quarta-feira, 13 de julho de 2011

TEMA: As excelências de Deus: sua criação e sua palavra 8 - Sl 19 - Faltam 653 dias para 26/04/13

Agora o salmista se volta para dentro de si e começa a fazer questionamentos uma vez que vê que sua vida e conduta não são perfeitas diante do Senhor: não há como discernirmos as nossas próprias faltas.
Quem é que admoesta o “teu servo” se não as coisas que foram ditas antes e que estão clamando em alta voz dentro de nós? A mesma palavra de admoestação é também uma linda promessa de que aqueles que a guardarem terão recompensa.
11 Além disso, por eles
se admoesta o teu servo;
em os guardar,
há grande recompensa.
12 Quem há que possa discernir as próprias faltas?
Absolve-me das que me são ocultas.
Conta-se a história de uma gavião e de um sapo e de uma grande festa nos céus. O sapo desejava muito estar nesta festa, mas não sabia o que fazer. De repente voando por cima dele e depois pousando ali perto um grande e lindo gavião se apresentou.
– olá seu sapo, tudo bem por aqui?
– sim, respondeu o sapo que também lhe perguntou:
- como estão as coisas ai por cima? Tá tudo bem? E a grande festa, nos céus?
- festa? A sim a grande festa, estou indo para lá. Vamos?
- mas como irei, sou um sapo e não sei voar, mas se tivesse alguém que me ajudasse...
Aquele sapo tinha acabado de ter uma idéia muito boa e assim instigou a curiosidade do gavião que se ofereceu para ajudá-lo, mas que não sabia o que fazer. O sapo então lhe explicou que se ele, o gavião, deixasse, ele com sua boca grande iria morder a perna do gavião e assim poderia ira para a festa grudado em sua perna. O gavião então elogiou o sapo por sua inteligência e se ofereceu para ajudá-lo de acordo com aquela estratégia muito boa.
O sapo mordeu a perna do gavião e o gavião, enorme, começou a voar e foram direto para a festa. No caminho, nas alturas o gavião veloz foi cruzando com outras aves que viam aquilo e exclamavam dizendo, mas de quem foi aquela idéia tão brilhante e tão inteligente. Assim passaram pelos pardais, pelos pombos, pelas águias e ninguém deixava de admirar aquela idéia brilhante e inteligente.
Quando estavam bem próximos, encontraram com uma coruja enorme e bonita que insistiu com o gavião querendo saber de quem era aquela idéia muito inteligente. O sapo de tanto ouvir aqueles comentários, não se continha mais em si e naquela hora não resistindo mais, abriu a sua boca e disse:
- fui eu... euuuuuuu.....
Moral da história: se você está agora nas alturas, seja humilde e glorifique ao teu criador, pois nada somos sem o Senhor que por nós morreu na cruz do calvário. O salmista com sabedoria pede ao Senhor para guardá-lo da soberba, do “eu”: “eu” fiz...,  “eu” faço..., “eu” sou..., “eu” tenho..., “eu” ...
Certamente, se ela não nos dominar continuaremos firme em nossa jornada e nada poderá nos deter. Sermos livres de repreensão e conseqüentemente de grande transgressão estão conectadas com a soberba.
13 Também da soberba guarda o teu servo,
que ela não me domine;
então,
serei irrepreensível e
ficarei livre de grande transgressão.
Estamos chegando ao fim deste lindo salmo e somente falta um versículo, mas prefiro deixar o fim para amanhã.
A Deus toda glória! p/ Pr. Daniel Deusdete – http://www.jamaisdesista.com.br .
 

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.