domingo, 17 de maio de 2015

Ezequiel 48:1-35 - OS LIMITES GEOGRÁFICOS E AS 12 PORTAS DA CIDADE - O SENHOR ESTÁ ALI!

Chegamos ao final de nossas reflexões em Ezequiel. Em nossa leitura, nos encontramos aqui, na terceira e última parte “III”, na seção “B” – a última -, na subseção “5”, também a última seção, no último capítulo, 48. O livro de Ezequiel é composto de 48 capítulos.
Ressaltamos que já vimos:
·         Os oráculos de advertência sobre a destruição de Jerusalém (caps. 1-24) – preocupação do profeta com o passado e com o presente de Jerusalém.
·         Uma seção de oráculos contra outras nações (caps. 25-32) – com foco na destruição de outras nações.
E agora, estamos vendo a terceira e última parte de nossa divisão proposta para o livro de Ezequiel (com foco nas futuras bênçãos de restauração que Judá gozaria após o exílio).
5. O rio, a terra e a cidade (47.1-48.35) - continuação.
O guia angélico de Ezequiel o fez voltar – cap. 47 - à entrada do templo e o profeta viu um rio se formando a partir de um fio de água que fluía do templo (47.1-12). Depois ele começou a falar das fronteiras da terra de Israel e agora, concluindo o livro, ele falará dos limites: das sete tribos, dos sacerdotes e dos levitas, da cidade, do príncipe, das outras cinco tribos e, por fim, falará das portas da cidade.
Conforme a BEG, na geografia visionaria de Ezequiel, a divisão da Terra Prometida entre as tribos seria totalmente diferente do que havia sido historicamente.
A cada tribo seria designada uma faixa de terra que se ligava as fronteiras leste e oeste. A posição das esposas de Jacó e das tribos individuais parece ter sido o fator determinante no arranjo da distribuição; compare com Nm 2-3.
As tribos mais ao norte (Dã, Aser e Naftali) eram tradicionalmente localizadas no norte; a tribo mais ao sul (Gade; vs. 27) era historicamente uma tribo do norte.
Essas quatro tribos eram os descendentes de Zilpa, serva de Lia, e da serva de Raquel, Bila (Gn 30.3-7,10-12); sendo tribos descendentes de servas, elas seriam de acordo com a visão de Ezequiel, localizadas nas extremidades mais remotas dos territórios tribais.
Olhando para as outras tribos ao norte da "região sagrada", que estava no centro da Terra Prometida (vs. 8-22; 45.1-8), Judá seria a mais próxima da região sagrada.
Judá historicamente era uma tribo sulista; ao colocar a tribo de Davi com as tribos do norte, Ezequiel pode ter indicado que o norte "teria uma porção em Davi" (2Sm 20.1; 1 Rs 12.16; 2Cr 10.16).
Conforme continua a nos esclarecer a BEG, Judá recebeu o lugar de honra que ordinariamente teria pertencido ao primogênito, Rúben; o território de Rúben estaria imediatamente ao norte de Judá. Ao norte de Rubén estariam as tribos de Jose: Efraim e Manassés, eles eram descendentes de Jacó pela sua esposa favorita, Raquel.
Ao sul, e mais perto da região sagrada, estaria Benjamim. Benjamim estava historicamente ao norte da cidade santa. Sua posição favorecida reflete a posição favorecida de Raquel e contrabalançava a posição favorecida das tribos de Jose no norte.
As demais três tribos do sul (Simeão, Issacar e Zebulom) eram descendentes de Lia; Issacar e Zebulom historicamente possuíram territórios no norte.
Dos versos 8 ao 22, ele fala de uma região sagrada que deveria ser separada, limitando-se com Judá, desde o lado oriental até ao ocidental e de 25 mil côvados (12,5 km) de largura e comprimento. Equivaleria a uma das porções tribais, pra os sacerdotes – vs. 10 - e o santuário estaria no centro dela.
Trata-se isso de uma elaboração de 45.1-8, em particular a faixa de terra ao sul, dentro da porção sagrada que seria reservada para a cidade (45.6). Essa herança também deveria ser inalienável - 46.16-18.
