quinta-feira, 23 de julho de 2009

365 dias de propósito! Dia 2/365

Aleluias! Jamais chegaremos a qualquer destino sem os primeiros passos. São nos primeiros passos que vamos ajustando o rítimo da caminhada e conforme eles, saberemos se prosseguiremos ou não. Eu creio num Deus SSB e na responsabilidade 100% do homem. (S de soberania, creio portando neste Deus, pessoal, e soberano que não deve explicações de nada que faz e permite e que, como soberano, que rege, administra, conduz todas as coisas; o outro S é de sabedoria, um Deus sábio, inteligente, de propósitos, nada do que faz ou permite é sem uma inteligência, até na queda de um fio de cabelo de nossas cabeças, Deus tem algo a nos mostrar; o B é de bom, Deus é bom e nada faz ou permite para castigar ou violentar qualquer direito nosso, pelo contrário, todos os seus atos são atos de bondade e de amor puro sempre buscando o benefício, o bem, para sua criação, pois pela criação também é o nosso Pai Criador).
 
A LB (Leitura Bíblica) de hoje avançou até Gn 4:16. Russel Shedd, em seus comentários, disse sobre Gn 4:7 “eis que o pecado jaz à porta, mas a ti cumpre dominá-lo” que a expressão “jaz à porta” se trata de um figura de uma fera a ser domada, domesticada. O pecado desejoso de atcar a sua vítima (o homem) é que deve ser conquistado (cf. Rm 7:18-25) e mostra a única maneira pelo qual o pecado pode ser conquistado.
 
O texto de Rm 7:18-25, fala, em síntese, do “mal que habita em mim” (ainda não li o livro “O Mal Que Habita Em Mim” de Kris Lundgaard, mas pretendo fazê-lo em breve), isto é na minha carne que me faz escravo da lei do pecado. Eu diria que esta lei é invencível, isto é, o pecado é indomesticável, embora eu deva, jamais conseguirei vencê-lo...ele (o pecado) sempre triunfará. Por isso que o apóstolo Paulo, em Romanos 7, conclui dizendo “Maldito homem que sou...”. Ao falar isso, uma pergunta emerge: “quem me livrará do corpo desta morte?”. Paulo, então, como que desabafando, expressa sua gratidão a Deus, dizendo: “Graças a Deus por Jesus Cristo...”. A minha conclusão é que não somos nós que vencemos ou que temos de vencer o pecado... (jamais o venceremos) ele já foi vencido! Aleluias!
 
Russel Shedd nos diz que o crente vive em 2 mundos e que a luta é mesmo terrível, entre a carne e o espírito e nos fala, enfatiza, que a vitória é certa, mas com muita luta. Seria essa luta, a luta do esforço, das obras do “eu faço”, do “eu posso”. Não creio! (mais?... quer saber então no que creio? Entre em contato!)
 
 

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.