domingo, 7 de fevereiro de 2016

I Tessalonicenses 5 1-28 - ISAAC NEWTON CALCULOU E PREVIU A DATA DA VOLTA DE JESUS.

Como já dissemos, Paulo escreveu essa epístola para assegurar aos cristãos tessalonicenses do amor que ele tinha por eles e instruí-los a respeito da importância de viver para Cristo e entender corretamente as etapas do seu retorno. Estamos no capítulo 5/5.
Breve síntese do capítulo 5.
Qual será o dia da volta de Jesus? Tantos homens já perscrutaram isso buscando uma resposta e até arriscaram suas vidas e reputações demonstrando ser dia tal o dia da volta de Jesus e quando se chega o dia previsto, nada acontece.
Recentemente, fizeram tão asseverada afirmação e investiram em propagandas e programas de rádio anunciando esse evento e, novamente, nada aconteceu.
Há famosos como Isaac Newton que ousaram calcular esse dia. Conta-se que ele dedicou toda a sua vida em trabalhos paralelos para calcular esse dia. Veja mais em Os Segredos de Newton: http://jnul.huji.ac.il/dl/mss/newton/ Ele previu o fim do mundo para 2060.
Paulo citava os profetas há muito tempo atrás: O DIA DO SENHOR VIRÁ COMO LADRÃO!
Vejamos o presente capítulo com mais detalhes, conforme ajuda da BEG:
III. INSTRUÇÕES (4.1-5.22) - continuação.
Nós vimos que aqui ele está falando brevemente sobre diversas questões éticas específicas. Assim, dos vs. 4.1 ao 5.22, veremos essas instruções.
Essa parte foi dividida em três: A. A maneira ética de viver (4.1-12) – já vimos; B. O retorno de Cristo (4.13-5.11) – concluiremos agora; e, C. Instruções finais (5.12-22) – veremos e concluiremos agora.
B. O retorno de Cristo (4.13-5.11) - continuação.
Dos vs. 4.13 ao 5.11, estamos vendo Paulo falando do retorno de Cristo. O segundo foco de ensino de Paulo era sobre o retorno de Cristo. Sua discussão sobre esse assunto dividiu-se em duas partes: 1. Os mortos em Cristo (4.13-18) – já vimos; e, 2. O Dia do Senhor (5.1-11) – veremos agora.
2. O Dia do Senhor (5.1-11).
O Dia do Senhor está muito próximo. Foi dito aos tessalonicenses para se prepararem para o retorno de Cristo, o qual pegará o incrédulo de surpresa.
Paulo partia do princípio que tanto os cristãos (em sua mente, possivelmente os próprios cristãos para os quais ele estava escrevendo) quanto os não cristãos estariam vivos e presentes quando esse dia chegasse, os primeiros vigilantes e atentos, os últimos assustados como por causa de um ladrão que ataca à noite.
Portanto, o arrebatamento dos cristãos dito em 4.17 acontecerá junto com a repentina destruição dos incrédulos (2Ts 1.6-10; 2Ts 2.1). Será um acontecimento público que ocorrerá no final da criação como a conhecemos.
O dia do Senhor, como aqui narrado – vs. 2 – é uma notável designação do dia no qual Cristo retornará (Mt 24.42). O termo é bem conhecido do Antigo Testamento (p. ex., JI 2.1,31; Am 5.18; Sf 1.7,14; MI 4.5), onde é empregado para falar da vinda de Deus para julgar.
Essa associação do Dia do Senhor com o julgamento é transportada para o Novo Testamento, onde o último julgamento, a recompensa final e as punições estão em vista (At 17.31; Rm 2.5,16; 2Co 1.14).
De acordo com 2Pe 3.10-13, os céus, a terra e todos os elementos serão destruídos nesse dia, dando lugar aos novos céus e a uma nova terra. O como seria a sua vinda poderia ser descrita para as pessoas desatentas como é a vinda do ladrão de noite. (vs. 2; veja Mt 24.43-44; veja também 2Pe 3.10, Ap 3.3; 16.15).
Aparentemente, Paulo era familiarizado com pelo menos alguns dos materiais que agora nós lemos no sermão do monte das Oliveiras pregado por Jesus (Mt 24.3-25.46; Mc 13.3-37; Lc 21.5-36).
