sexta-feira, 1 de maio de 2015

Ezequiel 32:1-32 - LAMENTOS SOBRE FARAÓ E SOBRE O EGITO.

Para nos situarmos na leitura e não perdemos nosso foco, estamos estudando o livro de Ezequiel composto de 48 capítulos. Veremos agora o último capítulo da parte II, o capítulo 32, da seção F.
Ressaltamos novamente que entre os oráculos de advertência sobre a destruição de Jerusalém (caps. 1-24) e as profecias de esperança e restauração (caps. 33-48), Ezequiel, o profeta, o filho do homem, incluiu uma seção de oráculos contra outras nações.
II. PROFECIAS CONTRA AS NAÇÕES (25.1-32.32).
A. Amom (25.1-7) – já vista; B. Moabe (25.8-11) – já vista; C. Edom (25.12-14) – já vista; D. Filístia (25.15-17) – já vista; E. Fenícia (26.1-28.26) – já vista; F. Egito (29.1-32.32) – concluiremos agora.
F. Egito (29.1-32.32) - continuação.
Como já dissemos, nesses quatro capítulos finais desta parte II, estamos vendo que Ezequiel profetizou contra o Egito, um dos grandes impérios do mundo antigo.
Também fizemos a seguinte proposta de divisão dessa seção “F”: 1. Julgamento contra o Egito (29.1-6) – já vimos; 2. Segundo julgamento contra o Egito (29.17-21) – já vimos; 3. Lamento sobre o Egito (30.1-19) – já vimos; 4. Terceiro julgamento contra o Egito (30.20-26) – já vimos; 5. Quarto julgamento contra o Egito (31.1-18) – já vimos; 6. Lamento por Faraó (32.1-16) – veremos agora; 7. Lamento pelo Egito e por Faraó (32.17-32) – concluiremos agora.
6. Lamento por Faraó (32.1-16).
Até o verso 16, veremos o lamento por Faraó. Em resposta às predições de catástrofe, Ezequiel lamenta em favor de Faraó.
Também a palavra do Senhor veio a Ezequiel e foi registrada no tempo e no espaço como sendo no ano duodécimo, no duodécimo mês, no primeiro dia, provavelmente em março de 585 a.C., dois meses depois que os exilados receberam a notícia da destruição de Jerusalém (33.21).
Ezequiel deveria fazer um lamento sobre o rei do Egito e lhe dizer que ele foi assemelhado a um leão novo entre as nações, mas na verdade era mesmo um dragão, ou um crocodilo nos mares.
Na mitologia de grande parte do antigo Oriente Próximo – nos diz a BEG -, o universo ordenado emergiu do caos após uma batalha cósmica entre um deus e um grande monstro ou dragão do mar cujo nome era "Mar".
Após a batalha, partes do universo foram formadas com partes da carcaça do monstro que tinha sido morto.
Ezequiel já havia usado elementos desse mesmo mito antigo em outros oráculos contra o Egito (29.3-5) e o faria novamente (38.18-23). Aqui ele comparou o Egito a um grande monstro do mar subjugado pelo Senhor.
Esse monstro seria abatido e derrotado e seu corpo ficaria exposto na praia para todas as aves e animais do campo. Sua carne ainda seria espalhada sobre os montes e se encheriam todos os vales – vs. 5.
O sangue dele seria usado para regar a terra, os montes e os ribeiros e assim seria apagado, eliminado, de forma a ficar coberto o céu, enegrecida as estrelas, o sol encoberto com nuvens e a lua não dando a sua luz.
Compare, neste momento, esse texto com o texto de Mt 24:29 – “E, logo depois da aflição daqueles dias, o sol escurecerá, e a lua não dará a sua luz, e as estrelas cairão do céu, e as potências dos céus serão abaladas.”. O verso 30, desse capítulo, então fala que depois disso apareceria no céu o sinal do Filho do homem.
Linguagem semelhante a essa é usada ainda com respeito ao dia do Senhor em Is 13.10; Jj 2.30-32; 3.15; Am 8.9.
O aparecimento do guerreiro divino seria acompanhado por paroxismos no cosmo, e o universo voltaria ao caos primitivo. Esse rico simbolismo e extravagante hipérbole relacionados a acontecimentos nacionais significativos são comuns ao longo de todo o Antigo Testamento.
No verso oito, ele fala de todas as luzes dos céus que seriam elas enegrecidas sobre ele e assim traria trevas sobre a sua terra. Também afligiria o coração de muitos povos quando o Senhor levasse a destruição entre as nações, cada um pela sua vida estaria estremecido no dia da queda do Egito.
