontaram e corrigiram o pecado em Israel – 9:1-15; 10:10-14; Ne 1:6-7; 9:1-3, 26-38; 13:15-27. Como Cristo – Jo 17:6-26 -, eles se identificaram com o povo pecador e oraram por ele – 9:6-15; Ne 1:4-11.
3.        O enfoque sobre a reconstrução e o funcionamento correto do templo em Jerusalém prefigura Cristo. O templo é um elemento central da fé cristã. Cristo não apenas purificou o templo – Mt 21:12-13; Jo 2:13-17 – como também se tornou o templo – Jo 2:19-22. Cristo institui a igreja como templo de Deus – I Co 3:16-17; II Co 6:16 – e hoje, ministra no templo celestial – Hb 9:11-12, 24.
Quando voltar, Cristo trará a nova Jerusalém do céu para a terra a fim de tornar o novo céu e nova terra a cidade santa de Deus,  como ele próprio e o Pai como o seu templo – Ap 21:22. Os temas de santidade, sacrifícios orações, perdão, sacerdócio e da presença de Deus, associados com o templo em Esdras—Neemias são cumpridos em Cristo.
4.        As reformas morais que Esdras e Neemias realizaram no âmbito nacional se cumpriram, igualmente, de modo supremo em Cristo. Ele também conclamou o povo da aliança de Deus a voltar para o Senhor e à sua lei – Mt 5:17-19. Na verdade, por meio de sua morte e ressurreição e do poder do seu Espirito, Cristo purifica da injustiça e conduz à vida de fé – I Jo 1:7-9 - todos os que creem nele para que possam herdar as bênçãos de Deus - Mt 25:34-40; Rm 6:1-23; I Pe 3:9-12.
5.        Durante a breve estadia de Esdras em Jerusalém, ele reconstituiu Israel e deu à sua fé uma forma que permitiria que ela sobrevivesse ao longo dos séculos. Esdras organizou a comunidade judaica em torno da lei, a Torá. Dessa época em diante, a marca distintiva de um judeu não seria geográfica ou nacional, mas sim, referente à aceitação da lei. A lei abriu um caminho para a superação das limitações étnicas e geográficas de outros tempos. Essa mudança na fé judaica lançou os alicerces para muitas das características da fé cristã. O culto cristão, a organização eclesiástica, a vida em comunidade, os empreendimentos missionários e outros elementos da fé cristã se firmaram, em grande parte, nessas mudanças resultantes do ministério de Esdras.
Parte I - O REGRESSO DOS EXILADOS E A RECONSTRUÇÃO DO TEMPLO – 1:1 a 6:22.
Os primeiros exilados que regressaram deram inicio à restauração depois do exílio. Esse grupo foi liberto da Babilônia e abençoado por Deus. Zorobabel conduziu o povo às bênçãos de Deus ao reconstruir o templo apesar da oposição.
Ed :1-11 Segmentação e Reflexões
Essa parte primeira será dividida em duas. A. O regresso dos exilados – 1:1 a 2:70. B. A reconstrução do templo – 3:1 a 6:22.
A. O regresso dos exilados – 1:1 a 2:70.
Depois do exílio, Zorobabel conduziu parte do povo de Deus de volta à Terra Prometida. Esse regresso é descrito em três partes. O decreto de Ciro – 1:1-4. 2. Os preparativos para o regresso – 1:5-11. 3. A lista dos que regressaram – 2:1-70.
O decreto de Ciro – 1:1-4.
O livro de I e II Crônicas parece ter sido escrito com essa finalidade de mostrar mesmo ao povo remanescente de Israel do pós-exílio a sua origem desde Adão e mostrar mesmo a descendência deles até Davi.
Com isso eles estavam criando uma consciência no povo de Deus do reinado davídico como dando legitimidade a ele para lhes mostrar que Davi fora a escolha de Deus e assim a sua descendência seria perpetuada pela eternidade.
Com Davi veio a ideia da construção do templo que ele não pode fazer, mas que foi executada por seu filho Salomão.  Com a centralidade do templo e o reino davídico, a ênfase se tornou nas alianças e na palavra de Deus, nas suas leis, ordenanças, cerimoniais, nos ritos sacerdotais, no louvor.
O remanescente sabia que estava vindo de uma situação complicada de exílio por causa da desobediência à palavra de Deus. Assim, doravante, iriam buscar as bênçãos de Deus.
Quando parece que crônicas vai ter fim depois de expor todos os reis que se levantaram em sucessão a Davi, desde Salomão, até Zezequias, não fazendo muito caso dos reis do Reino do Norte, sem os citar como foi feito nos livros de Reis, ele é praticamente interrompido sendo seus últimos versículos os primeiros de Esdras.
Vejamos como ficam sua redações comparadas:
II Cr 36:22-23.
