segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

II Tessalonicenses 1 1-12 - A NOSSA SUFICIÊNCIA VEM DE DEUS.

A segunda epístola aos tessalonicenses foi escrita para complementar a sua carta anterior (1Tessalonicenses), dando aos tessalonicenses instruções adicionais sobre a vinda de Cristo e a importância de um viver diário responsável. Estamos vendo o capítulo 1/3.
Breve síntese do capítulo 1.
Na primeira epístola aos Tessalonicenses ficou uma espécie de mal entendido entre os irmãos que ingenuamente estavam esperando ali, para aquela hora, a volta iminente de Jesus. Paulo então, juntamente com Silvano e Timóteo esclarecem mais o assunto e tranquilizam os irmãos para não viverem enganados.
Ele começa elogiando os irmãos e a sua fé e amor que vai aumentando dia após dia. Ele elogia a constância deles em meio as muitas perseguições e tribulações que estão suportando por amor de Cristo o que para Paulo já era sinal evidente do reto juízo de Deus.
Vejamos o presente capítulo com mais detalhes, conforme ajuda da BEG:
I. SAUDAÇÃO (1.1-2).
O apóstolo Paulo saudou e abençoou a igreja de Tessalônica. Como na primeira epístola, Paulo, Silvano e Timóteo é que se dirigem à igreja dos Tessalonicenses visando levar-lhes uma palavra de esperança e maiores esclarecimentos sobre a vinda de Jesus.
Como de costume, eles ministram no início da carta a graça e a paz da parte de Deus Pai e do Senhor Jesus Cristo. Somos assim mordomos de Deus, ministros seus a seu serviço e da nossa casa celestial, no nome de Deus, ministramos o que recebemos e o que temos. Quem não nos recebe ou nos rejeita, aquilo que ministramos volta para nós; nesse caso eles ministraram-lhe a famosa graça e paz que somente há mesmo nas mansões celestiais. (Veja também Mt 10.11-13).
II. AÇÕES DE GRAÇAS E ENCORAJAMENTO (1.3-12).
Paulo relatou que continuava a dar graças a Deus pelo amor e pela constância dos tessalonicenses diante da perseguição. Ele os lembrou da recompensa que virá quando Cristo retornar para o julgamento, e os encorajou a perseverar até esse dia.
Dos vs. 3 ao 12, veremos ações de graças e encorajamento. Paulo expressou sua gratidão a Deus pela fidelidade dos tessalonicenses e os encorajou a uma constância ainda maior na fé.
Aqui ele fala a eles que a fé que eles tinham crescia mais e mais, crescia sobremaneira. Também elogiou o crescimento do amor deles uns pelos outros. A salvação e as recompensas vêm somente pela graça de Deus, com base na justiça de Cristo (vs. 2; Tt 3.5-7).
Nossa vida subsequente à ação do poder do Espírito Santo nos conforma com a santidade de Deus e confirma a genuinidade da nossa união com Cristo.
Por isso, Paulo e os demais, se orgulhavam deles. Diante das perseguições e tribulações – e não eram poucas – neles sobejava perseverança e fé. Um exemplo de perseguição está registrado em At 17.1-9 (onde está registrado aquela passagem que fala “estes que tem transtornado o mundo chegaram também aqui...”), e a carta aos tessalonicenses revela que essa hostilidade não havia desaparecido (lTs 1.6; 2.14; 3.3).
As perseguições aqui se davam por causa dos judeus que tinham inveja do progresso do evangelho.
Por isso, pela paciência, pela perseverança e fé que demonstravam, eles os consideravam dignos do reino (não no sentido de mérito, mas no sentido da graça. A graça cooperou para que eles suportassem e não suportaram porque eram melhores). Em outras passagens Paulo falou sobre vivermos uma vida digna de Deus (1Ts 2.12), da vocação de Deus (1.11; Ef 4.1), de Cristo (Cl 1.10) e do evangelho (Fp 1.27-28).
Com isso ele não quis dizer que as pessoas, por si mesmas, são capazes de se tomarem dignas de receber as bênçãos de Deus. Pelo contrário, ele falou sobre os estilos de vida apropriados para os que recebem essas bênçãos.
