quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Atos 18 1-28 - FALA E NÃO TE CALES.

Como já dissemos, Atos foi escrito para orientar a igreja em sua missão permanente por meio do relato de como o Espírito Santo capacitou os apóstolos para propagar o testemunho de Cristo ao mundo gentio. Estamos no capítulo 18, da parte IV.
Breve síntese do capítulo 18
Atos 18 começa com o encontro de Paulo com seus colegas de trabalho na confecção de redes Áquila e Priscila, sua mulher. Ele trabalha, produz redes e ainda evangeliza nas oportunidades. Paulo nunca desvalorizou o trabalho, pelo contrário, muitas vezes, esforçou-se por não ser pesado aos seus irmãos.
Ele ainda está evangelizando os judeus e persuade a muitos. Paulo incomodava a oposição que ainda ficou mais incomodada porque com a chegada de Silas e Timóteo, ele pode dedicar-se, integralmente, ao evangelho.
Paulo foi confortado pelo Senhor que lhe apareceu em visão dizendo a ele para perseverar e continuar a pregar – “fales e não te cales!”. Diante do grande trabalho de evangelização de Paulo, um levante de perseguição e de oposição ao seu trabalho.
É incrível! Quem se dedica ao trabalho do Senhor jamais ficará sem uma forte oposição! Pelo menos, é isso que aprendemos em Atos.
Vejamos o presente capítulo com mais detalhes, conforme ajuda da BEG:
IV. O TESTEMUNHO APOSTÓLICO AOS CONFINS DA TERRA (13.1-28.31) – continuação.
Como já dissemos, Paulo, como testemunha apostólica de Cristo, sofreu a mesma perseguição que os apóstolos haviam sofrido antes dele. Em suas três viagens missionárias e em suas prisões, Paulo levou o evangelho aos confins da terra e foi capacitado poderosamente pelo Espírito Santo para dar testemunho da verdade e chamar muitos judeus e gentios à fé.
Essa parte foi dividida em 7 seções: A. A primeira viagem missionária de Paulo (13.1-14.28) – já vimos; B. O concílio de Jerusalém (15.1-35) – já vimos; C. A segunda viagem missionária de Paulo (15.36-18.22) – concluiremos agora; D. A terceira viagem missionária de Paulo (18.23-21.14) – começaremos a ver agora; E. A detenção, o julgamento e a prisão de Paulo em Jerusalém (21.15-26.32); F A viagem de Paulo a Roma (27.1-28.16); e, G. Os dois anos do ministério de Paulo na sua prisão domiciliar em Roma (28.17-31).
C. A segunda viagem missionária de Paulo (15.36 - 18.22) - continuação.
Desde o verso 36, do capítulo 15, anterior, ao 18.22, estamos, como dissemos, vendo a segunda viagem missionária de Paulo. Lucas registrou a segunda fase missionária de Paulo aos gentios.

Depois da confusão em Atenas, saiu de lá e foi para Corinto. Essa cidade foi a capital da província romana de Acaia desde 27 a.C., e situava-se cerca de 80 km a sudoeste de Atenas, próximo ao istmo que liga Ática, ao norte, com o Peloponeso, ao sul.
Embora Corinto tenha sido uma cidade grande e próspera entre os séculos 8 e 6 a.C., começou a declinar e foi tomada em 338 a.C. por Filipe II da Macedônia; depois, foi conquistada em 196 a.C. pelos romanos e saqueada em 146 a.C., também pelos romanos, por causa de uma revolta; finalmente, foi reconstruída em 44 a.C. por Júlio César, que a transformou numa colónia romana.
No período neotestamentário, Corinto tinha um população de duzentos mil habitantes, formada por gregos, homens libertos da Itália, veteranos do exército romano, homens de negócios, oficiais do governo, pessoas do Oriente Próximo, e também incluindo uma grande comunidade de judeus (foi encontrada parte de uma inscrição de uma sinagoga judaica nas ruínas de Corinto) e muitos escravos.
Além de sua riqueza e natureza cosmopolita, Corinto tinha uma cultura inteiramente pagã e imoral, cheia de templos pagãos e possuindo também uma acrópole ao sul (chamada de Acrocorinto), um templo dedicado à deusa Afrodite.
