segunda-feira, 26 de outubro de 2009

365 dias de propósito! Dia 97/365

LBH: II Samuel 22:51. Ontem, no culto da SAF, na Primeira Igreja Presbiteriana de Taguatinga “Primeirona”, tivemos o prazer de ouvir uma palavra de Deus abençoadora para as nossas vidas por meio da amada serva do Senhor, Dona Eunice de SP. A palavra foi objetiva, simples, curta mas afiada como espada de dois gumes. Seu tema foi “...dá-me um presente!” e a referência bíblica se encontra em Js 15:13-19.
 
As personagens eram: uma noiva, Acsa, filha de Calebe, sim aquele valentão que junto com Josué trouxe um relato diferente dos outros 10 espias covardes; Calebe, o pai da noiva; Otniel, o noivo, que conquistou Acsa por derrotar Quiriate-Sefer (Debir).
 
Calebe tinha prometido sua filha, Acsa, a quem derrotasse Debir e foi seu sobrinho, Otniel o qual veio a se tornar o primeiro juiz em Israel que venceu o desafio e assim conquistou a jovem donzela. Acsa insistiu com Calebe (primeiro ela insistiu com seu marido para que pedisse um campo ao pai dela) tendo inclusive apeado de seu jumento, chamando a atenção para si, disse ao seu pai que lhe desse um presente além do que recebera (ela tinha recebido uma porção de terra seca), as fontes de água. Quando ela se direcionou a Calebe, ela lhe disse: “Dá-me um presente; deste-me terra seca, dá-me também fontes de água”. No hebraico, literalmente, beraca, significa “bênção”.
 
Calebe, seu pai, nada questiona, apenas dá.
 
E se ela nada tivesse pedido, teria recebido as fontes superiores e inferiores? Acsa conhecia o pai, o seu pai. Ela ousou, pediu, ganhou, conquistou, foi abençoada. Acsa não temeu, pediu a bênção... “dá-me também fontes de água”. E você, amado leitor? E você, que está escrevendo este post, conhece ao seu pai? Tem tido experiências com ele de que é soberano, sábio e bom?
 
Lembro-me neste momento de um missionário que tinha economizado todos os seus recursos e empreendeu uma viagem longa em um navio cujas passagens também tinha sido adquiridas com muito esforço. A sua viagem duraria 30 dias e já nos últimos dias não resistindo mais a comer os pães, biscoitos e enlatados que trouxera, resolve juntar tudo o que tinha para oferecer a si e a sua família um verdadeiro banquete. Na hora de pagar as contas, chama o garçon e, para sua surpresa, todo aquele banquete fazia parte do pacote da viagem que tinha adquirido.
 
Nós somos peregrinos aqui nesta terra e caminhamos rumo à celestial. Nosso foco não é o ter, nem o ser, nem o estar, mas descobrir ao final de nossa viagem que fizemos sacrifícios de tolo, realmente, é de se lamentar. Neste momento, vale lembrar a admoestação de Tiago: “... nada tendes, porque não pedis” (Tg 4:2).
 
O que pedir? Eis que agora vem uma questão que, muitas das vezes, não sabemos responder. Acsa pediu ao pai, além do que tinha recebido, um presente, uma bênção, e foi muito objetiva: “...dá-me também fontes de água”. E você, já saber o que pedir e quando pedir?
 
Aos meus filhos, um dia destes, lancei-lhes em rosto uma palavra cruel, mas verdadeira: nós não temos um Deus todo-poderoso! A discussão foi grande, o levante ia já tomando proporções, mas antes que acontecesse algo, expliquei. Não somos nós que temos Deus para realizar os nossos propósitos, conforme nossos desejos, mas é Deus quem nos tem, para realizar os seus propósitos, conforme os seus desejos. Reparem que é diferente. A Deus toda a glória. Amém!
 

Reações:

4 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.