Pela graça de Deus, nós somos capacitados a viver de maneiras que são apropriadas ao povo de Deus. Nesse caso, Paulo tinha em mente a capacidade de suportar perseguição.
O reino aqui – vs. 5 - refere-se à consumação do reino universal de Deus sobre toda a terra, que acontecerá quando Cristo voltar (a BEG recomenda a leitura e a reflexão em seu excelente artigo teológico “O reino de Deus", em Mt 4).
Mesmo quando estão desfrutando dos benefícios da cidadania deste reino celestial (1Ts 2.12), os cristãos ainda sofrem em nome dele (At 14.22), pois esse reino inevitavelmente enfrenta oposição diabólica e mundana.
A certeza do crente quanto a receber a recompensa eterna em Cristo está baseada nos atributos imutáveis de Deus. Nessa passagem, Paulo enfocou a justiça divina, a qual traz juízo sobre aqueles que não estão cm Cristo.
Em Rm 2.9, a mesma palavra grega para "tribulação" é usada para a tribulação e a angústia que virão sobre o malfeitor no juízo final.
O apóstolo Paulo parece ter falado sobre o mesmo juízo nessa passagem, visto que os versículos seguintes dizem respeito à alegria e ao tormento finais.
O apóstolo fez alusão a uma promessa semelhante que foi dada a Abraão, aplicando-a aos crentes tessalonicenses, que eram descendentes de Abraão em Cristo (CI 3.29).
Quando o Senhor Jesus for revelado lá do céu, com os seus anjos poderosos, em meio a chamas flamejantes, ele punirá os que não conhecem a Deus e os que não obedecem ao evangelho de nosso Senhor Jesus – vs. 7-8.
O evangelho não é apenas uma mensagem para ser recebida, ou crida; é também uma mensagem para ser obedecida (1Pe 4.17). Ele carrega consigo o mandamento divino de rendição total a Deus por meio da graça e da paz tornada disponível por Jesus Cristo. Obedecer ao evangelho é conhecer a Deus e ter comunhão íntima com ele.
A temível doutrina do castigo eterno (Is 66.24; Mt 25.46; Mc 9.43,48), tremenda como ela é, assegurava os perseguidos cristãos tessalonicenses sobre a justiça final e perfeita. Eles deveriam evitar qualquer tipo de vingança pessoal (Rm 12.17-21; lTs 5.15) pelas atrocidades cometidas contra eles (vs. 4), e deveriam depositar sua confiança em Deus, que julga retamente (Jr 17.10; At 17.31; Rm 2.6,11,16; 1 Pe 2.23; Ap 22.12). Novamente, a BEG recomenda o artigo teológico "O inferno", em Ap 19.
Naquele dia – vs. 10 – no “Dia do Senhor” (2.2; 1 Ts 5.2); quando Cristo voltar para os seus santos (2.2; lTs 5.2); no dia que ele vier para ser glorificado em seus santos e ser admirado em todos os que creem – o juízo final do ímpio ocorrerá e eles sofrerão a pena de destruição eterna, a separação da presença do Senhor e da majestade do seu poder – vs. 9.
Por isso, ao perceber como era importante que os tessalonicenses suportassem seus sofrimentos, Paulo lhes contou sobre suas orações em favor deles.
Ele orava para que Deus os sustentasse em suas lutas e os fizesse dignos da vocação a que foram chamados e, com poder, cumprisse todo bom propósito e toda obra que procede da fé – vs. 11. Veja lTs 2.12, uma passagem que descreve Deus como aquele que chama os crentes para o seu reino e glória (2.14).
Paulo apontou para a interconexão entre os crentes glorificando a Cristo e Cristo glorificando os crentes. À medida que os crentes suportam as tribulações, eles trazem mais honra a Deus.
Porém, a capacidade deles de suportar também os conduz à glorificação deles mesmos (2.14; a BEG recomenda aqui também a leitura e a reflexão em seu excelente artigo teológico "A glória de Deus", em Ez 1).
No texto do vs. 12 “Assim o nome de nosso Senhor Jesus será glorificado em vocês, e vocês nele, segundo a graça de nosso Deus e do Senhor Jesus Cristo.”, o texto grego não contém o segundo "do" e pode, portanto, ser traduzido como "do nosso Deus e Senhor, Jesus Cristo", o que constituiria um uso distinto do termo "Deus" para Jesus Cristo.
