domingo, 11 de janeiro de 2015

Isaías 45:1-25 - ISAÍAS PREVE A VINDA DE CIRO O LIBERTADOR DE ISRAEL

Para você não se perder na leitura capítulo por capítulo, nós nos encontramos aqui:
Parte IV – ISAÍAS E O JULGAMENTO BABILÔNICO – 40:1 – 66:24.
C. Os dois instrumentos de Deus para a restauração (44:24 – 55:13).
1. O plano de Deus para Ciro – 44:24 até 48:22.
Como já falamos, Ciro, imperador da  Pérsia, contemporâneo de Esdras, Neemias, Zorobabel, Ester e Mordecai, é mencionado tanto por seu próprio nome - algo espetacular demais que tem intrigado estudiosos e tem feito os céticos afirmarem que Isaías fora escrito depois do exílio - quanto por implicação ao longo de toda a passagem.
Ciro, que  já fora mencionado em 41:1 e nos versículos seguintes, seria:
·       O pastor de Deus para o seu povo  - 44:28.
·       O ungido de Deus – 45:1.
·       Aquele a quem Deus levantaria 45:13.
·       Uma ave de rapina do oriente que realizaria os propósitos de Deus – 46:11.
·       O aliado escolhido de Deus contra a Babilônia – 48:14.
Além dessas referências explícitas, a questão da escolha de Ciro por Deus está implícita em vários pontos desses capítulos, como teremos a oportunidade de vermos em riqueza de detalhes.
Esse plano de Deus para Ciro pode ser dividido também em 8 partes para melhor entendimento do texto e de seu contexto. a. O hino de autoglorificação do Senhor – 44:24-28 – já vimos; b. Oráculo real acerca de Ciro – 45:1-8 – veremos agora; c. Ai dos contendores – 45:9-14 – veremos agora; d. Aceitação do plano de Deus – 45:15-17 – veremos agora; e. O Senhor é capaz – 45:18-25 – veremos agora; f. O destino certo da Babilônia – 46:1-13; g. Julgamento contra a Babilônia – 47:1-15; e, finalmente, h. O chamado para ouvir e partir – 48:1-22.
b. Oráculo real acerca de Ciro – 45:1-8
O Senhor levanta Ciro para realizar seus propósitos na história da redenção. Deus fala dele de maneiras notáveis, como já temos visto – e ainda veremos - e isso nos tem impressionado, sendo que muitos estudiosos tem dito que foram manipulações textuais.
A palavra hebraica frequentemente traduzida como "messias" aqui é usada para se refir a Ciro “ao seu ungido” – vs. 1. Esse é o único momento nas Escrituras que um rei estrangeiro é chamado de ungido do Senhor.
Esse termo ungido ou messias é normalmente reservado:
·       Aos patriarcas (Sl 105:15).
·       Aos profetas, sacerdotes e reis.
·       À nova comunidade (Hc 3:13).
·       Em especial ao Messias da linhagem de Davi (Dn 9:25).
Os que ouviram Isaías pregar - e nós hoje a estudar - devem ter ficado chocado ao ouvir que Ciro seria o rei ungido de Deus que seria tomado pela sua mão direita, para abater. Isto é, Ciro governaria sob a autoridade do Senhor (41:2; 48:14; cf. Sl 2:8-9; 110:1) para abater nações e reis.
Nada impediria Ciro, o servo do Senhor (cf. Sl 107:16), nem as portas de bronze, se referindo à Babilônia que tinha cem portas de bronze.
A profecia pode ter sido literalmente cumprida quando Ciro encontrou abertas as portas que estavam ligadas aos fossos de defesa da Babilônia (44.27).
Deus disse que daria a ele os tesouros escondidos e as riquezas encobertas provavelmente metais preciosos eram extraídos de minas perfuradas nas profundezas da terra. Ciro também saqueou as fabulosas riquezas da Lídia em 546 a.C.
O Senhor levantaria Ciro e o conheceria, do mesmo modo como ele conhece seus filhos, pelo nome. Ciro teria um título de honra (44.1,28) e apesar do seu papel fundamental na realização do plano de Deus para o seu povo, Ciro permaneceria descrente.
A criação deveria se preparar para o novo ato redentor de Deus, descrito por dois sinônimos: "justiça" (1:21) e "salvação" (12:2; 26:17-18).