A partir do verso 30 até ao final ele fala das portas da cidade. A cidade teria doze portas, cada uma levando a nome de uma das doze tribos (compare com Ap 21.12-14).
·         As portas ao norte receberiam os nomes de Rúben (o primogênito), Judá (a tribo de Davi e a linhagem real) e Levi (a tribo dos ministros do templo).
·         As portas ao leste seriam dos descendentes de Raquel - José (as tribos de Efraim e Manassés foram combinadas com “José”, a fim de manter o número doze, por causa da agora relacionada tribo de Levi) e Benjamim - e de um filho de Bila, a serva de Raquel - .
·         As portas ao sul seriam das tribos colocadas ao norte nos vs. 24-26 - a de Simeão, a de Issacar e a de Zebulom.
·         As do oeste seriam os outros filhos de Zilpa e Bila - a porta de Gade, a porta de Aser e a porta de Naftali. Compare o acampamento das tribos no deserto, conforme Nm 2.
Ez 48:1 São estes os nomes das tribos:
desde o extremo norte, ao longo do caminho de Hetlom,
até a entrada de Hamate, até Hazar-Enom,
junto ao termo setentrional de Damasco,
defronte de Hamate,
com as suas fronteiras estendendo-se do oriente ao ocidente,
Dã terá uma porção.
Ez 48:2 Junto ao termo de Dã,
desde a fronteira oriental até a fronteira ocidental,
Aser terá uma porção.
Ez 48:3 Junto ao termo de Aser,
desde a fronteira oriental até a fronteira ocidental,
Naftali terá uma porção.
Ez 48:4 Junto ao termo de Naftali,
desde a fronteira oriental até a fronteira ocidental,
Manasses terá uma porção.
Ez 48:5 Junto ao termo de Manassés,
desde a fronteira oriental até a fronteira ocidental,
Efraim terá uma porção.
Ez 48:6 Junto ao termo de Efraim,
desde a fronteira oriental até a fronteira ocidental,
Rúben terá uma porção.
Ez 48:7 Junto ao termo de Rúben
desde a fronteira oriental até a fronteira ocidental,
Judá terá uma porção.
Ez 48:8 Junto ao termo de Judá,
desde a fronteira oriental até a fronteira ocidental,
será a oferta que haveis de fazer
de vinte e cinco mil canas de largura,
e do comprimento de cada uma das porções,
desde a fronteira oriental até a fronteira ocidental.
O santuário estará no meio dela.
Ez 48:9 A oferta que haveis de fazer ao Senhor
será do comprimento de vinte e cinco mil canas,
e da largura de dez mil.
Ez 48:10 Será para os sacerdotes uma porção desta santa oferta,
medindo para o norte vinte e cinco mil
canas de comprimento,
para o ocidente dez mil de largura,
para o oriente dez mil de largura,
e para o sul vinte e cinco mil de comprimento;
e o santuário do Senhor estará no meio dela.
Ez 48:11 Sim, será para os sacerdotes consagrados
dentre os filhos de Zadoque,
que guardaram a minha ordenança,
e não se desviaram quando os filhos de Israel
se extraviaram,
como se extraviaram os outros levitas.
Ez 48:12 E o oferecido ser-lhes-á repartido da santa oferta da terra,
coisa santíssima, junto ao termo dos levitas.
Ez 48:13 Também os levitas terão, consoante o termo dos sacerdotes,
vinte e cinco mil canas de comprimento, e de largura dez mil;
todo o comprimento será vinte e cinco mil,
e a largura dez mil.
Ez 48:14 E não venderão nada disto nem o trocarão,
nem transferirão as primícias da terra,
porque é santo ao Senhor.
Ez 48:15 Mas as cinco mil, as que restam da largura,
defronte das vinte e cinco mil, ficarão para uso comum,
para a cidade, para habitação e para arrabaldes;
e a cidade estará no meio.