A partir do século 5 d.C., a expressão "corintianizar" passou a significar “praticar atos sexuais imorais".
Foi nesse lugar, terrível, que Paulo encontrou Áquila, natural do Ponto, que havia chegado recentemente da Itália com sua mulher Priscila. Áquila era nativo de Ponto, uma região ao norte da Ásia Menor entre a Bitínia e a Arménia.
Priscila com frequência é mencionada antes de seu marido (vs. 18-19, 26; Rm 16.3; 2Tm 4.19), indicando que talvez tivesse uma posição social mais elevada que Áquila, ou talvez fosse mais conhecida que ele no negócio de fabricação de tendas.
Paulo trabalhava com eles, mas todos os sábados debatia na sinagoga e ali convencia muitos judeus e gregos. Foi somente depois com a chegada de Silas e Timóteo que ele Paulo pode dedicar-se integralmente à pregação, testemunhando aos judeus que Jesus era o Cristo.
Muitos deles se opunham e lançavam maldições sobre Paulo. Este sacudiu as vestes para expressar repúdio em razão da rejeição e da incredulidade – (cf. 13:51). E disse a eles que sobre a cabeça deles estaria o sangue deles e a responsabilidade disso. Eles seriam responsáveis por terem rejeitado a Cristo (cf. Mt 27.25) e por isso teriam de carregar o peso de seus próprios pecados.
Saindo da sinagoga foi para a casa de Tício Justo que era temente a Deus. Foi o primeiro lar da igreja em Corinto. Ticio Justo, dois nomes romanos, era um cidadão romano gentio que praticava a fé na sinagoga.
Provavelmente pertencia a uma das famílias que Júlio César enviou para colonizar Corinto. Há motivos para acreditar que ele pode ser o mesmo Gaio relatado em Rm 16.23, mencionado como tento sido batizado por Paulo (1Co 1.14).
A boa notícia da pregação de Paulo foi que Crispo, o principal da sinagoga, creu no Senhor Jesus. Como dirigente da sinagoga, Crispo era encarregado dos preparativos para o culto judaico. Foi esse Crispo (e provavelmente toda a sua casa) que Paulo batizou (1Co 1.14).
Paulo teve uma visão com o Senhor que lhe deus instruções para não temer, mas continuar falando e não ficar calado, pois ele, o Senhor, era com ele e ninguém iria lhe fazer mal ou feri-lo porque ele tinha muito povo naquela cidade.
Jesus garantiu a Paulo que a sua pregação em Corinto não seria improdutiva porque havia muitas pessoas do povo de Deus (isto é, aquelas pessoas a quem Deus elegeu para a vida eterna; 13.48) que viviam na cidade.
Ainda que os eleitos de Corinto ainda não houvessem crido no evangelho, pois muitos deles ainda nem tinham ouvido a pregação de Paulo, mesmo assim eles pertenciam ao Senhor.
Paulo então ficou ali pregando e ensinando por um ano e meio. Quando, porém, Gálio era procônsul da Acaia, os judeus em conjunto fizeram um levante contra Paulo e o levaram ao tribunal com a acusação de estar persuadindo o povo a adorar a Deus de maneira contrária à lei.
Isto é, contrário à lei romana, que proibia qualquer prática religiosa que não fosse previamente reconhecida por Roma. No entanto, o judaísmo era uma religião legalmente reconhecida e por isso o Cristianismo, inicialmente reconhecido como uma ramificação do judaísmo, também era uma religião legal (religio licita).
Lucas identifica corretamente o governador dessa Província senatorial (Acaia), pois uma inscrição encontrada em Deites, na Grécia, identifica Gálio como ocupando o cargo de procônsul durante a vigésima sexta aclamação do imperador Cláudio (ou seja, de janeiro a julho de 52 d.C.).
Paulo ia começar a falar no tribunal em sua defesa, mas Gálio o interrompe e cessa os trabalhos alegando que se tratava de problemas deles mesmos e que, portanto, não seria juiz daquilo. Então eles, inflamados pelo inferno, se voltaram contra Sóstenes o chefe da sinagoga e o espancaram diante do tribunal. Gálio nem se importava com isso.