Quando e como será esse dia do Senhor, a volta de Jesus? É preciso distinguir na leitura a quem o texto está se dirigindo. Há um público fiel, atento, vigilante, que são os filhos da luz, os filhos do dia. Há outro desatento, das trevas, da noite, que vivem dormindo, ou seja, desprezam totalmente essas palavras.
O povo fiel não será surpreendido, mas também não sabe, exatamente, nem o dia, nem a hora, mas sabe distinguir os tempos e as estações e é capaz de saber que está próxima ou não, por exemplo, a tempestade por vir.
O povo infiel que já está destinado à ira, esse sim, será surpreendido como o ladrão surpreende de noite, sobre esses virá a ira de Deus como dores à mulher grávida e de modo nenhum escaparão.
Deus destinou o seu povo para obter salvação e glória em Jesus Cristo (vs. 9; 1.10; 2Ts 2.14). No entanto, o Pai também escolheu um grande número de cristãos (incluindo os tessalonicenses) para sofrer, e resistir em fidelidade, tribulações de todos os tipos (3.2-4; 2Ts 1.4; Tg 1.2-4; 1 Pe 4.12-14; Ap 1.9).
Nesse contexto, a destinação para a ira refere-se à condenação e à punição justas que cairão sobre os filhos da desobediência (Ef 5.6; Cl 3.6; Ap 6.16-17; 11.18) no "dia da ira... de Deus" (Rm 2.5).
Ele morreu por nós para que, quer estejamos acordados quer dormindo, vivamos unidos a ele, ou seja, estejamos sempre atentos e alertas. Por isso que devemos nos exortar e nos edificarmos, uns aos outros, com essas palavras de Cristo. (vs. 10 e 11).
C. Instruções finais (5.12-22).
Dos vs. 12 ao 22, encerrando o capítulo e a epístola, Paulo dá diversas instruções finais. Tendo lidado com as principais preocupações dos tessalonicenses, Paulo voltou-se para diversas breves exortações.
Mesmo nesse período inicial na vida da congregação dos tessalonicenses, haviam sido escolhidos líderes que tinham a incumbência de exercer cuidado e supervisão espirituais.
Paulo defendeu a legítima consideração dos obreiros e líderes da igreja, ordenando que os cristãos não mostrassem a eles apenas respeito, mas que também expressassem amor por eles.
Alguns líderes de Tessalônica, os quais foram nomeados por Paulo em outro lugar, podem ter estado na mente do apóstolo enquanto ele escrevia isso: Jasom (At 17.6-9), Aristarco (At 20.4; 27.2; Cl 4.10; SI 24L Secundo (At 20.4) e, possivelmente, Gaio (At 19.29).
Essa fala (vs. 14 e também o vs. 12) indica que as exortações que seguem significam que a responsabilidade pelo ministério sobre toda a congregação era de toda a igreja, e não apenas dos líderes reconhecidos. Sobre eles, os líderes, a recomendação paulina era de que o tivessem em elavada honra, com a mais alta estima, com amor, por causa da missão deles. O viver em paz era um alvo para todos – vs. 13.
Embora a palavra grega para "insubmissos" empregada aqui (vs. 14, assim como as palavras relacionadas em 2Ts 3.6-7,11 mostram) tenha o sentido de "desordenado" ou "rebelde", o contexto mostra que o tipo de comportamento insubmisso que Paulo tinha em mente era uma recusa irresponsável de trabalhar para se manter. Nesse caso a tradução da NVI é melhor, pois que fala para admoestar os ociosos.
Muitos pensam que esse comportamento era alimentado por uma expectativa por demais madura da segunda vinda de Cristo.
Além de advertir os ociosos, seria necessário confortar os desanimados, auxiliar os fracos - o tímido ou hesitante precisa de encorajamento, e o fraco precisa de apoio (Rm 14.1; 15.1-2) – e com todos ser muito paciente - todos devem ser atendidos com paciência.
Diante do mal praticado, o cuidado de Paulo era para que não o retribuíssem da mesma maneira, mas que seguissem sempre o bem.
