domingo, 18 de agosto de 2019

Sermão - Como Fazer Votos ao Senhor


Os Propósitos/Votos ao Senhor

·     O que é um voto?
·     Como fazer um voto ao Senhor?
·     Posso fazer votos ao Senhor?
·     Quando devo fazê-los?
·     Eu posso dobrar a vontade do Senhor a meu favor com os votos?
·     Quais exemplos bíblicos de homens e mulheres de Deus que fizeram votos ao Senhor?
·     Que lições eles nos deixaram sobre os votos?
[VAMOS TENTAR RESPONDER TODAS ESSAS QUESTÕES COM ESSA PALAVRA QUE É MAIS UM ESTUDO QUE TEM POR OBJETIVO TRAZER ESCLARECIMENTOS BÍBLICOS SOBRE O ASSUNTO]
Seguem algumas dicas para aqueles que estão buscando ao Senhor e querem fazer votos/propósitos.

Se isso está nascendo e se tornando forte em seu coração, não temas, busque a Deus com todo seu coração, alma, forças e entendimento. O Espírito Santo irá te ajudar ou melhor, ele mesmo já está te atraindo para ele próprio.

A figura do voto é muito utilizada quando a situação está difícil, fora de controle, ameaçadora e não conseguimos ver uma saída e pedimos socorro a Deus que sendo ele propício ao nosso clamor, fazemos algo em troca.

Podemos votar nos momentos de aflição ou em momentos que precisamos de decisões e não sabemos o que fazer. Sim, podemos. A Bíblia recomenda que se fizermos os votos, devemos cumpri-lo porque Deus honra a sua parte e nós devemos igualmente honrá-la.

A melhor recomendação nesses casos é não votar, mas se votar, cumprir o voto. O que vota e não cumpre ou despreza seu voto, é tolo e por sua tolice pagará alto preço. Melhor não votar se não for cumprir.
A Bíblia afirma categoricamente que é melhor não fazer votos do que votar e não cumprir o que se votou.
Geralmente votamos algo que deveríamos fazer e não fazemos, podem reparar nisso. Se já íamos fazer algo, por que então votaríamos? Se deveríamos, mas não fazemos, o voto acaba sendo o estimulador da ação a qual já deveríamos fazer. Interessante, né?

Com voto ou sem voto, Deus sempre estará no controle de toda e qualquer situação.

Conheça mais o seu Deus e então vote. O voto então é muito sério! No entanto, não é errado fazer votos.

Não é errado fazer votos!

Vamos então às instruções para fazermos os nossos votos:

