segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

II Coríntios 11 1-33 - CUIDADO COM OS FALSOS APÓSTOLOS.

Ressaltamos que II Coríntios foi escrita para expressar carinho e gratidão pelo arrependimento que houve em Corinto e encorajar uma maior lealdade a Paulo como um apóstolo de Cristo. Estamos vendo a parte IV, cap. 11/13.
Breve síntese do capítulo 11.
Paulo, no capítulo 11, em sua defesa, afirmou que A VERDADE DE CRISTO estava sobre ele – vs. 10 – e que ele tinha anunciado o evangelho de Cristo a eles gratuitamente e que seu anseio seria apresentá-los, como virgens puras, a um só esposo, a Cristo.
Paulo também aproveitou a oportunidade para denunciar os obreiros fraudulentos que até se intitulavam de apóstolos. Contra os tais ele deixou claro que as suas obras os condenariam.
Sempre admirou-me nos estudos das Escrituras o grande amor, zelo, apego que Paulo tinha em sua missão de anunciar o evangelho de Cristo. Ele deixa claro isso, não em forma de segredo destinados a poucos iluminados, mas disponível a todos os cristãos, inclusive você, amado leitor do Jamais Desista.
Veja na segmentação, como as ideias ficam claras:
Vejamos o presente capítulo com mais detalhes, conforme ajuda da BEG:
IV. DEFESA CONTRA OS FALSOS APÓSTOLOS (10.1-13.10) - continuação.
Como dissemos, veremos doravante de 10.1 a 13.10 como Paulo lidou com o problema dos falsos apóstolos (11.13) que haviam se oposto à sua autoridade.
O assunto foi dividido, conforme a BEG, em três seções: A. Poder espiritual (10.1-12) – já vimos; B. Os motivos de Paulo para gloriar-se (10.13-12.21) – estamos vendo agora; e, C. Advertência (13.1-10).
B. Os motivos de Paulo para gloriar-se (10.13-12.21) - continuação.
Nós falamos que dos vs. 10.13 ao 12.21, estaríamos vendo os motivos de Paulo para gloriar-se. Elas também geraram a seguinte divisão proposta, conforme a BEG: 1. Definição da glorificação adequada (10.13-11.21) – concluiremos agora; 2. Glorificação no sofrimento e na fraqueza (11.22-33) – veremos agora; 3. Glorificação na revelação celestial (12.1-10); e, 4. O cuidado de Paulo pelos coríntios (12.11-21).
1. Definição da glorificação adequada (10.13-11.21) - continuação.
Falamos também que dos vs. 10.13 ao 11.21, estaríamos vendo essa definição da glorificação apropriada. Paulo cuidadosamente identificou o tipo de glorificação que é aceitável na fé cristã.

Paulo começa o capítulo dizendo que era para eles o suportarem um pouco em sua insensatez – vs. 11 – porque ele tinha zelo por eles.
Paulo desejava do fundo do coração que os coríntios permanecessem leais a ele, não para a sua própria glória, mas porque lealdade a ele significava lealdade a Cristo.
Nesse versículo 2, Paulo usa as metáforas do noivado (durante esta vida) e do casamento (quando Cristo retornar). Se os coríntios seguissem os falsos apóstolos, eles seriam espiritualmente infiéis a Cristo: Então, eles não mais poderiam como uma "virgem pura" encontrar-se com o Senhor.
Para que Paulo pudesse usar essa metáfora, tanto ele quanto os coríntios deveriam assumir que o ideal de Deus para o casamento incluía a ausência de relações sexuais antes do casamento - que a noiva deveria chegar "virgem" para o seu marido.
Paulo reconheceu a possibilidade de os falsos apóstolos desviarem os coríntios, e ele os advertiu contra isso. Ele temia que alguns que professavam ser cristãos na igreja em Corinto demonstrassem não ter exercitado a fé salvadora em Cristo (a BEG recomenda a leitura e reflexão em dois de seus excelentes artigos teológicos "A perseverança e a preservação dos santos", em Fp 1, e “A igreja visível e a invisível", em 1 Pe 4).
