sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

Números 12: 1-16 - MAIS UMA MURMURAÇÃO ...

Esta é a terceira murmuração logo na primeira saída do povo, sendo que das duas primeiras, uma era relacionada às dificuldades, outra, à alimentação, e esta contra a liderança.
A palavra diz “Miriã e Arão” e não “Arão e Miriã”. Isso tem sentido por dar a principal ênfase dos queixumes a Miriã. No entanto, ambos se queixaram.
Havia um motivo para a queixa a qual seria a mulher cusita, ou cuxita, com que Moisés casara e eles se acharam mais dentro da lei, da legalidade do que Moisés.
Provavelmente, eles estavam se referindo a Zípora – Ex 2:15-22 – em um comentário pejorativo devido sua origem moabita. Poderia também estar se referindo a um novo casamento de Moisés com uma mulher descendente de Cuse, filho mais velho de Cão – Gn 10:6.
No entanto, este não era o principal motivo e isso se percebe claramente no texto quando, sentindo inveja, diziam e alegavam que também o Senhor falava com eles.
Tanto Miriã quanto Arão eram importantes diante do povo e ocupavam posições de destaque e liderança – Mq 6:4. Esse fato, porém, criou neles o direito de questionarem talvez a decisão de Moisés se era ou não da vontade de Deus.
Ao se deixarem levar pelo zelo da lei, escorregaram na inveja que os enganou e os iludiu fazendo com que tivessem seus olhos cegados para toda a justiça.
A verdade é que a correção nem veio de Moisés, mas do Senhor que dele tomou as dores e saiu em sua defesa. Havia nisso o perigo real de comprometerem a jornada do povo sendo pois um risco considerável para o sucesso da expedição.
O Senhor chama todos à porta à porta da tenda da congregação para com eles tratar. Eu acho isso incrível. Como é bom entregarmos ao Senhor todo julgamento e não julgarmos nossos irmãos, mas confiar no Senhor.
Era de se esperar de Miriã e Arão um comportamento mais submisso, principalmente por causa de como Deus falava e se revelava a ele, Moisés. A BEG adverte de quão maior, então, não deve ser o cuidado daqueles que estão na igreja com o modo de falar de Jesus, o Filho em toda a casa de Deus – Hb 3:1-6.
Nunca seremos decepcionados e ainda poderemos ser surpreendidos com tamanho cuidado e zelo de Deus por nós que nem merecemos dele qualquer coisa.
Faço questão aqui de compartilhar uma experiência minha pessoal que também me deixou encafifado:
Um dia desses (em 2004) estava eu de viagem de serviço em Belo Horizonte e meus colegas sempre me convidavam para sair e eu nunca saia com eles, preferindo ficar em meus aposentos. Nesse dia, em especial, resolvi sair com eles. Estava tudo bem e realmente nos divertíamos, mas queriam continuar e programaram ir para um apartamento de uma das colegas que ali estavam para ouvirem um som, dançarem, baterem papo, tomarem uns drinquezinhos, etc... Eu lhes disse que para mim já estava bom e gostaria que me deixassem, no caminho, no hotel.
Para minha surpresa, não gostaram de meu comportamento e uma das colegas ali soltou: "passarinho que anda com morcego, anda nas trevas e dorme de cabeça para baixo". Aquela frase, dita daquela maneira, naquela hora, por quem eu menos esperava, atingiu-me em cheio e quase me nocauteou. Fiquei pasmo, assustado e arrependido (confesso que tive vontade de correr dali, em desespero). Entramos no carro de nosso amigo e em um dado momento paramos e o motorista me disse: desça, ali tem um ponto de táxi, apanhe um e vá para o hotel. Eu desci meio sem graça, com cara de bobão, meio meninão quase que chorando, pois aquilo foi de uma tamanha grosseria e descaso, desrespeito e afronta. Dei adeus para eles e arrancaram, virando uma esquina.
Eu, lembrei-me daquela canção: "eu te louvarei Senhor de todo o meu coração; na presença dos anjos a ti cantarei louvores". E fui cantando. Aproveite e orei por todos eles pedindo que a graça e o amor de Deus os acompanhasse para que nenhum mal lhes sobreviessem. Ao invés de táxi, pequei um ônibus e de boca em boca fui perguntado a um e outro até que consegui chegar em paz no hotel. Fui para meu AP e continuei a orar, louvar e fui dormir.
No dia seguinte, aquele motorista vem correndo em minha direção e me disse: - rapaz, qual é o teu Deus? Meu amigo, estou assustado, quem é que te dá proteção? Quero te pedir perdão!. Eu, sem entender nada, disse-lhe; - o que foi que aconteceu? Juro que nada fiz!. Ai, ele me explicou que mal andara uns 300m e o seu carro parou de repente, do nada. Carro novo, retirado de Concessionária, potente e com tudo em ordem. Tentaram de tudo para fazerem o carro andar e nada. Teve que ser rebocado e a promessa é de que somente dentro de uma semana poderia ser liberado. A festinha particular naquele AP? Teve de ser cancelada e cada um foi para sua casa de táxi....