Na cosmovisão de Isaías, a fertilidade da terra e a ordem da sociedade dependiam do correto relacionamento do rei e do seu povo com a divindade. Como Ciro seria o ungido do Senhor, os céus derramariam suas bênçãos sobre a terra quando ele governasse.
Tendo anunciado que Ciro seria o servo ungido de Deus, Isaías adverte mais uma vez contra a descrença de alguns.
c. Ai dos contendores – 45:9-14
Os israelitas não tinham o direito de discutir com Deus sobre a maneira como ele redimiria o seu povo. Se Deus quisesse usar Ciro e chamá-lo de "ungido", então Israel deveria aceitar a sua vontade soberana. (Rm 9:20).
Embora o Senhor fosse dar a Ciro uma boa recompensa (45:3) para resgatar o seu povo (43:3; 45:14), essa não seria a razão pela qual Ciro os libertaria. Ele teria os seus próprios motivos, mas que se completariam em Deus, isso sim aconteceria naturalmente de forma que Deus seria e continuaria a ser soberano e Ciro teria agido livre e responsavelmente.
Depois de o Senhor ter dado essas nações como resgate por Israel (43:3-4), eles próprios se entregariam ao Senhor e a Israel. Em submissão ao Senhor (v 14) e em reconhecimento de sua presença com seu povo (2.2-4; cf. SI 68.31), se prostrariam e lhes fariam as suas súplicas.
d. Aceitação do plano de Deus – 45:15-17
Isaías responde à declaração de Deus sobre o seu modo de salvar Israel por meio de Ciro afirmando a sua aceitação do misterioso plano de Deus.
Deus havia acabado de revelar que redimiria Israel do exílio de uma maneira inesperada. Essa revelação ainda permanece misteriosa e difícil de entender.
Israel – vs. 17 – é salvo pelo Senhor com uma salvação eterna, pois que Deus é diferente dos humanos e dos ídolos, que não podem jamais garantir o seu próprio futuro ou dos outros (cf. Hb 5:9). Isaías afirmou que o plano do Senhor de que Ciro libertaria Israel certamente traria uma grande salvação para o povo de Deus.
e. O Senhor é capaz – 45:18-25
Assim diz O SENHOR, mas não qualquer senhor, antes aquele que criou os céus, que formou a terra e a fez e a confirmou não para ficar vazia ou ser um caos - essa é a mesma palavra traduzida como “sem forma” em Gn 1:2 que descreve o caos primordial do momento da criação -, mas para ser habitada.
Sendo aquele que criou todas as coisas, Deus era mesmo capaz de levar adiante o seu plano. Jamais seria sua intenção manter Israel no estado de pura desolação no qual os assírios e os babilônios o haviam deixado.
Diferentemente dos oráculos pagãos, que eram obscuros e ambíguos – vs. 19 -, a revelação do Senhor era clara e pública, ainda que o resultado de suas promessas pudesse não se conformar às expectativas humanas (48:16).
O convite de Deus para ser encontrado era sincero (vs. 19; 55:3), por isso que ele os avisa dizendo que não o buscariam em vão, pois o encontrariam, com certeza. As palavras de Deus prometem e estabelecem ordem no seu reino (Sl 96:10; 98:9; 99:4), pois que fala a justiça e anuncia coisas retas.
Aos que escaparam das nações, o convite imperativo era para congregar, vir e se achegar juntos a Deus que se deixaria achar quando o buscassem de todo o seu coração. Quanto aos que conduzem em procissão as suas imagens de escultura, feitas de madeira e rogam a um Deus que não pode salvar, de nada sabem!
Depois de congregar, vir e se achegarem juntos, agora era para anunciar, achegarem-se novamente, tomarem conselhos todos juntos e a primeira pergunta faz uma referência à salvação iniciada com o decreto de Ciro que dizia que os israelitas deveriam retornar para casa (40:1 – 55:13; 44:24; 45:13). Quem fez ouvir e quem anunciou? A resposta simples era que o Senhor tinha feito isso porque além dele não há outro Deus que seja igualmente justo e salvador.
Era para olhar para ele para ser salvo, como os israelitas olhavam para a serpente pendurada num madeiro e eram curadas das suas mordidas letais, assim deveriam olhar para o Senhor e serem curados, salvos. Isso também nos aponta para a cruz de Cristo e a sua obra, pois os que olham para o Senhor serão salvos de seus pecados para sempre. Toda a terra – vs. 22 – todos os seus termos porque ele é Deus e não há outro!
