sábado, 5 de setembro de 2015

Marcos 4 1-41 - OS SEGREDOS E MISTÉRIOS DAS PARÁBOLAS REVELADOS AOS DISCÍPULOS.

Estamos vendo o evangelho de Marcos que foi escrito para apresentar as boas-novas de Jesus a um público essencialmente gentio por meio da narração do testemunho dos discípulos a respeito dos fatos notáveis sobre a vida, a morte e a ressurreição de Cristo. Estamos na parte II, no capítulo 4.
II. O MINISTÉRIO DE JESUS NA GALILEIA (1.14 - 9.50) – continuação.
Como já dissemos, até ao cap. 9, estaremos vendo o ministério de Jesus na Caldeia, onde Marcos o divide, conforme a BEG, em dois estágios. Antes de passar ao relato da atividade de Jesus na Judeia e em Jerusalém, Marcos descreveu como Jesus fez grande parte da sua obra na Galileia, uma região ao norte conhecida como gentia, pois muitos gentios moravam ali. Ao focalizar a atenção do ministério de Jesus aos gentios, Marcos procurava despertar o interesse dos seus leitores gentios que seguiam a Cristo.
Esta parte II foi dividida em 17 subpartes, conforme a BEG: A. O chamado dos primeiros discípulos (1.14-20) – já vimos; B. O ministério em Cafarnaum (1.21-34) – já vimos; C. O ministério ao redor da Caldeia (1.35-45) – já vimos; D. Curando em Cafarnaum (2.1-12) - veremos agora; E. O chamado de Levi (2.13-17) - veremos agora; F Controvérsias com as autoridades (2.18 - 3.12) – já vimos; G. O chamado dos doze (3.13-19) – já vimos; H. Acusações em Cafarnaum (3.20-35) – já vimos; I. As parábolas do reino (4.1-34) – veremos agora; J. A viagem para Decápolis (4.35 - 5.20) – começaremos a ver agora; K. A continuidade do ministério na Galileia (5.21 - 6.6); L. A missão dos doze na Galileia (6.7-30); M. A alimentação dos cinco mil (6.31-44); N. A visita a Genesaré (6.45 - 7.23); O. Tiro, Sidom e Decápolis (7.24 - 8.9); P. A região de Cesareia de Filipe (8.10 - 9.32); e, Q. O retorno a Cafarnaum (9.33-50).
I. As parábolas do reino (4.1-34).
Mais uma vez Jesus ensinando e ensinado usando parábolas. Nada lhes falava a não ser por parábolas, mas aos seus discípulos tudo lhes explicava em particular.
Até o verso 34, veremos as parábolas do reino. Marcos passa a registrar urna série de parábolas que Jesus ensinou às margens do mar da Galileia.
Essas parábolas explicam que o reino de Deus não virá de maneira abrupta, como geralmente esperavam os judeus. Pelo contrário, é um reino que cresce devagar por meio da expansão do evangelho (a BEG recomenda ver seu excelente artigo teológico "O reino de Deus", em Mt 4).
E novamente Jesus começou a ensinar à beira-mar e numerosa multidão, como de costume, estava diante dele. Novamente Marcos enfatiza que o ministério público de Jesus era um movimento popular.
No cap. 6, a miraculosa alimentação abrangeu uma multidão de cerca de quinze mil pessoas, uma vez que cinco mil (6.44) eram homens (Lc 9.14). Talvez apenas os chefes de família tivessem sido contados, pois o Evangelho de Mateus acrescenta as palavras "além de mulheres e crianças" (Mt 14.21).
A cena dessa reunião deveria ser algo sui-generis, pois que Jesus se assentava em um barco, no mar, e na praia ficava o povo todo em volta dele, ouvindo-o.
Ele os ensinava por parábolas. A palavra grega para "parábolas" traduz o termo hebraico para provérbios, ditos metafóricos e enigmas (vs. 11; Mt 13.3; a BEG reuniu em forma de quadro todas as parábolas de Jesus e o chamou de "As parábolas de Jesus" que se encontra em Mt 13).