Os argumentos e as pretensões dos falsos apóstolos que se opunham à verdadeira sabedoria de Deus (10.4-5) haviam distorcido a verdade de tal modo, que o "Jesus", o "espírito" e o "evangelho" deles diferiam radicalmente do que Paulo pregava (1 Co 1.18-2.16; cf. Cl 1.6-9).
O "evangelho diferente" dos inimigos conformava-se às maneiras mundanas de pensar de tal modo que Paulo e o seu ministério apostólico - um ministério que manifestava a morte de Jesus por meio da adversidade e do sofrimento (4.7-18; 6.4-10; cf. 1 Co 4.8-13) - eram desprezados e rejeitados em favor dos "ministérios" que mais combinavam com os gostos culturais (p. ex., eloquência, sabedoria filosófica e demonstrações espetaculares de poder espiritual; cf. 1Co 1.22-25).
Também poderíamos acrescentar conversas com anjos, guias, seres iluminados, espíritos e outras pretensas entidades celestiais ou de outro mundo, com aparência de piedade, mas desviando-os da simplicidade do evangelho.
Paulo recomendava, claramente, que se alguém lhes pregasse um Jesus que não era aquele que eles pregavam, ou se eles acolhessem um espírito diferente do que acolheram ou um evangelho diferente do que aceitaram, eles o suportam facilmente e, pronto, também facilmente seriam enganados! – vs. 4.
Tais apóstolos “super-apóstolos” - provavelmente o título sarcástico que Paulo havia dado aos falsos apóstolos que estavam perturbando a igreja de Corinto, ou talvez fosse até um nome que eles haviam dado a si mesmos, ou ainda conforme alguns intérpretes também acreditam que esse fosse, era um termo que os inimigos de Paulo usavam para se referir aos apóstolos de Jerusalém -  eram enganadores que tinham eloquência, mas que não eram comprometidos com a verdade simples do evangelho.
Quando Paulo esteve em Corinto, ele trabalhou para se sustentar (At 18.3) e também aceitou ajuda de outras igrejas (vs. 8). Alguns coríntios, entretanto, estavam aparentemente ofendidos pelo fato de Paulo ter recusado suas ofertas, as quais provavelmente haviam sido oferecidas como uma retribuição pelo presente que Paulo lhes havia dado ao pregar o evangelho.
Nas culturas mediterrâneas dos dias de Paulo (assim como em algumas culturas de hoje), a doação e recebimento de presentes era frequentemente a maneira de estabelecer e manter amizades.
Aqueles que viviam sob esse sistema de valores podem ter visto a recusa de Paulo de seu presente como uma afirmação de superioridade.
Porém, o apóstolo via a sua relação com os coríntios não de uma perspectiva de convenção social mundana (5.16), mas de uma "nova criação" (5.7) da qual ele havia sido chamado para ser um apóstolo e pai espiritual.
Como um pai, ele poderia corretamente dar a seus filhos sem esperar receber nada em troca (12.14-15).
Estando ali, Paulo não tinha sido peso para ninguém, pelo contrário, quando teve necessidades fora socorrido pelos irmãos da Macedônia – vs. 19 - provavelmente de Filipos (Fp 4.15-16) – aqueles irmãos pobres do norte da Grécia.
Diferente dos das regiões de Acaia, a área ao redor de Corinto, mais ao sul e mais abastada. Paulo se orgulhava disso e não queria perder essa glória de ter anunciado o evangelho gratuitamente.
Paulo havia ministrado aos coríntios com grande sacrifício e gastos pessoais - diferentemente dos falsos apóstolos, que aparentemente estavam exigindo ser sustentados pela igreja (cf. vs. 7,20).