Aqui no vs. 23, Deus entra com um juramento e como não havia alguém maior, jurou por si mesmo, ratificando e dando total validade à sua palavra de que todo joelho se dobrará e toda língua confessará que Jesus Cristo é o Senhor! Rm 14:11; I Co 15:25; Fp 2:10,11.
Is 45:1 Assim diz o SENHOR ao seu ungido,
               a Ciro, a quem tomo pela mão direita,
                              para abater as nações diante de sua face,
                              e descingir os lombos dos reis, para abrir diante dele
                                            as portas, e as portas não se fecharão.
               Is 45:2 Eu irei adiante de ti, e endireitarei os caminhos tortuosos;
                              quebrarei as portas de bronze, e despedaçarei
                                            os ferrolhos de ferro.
               Is 45:3 Dar-te-ei os tesouros escondidos, e as riquezas encobertas,
                              para que saibas que eu sou o SENHOR, o Deus de Israel,
                                            que te chama pelo teu nome.
               Is 45:4 Por amor de meu servo Jacó, e de Israel, meu eleito,
                              eu te chamei pelo teu nome, pus o teu sobrenome,
                                            ainda que não me conhecesses.
               Is 45:5 Eu sou o SENHOR, e não há outro; fora de mim não há Deus;
                              eu te cingirei, ainda que tu não me conheças;
               Is 45:6 Para que se saiba desde o nascente do sol, e desde o poente,
                              que fora de mim não há outro; eu sou o SENHOR,
                                            e não há outro.
               Is 45:7 Eu formo a luz, e crio as trevas;
                              eu faço a paz, e crio o mal;
                                            eu, o SENHOR, faço todas estas coisas.
               Is 45:8 Destilai, ó céus, dessas alturas, e as nuvens chovam justiça;
                              abra-se a terra, e produza a salvação,
                                            e ao mesmo tempo frutifique a justiça;
                                                           eu, o SENHOR, as criei.
               Is 45:9 Ai daquele que contende com o seu Criador!
                              o caco entre outros cacos de barro!
                                            Porventura dirá o barro ao que o formou:
                                                           Que fazes? ou a tua obra: Não tens mãos?
               Is 45:10 Ai daquele que diz ao pai:
                              Que é o que geras?
                                            E à mulher:
                                                           Que dás tu à luz?
               Is 45:11 Assim diz o SENHOR, o Santo de Israel,
                              aquele que o formou:
                                            Perguntai-me as coisas futuras;
                                             demandai-me acerca de meus filhos,
                                                           e acerca da obra das minhas mãos.
               Is 45:12 Eu fiz a terra, e criei nela o homem;
                              eu o fiz; as minhas mãos estenderam os céus,
                                            e a todos os seus exércitos dei as minhas ordens.
               Is 45:13 Eu o despertei em justiça, e todos os seus caminhos
                              endireitarei; ele edificará a minha cidade,
                                            e soltará os meus cativos, não por preço
                                            nem por presente, diz o SENHOR dos Exércitos.
               Is 45:14 Assim diz o SENHOR:
                              O trabalho do Egito, e o comércio dos etíopes e dos sabeus,
                                            homens de alta estatura, passarão para ti,
                                            e serão teus; irão atrás de ti, virão em grilhões,
                                                           e diante de ti se prostrarão;
                              far-te-ão as suas súplicas, dizendo:
                              Deveras Deus está em ti, e não há nenhum outro deus. Is
               Is 45:15 Verdadeiramente tu és o Deus que te ocultas,
                              o Deus de Israel, o Salvador.
               Is 45:16 Envergonhar-se-ão, e também se confundirão todos;
                              cairão juntamente na afronta os que fabricam imagens.
               Is 45:17 Porém Israel é salvo pelo SENHOR,
                              com uma eterna salvação; por isso não sereis envergonhados
                                            nem confundidos em toda a eternidade.
               Is 45:18 Porque assim diz o SENHOR que tem criado os céus,
                              o Deus que formou a terra, e a fez;
                                            ele a confirmou, não a criou vazia,
                                                           mas a formou para que fosse habitada:
                                                                          Eu sou o SENHOR e não há outro.