Ez 48:16 E estas serão as suas medidas:
a fronteira setentrional terá quatro mil e quinhentas canas,
e a fronteira do sul quatro mil e quinhentas,
e a fronteira oriental quatro mil e quinhentas,
e a fronteira ocidental quatro mil e quinhentas.
Ez 48:17 Os arrabaldes, que a cidade terá,
serão para o norte de duzentas e cinqüenta canas,
e para o sul de duzentas e cinqüenta,
e para o oriente de duzentas e cinqüenta,
e para o ocidente de duzentas e cinqüenta.
Ez 48:18 E, quanto ao que ficou do resto no comprimento,
de conformidade com a santa oferta,
será de dez mil para o oriente
e dez mil para o ocidente;
e corresponderá à santa oferta;
e a sua novidade será para sustento
daqueles que servem a cidade.
Ez 48:19 E os que servem a cidade,
dentre todas as tribos de Israel, cultivá-lo-ão.
Ez 48:20 A oferta inteira será de vinte e cinco mil canas
por vinte e cinco mil;
em quadrado a oferecereis como porção santa,
incluindo o que possui a cidade.
Ez 48:21 O que restar será para o príncipe;
desta e da outra banda da santa oferta,
e da possessão da cidade;
defronte das vinte e cinco mil canas da oferta,
na direção do termo oriental,
e para o ocidente, defronte das vinte e cinco mil,
na direção do termo ocidental,
correspondente às porções,
isso será a parte do príncipe;
e a oferta santa e o santuário do templo
estarão no meio.
Ez 48:22 A possessão dos levitas, e a possessão da cidade
estarão no meio do que pertencer ao príncipe.
Entre o termo de Judá e o termo de Benjamim
será a porção do príncipe.
Ez 48:23 Ora quanto ao resto das tribos:
desde a fronteira oriental até a fronteira ocidental,
Benjamim terá uma porção.
Ez 48:24 Junto ao termo de Benjamim,
desde a fronteira oriental até a fronteira ocidental,
Simeão terá uma porção.
Ez 48:25 Junto ao termo de Simeão,
desde a fronteira oriental até a fronteira ocidental,
Issacar terá uma porção.
Ez 48:26 Junto ao termo de Issacar,
desde a fronteira oriental até a fronteira ocidental,
 Zebulom terá uma porção.
Ez 48:27 Junto ao termo de Zebulom,
desde a fronteira oriental até a fronteira ocidental,
Gade terá uma porção.
Ez 48:28 Junto ao termo de Gade,
na fronteira sul, para o sul, o termo será desde Tamar
até as águas de Meribate-Cades,
até o Ribeiro do Egito, e até o Mar Grande.
Ez 48:29 Esta é a terra que sorteareis em herança para as tribos de Israel,
e são estas as suas respectivas porções, diz o Senhor Deus.
Ez 48:30 E estas são as saídas da cidade:
da banda do norte quatro mil e quinhentos côvados por medida;
Ez 48:31 e as portas da cidade serão conforme os nomes
das tribos de Israel;
três portas para o norte;
a porta de Rúben a porta de Judá, e a porta de Levi.
Ez 48:32 Da banda do oriente quatro mil e quinhentos côvados,
e três portas, a saber:
a porta de José, a porta de Benjamim, e a porta de Dã.
Ez 48:33 Da banda do sul quatro mil e quinhentos côvados,
e três portas:
a porta de Simeão, a porta de Issacar, e a porta de Zebulom.
Ez 48:34 Da banda do ocidente quatro mil e quinhentos côvados,
e as suas três portas:
a porta de Gade, a porta de Aser, e a porta de Naftali.
Ez 48:35 Dezoito mil côvados terá ao redor;
e o nome da cidade desde aquele dia será Jeová-Samá.
A visão de Ezequiel da cidade gloriosa seria cumprida no fato de a morte e a ressurreição de Cristo ter ocorrido perto de Jerusalém celestial, onde Cristo está agora (At 2.33; I Pe 3.22) e na descida da nova Jerusalém, quando Cristo retornar em glória – Ap 21.1-2.