Assim, Paulo permaneceu em Corinto por um tempo e depois se despediu dos irmãos, pois estaria indo para a Síria, junto com Áquila e Priscila. Assim, antes do embarque, rapou a cabeça em Cencréia por conta de um voto que fizera. Embora essa frase possa se referir a Áquila, provavelmente se aplica a Paulo.
Como o voto de nazireu envolvia uma pureza cerimonial tão rigorosa que era inviável cumpri-lo em terras gentias (Nm 6.1-21), Paulo provavelmente fez esse voto em particular, como forma de exercício religioso. Raspar o cabelo (que era deixado crescer durante o período do voto) marcava o encerramento do voto e talvez fosse uma expressão de gratidão a Deus.
Paulo chega então em Éfeso e deixa ali Priscila e Áquila. Ele entra na sinagoga dali e começa já a debater com os judeus que pareciam estar interessados em sua pregação e até pediram que ficasse mais tempo, mas Paulo não ficou, disse que poderia voltar se Deus o permitisse e, então, partiu de Éfeso para Cesaréia e ali já subiu até a igreja para saudá-la e depois desceu a Antioquia.
D. A terceira viagem missionária de Paulo (18.23-21.14).
Paulo ficou ali algum tempo, provavelmente vários meses, a partir do outono de 52 d.C., até a primavera de 53 d.C., mas logo partiu para a sua terceira viagem missionária. Lucas descreve a terceira etapa da evangelização de Paulo às nações gentias. Mais uma vez, ele viajou para a Grécia.
Aqui teve inicio a terceira viagem missionária de Paulo. Partiu dali e viajou por toda a região da Galácia e da Frigia com o objetivo de ir fortalecendo os irmãos. Paulo começou pela região mais próxima de onde estava e onde já havia passado: a região da Galácia e Frigia, ao sul da Mia Menor.
Nisso, ele conhece um judeu chamado Apolo, natural de Alexandria, que tinha chegado a Éfeso. Ele era homem culto e tinha grande conhecimento das Escrituras. Também fora instruído no caminho do Senhor e com grande fervor falava e ensinava com exatidão acerca de Jesus, embora conhecesse apenas o batismo de João.
Ele era veemente e logo começou a falar corajosamente na sinagoga. Quando Priscila e Áquila o ouviram, convidaram-no para ir à sua casa e lhe explicaram com mais exatidão o caminho de Deus, pois tinham aprendido as coisas do reino de Deus de forma mais apurada com o próprio Paulo.
Querendo ele ir para a Acaia, os irmãos o encorajaram e escreveram aos discípulos que o recebessem. Ao chegar, ele auxiliou muito os que pela graça haviam crido, pois refutava vigorosamente os judeus em debate público, provando pelas Escrituras que Jesus é o Cristo.
At 18:1 Depois disto,
                deixando Paulo Atenas,
                               partiu para Corinto.
At 18:2 Lá, encontrou certo judeu chamado Áqüila,
                natural do Ponto, recentemente chegado da Itália,
com Priscila, sua mulher,
em vista de ter Cláudio decretado
                que todos os judeus se retirassem de Roma.
Paulo aproximou-se deles.
At 18:3 E, posto que eram do mesmo ofício,
                passou a morar com eles
                e ali trabalhava,
                               pois a profissão deles era fazer tendas.
At 18:4 E todos os sábados
                discorria na sinagoga,
                               persuadindo tanto judeus como gregos.
At 18:5 Quando Silas e Timóteo desceram da Macedônia,
                Paulo se entregou totalmente à palavra,
                               testemunhando aos judeus que o Cristo é Jesus.
At 18:6 Opondo-se eles
e blasfemando,
                sacudiu Paulo as vestes e disse-lhes:
                               Sobre a vossa cabeça, o vosso sangue!
                               Eu dele estou limpo
                               e, desde agora,
                                               vou para os gentios.
At 18:7 Saindo dali, entrou na casa de um homem chamado Tício Justo,
                que era temente a Deus;
                               a casa era contígua à sinagoga.
At 18:8 Mas Crispo, o principal da sinagoga,
                creu no Senhor, com toda a sua casa;
também muitos dos coríntios,
                ouvindo,
                               criam e eram batizados.