               Is 45:19 Não falei em segredo, nem em lugar algum escuro da terra;
                              não disse à descendência de Jacó:
                                            Buscai-me em vão;
                              eu sou o SENHOR, que falo a justiça, e anuncio coisas retas.
               Is 45:20 Congregai-vos, e vinde; chegai-vos juntos,
                              os que escapastes das nações;
                                            nada sabem os que conduzem em procissão
                                                           as suas imagens de escultura,
                                                                          feitas de madeira,
                                            e rogam a um deus que não pode salvar.
               Is 45:21 Anunciai, e chegai-vos, e tomai conselho todos juntos;
                              quem fez ouvir isto desde a antiguidade?
                              Quem desde então o anunciou?
                                            Porventura não sou eu, o SENHOR?
                                                           Pois não há outro Deus senão eu;
                                                           Deus justo e Salvador não há além de mim.
               Is 45:22 Olhai para mim, e sereis salvos,
                              vós, todos os termos da terra; porque eu sou Deus,
                                            e não há outro.
               Is 45:23 Por mim mesmo tenho jurado,
                              já saiu da minha boca a palavra de justiça,
                                            e não tornará atrás;
                              que diante de mim se dobrará todo o joelho,
                                            e por mim jurará toda a língua.
               Is 45:24 De mim se dirá:
                              Deveras no SENHOR há justiça e força;
                                            até ele virão, mas serão envergonhados
                                                           todos os que se indignarem contra ele.
               Is 45:25 Mas no SENHOR será justificada,
                              e se gloriará toda a descendência de Israel.
O reconhecimento será geral de que tanto a justiça como a força estão no Senhor e a ele virão mas serão envergonhados todos os que se indignarem contra Deus, no entanto, no Senhor serão justificadas e se gloriarão toda a descendência de Israel – vs. 24 e 25.
Como tenho falado e pregado a justiça de Deus é um atributo de sua pessoa que ele, por sua graça, comunica conosco de forma que também nós nos sentimos injustiçados quando sofremos algo que não seja justo.
Eu costumo dizer que temos o senso da justiça, não a justiça que é o próprio Deus.
...

sábado, 10 de janeiro de 2015

Isaías 44:1-28 - A LOUCURA DA IDOLATRIA.


Para você não se perder na leitura capítulo por capítulo, nós nos encontramos aqui:

Parte IV – ISAÍAS E O JULGAMENTO BABILÔNICO – 40:1 – 66:24.
B. A capacidade e a determinação de Deus de trazer restauração para o seu povo na Babilônia (40:12 – 44:23).
Como também já dissemos, dos versos 40:12 ao cap. 44.23, estaremos vendo o poder de Deus na restauração do povo de Deus, sendo que muitos duvidavam de que isso seria mesmo possível. As profecias proferidas visavam assegurar aos israelitas no exílio que eles não precisavam temer, pois que Deus seria plenamente capaz de cumprir a promessa da aliança.
Também essa parte “B” foi dividida em 13 blocos ou seções: 1. Uma discussão sobre o poder de Deus (40:12-31) – já vista; 2. Um pronunciamento judicial contra as nações (41:1-7) – já vista; 3. Salvação para Israel (41:8-20) – já vista; 4. Um pronunciamento judicial contra os ídolos (41:21-29) – já vista; 5. Salvação para Israel (42:1-17) – já vista; 6. Uma discussão sobre a cegueira e a surdez de Deus (42:18-25) – já vista; 7. Salvação para Israel (43:1-7) – já vista; 8. Um pronunciamento judicial contra as nações e os ídolos (43:8-13) – já vista; 9. Salvação para Israel (43:14-21) já vista; 10. Uma discussão sobre a justiça de Deus (43:22-28) – já vista; 11. Salvação para Israel (44:1-5) – veremos agora; 12. Um pronunciamento judicial contra as nações e os ídolos (44:6-20) – veremos agora;  e, 13. Salvação para Israel (44:21-23) – veremos e concluiremos agora.
11. Salvação para Israel (44:1-5).
Novamente, pela quinta vez nessa seção de 4 capítulos envolvendo os versos 40:12 a 44:23, Isaías reafirma à nação a libertação do cativeiro do exílio.