Há ainda outras aplicações do termo "Deus" a Cristo no Novo Testamento (cf. Rm 9.5; Tt 2.13; 2Pe 1.11).
Paulo habitualmente fala de Cristo e de Deus Pai juntos numa unidade íntima em outras passagens dessas cartas (p. ex., 1.1-2; 2.16; 1Ts 1.1; 3.11), e afirma de modo claro que os atributos da divindade pertencem a Cristo.
Em ambas as traduções, a dignidade conjunta do Pai e do Filho está manifesta. A BEG recomenda afinal para melhores esclarecimentos a leitura e a reflexão em seu excelente artigo teológico "Jesus Cristo, Deus e homem", em Jo 1.
II Ts 1:1 Paulo, Silvano e Timóteo,
                à igreja dos tessalonicenses,
                               em Deus, nosso Pai,
                               e no Senhor Jesus Cristo,
II Ts 1:2 graça e paz a vós outros,
                da parte de Deus Pai
                e do Senhor Jesus Cristo.
II Ts 1:3 Irmãos, cumpre-nos
                dar sempre graças a Deus
                                no tocante a vós outros,
                                               como é justo,
                                                               pois a vossa fé cresce sobremaneira,
                                                               e o vosso mútuo amor de uns
para com os outros
                                                               vai aumentando,
                II Ts 1:4 a tal ponto que nós mesmos
                               nos gloriamos de vós nas igrejas de Deus,
                                               à vista da vossa constância e fé,                                                                                                   em todas as vossas perseguições
                                                               e nas tribulações que suportais,
II Ts 1:5 sinal evidente do reto juízo de Deus,
                para que sejais considerados
                               dignos do reino de Deus,
                                               pelo qual, com efeito,
                                                               estais sofrendo;
II Ts 1:6 se, de fato, é justo para com Deus
                que ele dê em paga
                               tribulação aos que vos atribulam
                               II Ts 1:7 e a vós outros, que sois atribulados,
                                               alívio juntamente conosco,
                                                               quando do céu se manifestar o Senhor Jesus
                                                                              com os anjos do seu poder,
                                               II Ts 1:8 em chama de fogo,
                                                              tomando vingança
                                                               contra os que não conhecem a Deus
                                                               e contra os que não obedecem ao evangelho
                                                                              de nosso Senhor Jesus.
II Ts 1:9 Estes sofrerão
                penalidade de eterna destruição,
                banidos da face do Senhor
                e da glória do seu poder,
                               II Ts 1:10 quando vier para ser glorificado
                                               nos seus santos
                               e ser admirado em todos
                                               os que creram,
                                                               naquele dia (porquanto foi crido entre vós
o nosso testemunho).
II Ts 1:11 Por isso, também
                não cessamos de orar por vós,
                               para que o nosso Deus vos torne
                                               dignos da sua vocação
                                               e cumpra
                                                               com poder
                                                                              todo propósito
                                                                                              de bondade
                                                                                              e obra de fé,
II Ts 1:12 a fim de que
                o nome de nosso Senhor Jesus
                               seja glorificado em vós,
                                               e vós, nele,
                                                               segundo a graça
                                                                              do nosso Deus
                                                                              e do Senhor Jesus Cristo.
Paulo conclui este capítulo falando do nome do Senhor ser glorificado neles e eles sejam glorificados nele. É assim mesmo que acontece: primeiro damos toda a glória a Deus e Deus nos glorifica nele aprovando a sua obra que é feita pelo Espírito Santo.
Quando reconhecemos que nossa suficiência vem de Deus e somente dele, reconhecemos que o homem nada é, mas Deus o usa e o glorifica ao usá-lo diante dos outros homens. Deus é de mais.
Contagem regressiva: Faltam 75 dias para 20/04/16 (Inicio: 05/05/15). Tu, SENHOR, conservarás em perfeita paz aquele cujo propósito é firme; porque ele confia em ti. (Is 26.3).

A Deus toda glória! p/ pr. Pr. Daniel Deusdete. 
...


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.