Contou-lhes a parábola do semeador e os diversos tipos de terreno em que caem as sementes. Reparemos que as sementes brotam em todos os solos, menos no caminho. Embora brotem em todos os solos, somente no último tipo de solo é que ela produz frutos.
Assim, são os corações daqueles que recebem as palavras do Senhor que são as sementes para transformarem nossas vidas. E agora, somos nós que escolhemos nossos tipos de corações ou é Deus quem prepara e depois envia a semente? Não importa, Deus é justo e a justiça faz a justiça!
Vejamos alguns detalhes, conforme a BEG. Não era um fazendeiro inexperiente ou esbanjador que saiu a semear. Na Palestina, a semeadura acontece antes de arar a terra. Assim, as áreas espinhosas serão sulcadas; as áreas rochosas, cobertas com uma pequena camada de solo, só serão visíveis depois de aradas. 4.9-10
Essa frase “quem tem ouvidos – vs. 9”, no final de sua parábola, pode indicar que é necessária muita atenção e reflexão para compreender o significado da parábola (v. 2; cf. SI 115.6; Mt 11.15; 13.9,43; Mc 4.23; 7 16; Lc 8.8; 14.35; Ap 2.7). Contudo, verdadeiramente é o Espírito Santo que dá às pessoas ouvidos para ouvir as verdades espirituais (1Co 2.14; lTs 1.5).
Os discípulos ouviam a parábola, mas como os demais ficavam “a ver navios”, mas quando Jesus ficava só – vs. 10 – ele explicava para eles o que quis dizer. Muitas vezes Jesus se isolava com seus discípulos, particularmente com os doze (3.14).
A escolha de alguns para serem beneficiários especiais dessa bênção é um componente essencial do ministério terreno de Jesus demonstrado em todos os Evangelhos. O mesmo termo grego ocorre em Lc 9.18, pouco antes da confissão de Pedro de que Jesus é o Cristo (veja também Mt 10.26-27; 11.25; Lc 12.2-3; Jo 16.29).
Jesus lhes explicava que a eles tinha sido dado o mistério do Reino de Deus e aos outros apenas as parábolas – vs. 11. Mistério significa uma revelação divina especial (Rm 16,25; 1Co 2.1; Ef 1.9; 3.3,9) e provém da noção do Antigo Testamento de que o profeta, pelo poder do Espírito, estava presente no conselho deliberativo de Deus.
O que ele ouvia constituía a sua mensagem, inspirada e autoritativa, para o povo (1Rs 22.19; Jr 23.18; Am 3.7; cf. Ex 24.15-18; Dt 33.2; Is 6.1-13). Essa revelação se cumpriu no evangelho apostólico, que Paulo chamaria mais tarde de "mistério de Cristo" (Ef 3.4; Cl 4.3) ou “mistério do evangelho" (Ef 6.19).
Começou com a mensagem que Jesus entregou aos doze, que foram escolhidos por Deus primeiramente para a salvação e depois para o serviço.
Aqui, o mistério do reino (vs. 13-20) era o fato de que o reino já havia chegado com Jesus, pois ele é o Rei. Esse "mistério", que foi revelado aos discípulos, foi contrastado com as parábolas ditas "aos de fora" (isto é, aqueles que não eram seguidores genuínos).
Sem o "mistério", a parábola era uma "figura" (Jo 16.29) que os impedia de compreender (conforme profetizou a Escritura; veja 4.12, que cita Is 6.9-10).
Se os discípulos não entendiam aquela parábola, como iriam entender todas as demais parábolas? Essa explicação da função das parábolas se aplica a todas elas.
Logo, o segredo revelado aqui é a chave para todas as parábolas; ou seja, todas as parábolas revelam algo sobre Jesus o Rei, e também sobre a maneira pela qual ele estabelece o reino de Deus.
Dos versos de 14 a 20 ele explica o significado da parábola do semeador (nome este escolhido para nossa editora – EDITORA OS SEMEADORES – www.ossemeadores.com.br).
A dificuldade da parábola não parecia estar no ensinamento moral (que na verdade era bastante claro) a respeito da dureza do coração humano. A dificuldade, ou "mistério", estava no fato de que o anúncio do estágio final do reino de Deus era como uma semente frágil, e que o Filho do Homem, aquele que exerce toda a autoridade sobre a terra (2.11,27) era Jesus, um semeador humilde.