At 18:9 Teve Paulo durante a noite uma visão
                em que o Senhor lhe disse:
                               Não temas;
                               pelo contrário,
                                               fala e não te cales;
                               At 18:10 porquanto eu estou contigo,
                                e ninguém ousará fazer-te mal,
                                               pois tenho muito povo nesta cidade.
At 18:11 E ali permaneceu um ano e seis meses,
                ensinando entre eles a palavra de Deus.
At 18:12 Quando, porém, Gálio era procônsul da Acaia,
                levantaram-se os judeus,
                               concordemente, contra Paulo
                               e o levaram ao tribunal, At 18:13 dizendo:
                                               Este persuade os homens a adorar a Deus
por modo contrário à lei.
At 18:14 Ia Paulo falar, quando Gálio declarou aos judeus:
                Se fosse, com efeito, alguma injustiça ou crime da maior gravidade,
ó judeus, de razão seria atender-vos;
                At 18:15 mas, se é questão de palavra, de nomes e da vossa lei,
                               tratai disso vós mesmos;
                                               eu não quero ser juiz dessas coisas!
At 18:16 E os expulsou do tribunal.
At 18:17 Então, todos agarraram Sóstenes,
                o principal da sinagoga,
                e o espancavam diante do tribunal;
Gálio, todavia,
                não se incomodava com estas coisas.
At 18:18 Mas Paulo, havendo permanecido ali ainda muitos dias,
                por fim, despedindo-se dos irmãos,
                               navegou para a Síria,
                                               levando em sua companhia Priscila e Áqüila,
                                               depois de ter raspado a cabeça em Cencréia,
                                                               porque tomara voto.
At 18:19 Chegados a Éfeso, deixou-os ali;
ele, porém, entrando na sinagoga,
                pregava aos judeus.
At 18:20 Rogando-lhe eles que permanecesse ali mais algum tempo,
                não acedeu.
At 18:21 Mas, despedindo-se, disse:
                Se Deus quiser, voltarei para vós outros.
E, embarcando,
                partiu de Éfeso.
At 18:22 Chegando a Cesareia,
                desembarcou, subindo a Jerusalém;
                e, tendo saudado a igreja,
                                desceu para Antioquia.
At 18:23 Havendo passado ali algum tempo,
                saiu, atravessando sucessivamente a região da Galácia e Frígia,
                               confirmando todos os discípulos.
At 18:24 Nesse meio tempo,
                chegou a Éfeso um judeu, natural de Alexandria, chamado Apolo,
                               homem eloqüente
                               e poderoso nas Escrituras.
                               At 18:25 Era ele instruído no caminho do Senhor;
                               e, sendo fervoroso de espírito,
                                               falava e ensinava com precisão
                                                               a respeito de Jesus,
                                                               conhecendo apenas o batismo de João.
                At 18:26 Ele, pois, começou a falar ousadamente na sinagoga.
Ouvindo-o, porém, Priscila e Áqüila,
                                               tomaram-no consigo
                                                               e, com mais exatidão,
                                                                              lhe expuseram o caminho de Deus.
At 18:27 Querendo ele percorrer a Acaia,
                animaram-no os irmãos
                e escreveram aos discípulos para o receberem.
Tendo chegado,
                auxiliou muito aqueles que,
                               mediante a graça,
                                               haviam crido;
                                                               At 18:28 porque, com grande poder,
                                                                              convencia publicamente os judeus,
                                                                              provando, por meio das Escrituras,
                                                                                              que o Cristo é Jesus.
A obra do evangelho continua e novos varões valorosos são levantados dia a dia pelo Senhor da seara. Agora surge Apolo, o eloquente que não entendia corretamento o Caminho, mas amparado por Áquila e Priscila corrige suas deficiências e sai mundo afora convencendo a muitos, por meio das Escrituras, que o Cristo é Jesus!
p.s.: link da imagem original:
Contagem regressiva: Faltam 154 dias para 20/04/16 (Inicio: 05/05/15). Tu, SENHOR, conservarás em perfeita paz aquele cujo propósito é firme; porque ele confia em ti. (Is 26.3).
A Deus toda glória! p/ pr. Daniel Deusdete.

...


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.