ü Ponha diante de Deus a sua causa – I Pe 5.7.
Não é que você precisa dar conhecimentos a Deus pelo que está passando, pois ele conhece e sabe de tudo. Aproxime-se diante de Deus, com inteira certeza de fé, sabendo que ele sabe de tudo, te conhece, te ama, não está longe de ti e verdadeiramente se importa sim contigo. Lembre-se que Deus é soberano, sábio e bom. Reconheça ele nessa situação pela qual você está passando.
Deus é soberano, sábio e bom!
Um dia desses eu enfrentava algo terrível e a tempestade parecia que ia destruir tudo em minha vida. Temi e tremi diante de tudo aquilo e me senti totalmente impotente. Foi nesse momento que o Senhor me mostrou aquela cena em que andava por cima das águas e o barquinho dos discípulos era açoitado por fortes ondas e ventos a ponto de desesperarem da vida. O que eles viram? Primeiro viram um fantasma! Tamanho era o horror deles que não viram que era o Senhor, mas um fantasma. No entanto, não era fantasma não, era o Senhor que estava no meio da tempestade e das ondas, caminhando tranquilamente, como se nada pudesse abatê-lo.
O Senhor então me disse em meu coração: - filho, tu és capaz de me ver aqui na tempestade?
- Sim, meu Senhor, estou te vendo! Socorro! Salva-me!
Aí o Senhor me disse para eu adorá-lo, mas não porque ele poderia fazer cessar a tempestade com uma simples palavra, mas porque ele é Deus e reconhecê-lo ali, naquela hora, seria algo libertador para minha alma.
A minha dica é adore a Deus pelo que ele é, nunca pelo que ele pode fazer por ti. Ele te conhece, está contigo na tempestade, apenas confie nele e espere nele. Deus é Deus de propósitos! De inteligência! De Sabedoria! De amor!
ü Reconheça, em primeiro lugar, que você é pecador(a) e carente da graça e da glória de Deus e peça perdão a Deus que é rico em perdoar – I Pe 5.6; I Jo 1.9,10.
ü Ore e peça direção a Deus para poder fazer o seu propósito/voto e ele te ajudará a escolher aquilo que traz mais honras e glórias a ele e não a você. O sacrifício não é de tormento, de dor, de privações, mas daquilo que você entender que trará mais glórias a ele, Deus, o Senhor – I Sm 1.10,11; I Co 10.31.
ü Ponha em seu voto/propósito, seja o que for ele (que Deus vai te ajudar nisso), a leitura/meditação em sua Palavra, as Escrituras, a Bíblia – Js 1.8; II Tm 3.16, 17; Mt 4.4.
ü Organize a sua vida material, emocional e espiritual diante de Deus. Tenha atitude de querer mudar, melhorar e obedecer ao Senhor – Mt 5.48.
Nós, nesta vida, nunca conseguiremos ser varões perfeitos, mas também, nunca devemos deixar de buscar o crescimento em Cristo Jesus – Gl 4.19.
ü Saiba perdoar e perdoar-se.
Qual é mesmo o segredo do perdão? Sim, o segredo é: - PERDOAR! Se você guarda mágoas e não perdoa, não adianta campanhas, votos e propósitos diante de Deus – Mt 6.14 e 15.
ü Invoque a Deus com fé!
Creia que ele é poderoso para fazer infinitamente mais do que pedimos, pensamos ou imaginamos – Sl 91.15; 116.1-2; Ef 3.20 – e o busque na certeza de que ele mesmo se deixará achar por ti – Jr 29-11.14.
Por essa razão, tenha fé em Deus! Creia! Adore a ele! Louve-o! Cante! Ora, sem fé é impossível agradar-lhe; porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe, e que é galardoador dos que o buscam - Hebreus 11:6.
Entenda que os sacrifícios a Deus são um coração compungido: Sacrifícios agradáveis a Deus são o espírito quebrantado; coração compungido e contrito, não o desprezarás, ó Deus. - Salmos 51:17.
ü Tenha paciência sabendo esperar o tempo de Deus.
Eu sei que é difícil e complicado. Dá mesmo vontade de desanimar, de sumir, de desistir. Se você está buscando a cura de alguém enfermo em seu propósito, saiba que Deus nisso também está te curando de algo. Diz a palavra de Deus que ele nos prova (nunca nos tenta) mas nos prova.
Ele não nos prova para nos reprovar, antes, sempre, para aprovar. A+prova+R = veja que temos na prova para aprovar o AR, isso, o fôlego de vida que precisamos respirar e obter energias.
Certa vez, fui designado para pregar. Então busquei o Senhor para ministrar a palavra dele. Eu estava preparando tudo quando de repente fui assaltado por maus pensamentos que me constrangeram e fiquei muito perturbado a ponto de quase ligar para o pastor que tinha me convidado e desistir de pregar.
Eu ia ligar e desistir e dizer-lhe que eu não tinha condições de pregar naquela noite... Aí, Deus falou comigo:
- Filho, como você poderá pregar e alcançar corações que estão passando por isso se você nem sente nada?
Então, compreendi, claramente, que eu estava enfrentando esses pensamentos ruins por causa da Palavra de Deus e, dessa forma, preguei com ousadia e com conhecimento de causa.
Temos de confiar mais em Deus! Acredite sempre nele, confie e espere com paciência que a obra será grande em sua vida e ministério.
ü O voto/propósito é coisa séria! Muito séria!
Deus não nos terá por inocentes nisso. A Bíblia mesmo diz que é MELHOR não votar do que votar e não cumprir! – Ec 5.4-7.
Qual será ou deverá ser o seu voto/propósito?
Isso será melhor definido entre você e o Espírito Santo que o ajudará! Não tenha medo e busque em Deus a resposta certa. Ele colocará em seu coração o que e como será seu voto. Tenha como pressuposto que tudo deve ser, em primeiro lugar, para a glória de Deus e em segundo sua alegria nele.
Alguns fazem votos de jejuns de ficarem sem comer e/ou beber durante um período, por exemplo, o período da manhã, por 3 dias ou 7 ou 21 ou 40 ou seja lá quantos forem os dias...
Outros fazem votos de não se distraírem com TV, internet, redes sociais.
Outros ainda de fazerem visitas evangelísticas ou de caridade...
Deus vai te ajudar a definir seu voto!
Algumas referências em nosso blog/site Jamais Desista sobre o assunto:
[VEJAMOS, SUCINTAMENTE, ALGUNS EXEMPLOS BÍBLICOS DE VOTOS. MANTENHAM SUAS BÍBLIAS ABERTAS, POR FAVOR]
1.    Nm 21.1-3 – O voto de Israel para vencer o rei cananeu Arade.
2.    I Sm 1.10-11 – O voto de Ana.
3.    Lv 27 – Instruções gerais sobre os votos.
4.    Nm 30 - O reforço nas instruções sobre os votos.
5.    Jz 11 – O voto insensato de Jefté.
Nm 21:1 Ouvindo o cananeu, rei de Arade, que habitava para o lado sul, que Israel vinha pelo caminho dos espias, pelejou contra Israel, e dele levou alguns prisioneiros. Nm 21:2 Então Israel fez um voto ao SENHOR, dizendo: Se de fato entregares este povo na minha mão, destruirei totalmente as suas cidades. Nm 21:3 O SENHOR, pois, ouviu a voz de Israel, e lhe entregou os cananeus; e os israelitas destruíram totalmente, a eles e às suas cidades; e o nome daquele lugar chamou Hormá.
Aqui, Israel se vê diante de um inimigo cananeu, o rei Arade que habitava o lado sul que acabara de pelejar contra Israel e que triunfara sobre alguns deles levando inclusive prisioneiros.
Neste momento difícil para Israel, diante do perigo e da ameaça inimiga, conhecendo ao seu Deus, faz um voto ao Senhor e este ouve, se agrada, atende e eles cumprem o voto.
I Samuel 1:10 Ela[Ana], pois, com amargura de alma, orou ao SENHOR, e chorou abundantemente.
I Samuel 1:11 E fez um voto, dizendo: SENHOR dos Exércitos! Se benignamente atentares para a aflição da tua serva, e de mim te lembrares, e da tua serva não te esqueceres, mas à tua serva deres um filho homem, ao SENHOR o darei todos os dias da sua vida, e sobre a sua cabeça não passará navalha.
Ao meditarmos no que Ana fez para se livrar de sua aflição, veremos, resumidamente que:
1.    Ana buscou ao Senhor em oração.
2.    Na aflição de sua alma, votou ao Senhor.
3.    Lançou sobre ele, o Senhor, no seu Templo, toda a sua ansiedade.
4.    Recebeu a bênção do sacerdote Eli.
5.    Levantou-se.
A busca do Senhor, principalmente em oração, deve ser um continuum em nossa vida, quer estejamos, quer não estejamos em aflição.
É óbvio que a aflição, naqueles que são crentes, é como a lenha que mantém a chama da busca acesa. Quem está aflito e conhece ao Senhor, sabe que deverá orar ainda mais.
A sua aflição a levou a votar. Quando estamos assim desesperados, nossa tendência é a de votarmos algo ao Senhor. Já dissemos que a Bíblia nos orienta a não votarmos precipitadamente como é conhecido o voto precipitado, tolo, de Jefté – Juízes 11.30-35.
Alguns versículos bíblicos sobre votos ao Senhor:
"Façam votos ao Senhor, ao seu Deus, e não deixem de cumpri-los"(Salmo 76.11a NVI).
"Se um de vocês fizer um voto ao SENHOR, o seu Deus, não demore a cumpri-lo, pois o SENHOR, o seu Deus, certamente lhe pedirá contas, e você será culpado de pecado se não o cumprir"(Deuteronômio 23.21 NVI).
"Faça tudo para cumprir o que os seus lábios prometeram, pois com a sua própria boca você fez, espontaneamente, o seu voto ao SENHOR, o seu Deus"(Deuteronômio 23.23 NVI).
"É uma armadilha consagrar algo precipitadamente, e só pensar nas consequências depois que se fez o voto"(Provérbios 20.25 NVI).