Naquele momento, a vinda do reino e do seu Rei estava marcada pela ambiguidade: os de fora não tinham um coração receptivo, enquanto os que seguiam a Jesus até o final iriam produzir muitos frutos.
Para aqueles que têm ouvidos para ouvir, a parábola revela um grande segredo sobre a história da redenção.
Esses versículos de 21 a 25 fazem parte da conclusão sobre a explicação das parábolas dada aos discípulos (4.10-20).
O que tem uma luz, uma lâmpada ou uma vela, cujo objetivo principal é transportar a luz, jamais a esconderá, não teria lógica.
Conforme a BEG, durante o ministério terreno de Jesus, muitas verdades que deviam ser reveladas mais tarde permaneceram escondidas, (veja também Mt 10.26-27; Lc 12.2-3).
Ele não somente falou da importância da luz que deve ser posta em local apropriado, como também agora falou dos ouvidos e do ouvir.  
A BEG comenta sobre isso que quem tornar público o mistério do reino será recompensado na mesma medida da fidelidade com que a tarefa foi desempenhada, porém podemos ir mais além e falar também do julgamento ou da forma como estamos vendo e ouvindo as coisas.
Com a medida que eu usar para medir, com ela serei medido e ainda acrescentado. Se julguei mal, mal serei julgado e pior ainda; se fui bom, bom serão comigo e ainda mais.
Por isso que ele continua no verso 25 falando do que tem, que terá mais ainda e do que não tem, que até o pouco que tem, ser-lhe-á tirado. Esse princípio é ilustrado com perfeição na parábola dos talentos (Mt 25.14-30) e das dez minas (Lc 19.11-27).
O mistério revelado na parábola do grão de mostarda – vs. 30 a 32 - era a ambiguidade da manifestação do reino no ministério terreno de Jesus: o que era aparentemente pequeno e insignificante, tornar-se-ia o maior sobre todas as coisas, de forma que até as aves do céu poderiam abrigar-se à sua sombra. Veja Dn 4.21, onde uma descrição quase idêntica dessa imagem mostra o domínio mundial de Nabucodonosor.
Destarte – vs. 33 e 34 -, com muitas parábolas semelhantes Jesus lhes anunciava a palavra, tanto quanto podiam receber. Não lhes dizia nada sem usar alguma parábola. Quando, porém, estava a sós com os seus discípulos, explicava-lhes tudo.
J. A viagem para Decápolis (4.35 - 5.20).
Assim fez Jesus contando a todos as parábolas do Reino de Deus e nada lhes explicava, se não por parábolas, mas aos seus discípulos, tudo explicava.
Concluindo esses ensinamentos, dos versos de 35 em diante até o versículo 20, do próximo capítulo, veremos essa viagem dele com seus discípulos para Decápolis.
Marcos registra que Jesus viajou para o território de Decápolis, uma região de forte domínio pagão. Marcos tez isso para demonstrar que o poder de Jesus não possuía fronteiras geográficas e que as forças pagãs não podiam resistir à sua vontade.
Já era noite quando ele disse aos seus discípulos para irem para a outra margem – vs. 35. De acordo com 3.7, nesse tempo Jesus estava na Galileia. A região dos gerasenos (em Decápolis) ficava na "outra margem" do lago (5.1). Esse detalhe dos outros barcos – vs. 36 - acrescenta realismo e revela um testemunho ocular por trás da narrativa de Marcos.
No barco, Jesus adormeceu de cansaço de seu dia e nisso o tempo virou e veio uma forte tempestade que fazia com que o barco começasse a ficar cheio de água por causa do grande temporal de vento.
O mar da Galileia (um lago) fica cerca de 200 m abaixo do nível do mar, possuindo aproximadamente 19 km de comprimento por 10 km de largura. Ao sul há um vale rochoso conhecido como Ghor.
O vento que se afunila através das montanhas ao redor e do vale ao sul podem causar repentinas tempestades no lago.