Jacó, seu servo e Israel seu escolhido – aqui carinhosamente chamado de Jesurum - são convocados a ouvir o que diz o Senhor que os criou e que como uma mãe os formou desde o ventre materno e que os ajudará, como fazem os pais aos filhos a quem quer bem e são tementes a Deus.
A primeira coisa que ouvem é que não temam e lhes explica porque não deveriam temer.
Fazendo um parêntesis na explicação e reflexão do tema com a preciosa ajuda da BEG, muito criticada por alguns que dizem ser uma verdadeira coxa de retalhos, uma vez que foi feita e produzida para o idioma alemão e que ao ser traduzida para o português, perdeu o sentido real e propósitos na comunicação de sua mensagem.
As primeiras palavras que a divindade, esteja ela na forma que estiver, comunica com os humanos é ministrando-lhes a paz e a segurança por meio da frase imperativa: “não temais!” ou “paz seja convosco”.
É uma forma de abordagem inicial que nos comunica tranquilidade e apazigua nossos corações que andam em constante guerra, perturbação, ansiedade e temores.
A explicação porque não deveriam temer é que ele, o Senhor, derramaria água sobre o sedento e rios sobre a terra seca e seu Espírito sobre toda a sua posteridade e sua benção sobre os seus descendentes – vs 3.
Em consequência desse derramamento, eles irão brotar como a erva, como salgueiros junto aos ribeiros das águas que dirão depois, com os corações cheios de alegria, paz e segurança: “Eu sou do Senhor!” e escolheriam o nome de Jacó e por sobrenome Israel, por causa da benção do Senhor sobre eles.
Essa salvação anunciada é muito grande e encontra o seu paralelo na vida real do Messias e do povo de Deus que se manifestaria dali uns 700 anos, donde seria o nascimento da sua amada igreja, que formaria o conjunto de todos os crentes espalhados em todos os cantos do mundo.
O Espírito de Deus é o poder por meio do qual Deus realiza a sua vontade e confirma as suas promessas. Ele operaria poderosamente na bênção futura de tudo criado como fez na ordem primitiva na natureza – Gn 1:3.
O Novo Testamento vê o cumprimento dessa promessa na obra miraculosa de Jesus por meio do poder do Espírito, na renovação da igreja hoje promovida pelo Espírito – Jl 2:28. At 2:38,39 – e na vinda dos gloriosos novos céus e nova terra.
Dessa nova era de restauração, muitos iriam participar juntos, judeus e gentios confessando o nome do Senhor – vs 5; Sl 87:6; Gl 6:16.
12. Um pronunciamento judicial contra as nações e os ídolos (44:6-20).
Mais uma vez, agora pela sexta vez nessa seção de 4 capítulos envolvendo os versos 40:12 a 44:23, Isaías ataca a descrença em Israel e, novamente, ele usa o discurso de Deus no tribunal celeste contra as nações gentias e contra os seus ídolos que nada são ou podem fazer.
Ele é o Senhor, o rei de Israel, o seu redentor, o Senhor dos Exércitos, que fala e afirma ser ele o primeiro e o último e que fora dele não há outro – vs 6. Em seguida uma pergunta retórica demonstrando que o Senhor é soberano sobre o passado, o presente e o  futuro.
Não deveriam se assombrar, nem temerem pois ele os fez ouvir e previamente anunciou que eles seria suas testemunhas de como o Senhor tinha demonstrado a sua superioridade sobre todas as nações e sobre todos os seus deuses não existindo outro que possa ser seu co-igual ou desafiante ou que ameace a sua divindade e poder.
Não, não há outro Deus além do Senhor esse era o testemunho de todas as testemunhas do Senhor. Não há outra Rocha eu se conheça!
Em seguida, dos vs 9  ao 20, Isaías descreve em detalhes a loucura da idolatria uma vez que o que fazem é sem sentido e, para agravar a situação, transformavam as obras de suas mãos em seus deuses diante dos quais se curvavam em adoração.
O diabo cega o entendimento dos incrédulos e dos que insistem em rejeitar ao Senhor. Se ele nos falou e insistimos com nossas idiossincrasias sem sentido e objetivo algum, então estamos vivendo nas garras da aparência, do engodo e da ilusão.
Isaías 44:9 a 20 descreve nossa insensatez refletida na nossa idolatria. Fazer uma escultura como obra de arte é muito interessante, mas transformar essa arte, por meio de bênçãos ou qualquer ato profético ou consagração em algo sagrado é uma tremenda cegueira espiritual dos que fazem e de todos os que as adoram.