Eu entendi tudo. Em silêncio e sem dizer nadinha, curti aquilo com um sabor de vitória. Senhor, disse, tomaste as minhas dores e lhes aplicastes um corretivo? É assim que Deus age. Ele toma as nossas dores e ai daqueles que ousarem a nos molestar. Deus nos protege e ainda zela por nós com ciúmes. Senti a proteção de Deus, seu cuidado. Não me senti nada digno, mas protegido. Aleluias!
Hoje, essa minha amiga que falou-me aquela frase dura do passarinho e do morcego é uma das leitoras mais assíduas desse meu blog. Ela hoje é muito usada por Deus e já lhe disse que se buscar mais, mais ainda será usada. O motorista, um amigão meu. Aprendemos a nos respeitar e a orarmos uns pelos outros. Deus é muito bom. A Deus toda a glória![1]
No próximo capítulo, entraremos na terceira subparte – O período de peregrinação (13:1 a 19:22) da segunda parte – A marcha fracassada do exército da primeira geração (9:15 a 25:18).
Nm 12:1 E falaram Miriã e Arão contra Moisés,
                por causa da mulher cusita, com quem casara;
                               porquanto tinha casado com uma mulher cusita.
Nm 12:2 E disseram:
                Porventura falou o SENHOR somente por Moisés?
                               Não falou também por nós?
                E o SENHOR o ouviu.
Nm 12:3 E era o homem Moisés mui manso,
                mais do que todos os homens que havia sobre a terra.
Nm 12:4 E logo o SENHOR disse a Moisés, a Arão e a Miriã:
                Vós três saí à tenda da congregação.
                               E saíram eles três.
Nm 12:5 Então o SENHOR desceu na coluna de nuvem,
                e se pôs à porta da tenda;
                               depois chamou a Arão e a Miriã e ambos saíram.
Nm 12:6 E disse:
                Ouvi agora as minhas palavras;
                               se entre vós houver profeta, eu, o SENHOR,
                                               em visão a ele me farei conhecer,
                               ou em sonhos falarei com ele.
                Nm 12:7 Não é assim com o meu servo Moisés
                               que é fiel em toda a minha casa.
                Nm 12:8 Boca a boca falo com ele,
                               claramente e não por enigmas;
                                               pois ele vê a semelhança do SENHOR;
                               por que, pois, não tivestes temor de falar
                                               contra o meu servo, contra Moisés?
Nm 12:9 Assim a ira do SENHOR contra eles se acendeu; e retirou-se.
Nm 12:10 E a nuvem se retirou de sobre a tenda;
                e eis que Miriã ficou leprosa como a neve;
                               e olhou Arão para Miriã, e eis que estava leprosa.  
Nm 12:11 Por isso Arão disse a Moisés:
                Ai, senhor meu, não ponhas sobre nós este pecado,
                               pois agimos loucamente, e temos pecado.
                Nm 12:12 Ora, não seja ela como um morto,
                               que saindo do ventre de sua mãe,
                                               a metade da sua carne já esteja consumida.
Nm 12:13 Clamou, pois, Moisés ao SENHOR, dizendo:
                O Deus, rogo-te que a cures.
Nm 12:14 E disse o SENHOR a Moisés:
                Se seu pai cuspira em seu rosto,
                               não seria envergonhada sete dias?
                Esteja fechada sete dias fora do arraial,
                               e depois a recolham.
Nm 12:15 Assim Miriã esteve fechada fora do arraial sete dias,
                e o povo não partiu, até que recolheram a Miriã.
Números 12:16 Porém, depois o povo partiu de Hazerote;
                e acampou-se no deserto de Parã.
A pena de Miriã foi até leve. Naquela semana ela teve muito de refletir. Era ela uma mulher de Deus que tivera seu momento mal e caira na inveja, mas logo se arrependeria e voltaria a servir Deus, Moisés e Arão com todo temor a Deus de sempre.
Pelo que está no texto, ela não seria curada se Moisés não tivesse orado por ela. Moisés mesmo era, como dizem as Escrituras, o homem mais manso da terra! Arão intercedeu por ela e Moisés orou claramente: Senhor, a cure!
O Senhor atende a oração de Moisés, mas deixa ela de molho sete dias!
A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdete
http://www.jamaisdesista.com.br


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.