Paulo ainda alegava que tinha agido assim e continuaria a agir semelhantemente. Paulo estava convencido de que os falsos mestres eram servos de Satanás que se disfarçavam até de anjo de luz (vs. 14), e não verdadeiros seguidores de Cristo. Ele os chamava de falsos apóstolos, obreiros enganosos, fingindo-se apóstolos de Cristo – vs. 13.
Um dos truques de Satanás é declarar fazer o que é bom. Especificamente, Satanás pode enviar à igreja seus servos que fingem ser cristãos, mas que trazem somente divisão, difamação, imoralidade e todos os tipos de destruição (Mt 7.20; cf. At 20.29-30; 2Pe 2.1-22). O fim desses - o julgamento final por Deus – será conforme as suas ações o mereçam.
Como se não bastassem as perseguições contra o evangelho que o mundo ainda se opõe nos dias de hoje, ainda tinham as perseguições traiçoeiras de dentro da igreja, de alguns que se dizendo irmãos ousavam, com suas astúcias, desviar a igreja da verdade.
2. Glorificação no sofrimento e na fraqueza (11.22-33).
Paulo fala em sua defesa dos vs. 22 ao 33 onde passa a glorificar-se no sofrimento e no fraqueza. Paulo descreveu o seu ministério em termos que não poderiam ser equiparados aos dos falsos apóstolos.
Ao gloriar-se a respeito do quanto ele havia sofrido pela causa de Cristo, Paulo empregou grande ironia, "gloriando-se" de coisas normalmente consideradas vergonhosas, como sinais de fraqueza e defeitos.
Sua glória contrastava com a de seus inimigos, que recomendavam-se aos coríntios em discursos de extravagante autoelogio.
Os tópicos nessa seção se sucedem até atingir um clímax no qual Paulo lidou com o que deveria ser o ponto principal na mente dos críticos: as experiências religiosas incomuns (12.1-9).
Os inimigos de Paulo eram judeus que talvez tivessem vindo de Jerusalém dizendo ter o aval dos apóstolos de lá.
Paulo, ao relatar – vs. 23 ao 27 - as características de um verdadeiro servo de Cristo, apontou para o sofrimento e a humilhação, desse modo enfatizando novamente (como ele fez em 1Co 1-4) o Cristo crucificado.
Paulo revelou a sua hesitação extrema em falar em sua própria defesa, mas era necessário e isso nos trouxe edificação.
·         Encarcerado várias vezes.
·         Açoitado mais severamente e exposto à morte repetidas vezes.
·         Por cinco vezes, ele comenta ter recebido uma quarentena de açoites menos um. Quarenta açoites com um chicote era o máximo que uma pessoa poderia receber, de acordo com Dt 25.3. Essa era a prática judaica de estabelecer um limite mais baixo como segurança contra um erro de contagem. Fazendo-se as contas teremos de 195 a 200 chibatadas.
·         Por três vezes fora fustigado com varas. Uma vez em At 16.22, mais duas outras vezes não mencionadas em Atos.
·         Uma vez apedrejado. Em Listra, na primeira viagem missionária de Paulo (At 14.19); nessa ocasião, a multidão pensou que haviam matado Paulo.
·         Três vezes em naufrágio. Umm naufrágio é descrito em At 27.39-44, mas 2Coríntios foi escrito antes desse incidente (no ponto descrito em At 20.2, quando Paulo estava na Macedônia). Esses três naufrágios devem ter ocorrido durante as suas viagens missionárias anteriores.
·         Uma noite e um dia passei na voragem do mar. Uni episódio não mencionado em Atos.
·         Em contínuas viagens de uma parte pra outra.
·         Em diversas situações de perigos.
O objetivo de Paulo não era a sua segurança pessoal. Muitos dos problemas que ele registrou nessa seção extensa não estão registrados em Atos. É difícil imaginar uma existência mais perigosa do que a de Paulo; no entanto, ele foi obediente a Deus e a sua vida estava nas mãos de Deus.
ü Perigos nos rios.
ü Perigos de assaltantes.
ü Perigos dos meus compatriotas.