A força da ilusão que mantém o homem preso e escravo de imagens de escultura é a força da rejeição ao Senhor por causa de seus pecados os quais não quer de forma alguma livrar-se deles.
Não devemos temer qualquer objeto ou maldição ou praga lançada contra nós em nome de tais deuses que não são deuses, antes devemos temer ao Senhor. Ele deve ser nosso espanto e temor e terror.
13. Salvação para Israel (44:21-23).
Estamos finalizando essa seção de 4 capítulos que envolveu os versos 40:12 a 44:23 onde por diversas vezes Isaías atacou a descrença em Isael e reafirmou a Israel a salvação do exílio.
Essa é a sexta vez, fechando essa seção, que Isaías reafirma a Israel a salvação do exílio.
Aqui, agora vem uma mensagem de promessa de livramento.
Começando com uma exortação para se lembrarem dessas coisas, tanto Jacó quanto Israel de que Deus não se esqueceria deles e, melhor ainda, apagaria as suas transgressões como a névoa e os pecados como a nuvem. Ambas as névoas e as nuvens são sempre passageiras, mas o perdão dos pecados é para todo o sempre.
Que ídolo poderia fazer isso e dar a paz às nossas consciências carregadas com a culpa do pecado?
Isaías chama a cantar alegremente os céus porque o Senhor o fez e para exultar as partes mais baixas da terra, os montes, os bosques, as árvores, em fim, Isaías chama toda a criação a de deleitar na redenção de Israel no exílio, um ato promovido por Deus.
Um tema semelhante é visto em Rm 8:22 em que Paulo declara que toda a natureza espera pela redenção dos filhos de Deus na volta de Cristo.
C. Os dois instrumentos de Deus para a restauração (44:24 – 55:13).
Nós estamos vendo nesta última parte 4 de 4, que ocupa uns 26 capítulos deste livro, de Isaías, as suas inúmeras profecias direcionadas, basicamente, aos exilados na Babilônia para encorajá-los a escapar de seus captores e retornar, pela fé, à Terra Prometida (47:20-21).
Como já falamos, a parte IV foi dividida em quatro outras partes principais: A. O chamado de Isaías para proclamar a restauração (40:1-11) – já vista; B. A capacidade e a determinação de Deus de trazer restauração para o seu povo na Babilônia (40:12 – 44:23) – também já vista e encerrada neste capítulo; C. Os dois instrumentos de Deus para a restauração (44:24 – 55:13) – veremos agora; depois, veremos D. Pecado, arrependimento e restauração de Israel – 56:1 a 66:24.
De 44:24 a 55:13, veremos os instrumentos de Deus para a sua salvação garantida. Embora muitos motivos apareçam nesses capítulos, podemos ver que eles giram em torno da revelação dos instrumentos levantados por Deus para trazer libertação do povo de Deus do exílio.
Dividiremos essa seção “C” em duas seções. 1. O plano de Deus para Ciro – 44:24 até 48:22, onde Isaías aborda primeiramente esse instrumento de Deus que é Ciro e depois, 2. O plano de Deus para o seu servo -  49:1 a 55:13, onde ele se concentrará no servo real que viria.
1. O plano de Deus para Ciro – 44:24 até 48:22.
Ciro, imperador da  Pérsia, contemporâneo de Esdras, Neemias, Zorobabel, Ester e Mordecai, é mencionado tanto por seu próprio nome, algo espetacular demais que tem intrigado estudiosos e tem feito os céticos afirmarem que Isaías fora escrito depois do exílio,  quanto por implicação ao longo de toda a passagem.
Ciro, que  já fora mencionado em 41:1 e nos versículos seguintes, seria:
·         O pastor de Deus para o seu povo  - 44:28.
·         O ungido de Deus – 45:1.
·         Aquele a quem Deus levantaria 45:13.
·         Uma ave de rapina do oriente que realizaria os propósitos de Deus – 46:11.
·         O aliado escolhido de Deus contra a Babilônia – 48:14.
Além dessas referências explícitas, a questão da escolha de Ciro por Deus está implícita em vários pontos desses capítulos, como teremos a oportunidade de vermos em riqueza de detalhes.