Ed 1:1-4
II Crônicas 36:22 Porém, no primeiro ano de Ciro, rei da Pérsia (para que se cumprisse a palavra do SENHOR pela boca de Jeremias), despertou o SENHOR o espírito de Ciro, rei da Pérsia, o qual fez passar pregão por todo o seu reino, como também por escrito, dizendo:
II Crônicas 36:23 Assim diz Ciro, rei da Pérsia: O SENHOR Deus dos céus me deu todos os reinos da terra, e me encarregou de lhe edificar uma casa em Jerusalém, que está em Judá.
Quem há entre vós, de todo o seu povo, o SENHOR seu Deus seja com ele, e suba.

Esdras 1:1 No primeiro ano de Ciro, rei da Pérsia (para que se cumprisse a palavra do SENHOR, pela boca de Jeremias), despertou o SENHOR o espírito de Ciro, rei da Pérsia, o qual fez passar pregão por todo o seu reino, como também por escrito, dizendo:
Esdras 1:2 Assim diz Ciro, rei da Pérsia: O SENHOR Deus dos céus me deu todos os reinos da terra, e me encarregou de lhe edificar uma casa em Jerusalém, que está em Judá.
Esdras 1:3 Quem há entre vós, de todo o seu povo, seja seu Deus com ele, e suba a Jerusalém, que está em Judá, e edifique a casa do SENHOR Deus de Israel (ele é o Deus) que está em Jerusalém.
Esdras 1:4 E todo aquele que ficar atrás em algum lugar em que andar peregrinando, os homens do seu lugar o ajudarão com prata, com ouro, com bens, e com gados, além das dádivas voluntárias para a casa de Deus, que está em Jerusalém
Como se vê, a passagem de Crônicas é repetida em Esdras com algumas variações. Ciro tinha adotado uma política liberal em relação a vários pontos deportados pelos babilônios. A libertação de Israel traz à memória a oração feita por Salomão na dedicação do templo.
Enquanto o cronista encerra a sua história como um relato de que Ciro, o imperador persa, libertou o remanescente de Israel, sob direção de Deus, com o propósito específico de reconstruir o templo onde também incentiva os seus leitores do pós-exílio a renovarem o seu compromisso com o templo novo de sua época, Esdras, conforme cremos, sendo o mesmo autor, dá mais detalhes do rei da Pérsia.
Ele pede claramente que seja edificado a Casa do Senhor, uma vez que ele é o Deus que habita em Jerusalém.
Ciro, rei da Pérsia, governou sobre a Babilônia de 539 a.C. até 530 a.C. Foi no primeiro ano de seu reinado, em 538 a.C., que a palavra do Senhor se cumpriu na vida dele de forma que fez passar pregão por todo seu reino dando a ordem para a reconstrução da Casa do Senhor.
Jeremias havia profetizado um cativeiro de setenta anos na Babilônia (Jr 25:11-12; 29:10). No antigo Oriente Próximo, setenta anos era o modo padrão de descrever um período de julgamento divino. Equivalia aproximadamente à duração da vida de um modo geral (Sl 90:10) ou, mais especificamente, da vida do rei sob o qual o juramento havia ocorrido (Is 23:15), mas esse período podia ser estendido ou abreviado - Is 23:15,17; Dn 9:2; Zc 1:12.
De 605 a.C. (quando os primeiros cativos foram deportados) até 538 a.C. (quando o decreto para regressarem foi publicado), passaram-se sessenta e sete anos. É possível que a passagem também esteja se referindo a outras profecias (veja Jr 16:14-15; 27:22). O Senhor cumpriu a palavra que ele havia proferido mais de meio século antes.
Deus tinha uma incumbência especial para Ciro (Is 44:28; 45:1). A ação de Deus no coração de Ciro expressa um tema importante do livro: a aprovação divina do seu programa de restauração.
Conforme a BEG, Ciro usou um nome comum para Deus no período após o exílio - um título que identifica o Senhor como autoridade e poder supremo – encontrado principalmente em Esdras, Neemias e Daniel.
Ciro deu testemunho da aprovação divina da sua decisão política. É de se duvidar que ele tenha, de fato, compreendido e crido em seu próprio testemunho, pois no Cilindro de Ciro são encontradas declarações semelhantes acerca de Marduque.
Israel recebeu o mesmo tratamento dado por Ciro a outros povos que também eram seus súditos. Seu propósito era usar os deuses desses povos para os seus próprios interesses. No entanto, o desígnio controlador do Senhor visava dar continuidade ao progresso de seus propósitos redentores.
A comissão de Ciro foi dirigida ao povo em geral, e não aos líderes, expressando um tema importante do livro. O Povo de Deus como um todo era essencial para a realização do plano redentor de Deus.
No verso 3 quando a expressão “suba a Jerusalém” é usada, conforme a BEG, ela estaria fazendo referência à volta do exílio como um novo êxodo. O verbo traduzido como "subir" é o mesmo usado para descrever a maneira como o Senhor fez o seu povo sair do Egito (Ex 32:1,4,7,8,23).
