quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Ester 10:1-3 - MORDECAI CRESCEU E PROSPEROU TORNANDO-SE O SEGUNDO NO REINADO DOS MEDOS E DOS PERSAS.


Chegamos ao final de mais um livro para a glória de Deus. Para não nos perdermos, segue, em seguida, nosso mapinha de leitura:
Parte V – A HISTÓRIA DE ESTER – Et 1:1 a 10:3.
(1) Introdução e contexto – 1:1-22 – já vista.
(2) O primeiro decreto do rei resulta em perigo mortal para Israel – 2:1 – 3:15 – já vista.
(3) O conflito entre Hamã e Mordecai – 4:1 – 5:14 – já vista.
(4) O triunfo de Mordecai sobre Hamã – 6:1 – 7:10 – já vista.
(5) O segundo decreto do rei resulta em salvação para Israel – 8:1 – 9:32. – já vista.
(6) Epílogo – 10:1-3 – veremos agora e concluiremos.
(6) Epílogo – 10:1-3.
Como já vimos no capítulo anterior, Ester e Mordecai enviaram uma carta oficial e final sobre o Purim, situando a festa no contexto do jejum e da lamentação como aquelas práticas israelitas mais estabelecidas – vs 9:31.
O Purim tinha assim sido institucionalizado como uma celebração religiosa oficial, uma tarefa que o escritor pareceu ter visto como muito importante por causa da origem não mosaica da festa.
Depois disso, histórica e biblicamente falando, os eventos mais importantes para Israel serão a luta dos macabeus, a vinda do Messias - sua obra de anunciar o evangelho do reino de Deus e de sua justiça, morte, ressurreição e ascensão aos céus – a destruição da cidade santa e bem assim do templo, 70 anos depois da vinda do Messias.
A festa do Purim era a festa mais importante do calendário bíblico judaico depois das festas instituídas por Moisés. Moisés anunciou ao povo a mensagem da Terra Prometida que eles estariam saindo do Egito e do deserto, depois, para irem para uma terra que jorra leite e mel.
Eles chegaram na terra e se estabeleceram, mas não foram obedientes ao Senhor que por sua graça e misericórdia os suportou por muitos anos e os avisou que poderia ser, por causa da desobediência deles, que fossem exilados e sofressem cativeiro.
Veio a época dos juízes, onde Deus sempre provia para eles um grande libertador que os livrava dos seus inimigos, mas eles tornavam a cair, pecavam, se aliançavam com as pessoas daquela terra que Deus tinha falado para não se aliançarem e tornavam a passar por aflições e invocavam ao Senhor que os salvava com esses juízes e isso virou um ciclo vicioso por muitos anos.
Depois, rejeitando ao Senhor, escolheram para si reis e estes dominaram sobre eles por muitos tempos. A grande maioria deles, infiéis, que não guardavam a aliança com Deus e faziam toda a nação pecar. Outros, poucos, permaneciam fieis e reformavam o povo e a cidade. E isso também se tornou em outro ciclo vicioso até que não teve mais jeito e foram parar no cativeiro.
No cativeiro, clamaram ao Senhor por libertação e agora estavam sendo libertos para novamente ocuparem a Terra Prometida. Foi nesse contexto de cativeiro que surge essa história de Ester e de Mordecai que enfrentaram os inimigos dos judeus, os amalequitas e Deus lhes deu grande livramento e vitória sobre eles e instituíram essa festa do Purim.
Nesse contexto se destacaram Ester como rainha no reino dos persas e medos e Mordecai como um grande e expoente líder, o segundo no reino dos medos e dos persas – vs 2 e 3. Era ele estimado como o ideal de um oficial judeu em poder, comparáveis com José – Gn 41:39-44 - e Daniel – Dn 2:48; 6:28.
A sua importância como um modelo para os judeus em estabelecer a Festa do Purim foi reconhecida no livro apócrifo de Macabeus, no qual o Purim é chamado de “O Dia de Mordecai” – II Macabeus 15:36.
Neste pós-escrito dos versos de 1 a 3 vemos o leitor sendo remetido para o livro dos Reis da Média e da Pérsia – vs 2; 2:23. Ester não é citada sem explicações plausíveis.
Ficou interessante esse fecho do livro que mostra no vs 1 que o rei Assuero, depois disto – dos acontecimentos narrados em todo o livro - impôs tributo sobre a terra, e sobre as ilhas do mar, ou seja, ele está retomando o início do livro: “Aconteceu no tempo do rei Assuero...” – 1:1. Isso tudo para indicar ao leitor que todo o relato de Ester e Mordecai ficam bem definidos dentro do reinado de Assuero (Xerxes).
Por fim, a lápide, digamos assim, de Mordecai ou Mardoqueu – vs 3.
Et 10:1 Depois disto impôs o rei Assuero
                tributo sobre a terra, e sobre as ilhas do mar.
                Et 10:2 E todos os atos do seu poder e do seu valor,
                               e o relato da grandeza de Mardoqueu, a quem o rei exaltou,
                                               porventura não estão escritos no livro das crônicas
                                                               dos reis da Média e da Pérsia?
                Et 10:3 Porque o judeu Mardoqueu
                               foi o segundo depois do rei Assuero,
                               e grande entre os judeus,
                               e estimado pela multidão de seus irmãos,
                                               procurando o bem do seu povo,
                                               e proclamando a prosperidade
                                                               de toda a sua descendência.
Uma história dentro da história do rei Xerxes da pérsia. O mesmo rei que foi pai de Artaxerxes, onde Neemias era o copeiro do rei e solicitou e ganhou autorização para ir reconstruir os muros da cidade de Jerusalém.
Com certeza forma contemporâneos em algum momento de suas vidas Esdras, Neemias, Ester e Mordecai que estiveram presentes e atuantes nos reinados de Ciro, Dario, Assuero e Artaxerxes.
p.s.: link da imagem original:
Contagem regressiva: Faltam 250 dias para 04/08/2015, quando eu irei concluir a Segmentação de toda a Bíblia.

A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdetehttp://www.jamaisdesista.com.br
...

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.