domingo, 8 de fevereiro de 2015

Jeremias 7:1-34 - OS PERIGOS DA REJEIÇÃO CONTINUADA AO SENHOR.



Entramos em nossa quinta parte, de nossa divisão proposta de dezoito delas, nos baseando na estruturação apresentada pela BEG. Estamos no capítulo 7.
V. O TEMPLO (7.1-10.25).
Já vimos os pecados repetidos de Judá (2.1-3.5) que levaram aos julgamentos divinos e à invasão estrangeira (3.6-6.30). Agora, veremos como Jeremias rejeitou a suposição geral de que o templo protegeria Jerusalém da destruição.
Os judaítas possuíam a crença equivocada de que os babilônios não poderiam destruir Jerusalém porque a cidade abrigava o templo de Deus. Jeremias põe fim a essa confiança ilusória.
O enfoque sobre essa questão é dividido em três seções: o discurso principal de Jeremias no templo (7.1-8.3) e os discursos secundários sobre a culpa de Judá (8.4-9.26) e sobre o pecado da idolatria em Judá (10.1-25).
Para nossas reflexões, dividiremos essa série de discursos de Jeremias em três seções: A. O templo de Salomão e Siló – 7:1 – 8:3; B. Os pecados e julgamentos de Judá – 8:4 – 9:26; e, C. A idolatria ou o Senhor – 10:1-25.
A. O templo de Salomão e Siló – 7:1 – 8:3.
Até o terceiro versículo do próximo capítulo, veremos Jeremias fazendo o seu principal discurso sobre o templo de Salomão e Siló. Nesse discurso, Jeremias ataca a suposição falsa de que a mera presença do templo protegeria Jerusalém dos seus inimigos.
Como em muitas outras passagens proféticas, a palavra veio a Jeremias da parte do Senhor e este a relatou.
Deus convida Jeremias a se colocar na porta que dava para o átrio interno do templo e dali proclamar a sua palavra. Jeremias se colocou no lugar central de adoração de Judá para proclamar a hipocrisia dos seus adoradores. O poder desse ato é intensificado pelo fato de o profeta ser um sacerdote. É provável que esse discurso tenha sido feito durante uma das grandes festas anuais (Éx 23.14-18), uma ocasião em que "todo o Israel" (Dt 31.11) devia estar presente.
Todos estavam sendo convidados a ouvir a palavra, todos os de Judá que entravam pelas portas - essas portas davam para o átrio externo do templo – para especificamente adorarem ao Senhor.
A palavra de Jeremias era uma exortação para que corrigissem o caminho deles e as suas obras e ai sim ele, Deus, os faria habitar naquele lugar. O profeta lembra ao povo de que a garantia de sua permanência na Terra Prometida nunca havia sido incondicional.
No verso 4, há uma tríplice repetição indicando que o povo apelava fervorosamente para o templo como confirmação de que nenhum mal sobreviria a cidade. Os apelos ao templo em busca de segurança eram enganosos, pois não tinham nenhum valor sem o arrependimento e a fidelidade a Deus (vs. 5-6).
Nada sagrado tem valor algum senão for acompanhado de atitudes que demonstrem arrependimento, fidelidade e amor a Deus. O templo do Senhor era considerado sagrado, mas os que o frequentavam não eram santos. O segredo para que o templo fosse esse amuleto estaria no comportamento do povo em emendarem os seus caminhos e executarem a justiça, o juízo e a verdade – vs. 5, 6.
Conforme o verso 6, até sangue inocente era derramado. Apesar de Jeremias não dar detalhes, fica claro que estava ocorrendo o derramamento de sangue inocente. É possível que seja uma referência ao sacrifício de crianças nos cultos pagãos (cf. 19.4; 32.35).
No verso 7, a promessa condicional de Deus de que ele mesmo habitaria com eles para sempre. A condição era a justiça, a verdade e a retidão, mas a confiança deles, para o mal deles, estava no erro, em palavras falsas de nenhum proveito a quem quer que seja – vs. 8.
No verso 9, Deus elenca uma série de infrações de sua lei. Observar a alusão a cinco dos Dez Mandamentos (cf. Os 4.2), com ênfase sobre o primeiro (Ex 20.3).
Aquela casa ali não dava o direito deles de pecarem à vontade. Ela, de fato, era a casa que se chama pelo seu nome. O "lugar" (Dt 12.5) que leva o nome de Deus é identificado em 1 Rs 8.43 como sendo o templo em Jerusalém. Ao colocar o seu nome nesse lugar, o Senhor indicou a sua presença especial ali (1Rs 8.27; 1 Rs 8). O sarcasmo de Jeremias é apropriado. O povo entendeu o privilégio de acesso à presença de Deus como permissão para se rebelar. Eles estavam se achando o povo escolhido por Deus, mas queriam apenas os privilégios e não os deveres e obrigações decorrentes.
Então o que se tornou a sua casa senão covil de salteadores. Veja Mt 21.13. Apesar de estarem escondidos (como num covil), seriam vistos pelo Senhor e sofreriam as consequências.
Siló era o lugar central de adoração em Israel antes de Davi transformar Jerusalém na capital do seu reino (Js 18.1; 1 Sm 1.9). Uma vez que Siló não existia mais (provavelmente havia sido destruída pelos filisteus), a referência ilustra bem o argumento de Jeremias – o lugar onde o nome de Deus habitava não estava imune ao seu julgamento.