O Deus que havia tirado Israel do Egito estava operando para salvar o seu povo (Is 11:11; Jr 16:14-15).
Temos no verso 4 outro paralelo com o êxodo, no qual os egípcios mandaram Israel embora com presentes (Ex 12:35-36). Seguindo o padrão da saída do Egito, o povo de Deus se preparou para regressar recebendo presentes e suprimentos de seus captores.
2. Os preparativos para o regresso – 1:5-11.
Seguindo o padrão da saída do Egito, o povo de Deus se preparou para regressar recebendo presentes e suprimentos de seus captores.
E foram se levantando todos aqueles cujo espírito Deus despertou para subirem a edificar a Casa de Deus. É curioso que o mesmo verbo hebraico “despertou” é usado tando no vs 1, quanto aqui no vs 5. Lá, Deus despertou Ciro; aqui, os cabeças de famílias de Judá e de Benjamim, e os sacerdotes, e os levitas. Isso nos mostra o poder soberano de Deus que controla todas as coisas no qual ele mesmo gerou o decreto e ele mesmo suscitou a resposta.
Além de estarem voltando com presentes, também estariam voltando com os utensílios do templo de acordo com o decreto de Ciro. O Senhor cumpriu a sua promessa de que, depois de disciplinar o seu povo por ter rompido a aliança, ele os levaria de volta à Terra Prometida – Dt 30:1-5.
Ed 1:1 No primeiro ano de Ciro, rei da Pérsia
                (para que se cumprisse a palavra do SENHOR,
                               pela boca de Jeremias), despertou o SENHOR
                                               o espírito de Ciro, rei da Pérsia, o qual fez passar
                                                               pregão por todo o seu reino,
                                                                              como também por escrito, dizendo:
                Ed 1:2 Assim diz Ciro, rei da Pérsia:
                               O SENHOR Deus dos céus me deu todos os reinos da terra,
                                               e me encarregou de lhe edificar uma casa
                                                               em Jerusalém, que está em Judá.
                Ed 1:3 Quem há entre vós, de todo o seu povo, seja seu Deus com ele,
                               e suba a Jerusalém, que está em Judá, e edifique a casa do
                               SENHOR Deus de Israel (ele é o Deus)
                                               que está em Jerusalém.
                Ed 1:4 E todo aquele que ficar atrás em algum lugar em que andar
                               peregrinando, os homens do seu lugar o ajudarão com prata,
                                               com ouro, com bens, e com gados, além das dádivas
                                               voluntárias para a casa de Deus,
                                                               que está em Jerusalém.
                Ed 1:5 Então se levantaram os chefes dos pais de Judá e Benjamim,
                               e os sacerdotes e os levitas, com todos aqueles cujo espírito
                                               Deus despertou, para subirem a edificar
                                                               a casa do SENHOR, que está em Jerusalém.
                Ed 1:6 E todos os que habitavam nos arredores lhes firmaram as mãos
                               com vasos de prata, com ouro, com bens e com gado, e com
                                               coisas preciosas; além de tudo o que
                                                               voluntariamente se deu.
                Ed 1:7 Também o rei Ciro tirou os utensílios da casa do SENHOR,
                               que Nabucodonosor tinha trazido de Jerusalém, e que tinha
                                               posto na casa de seus deuses.
                Ed 1:8 Estes tirou Ciro, rei da Pérsia, pela mão de Mitredate,
                               o tesoureiro, que os entregou contados a Sesbazar,
                                               príncipe de Judá.
                Ed 1:9 E este é o número deles:
                               trinta travessas de ouro, mil travessas de prata,
                               vinte e nove facas, Ed 1:10 Trinta bacias de ouro,
                                               mais outras quatrocentas e dez bacias de prata,
                                                               e mil outros utensílios.
                Ed 1:11 Todos os utensílios de ouro e de prata foram
                               cinco mil e quatrocentos;
                                                todos estes levou Sesbazar, quando os do cativeiro
                                                               subiram de Babilônia para Jerusalém.
Quantas coisas há para aprender com os relatos bíblicos e agora a oportunidade de verificar nesses três últimos livros históricos a história desse povo escolhido por Deus e mais teimoso do que a própria teimosia personificada.
Há propósitos em tudo o que Deus faz! Nossas vidas não estão diante de nós sem qualquer finalidade. Quem olha o cenário atual pode até imaginar que o acaso é o nosso deus e a sorte nossa deusa, mas vendo a história desse povo de Deus e a sua condução e a paciência e a misericórdia de Deus, logo se admira com a sua sabedoria e longanimidade.
Tudo o que está escrito na Palavra de Deus irá se cumprir!
 p.s.: link da imagem original:
Contagem regressiva: Faltam 282 dias para 04/08/2015, quando eu irei concluir a Segmentação de toda a Bíblia.

A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdetehttp://www.jamaisdesista.com.br
...

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.