E Jesus estava dormindo, com a cabeça inclinada em um travesseiro. Jesus havia ensinado o dia inteiro e estava exausto (cf. Jo 4.6; 11.35,38). Esse fato salienta a sua total humanidade; nosso Senhor era genuinamente humano, embora sem a horrível propensão para o pecado herdada de Adão (Rm 8.3; cf. Rm 5.12ss.; 2Co 5. A BEG, aqui, recomenda a leitura de seu excelente artigo teológico "A humanidade plena de Jesus", em Lc 3).     
A tempestade devia ser muito terrível e o barco talvez inadequado, pois que aqueles discípulos acostumados com o mar e com barcos foram acordar Jesus.
O que Jesus faz é espetacular. Bem queria eu estar neste barco filmando tudo. Ele se levanta e simplesmente repreende o mar. Isso mesmo, ele fala com o mar para se acalmar, para se aquietar e o vento lhe obedece e se faz completa bonança.
Enquanto esteve na terra, Jesus revelou a sua autoridade para perdoar pecados (2.10), seu senhorio sobre o sábado (2.28), sua autoridade para ensinar (1.22) e sua autoridade sobre os demônios (1.27).
Aqui, ele demonstra a sua autoridade sobre a natureza. Esse episódio se parece com os exorcismos de Jesus e colocam essas narrativas em paralelo:
ü  A manifestação violenta (1.26; 5.4,13).
ü  O comando para emudecer – até os verbos usados são os mesmos (1.25).
ü  A calma resultante (5.15; 7.38).
Assim, Jesus novamente amarra o "valente" (3.27), reivindicando para si a criação física, que um dia conhecerá o libertador glorioso dos filhos de Deus (cf. Rm 8.19-21).
Mc 4:1 Voltou Jesus
a ensinar à beira-mar.
E reuniu-se numerosa multidão a ele,
de modo que entrou num barco,
onde se assentou,
afastando-se da praia.
E todo o povo
estava à beira-mar,
na praia.
Mc 4:2 Assim,
lhes ensinava muitas coisas por parábolas,
no decorrer do seu doutrinamento.
Mc 4:3 Ouvi:
Eis que saiu o semeador a semear.
Mc 4:4 E, ao semear,
uma parte caiu à beira do caminho,
e vieram as aves
e a comeram.
Mc 4:5 Outra
caiu em solo rochoso,
onde a terra era pouca,
e logo nasceu,
visto não ser profunda a terra.
Mc 4:6 Saindo, porém, o sol,
a queimou;
e, porque não tinha raiz,
secou-se.
Mc 4:7 Outra parte
caiu entre os espinhos;
e os espinhos cresceram
e a sufocaram,
e não deu fruto.
Mc 4:8 Outra, enfim,
caiu em boa terra
e deu fruto,
que vingou e cresceu,
produzindo a trinta,
a sessenta
e a cem por um.
Mc 4:9 E acrescentou:
Quem tem ouvidos para ouvir,
ouça.
Mc 4:10 Quando Jesus ficou só,
os que estavam junto dele com os doze
o interrogaram a respeito das parábolas.
Mc 4:11 Ele lhes respondeu:
A vós outros vos é dado
conhecer o mistério do reino de Deus;
mas, aos de fora,
tudo se ensina por meio de parábolas,
Mc 4:12 para que,
vendo,
vejam
e não percebam;
e, ouvindo,
ouçam
e não entendam;
para que
não venham a converter-se,
e haja perdão para eles.
Mc 4:13 Então, lhes perguntou:
Não entendeis esta parábola
e como compreendereis todas as parábolas?
Mc 4:14 O semeador semeia a palavra.
Mc 4:15 São estes os da beira do caminho,
onde a palavra é semeada;
e, enquanto a ouvem,
logo vem Satanás
e tira a palavra semeada neles.
Mc 4:16 Semelhantemente, são estes os semeados em solo rochoso,
os quais, ouvindo a palavra,
logo a recebem com alegria.
Mc 4:17 Mas eles não têm raiz em si mesmos,
sendo, antes, de pouca duração;
em lhes chegando a angústia ou a perseguição
por causa da palavra,
logo se escandalizam.
Mc 4:18 Os outros, os semeados entre os espinhos,
são os que ouvem a palavra,
Mc 4:19 mas os cuidados do mundo,
a fascinação da riqueza
e as demais ambições,
concorrendo,
sufocam a palavra,
ficando ela infrutífera.