Esse plano de Deus para Ciro pode ser dividido também em 8 partes para melhor entendimento do texto e seu contexto. a. O hino de autoglorificação do Senhor – 44:24-28; b. Oráculo real acerca de Ciro – 45:1-8; c. Ai dos contendores – 45:9-14; d. Aceitação do pleno de Deus – 45:15-17; e. O Senhor é capaz – 45:18-25; f. O destino certo da Babilônia – 46:1-13; g. Julgamento contra a Babilônia – 47:1-15; e, finalmente, h. O convite para ir – 55:1-13.
a. O hino de autoglorificação do Senhor – 44:24-28.
Essa é uma seção que começa com uma surpreendente revelação: Deus libertaria o seu povo da Babilônia por meio do rei persa Ciro.
Seria o grande Deus, o que se chama SENHOR que faria tudo isso – vs 24 a 26. Ele sozinho estendeu os céus e espraiou a terra. É ele também quem desfaz os sinais dos inventores de mentiras, que enlouquece os adivinhos, que faz tornar atrás os sábios e converter em loucura o conhecimento deles.
Também é ele, o Senhor, que confirma a palavra do seu servo, e cumpre o conselho dos seus mensageiros;        que diz a Jerusalém que será habitada e às cidades de Judá que seriam edificadas e levantadas suas ruínas – vs 26.
A redenção está expressa – vs 27 - numa linguagem que faz referência ao episódio da travessia do mar vermelho por Israel, o que está intimamente ligado à metáfora da vitória do Senhor sobre o monstro. A profecia pode ter encontrado um cumprimento literal quando Ciro secou o rio Eufrates que alimentava os fossos que cercavam a Babilônia.
Is 44:1 Agora, pois, ouve, ó Jacó, servo meu,
                e tu, ó Israel, a quem escolhi.
Is 44:2 Assim diz o SENHOR
                que te criou
                e te formou desde o ventre,
                e que te ajudará:
                               Não temas, ó Jacó, servo meu,
                               e tu, Jesurum, a quem escolhi.
                Is 44:3 Porque derramarei água sobre o sedento,
                               e rios sobre a terra seca;
                                               derramarei o meu Espírito sobre a tua posteridade,
                                               e a minha bênção sobre os teus descendentes.
                Is 44:4 E brotarão como a erva, como salgueiros
                               junto aos ribeiros das águas.
                Is 44:5 Este dirá:
                               Eu sou do SENHOR;
                               e aquele se chamará do nome de Jacó;
                               e aquele outro escreverá com a sua mão ao SENHOR,
                                               e por sobrenome tomará o nome de Israel.
Is 44:6 Assim diz o SENHOR, Rei de Israel, e seu Redentor,
                o SENHOR dos Exércitos:
                               Eu sou o primeiro, e eu sou o último,
                                               e fora de mim não há Deus.
                Is 44:7 E quem proclamará como eu,
                               e anunciará isto, e o porá em ordem perante mim,
                                               desde que ordenei um povo eterno?
                               E anuncie-lhes as coisas vindouras, e as que ainda hão de vir.
                Is 44:8 Não vos assombreis, nem temais;
                               porventura desde então não vo-lo fiz ouvir,
                                               e não vo-lo anunciei?
                                                               Porque vós sois as minhas testemunhas.
                               Porventura há outro Deus fora de mim?
                                               Não, não há outra Rocha que eu conheça.
                Is 44:9 Todos os artífices de imagens de escultura são vaidade,
                               e as suas coisas mais desejáveis são de nenhum préstimo;
                               e suas próprias testemunhas,
                               nada veem nem entendem para que sejam envergonhados.
                Is 44:10 Quem forma um deus, e funde uma imagem de escultura,
                               que é de nenhum préstimo?
                Is 44:11 Eis que todos os seus companheiros ficarão confundidos,
                               pois os mesmos artífices não passam de homens;
                                               ajuntem-se todos, e levantem-se;
                                               assombrar-se-ão, e serão juntamente confundidos.
                Is 44:12 O ferreiro, com a tenaz, trabalha nas brasas,
                               e o forma com martelos, e o lavra com a força do seu braço;
                               ele tem fome e a sua força enfraquece,
                                               e não bebe água, e desfalece.
                Is 44:13 O carpinteiro estende a régua, desenha-o com uma linha,
                               aplaina-o com a plaina, e traça-o com o compasso;
                                               e o faz à semelhança de um homem, segundo
                                                               a forma de um homem, para ficar em casa.