O cristão tem o dever de buscar justiça em favor dos outros (Is 56.1; 58.6-8). Mas é um aspecto notável da ética cristã que o cristão, seguindo o exemplo do próprio Cristo (1Pe 2.21-23), deve abster-se de retaliação pessoal para o seu próprio bem (Mt 5.38-42; Rm 12.17-21; 1Co 6.7; 1Pe 3.9).
Diante do mal praticado, a reposta e orientação não era a vingança, mas o retribuir com o bem. Que a marca característica dos crenes fosse sempre a bondade uns com os outros e para com todos – vs. 15.
Dos vs. 16 ao 18, Paulo encorajou os tessalonicenses a viverem vidas caracterizadas pela alegria e pela ação de graças. No entanto, ele não proibia manifestações apropriadas de tristeza e lamento.
O próprio Jesus não foi sempre alegre e agradecido (Jo 11.35,38). Como mostram alguns salmos, às vezes a tristeza e o lamento são legítimos e adequados (SI 28; 38; 40; 88; 130).
O dar graças em todas as circunstâncias é vontade de Deus para nós em Cristo Jesus. Refere-se aqui ao desejo normativo de Deus (o que ele ordena), como oposto ao seu desejo decretatório (o que ele decreta de modo imutável).
Por um lado, Paulo advertiu os tessalonicenses – vs. 19 ao 21 - para não extinguir o Espírito de Deus ao desprezar a profecia legítima (tanto Silas quanto Paulo foram profetas do Novo Testamento; At 13.1; 15.32).
Por outro lado, Paulo determinou que nenhuma profecia deveria ser aceita de maneira não crítica; todas as afirmações deveriam ser testadas quanto à sua validade (1Co 14.29; 2Ts 2.2). Elas deveriam ser postas à prova e disso, ficar com o que é bom. Seria algo assim como o comer peixe, onde se aproveita toda a carne e se jogam fora todas as espinhas. Com relação ao mal, a recomendação definitiva era de afastamento total de toda a forma de mal – vs. 22.
IV. ORAÇÃO FINAL, EXORTAÇÕES E BÊNÇÃO (5.23-28).
Paulo abençoou os tessalonicenses, instruiu-os e os incumbiu de ler essa carta para todos.
Dos vs. 23 ao 28, a oração final, exortações e bênção. Paulo encerrou com uma oração, exortações breves e uma bênção, numa rápida sucessão.
Em sua oração o desejo de Paulo de Deus os santificar em tudo. A correção total de todas as imperfeições humanas não é apenas possível, mas é certa.
Essa restauração depende de Deus, o qual é fiel e fará isso (vs. 24). No entanto, o elemento tempo não deve ser desprezado. A perfeição total, a qual também inclui um corpo glorificado, será efetuada na segunda vinda de Jesus Cristo (Fp 1.6).
Três aspectos da pessoa humana - espírito, alma e corpo - são enumerados para enfatizar a totalidade dessa perfeição. Na Escritura, "espírito" e "alma" com mais frequência são usados como sinônimos virtuais para o elemento espiritual da pessoa.
Mais raramente (aqui e em Hb 4.12), a Escritura considera esse elemento espiritual de diferentes pontos de vista, embora seja difícil dizer exatamente a nuança de significado que os diferencia.
Compare com a quádrupla representação de "coração", "alma", "entendimento" e "força" em Mc 12.30. Eles formam no português o acróstico CAFÉ, veja:
C – coração.
A – alma.
F – força.
E – entendimento.
Assim, sua oração por nós todos ficou expressa em dois desejos fundamentais: o ser santificado inteiramente pelo Deus da paz e que todo nosso ser (espírito, alma e corpo) seja conservado irrepreensível na vinda de nosso Senhor Jesus Cristo.
Estamos sendo chamados por Deus – vs. 24 – e ele mesmo fará isso em nós.
O vs. 25 eu costumo usar quando me dirijo aos irmãos e vou deixar para você leitor ver o seu significado. Veja e confira I Ts 5.25.
O verbo grego usado aqui “conjuro-vos” é raro e enfático, e tem o efeito de colocar os leitores sob um juramento. Paulo estava colocando um peso solene sobre eles a fim de assegurar que a congregação se familiarizasse totalmente com o conteúdo dessa epístola - tão importante ele considerava o seu ensino apostólico para o bem espiritual deles.
