quinta-feira, 31 de março de 2011

Faltam 757 dias para 26/04/13

TEMA: UNIDADE 19 – Jo 17:19-23.

 

O orvalho de Hermom. [propaganda: não percam nossa viagem para Israel em outubro deste ano com o Rev. Sabino – informações: http://www.jamaisdesista.com.br/2010/09/roteiro-de-viagem-israel-incluindo-o.html]

 

[cântico dos degraus, de Davi] Oh! quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união. É como o óleo precioso sobre a cabeça, que desce sobre a barba, a barba de Arão, e que desce à orla das suas vestes. Como o orvalho de Hermom, e como o que desce sobre os montes de Sião, porque ali o SENHOR ordena a bênção e a vida para sempre.” (Salmos 133)

 

Dizem que o Monte Hermon – tradição evangélica e não católica – foi o monte onde Jesus Cristo subiu e diante de alguns de seus discípulos, daqueles mais chegados a ele, transfigurou-se. Ontem, eu falei isso, mas nada comentei. Realmente, também creio como na tradição evangélica de que foi no pé deste monte que Jesus se transfigurou.

 

O Monte Hermon é um majestoso, imponente, que se localiza no extremo norte de Israel, próximo de Cesaréia de Filipe. Era chamado Senir pelos amorreus e de Siriom pelos sidônios. Seu topo fica a três mil metros de altitude , estando sempre coberto de neve.

 

A sua transfiguração nos traz um ensino fundamental: que é somente a ele, Jesus, que devemos agora olhar e ouvir. Reparem que estavam no monte tanto Moisés, representando a Lei, quanto Elias, representando os profetas. No entanto, quando Pedro, temendo e sem saber o que dizia, disse: quer Senhor que construamos uma tenda para ti, outra para Moisés e outra para Elias? Aconteceu de uma nuvem os cobrirem com a sua sombra e dela sair uma voz.

 

Era a voz do Pai celestial, proferida ali, naquele majestoso monte, tão belo e significativo para o povo de Israel, de onde também nasce e corre toda a terra de Israel o Rio Jordão, que dizia, que apontava para o Filho amado a quem deveríamos ouvir. É a Cristo que devemos, doravante, ouvir. Somente ele tem as palavras de vida eterna. Somente suas palavras são água que levam vida não somente a Israel, mas a todo o mundo.

 

Os discípulos, então, olhando em redor, depois da voz do Pai celestial a mais ninguém viram a não ser o Filho Amado a quem devemos, doravante, não somente ouvir, mas também ver. As coisas antigas se passaram e agora tudo se fez novo, foi renovado e criado ou recriado em Deus. Quando Davi pede ao Pai que criasse nele um coração novo, ele usava um verbo que somente pode ser atribuído a Deus que é o verbo barah que significa criar. Somente Deus pode criar coisas.

 

Diz,  a Bíblia de Estudo de Genebra, sobre o Hermon: “133.3 o orvalho de Hermom... sobre os montes de Sião. 0 Hermom,  o monte majestoso na fronteira do norte de Israel, era conhecido por  sua pesada orvalhada. A unidade também é comparada ao orvalho que refresca e alegra. Em ambas as imagens (veja o v. 2), o líquido é abundante  a ponto de fluir para baixo, indicando ricas bênçãos. Deus dá a bênção  da unidade — por meio do dom do Espírito Santo (Ef 4.3). Ali. O monte  Sião, o lugar de unidade entre as famílias de Israel.

 

Entre o Monte Hermon e o Monte Sião deve haver uns 150 km de extensão. Repare que vem descendo do Hermon e corre até o Sião, em todo este trajeto, levando vida, frescor, abundância e unidade.

 

Veja o que vemos dessa representação simbólica comparada com a unidade, com os irmãos viverem em união:

 

1.     A união é refrescante.

2.     A união alegra.

3.     A união é abundante e traz abundância.

4.     A união vem do alto, desce, de Deus e é conduzida por meio de um rio de vida, por meio do Espírito Santo de Deus.

 

Ficará para amanhã a continuação...

 

A Deus toda a glória!

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.