                Is 44:14 Quando corta para si cedros, toma, também,
                               o cipreste e o carvalho;
                                               assim escolhe dentre as árvores do bosque;
                                                               planta um olmeiro, e a chuva o faz crescer.
                Is 44:15 Então serve ao homem para queimar; e toma deles,
                               e se aquenta, e os acende, e coze o pão;
                                               também faz um deus, e se prostra diante dele;
                                                               também fabrica uma imagem de escultura,
                                                                              e ajoelha-se diante dela.
                Is 44:16 Metade dele queima no fogo,
                               com a outra metade prepara a carne para comer,
                                               assa-a e farta-se dela; também se aquenta, e diz:
                                                               Ora já me aquentei, já vi o fogo.
                Is 44:17 Então do resto faz um deus, uma imagem de escultura;
                               ajoelha-se diante dela, e se inclina, e roga-lhe, e diz:
                                               Livra-me, porquanto tu és o meu deus.
                Is 44:18 Nada sabem, nem entendem;
                               porque tapou os olhos para que não vejam,
                               e os seus corações para que não entendam.
                Is 44:19 E nenhum deles cai em si, e já não têm conhecimento
                               nem entendimento para dizer:
                                               Metade queimei no fogo,
                                               e cozi pão sobre as suas brasas,
                                               assei sobre elas carne, e a comi;
                                                               e faria eu do resto uma abominação?
                                                               Ajoelhar-me-ei ao que saiu de uma árvore?
                Is 44:20 Apascenta-se de cinza; o seu coração enganado o desviou,
                               de maneira que já não pode livrar a sua alma, nem dizer:
                               Porventura não há uma mentira na minha mão direita?
                Is 44:21 Lembra-te destas coisas, ó Jacó, e Israel,
                               porquanto és meu servo; eu te formei, meu servo és, ó Israel,
                                               não me esquecerei de ti.
                Is 44:22 Apaguei as tuas transgressões como a névoa,
                               e os teus pecados como a nuvem;
                                               torna-te para mim, porque eu te remi.
                Is 44:23 Cantai alegres, vós, ó céus, porque o SENHOR o fez;
                               exultai vós, as partes mais baixas da terra; vós, montes,
                                               retumbai com júbilo; também vós,
                                               bosques, e todas as suas árvores; porque o SENHOR
                                                               remiu a Jacó, e glorificou-se em Israel.
                Is 44:24 Assim diz o SENHOR, teu redentor, e que te formou
                               desde o ventre:
                               Eu sou o SENHOR que faço tudo, que sozinho
                               estendo os céus, e espraio a terra por mim mesmo;
                               Is 44:25 Que desfaço os sinais dos inventores
                                               de mentiras, e enlouqueço os adivinhos;
                                               que faço tornar atrás os sábios,
                                               e converto em loucura o conhecimento deles;
                               Is 44:26 Que confirmo a palavra do seu servo,
                                               e cumpro o conselho dos seus mensageiros;
                                                               que digo a Jerusalém:
                                                                              Tu serás habitada,
                                                               e às cidades de Judá:
                                                                              Sereis edificadas, e eu levantarei
                                                                                              as suas ruínas;
                               Is 44:27 Que digo à profundeza:
                                               Seca-te, e eu secarei os teus rios.
                               Is 44:28 Que digo de Ciro:
                                               É meu pastor, e cumprirá tudo o que me apraz,
                               dizendo também a Jerusalém:
                                               Tu serás edificada;
                               e ao templo:
                                               Tu serás fundado.
O povo está regressando...
Esse governador persa governaria debaixo do decreto de Deus e ambos, Jerusalém e o templo seriam reconstruídos mediante decreto real do rei persa Ciro – Ed 1:2-4; 6:3-5.

Essa ideia fantástica e aparentemente absurda de que um rei pagão libertaria o povo de Deus e seria o responsável pela restauração de Jerusalém e do templo, teria sido algo muito difícil de acreditar, para muitos nos antigos dias de cativeiro e até hoje quando olhamos para o passado para estudá-lo e entender os acontecimentos.
p.s.: link da imagem original: http://conhecimentoreformado.blogspot.com.br/2012/11/a-loucura-do-evangelho-ou-loucura-dos.html
A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdete – 
http://www.jamaisdesista.com.br
...