ü Perigos dos gentios.
ü Perigos na cidade.
ü Perigos no deserto.
ü Perigos no mar.
ü Perigos dos falsos irmãos. - pessoas que pretendiam ser cristãs, mas que iam para a igreja para causar problemas.
·         Além de tudo isso, uma grande preocupação – vs. 28. Uma pressão interior, a qual era sua preocupação com todas as igrejas.
Paulo sentia profundamente as necessidades e mágoas das igrejas. Embora a sua vida demonstrasse confiança na soberania de Deus, ele não deixava de simpatizar com outros que estavam sofrendo.
Esse incidente – vs. 32, 33 –, em Damasco, é narrado de uma perspectiva diferente em At 9.24-25. Aparentemente, os inimigos judeus de Paulo em Damasco persuadiram o governador a cooperarem com eles em sua trama contra Paulo.
Embora esses dois versículos possam parecer um tanto inusitados no contexto, eles mencionam a primeira experiência de Paulo - e muito humilhante - de ser perseguido (em vez de perseguir outros) por causa do evangelho.
Esse relato aprofunda a demonstração da humilhação de Paulo. O apóstolo foi forçado a fugir (por pouco) como um fugitivo comum de uma autoridade civil relativamente sem importância. Um humor irónico pode estar também presente nesse contexto.
II Co 11:1 Quisera eu me suportásseis
um pouco mais na minha loucura.
Suportai-me, pois.
II Co 11:2 Porque zelo por vós
com zelo de Deus;
visto que vos tenho preparado
para vos apresentar
como virgem pura
a um só esposo,  
que é Cristo. II Co 11:3
Mas receio que,
assim como a serpente enganou a Eva com a sua astúcia,
assim também seja corrompida a vossa mente
e se aparte
da simplicidade
e pureza devidas a Cristo.
II Co 11:4 Se, na verdade, vindo alguém,
prega outro Jesus
que não temos pregado,
ou se aceitais espírito diferente
que não tendes recebido,
ou evangelho diferente
que não tendes abraçado,
a esse, de boa mente, o tolerais.
II Co 11:5 Porque suponho em nada ter sido inferior a esses tais apóstolos.
II Co 11:6 E, embora seja falto no falar,
não o sou no conhecimento;
mas, em tudo e por todos os modos,
vos temos feito conhecer isto.
II Co 11:7 Cometi eu, porventura, algum pecado
pelo fato de viver humildemente,
para que fôsseis vós exaltados,
visto que gratuitamente
vos anunciei o evangelho de Deus?
II Co 11:8 Despojei outras igrejas,
recebendo salário,
para vos poder servir,
II Co 11:9 e, estando entre vós,
ao passar privações,
não me fiz pesado a ninguém;
pois os irmãos,
quando vieram da Macedônia,
supriram o que me faltava;
e, em tudo,
me guardei
e me guardarei de vos ser pesado.
II Co 11:10 A verdade de Cristo está em mim;
por isso, não me será tirada esta glória nas regiões da Acaia.
II Co 11:11 Por que razão?
É porque não vos amo? Deus o sabe.
II Co 11:12 Mas o que faço e farei é
para cortar ocasião àqueles que a buscam
com o intuito de serem considerados iguais a nós,
naquilo em que se gloriam.
II Co 11:13 Porque os tais
são falsos apóstolos,
obreiros fraudulentos,
transformando-se em apóstolos de Cristo.
II Co 11:14 E não é de admirar,
porque o próprio Satanás
se transforma em anjo de luz.
II Co 11:15 Não é muito, pois,
que os seus próprios ministros
se transformem em ministros de justiça;
e o fim deles será
conforme as suas obras.
II Co 11:16 Outra vez digo:
ninguém me considere insensato;
todavia, se o pensais,
recebei-me como insensato,
para que também me glorie um pouco.
II Co 11:17 O que falo, não o falo segundo o Senhor,
e sim como por loucura,
nesta confiança de gloriar-me.