Deus subjugaria o monstro do mar ao mandar os exércitos da Babilônia contra ele (vs. 2) A espada do rei da Babilônia era a espada do Senhor (21.1-32; 30.25).
Deus faria cair a multidão deles pelas espadas dos valentes que aniquilariam a soberba do Egito e até os animais seriam afetados de forma que toda terra ficaria desolada e destruída. Quando isso viesse a ocorrer e quando ela fosse despojada da sua plenitude, neste exato momento, iriam saber que o Senhor é Deus – vs. 15.
Esse seria o lamento que o Senhor pediu ao seu profeta para proclamar que as filhas das nações fariam sobre o Egito e sobre toda a sua multidão.
7. Lamento pelo Egito e por Faraó (32.17-32).
Novamente, em dia preciso e data certa, no ano duodécimo, aos quinze do mês, presumivelmente o duodécimo mês do ano, como no oráculo anterior (vs. 1), duas semanas depois, na primavera de 585 a.C., veio novamente, como de costume, a palavra do Senhor ao seu profeta dizendo para ele prantear sobre a multidão do Egito, isto é, fazer um lamento pelo Egito e pelo Faraó. Ezequiel encerrou os seus oráculos contra as nações com um lamento final pelas calamidades que o Egito enfrentaria.
O filho do homem deveria prantear sobre a multidão do Egito, fazendo-a descer a ela e as filhas das nações majestosas até as partes inferiores da terra. Como Ezequiel a faria descer? Apenas pelo lamento? Palavra profética?
Descreve, pois, o Egito descendo para o mundo inferior, onde o orgulhoso império se torna apenas um entre os grandes e pequenos estados que o tinham precedido:
·         Assíria vs. 22.
·         Elão, vs. 24.
·         Meseque e Tubal vs. 26.
·         Edom, vs. 29.
·         Os príncipes do norte e os sidônios, vs. 30.
A mitologia e a religião dessas culturas retratavam o mundo inferior ("Sheol" ou "a sepultura") como urna vasta câmara mortuária onde os mortos partilhavam uma existência de sombras e sem alegria. Compare com Gn 37.35; 42.38; Jó 3.17-19; 7.9; 10.20-22; 17.13; 40.13; SI 31.17; 88.5,11; 115.17; Pv 1.12; 5.5; 7.27; 9.18; Ec 9.10; Is 5.14; 14.9-11; 38.18; Hc 2.5.
Ez 32:1 Sucedeu que,
no ano duodécimo, no mês duodécimo, ao primeiro do mês,
veio a mim a palavra do Senhor, dizendo:
Ez 32:2 Filho do homem, faze uma lamentação sobre Faraó,
rei do Egito, e dize-lhe:
Foste assemelhado a um leão novo entre as nações;
contudo tu és como um dragão nos mares;
pulavas nos teus rios e os sujavas, turvando com os pés as suas águas.
Ez 32:3 Assim diz o Senhor Deus:
Estenderei sobre ti a minha rede
por meio duma companhia de muitos povos,
e eles te alçarão na minha rede.
Ez 32:4 Então te deixarei em terra;
sobre a face do campo te lançarei,
e farei pousar sobre ti todas as aves do céu,
e fartarei de ti os animais de toda a terra.
Ez 32:5 E porei as tuas carnes sobre os montes,
e encherei os vales da tua altura.
Ez 32:6 Também com o teu sangue regarei a terra onde nadas,
até os montes; e as correntes se encherão de ti.
Ez 32:7 E, apagando-te eu,
cobrirei o céu,
e enegrecerei as suas estrelas;
ao sol encobrirei com uma nuvem,
e a lua não dará a sua luz.
Ez 32:8 Todas as brilhantes luzes do céu,
eu as enegrecerei sobre ti, e trarei trevas sobre a tua terra,
diz o Senhor Deus.
Ez 32:9 E afligirei o coração de muitos povos,
quando eu levar a efeito a tua destruição entre as nações,
até as terras que não conheceste.
Ez 32:10 Demais farei com que muitos povos fiquem pasmados
a teu respeito, e os seus reis serão sobremaneira
amedrontados, quando eu brandir a minha espada
diante deles;
e estremecerão a cada momento, cada qual pela sua vida,
no dia da tua queda.
Ez 32:11 Pois assim diz o Senhor Deus:
A espada do rei de Babilônia virá sobre ti.
Ez 32:12 Farei cair a tua multidão pelas espadas dos valentes;
terríveis dentre as nações são todos eles;
despojarão a soberba do Egito,
e toda a sua multidão será destruída.
Ez 32:13 Exterminarei também todos os seus animais
de junto às muitas águas; não as turvará mais pé de homem,
não as turvarão unhas de animais.