Mc 4:20 Os que foram semeados em boa terra
são aqueles que ouvem a palavra
e a recebem,
frutificando a trinta,
a sessenta
e a cem por um.
Mc 4:21 Também lhes disse:
Vem, porventura, a candeia
para ser posta debaixo do alqueire ou da cama?
Não vem, antes,
para ser colocada no velador?
 Mc 4:22 Pois nada está oculto,
senão para ser manifesto;
e nada se faz escondido,
senão para ser revelado.
Mc 4:23 Se alguém tem ouvidos para ouvir,
ouça.
Mc 4:24 Então, lhes disse:
Atentai no que ouvis.
Com a medida com que tiverdes medido
vos medirão também,
e ainda se vos acrescentará.
Mc 4:25 Pois ao que tem
se lhe dará;
e, ao que não tem,
até o que tem lhe será tirado.
Mc 4:26 Disse ainda:
O reino de Deus é assim
como se um homem lançasse a semente à terra;
Mc 4:27 depois,
dormisse e se levantasse,
de noite e de dia,
e a semente germinasse e crescesse,
não sabendo ele como.
Mc 4:28 A terra por si mesma frutifica:
primeiro a erva,
depois, a espiga,
e, por fim, o grão cheio na espiga.
Mc 4:29 E, quando o fruto já está maduro,
logo se lhe mete a foice,
porque é chegada a ceifa.
Mc 4:30 Disse mais:
A que assemelharemos o reino de Deus?
Ou com que parábola o apresentaremos?
Mc 4:31 É como um grão de mostarda,
que, quando semeado,
é a menor de todas as sementes sobre a terra;
Mc 4:32 mas, uma vez semeada,
cresce e se torna
maior do que todas as hortaliças
e deita grandes ramos,
a ponto de as aves do céu
poderem aninhar-se à sua sombra
Mc 4:33 E com muitas parábolas semelhantes
lhes expunha a palavra,
conforme o permitia a capacidade dos ouvintes.
Mc 4:34 E sem parábolas
não lhes falava;
tudo, porém,
explicava em particular aos seus próprios discípulos.
Mc 4:35 Naquele dia,
sendo já tarde, disse-lhes Jesus:
Passemos para a outra margem.
Mc 4:36 E eles, despedindo a multidão,
o levaram assim como estava, no barco;
e outros barcos o seguiam.
Mc 4:37 Ora, levantou-se grande temporal de vento,
e as ondas se arremessavam contra o barco,
de modo que o mesmo já estava a encher-se de água.
Mc 4:38 E Jesus estava na popa,
dormindo sobre o travesseiro;
eles o despertaram e lhe disseram:
Mestre,
não te importa que pereçamos?
Mc 4:39 E ele,
despertando,
repreendeu o vento e disse ao mar:
Acalma-te, emudece!
O vento se aquietou,
e fez-se grande bonança.
Mc 4:40 Então, lhes disse:
Por que sois assim tímidos?!
Como é que não tendes fé?
Mc 4:41 E eles, possuídos de grande temor,
diziam uns aos outros:
Quem é este
que até o vento e o mar
lhe obedecem?
Jesus ao final deste capítulo deixa claro que ele também é o Senhor da natureza e que todas as coisas estão sob seu governo soberano. Repreende seus discípulos que estavam com ele falando-lhes de sua timidez por que não tinham fé ou nele não confiavam.
Sobre a minha fé eu tenho dito para mim mesmo que resolvi que ela tenha 4 “I”, ou seja, que ela seja, Indestrutível, Inabalável, Imbatível e invencível. Eu posso tomar esta decisão contra a incredulidade que é o oposto da fé?
p.s.: link da imagem original:
Contagem regressiva: Faltam 229 dias para 20/04/16 (Inicio: 05/05/15). Tu, SENHOR, conservarás em perfeita paz aquele cujo propósito é firme; porque ele confia em ti. (Is 26.3).

A Deus toda glória! p/ pr. Daniel Deusdetehttp://www.jamaisdesista.com.br
...


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.