Desde o início do AT, Deus revelou a sua intenção de estar com o seu povo. Ele andou e falou com esse povo no jardim do Éden e habitou em santuários construídos no meio de Israel. É adequado que a esperança do NT em Cristo atinja o clímax com a descrição da cidade de Deus e de um tempo quando a habitação de Deus seria na terra – Ap. 21.3. Inclusive o nome da cidade deixa isso bem claro: O SENHOR ESTÁ ALI!
A esperança de Ezequiel permanece sendo a mesma da igreja ao longo dos séculos.
 Estamos satisfeitos com o resultado alcançado se bem que, com certeza, ainda há muito a melhorar.
De fato é muito bom terminarmos algo que começamos! Como é bom termos propósitos e levarmos a sério nossa missão! Como é bom termos fé neste Deus maravilhoso cuja graça é maior do que a nossa vida! Como é bom saber que Deus nos fez promessas incríveis e ele cumprirá todas elas!
A palavra de Deus foi anunciada em cada um dos 48 capítulos da história de vida desse profeta de Deus que nos ensinou grandes lições.
Em cada um dos homens de Deus temos visto uma grande devoção e temor a Deus que os faziam buscar ao Senhor e se humilharem diante dele com a fé e a certeza de que os seus clamores não seriam em vão.
Em Ezequiel vimos um profeta que teve que enfrentar situações difíceis para entregar o recado profético, mas que não recuou em sua missão.
Por cerca de mais de 46 vezes, quase que uma vez por capítulo, o livro fala afirmando que haverão de saber que o Senhor é Deus. Tanto povos como animais e a própria natureza haverão de saber que o Senhor é Deus. O triste é notarmos que esse saber está vinculado geralmente a um grande juízo com as consequências advindas de forma irreparável.
Também aprendemos que os reis nada haveriam de fazer sem que a Providência divina agisse derretendo os seus corações para serem conformes às necessidades do povo de Deus.
Não são os líderes que são colocados diante do povo de Deus para serem estrelas, brilharem e serem destaques, antes é a graça de Deus que levanta líderes para cuidarem do povo de Deus pelo qual o Senhor se animou a morrer e a dar a sua vida.
O destaque não é, nem deve ser o líder, mas Deus e a sua glória que está abençoando o seu povo. Os maiores líderes de Deus em todos os tempos se ofereceram à morte para que o povo fosse poupado, ou mesmo enfrentaram grandes desafios a favor do povo de Deus.
Não há como não percebermos que do início ao fim, seja qual for o livro que estivermos estudando da Bíblia, é Deus orientando, esclarecendo, falando, instruindo, mostrando o quê, como, de que forma, quando, quanto, por quanto tempo. Percebe-se assim o Deus imanente na história de Israel e que se utiliza de líderes e profetas por ele escolhidos para realizarem as suas obras, no caso aqui, ele se utilizou de Ezequiel.
Do Senhor sempre veio a ordem e a organização; os líderes e os mandamentos; os símbolos e suas representações; os artífices e ourives que tudo fizeram de acordo com o modelo que lhes fora mostrado; a vitória e as guerras; a força e a coragem para lutar e vencer e sair vencedor; a paz e a prosperidade; a proteção e o abrigo contra as intempéries do mundo; o caminho, a verdade e a vida para que seguissem; o filho de Deus, o Messias esperado que ali estava sendo preservado com os descendentes messiânicos.
Para finalizarmos, busquemos a face de Deus e nos convertamos de nossos maus caminhos, pois assim, e somente assim, abriremos caminho para derramar as numerosas bênçãos resultantes do poder e dos milagres de que precisamos para nossa vida! Aleluia!
Não é hora de desanimar, embora tantas não foram as vezes que pensamos nisso, principalmente ao tirar os olhos do Senhor para colocá-los em alvos terrestres, mas o Senhor teve misericórdias de nós.

Que sejamos testemunhas do poder que existe somente no Senhor. Em nome do Teu amado Filho, Jesus, nosso Senhor e Salvador. Amém e amém!
A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdete
http://www.jamaisdesista.com.br
...


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.