II Co 11:18 E, posto que muitos se gloriam segundo a carne,
também eu me gloriarei.
II Co 11:19 Porque, sendo vós sensatos,
de boa mente tolerais
os insensatos.
II Co 11:20 Tolerais
quem vos escravize,
quem vos devore,
quem vos detenha,
quem se exalte,
quem vos esbofeteie no rosto.
II Co 11:21 Ingloriamente o confesso,
como se fôramos fracos.
Mas, naquilo em que qualquer tem ousadia
(com insensatez o afirmo),
também eu a tenho.
II Co 11:22 São hebreus?
Também eu.
São israelitas?
Também eu.
São da descendência de Abraão?
Também eu.
II Co 11:23 São ministros de Cristo? (Falo como fora de mim.) Eu ainda mais:
em trabalhos, muito mais; muito mais
em prisões;
em açoites, sem medida;
em perigos de morte, muitas vezes.
II Co 11:24 Cinco vezes recebi dos judeus
uma quarentena de açoites menos um;
II Co 11:25 fui três vezes fustigado com varas;
uma vez, apedrejado;
em naufrágio, três vezes;
uma noite e um dia passei na voragem do mar;
II Co 11:26 em jornadas, muitas vezes;
em perigos de rios,
em perigos de salteadores,
em perigos entre patrícios,
em perigos entre gentios,
em perigos na cidade,
em perigos no deserto,
em perigos no mar,
em perigos entre falsos irmãos;
II Co 11:27 em trabalhos e fadigas,
em vigílias, muitas vezes;
em fome e sede,
em jejuns, muitas vezes;
em frio e nudez.
II Co 11:28 Além das coisas exteriores,
há o que pesa sobre mim diariamente,
a preocupação com todas as igrejas.
II Co 11:29 Quem enfraquece,
que também eu não enfraqueça?
Quem se escandaliza,
que eu não me inflame?
II Co 11:30 Se tenho de gloriar-me,
gloriar-me-ei no que diz respeito à minha fraqueza.
II Co 11:31 O Deus e Pai do Senhor Jesus,
que é eternamente bendito,
sabe que não minto.
II Co 11:32 Em Damasco,
o governador preposto do rei Aretas montou
guarda na cidade dos damascenos,
para me prender;
II Co 11:33 mas, num grande cesto,
me desceram por uma janela da muralha abaixo,
e assim me livrei das suas mãos.
Não é à toa que o apóstolo dos gentios declara em uma de suas epístolas: SEDE MEUS IMITADORES, COMO EU SOU DE CRISTO.
I Coríntios 4:16 Admoesto-vos, portanto, a que sejais meus imitadores.
I Coríntios 11:1 Sede meus imitadores, como também eu sou de Cristo.
Efésios 5:1 Sede, pois, imitadores de Deus, como filhos amados;
Filipenses 3:17 Irmãos, sede imitadores meus e observai os que andam segundo o modelo que tendes em nós.
I Tessalonicenses 1:6 Com efeito, vos tornastes imitadores nossos e do Senhor, tendo recebido a palavra, posto que em meio de muita tribulação, com alegria do Espírito Santo,
I Tessalonicenses 2:14 Tanto é assim, irmãos, que vos tornastes imitadores das igrejas de Deus existentes na Judéia em Cristo Jesus; porque também padecestes, da parte dos vossos patrícios, as mesmas coisas que eles, por sua vez, sofreram dos judeus,
Hebreus 6:12 para que não vos torneis indolentes, mas imitadores daqueles que, pela fé e pela longanimidade, herdam as promessas.
p.s.: link da imagem original:
Contagem regressiva: Faltam 103 dias para 20/04/16 (Inicio: 05/05/15). Tu, SENHOR, conservarás em perfeita paz aquele cujo propósito é firme; porque ele confia em ti. (Is 26.3).
A Deus toda glória! p/ pr. Daniel Deusdete.

...


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.