I Ts 5:1 Irmãos, relativamente aos tempos e às épocas,
                não há necessidade de que eu vos escreva;
                               I Ts 5:2 pois vós mesmos estais inteirados com precisão
                                               de que o Dia do Senhor
                                                               vem como ladrão de noite.
I Ts 5:3 Quando andarem dizendo:
                Paz e segurança,
                               eis que lhes sobrevirá repentina destruição,
                                               como vêm as dores de parto
                                                               à que está para dar à luz;
                                               e de nenhum modo escaparão.
I Ts 5:4 Mas vós, irmãos, não estais em trevas,
                para que esse Dia como ladrão vos apanhe de surpresa;
I Ts 5:5 porquanto vós todos sois
                filhos da luz
                e filhos do dia;
                               nós não somos da noite,
                               nem das trevas.
I Ts 5:6 Assim, pois, não durmamos como os demais;
                pelo contrário,
                               vigiemos
                               e sejamos sóbrios.
I Ts 5:7 Ora, os que dormem dormem de noite,
e os que se embriagam é de noite que se embriagam.
I Ts 5:8 Nós, porém, que somos do dia,
                sejamos sóbrios,
                revestindo-nos
                               da couraça da fé
                               e do amor
                               e tomando como capacete
                                               a esperança da salvação;
I Ts 5:9 porque Deus não nos destinou para a ira,
                mas para alcançar a salvação
                               mediante nosso Senhor Jesus Cristo,
                                               I Ts 5:10 que morreu por nós
                                                               para que, quer vigiemos,
                                                               quer durmamos,
                                                                              vivamos em união com ele.
I Ts 5:11 Consolai-vos, pois, uns aos outros
e edificai-vos reciprocamente, como também estais fazendo.
I Ts 5:12 Agora, vos rogamos, irmãos,
                que acateis com apreço
                               os que trabalham entre vós
                               e os que vos presidem no Senhor
                               e vos admoestam;
                               I Ts 5:13 e que os tenhais
                                               com amor
                                                               em máxima consideração,
                                                               por causa do trabalho que realizam.
Vivei em paz uns com os outros.
I Ts 5:14 Exortamo-vos, também, irmãos,
                a que admoesteis os insubmissos,
                consoleis os desanimados,
                ampareis os fracos
                e sejais longânimos para com todos.
                I Ts 5:15 Evitai que alguém retribua a outrem mal por mal;
                               pelo contrário,
                                               segui sempre o bem entre vós
                                               e para com todos.
I Ts 5:16 Regozijai-vos sempre.
I Ts 5:17 Orai sem cessar.
I Ts 5:18 Em tudo, dai graças,
                porque esta é a vontade de Deus
                               em Cristo Jesus para convosco.
I Ts 5:19 Não apagueis o Espírito.
I Ts 5:20 Não desprezeis as profecias;
                I Ts 5:21 julgai todas as coisas,
                retende o que é bom;
                I Ts 5:22 abstende-vos de toda forma de mal.
I Ts 5:23 O mesmo Deus da paz
                vos santifique em tudo;
                               e o vosso espírito, alma e corpo
                                               sejam conservados
                                                               íntegros
                                                               e irrepreensíveis
                                                               na vinda de nosso Senhor Jesus Cristo.
I Ts 5:24 Fiel é o que vos chama,
                o qual também o fará.
I Ts 5:25 Irmãos, orai por nós.
I Ts 5:26 Saudai todos os irmãos com ósculo santo.
I Ts 5:27 Conjuro-vos, pelo Senhor,
                que esta epístola seja lida a todos os irmãos.
I Ts 5:28 A graça de nosso Senhor Jesus Cristo seja convosco.
Independente dos erros desses homens o fato é que Jesus está mesmo vindo e cada dia isso se torna mais próximo. Quem estuda a história sabe que a história nos ensina a esperar o futuro. Ele disse que viria, veio e o fato se tornou história. Ele disse que voltaria... concluam o restante.
p.s.: link da imagem original:
Contagem regressiva: Faltam 76 dias para 20/04/16 (Inicio: 05/05/15). Tu, SENHOR, conservarás em perfeita paz aquele cujo propósito é firme; porque ele confia em ti. (Is 26.3).

A Deus toda glória! p/ pr. Pr. Daniel Deusdete. 
...

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.