 "Quando você fizer um voto, cumpra-o sem demora, pois os tolos desagradam a Deus; cumpra o seu voto"(Eclesiastes 5.4 NVI).
"Não seja precipitado de lábios, nem apressado de coração para fazer promessas diante de Deus. Deus está nos céus, e você está na terra, por isso, fale pouco. Das muitas ocupações brotam sonhos; do muito falar nasce a prosa vã do tolo"(Eclesiastes 5.2-3 NVI).
"Quando você fizer um voto, cumpra-o sem demora, pois os tolos desagradam a Deus; cumpra o seu voto. É melhor não fazer voto do que fazer e não cumprir. Não permita que a sua boca o faça pecar. E não diga ao mensageiro de Deus: "O meu voto foi um engano". Por que irritar a Deus com o que você diz e deixá-lo destruir o que você realizou? Em meio a tantos sonhos absurdos e conversas inúteis, tenha temor de Deus"(Eclesiastes 5.4-7 NVI).
"Cumprirei os votos que te fiz, ó Deus; a ti apresentarei minhas ofertas de gratidão"(Salmo 56.12 NVI).
"Ofereça a Deus em sacrifício a sua gratidão, cumpra os seus votos para com o Altíssimo, e clame a mim no dia da angústia; eu o livrarei, e você me honrará"(Salmo 50.14-15 NVI).
A palavra de conselho sempre será a de que não vote de modo algum, mas, se por acaso, votar – o que não está errado -, não devemos tardar em cumpri-lo.
Ana, em sua aflição, votou ao Senhor e, depois de alcançada a sua bênção, cumpriu seu voto, honrando assim a Deus que a atendera.
Percebe-se na vida de Ana que ela conhecia o Senhor, por isso votou, por isso cumpriu, por isso foi bem-sucedida a despeito de tudo o que lhe era contrário.
O capítulo 27 de Levítico está assim dividido: votos particulares e a avaliação deles dos vs. 1 ao 15; voto de um campo e o resgate dele, dos vs. 16 ao 27; não há resgate para certas coisas consagradas, dos vs. 28 a 29; e, sobre as dízimas dos vs. 30 ao 34.
Os votos não são moedas de negócios que temos nas mãos prontas para qualquer emergência espiritual de tal forma que as usando, garantiremos o livramento, o socorro e a coisa desejada. Na verdade, somos levados a fazer o voto por causa da grande aflição a que estamos sujeitos o qual o Senhor poderá aceitar ou não (o voto).
Eu não posso obrigá-lo a aceitar meus votos e com isso forçá-lo em sua vontade fazendo a minha vontade: isso é ignorância espiritual. Eu não sou Deus, Deus é Deus. Eu sou apenas um instrumento de Deus o qual ele usa como quiser – At 9:15.
Eu tenho de entender que se eu estou desejoso de fazer um voto específico por uma causa específica e legítima para mim dentro do reino de Deus é porque Deus está querendo exatamente isso de mim.
Eu não forço nada diante de Deus, simplesmente deixo acontecer para a glória de Deus!
Em Nm 30, encontraremos o reforço nas instruções sobre os votos.
Ainda visando inculcar na mente da segunda geração a importância da centralidade do tabernáculo, Moisés dá um reforço das instruções sobre os votos. O assunto do voto já foi visto no cap. 21 de Números e em livros anteriores, por exemplo Levítico 7, 17, 22, 23, 27.
Moisés começa o presente capítulo 30 de Números dizendo para os novos cabeças das tribos dos filhos de Israel a palavra que o Senhor tinha ordenado. E assim, começa sua instrução.
Ela não foi produzida pela mente de Moisés, nem imaginada na mente de Arão ou de qualquer outro israelita. Era Deus o instrutor que ensinava o povo sobre as questões dos votos.
A palavra chave do voto é não fazer votos, mas se fizer, cumprir.
Como já vimos anteriormente, os votos geralmente são feitos em momentos de grande tribulação, dificuldade ou desejo intenso por uma resposta divina importante.
Não é que Deus tenha de se sentir pressionado para aí então oferecer a sua resposta por exigência de votos. Os votos não têm a capacidade de dobrar a vontade divina a nosso favor como se fosse uma mandinga ou um encantamento.
Há crentes que creem na onipotência divina, mas não creem na sua soberania.
Como eu creio em ambos, eu não sou dos que tentam manipular a Deus, antes daqueles que como Cristo, Paulo, Pedro, os apóstolos, Davi, Moisés, José, aceitaram o governo de Deus, embora nem ainda consigamos, no presente momento, entender.
Os que manipulam a fé ou não creem na soberania divina, acham que o poder está a eles disponível como uma chave de conhecimento ou como um mantra ou como se fosse uma lei espiritual que a partir de seu conhecimento “Shazam!”[1] tudo se resolve.