Ez 32:14 Então tornarei claras as suas águas,
e farei correr os seus rios como o azeite, diz o Senhor Deus.
Ez 32:15 Quando eu tornar desolada a terra do Egito,
e ela for despojada da sua plenitude,
e quando eu ferir a todos os que nela habitarem,
então saberão que eu sou o Senhor.
Ez 32:16 Esta é a lamentação que se fará;
que as filhas das nações farão sobre o Egito
e sobre toda a sua multidão, diz o Senhor Deus.
Ez 32:17 Também sucedeu que,
no ano duodécimo, aos quinze do mês,
veio a mim a palavra do Senhor, dizendo:
Ez 32:18 Filho do homem, pranteia sobre a multidão do Egito,
e faze-a descer, a ela e às filhas das nações majestosas,
até as partes inferiores da terra,
 juntamente com os que descem à cova.
Ez 32:19 A quem sobrepujas tu em beleza?
Desce, e deita-te com os incircuncisos.
Ez 32:20 No meio daqueles que foram mortos à espada eles cairão;
à espada ela está entregue;
arrastai-a e a toda a sua multidão.
Ez 32:21 Os poderosos entre os valentes lhe falarão
desde o meio do Seol, com os que o socorrem;
já desceram, jazem quietos os incircuncisos,
mortos a espada.
Ez 32:22 Ali está Assur com toda a sua companhia.
Em redor dele estão os seus sepulcros;
todos eles foram mortos, caíram à espada.
Ez 32:23 Os seus sepulcros foram postos no mais interior da cova,
e a sua companhia está em redor do seu sepulcro;
foram mortos,
caíram à espada todos esses que tinham causado
espanto na terra dos viventes.
Ez 32:24 Ali está Elão com toda a sua multidão
em redor do seu sepulcro; foram mortos, cairam a espada,
e desceram incircuncisos
às partes inferiores da terra,
todos esses que causaram terror na terra dos viventes;
e levaram a sua vergonha juntamente
com os que descem à cova.
Ez 32:25 No meio dos mortos lhe puseram a cama
entre toda a sua multidão;
ao redor dele estão os seus sepulcros;
todos esses incircuncisos foram mortos à espada;
porque causaram terror na terra dos viventes;
e levaram a sua vergonha com os que
descem à cova.
Está posto no meio dos mortos.
Ez 32:26 Ali estão Meseque, Tubal e toda a sua multidão;
ao redor deles estão os seus sepulcros;
todos esses incircuncisos foram mortos à espada;
porque causaram terror na terra dos viventes.
Ez 32:27 E não jazem com os valentes que dentre os incircuncisos
caíram, os quais desceram ao Seol
com as suas armas de guerra e puseram as suas espadas
debaixo das suas cabeças,
tendo os seus escudos sobre os seus ossos;
porque eram o terror dos poderosos na terra dos viventes.
Ez 32:28 Mas tu serás quebrado no meio dos incircuncisos,
e jazerás com os que foram mortos a espada.
Ez 32:29 Ali está Edom, os seus reis e todos os seus príncipes,
que no seu poder foram postos
com os que foram mortos à espada;
estes jazerão com os incircuncisos
e com os que descem a cova.
Ez 32:30 Ali estão os príncipes do norte, todos eles,
e todos os sidônios, que desceram com os mortos;
envergonhados são pelo terror causado pelo seu poder;
jazem incircuncisos com os que foram mortos à espada,
e levam a sua vergonha com os que descem à cova.
Ez 32:31 Faraó os verá, e se consolará sobre toda a sua multidão;
sim, o próprio Faraó, e todo o seu exército,
traspassados à espada, diz o Senhor Deus.
Ez 32:32 Pois também eu pus o terror dele na terra dos viventes;
pelo que jazerá no meio dos incircuncisos,
com os mortos à espada,
o próprio Faraó e toda a sua multidão,
diz o Senhor Deus.
Todos eles – a Assíria, o Elão, Meseque e Tubal, Edom, os príncipes do norte e os sidônios, seus reis e todos os seus príncipes - jaziam com os que foram mortos à espada, jaziam com os incircuncisos, com aqueles que desciam à cova e levavam a sua vergonha.
Faraó os veria e se consolaria sobre toda a sua multidão. Ele próprio veria todo o seu exército traspassado à espada e igualmente jazeria no meio dos incircuncisos, com os mortos à espada.
p.s.: link da imagem original:
Contagem regressiva: Faltam 95 dias para 04/08/2015, quando eu irei concluir a Segmentação de toda a Bíblia.

A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdetehttp://www.jamaisdesista.com.br
...


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.