Eu não tenho o poder, a força, o domínio, antes sou instrumento de Deus que me usa como quer, podendo ser com poder, com força e com domínio. Repararam como é diferente!
As instruções então são detalhadíssimas aos que irão fazer uso dos votos ao Senhor. Há os casos dos homens, das mulheres, das casadas, das que estão na dependência dos pais. Em cada caso, instruções para tudo ser feito com temor e tremor diante de Deus.
Eu mesmo gosto de fazer votos a Deus e continuarei a fazê-los, mas sempre crendo em sua onipotência e soberania.
Este cap. 11 de Jz fala de um homem valoroso, mas precipitado.
Foi o Senhor quem levantou Jefté para os liderar e vencer os inimigos de Israel. Os anciãos de Gileade o buscaram e com ele negociaram para que, se vencesse, torna-se o líder deles. Eles a princípio negociaram com Jefté para se tornar ele, se vencesse, o chefe deles, mas Jefté, muito sagaz, acordou com eles não o tornar-se somente chefe, mas o cabeça ou o chefe tribal – como se fosse um rei.
De um simples acordo verbal, agora estavam já celebrando um pacto na presença do Senhor em Mizpa – vs. 10 - já tornando-se assim o chefe de todos eles. O acordo estava condicionado a sua vitória, mas já estavam celebrando isso como fato.
A título de curiosidade, foi também em Mizpa, anos depois, que Saul foi proclamado rei diante do Senhor – I Sm 10:17.
Como líder deles e chefe, Jefté questiona a razão dos amonitas estarem indo contra Israel e eles respondem dizendo que isso se deu na ocasião quando Israel foi libertado do Egito e ao sair e subir do Egito tomou a terra desde Amon até ao Laboque e ainda até ao Jordão. Eles estavam querendo a devolução da terra conquistada.
No entanto, Jefté dá a eles uma aula de história e mostra como conquistaram a terra que agora lhes pertencia tendo o Senhor dado a eles e que não iriam devolver. Jefté conhecia a história e parece que conhecia o Senhor e suas conquistas e como tinha sido com Israel desde o Egito até o presente momento.
Jefté disse que estava inocente, que não tinha pecado contra eles e apelou para o Senhor ser o árbitro e juiz entre os filhos de Israel e os filhos de Amon, no entanto, o rei dos filhos de Amon não deu ouvidos à mensagem que Jefté lhes enviará e a batalha ia começar.
No vs. 29 está escrito que por conta disso o Espírito do Senhor se apossou de Jefté e este saiu furioso para desbaratar o inimigo. A vitória era certa, mas Jefté não se conteve e teve de fazer um voto pelo qual muito se arrependerá.
Não sou contra os votos e eles geralmente são feitos em momentos de grande importância ou aflição, no entanto, há momentos que é melhor estar de boca fechada e não votar, mas se votar, então que se cumpram os votos feitos.
Jefté com tudo conquistado e com a vitória certa e cheio do Espírito parte para luta, mas não se contenta com isso apenas e faz um voto louco e oferece em holocausto àquele ou àquela que primeiro lhe sair ao encontro em sua volta da vitória certa. Ele esperava que isso fosse um animal, mas não foi.
Ele venceu os amonitas e Deus foi com ele em tudo e deu o Senhor vitória e livramento aos filhos de Israel. Jefté volta vitorioso e alegre, exultante com os resultados e com a conquista até que vê vindo ao seu encontro, sem malícia, alegre com o retorno do pai e cheia de vida, a sua bela filha.
O mundo de Jefté acabou ali naquele momento e lamentou seu voto feito. Voto de tolo. Voto insensato, voto impensado. Que isso sirva para você não fazer votos assim.
Recapitulando...
ü Ponha diante de Deus a sua causa – I Pe 5.7.
ü Reconheça, em primeiro lugar, que você é pecador(a) e carente da graça e da glória de Deus e peça perdão a Deus que é rico em perdoar – I Pe 5.6; I Jo 1.9,10.
ü Ore e peça direção a Deus para poder fazer o seu propósito/voto e ele te ajudará a escolher aquilo que traz mais honras e glórias a ele e não a você.
ü Ponha em seu voto/propósito, seja o que for ele (que Deus vai te ajudar nisso), a leitura/meditação em sua Palavra, as Escrituras, a Bíblia – Js 1.8; II Tm 3.16, 17; Mt 4.4.
ü Organize a sua vida material, emocional e espiritual diante de Deus.
ü Saiba perdoar e perdoar-se.
ü Invoque a Deus com fé!
ü Tenha paciência sabendo esperar o tempo de Deus.
ü O voto/propósito é coisa séria! Muito séria!
Deus abençoe você em seus votos/propósitos diante dele.
Fim


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.