Deus não havia gostado de que tivessem agido assim e começando de madrugada - uma frase comum neste livro de Jeremias (25.3-4; 26.5) que indica a paciência demonstrada por Deus para com o seu povo antes de julgá-lo -, insistentemente, lhes falou, mas eles não ouviram – outro tema repetido com frequência neste livro (6.17; 11.7-8; 25.3; cf. 2Rs 17.13-14).
Do mesmo jeito que tinha feito a Siló, Deus prometera fazer daquele lugar que abrigava o templo do Senhor, pois o Senhor os chamou e eles não responderam. E não somente isso, mas os lançaria fora de sua presença, do mesmo jeito que lançara os seus irmãos, da linhagem de Efraim – vs. 14, 15.
Jeremias é advertido por Deus com uma proibição ameaçadora, pois um dos papéis do profeta era interceder. Abraão (Gn 20.7) e Moisés (Êx 32.11-14) são fortes exemplos de intercessores, mas Deus instruiu Jeremias a não orar (11.14; 15.1), pois o destino de Jerusalém estava praticamente selado. Havia, contudo, uma palavra nos vs. 5-6 (exemplos de pedidos de orações 1Sm 7.8; 12.19; 1Jo 5.16).
Filhos,  pais, mulheres todos envolvidos com a idolatria procurando agradar uma tal de rainha dos céus. A idolatria exercia sobre o povo um papel muito forte. Essa Rainha dos Céus, possivelmente, era um título babilônico para a deusa Istar (44.19,25), mas essa identificação é incerta.
Depois das extensas acusações dos vs. 1-19, temos o início da declaração da sentença  sobre os homens e sobre os animais, sobre os frutos da terra. O julgamento divino transtorna todos os relacionamentos, principalmente entre Deus, o seu povo e toda a criação (cf. Os 2.18).
Tudo e todos são afetados pelo juízo de Deus. homens, animais, campos, florestas, a natureza toda sofre.
A mera quantidade de sacrifícios não significava nada para o Senhor (1 Sm 15.22-23). Ele se interessava tão pouco pelos sacrifícios per si que seus adoradores poderiam muito bem cometer a transgressão de consumir a carne dos holocaustos (Lv 1.9). O povo acostumado com o pecado, procurava em suas ações subornarem – como se isso fosse possível – a Deus. Além de idolatrarem o templo, adoravam ídolos mesmo, outros deuses, e ainda ofereciam sacrifícios como se Deus deles fosse dependente e necessitasse urgentemente das doses de misericórdia de seus adoradores.
Como esses versículos ressaltam – vs. 22, 23 -, o sacrifício de animais só era aceitável quando acompanhado da obediência que flui naturalmente da fé e da contrição (Mq 6.6-8; Hb 11.4,6; Gn 4.4-5).
Deus lhes tinha ordenado para darem ouvidos a ele. A sua promessa seria de que ele seria o nosso Deus e nós seríamos o seu povo. Essa fórmula aparece com frequência e enfatiza a solidariedade e lealdade que existia entre Deus e o seu povo em seu relacionamento de aliança (Lv 26.12).
Novamente não ouviram, não se inclinaram para Deus, antes andaram na dureza do seu coração maligno. Compare com 3.17 e Gn 6.5. A descrição de Judá no livro de Jeremias, como em outras partes das Escrituras, sugere fortemente a inclinação do coração humano para fazer o mal.
A recusa em ouvir a Deus, em não obedecê-lo, fazia eles vítima do engano. Por não aceitarem a correção, poderiam ser quebrantados de repente sem que houvesse mais curas – Pv 29:1.
No vs. 29, o profeta se dirige a Jerusalém, apresentando a cidade como uma mulher (veja 2.1). O corte dos cabelos pode ser urna alusão à renovação de um voto nazireu, pois esse ato era prescrito para o nazireu que sofria uma contaminação ritual (Nm 6.5-9).
Os filhos de Judá fizeram o que era mau aos olhos do Senhor, na sua casa. Essa citação indica que uma religião estrangeira havia sido instituída no próprio templo, como aconteceu no reinado de Manassés (2Rs 21.7). Josias eliminou essas práticas, mas, ao que parece, elas foram retomadas no reinado de Jeoaquim. Ezequias também testemunhou esse tipo de profanação do templo (Ez 8.3-12). O ressurgimento dessas práticas serviu para confirmar a análise de Jeremias da rebelião persistente de Judá.
Era nos altos que até seus filhos queimavam no fogo. Para o quê? A cegueira espiritual quando encobre o homem o escraviza a caprichos inimagináveis. Os altos era um nome comum para os santuários pagãos (2Rs 23.8-9). Tofete era, literalmente, "um lugar de togo".
Esse terrível lugar ficava no vale de Hinom, onde crianças eram oferecidas como sacrifício ao deus estrangeiro Moloque. A oferta dos primogênitos era uma prática conhecida no mundo antigo, mas em Israel eles deviam ser "resgatados" pelo sacrifício de animais (Êx 13.1-16; 34.19-20). O sacrifício humano era expressamente proibido (Lv 18.21; 20.2-5; 2Rs 23.10).
O vale do filho de Hinom estava situado a sudoeste de Jerusalém. A abreviação desse nome ("vale de Hinom"; em hebraico, ge'hinnom) deu origem à designação "Geena" (em grego, geenna), traduzida como "inferno" (Mt 18.9).
Jr 7:1 A palavra que da parte do Senhor veio a Jeremias, dizendo:
                Jr 7:2 Põe-te à porta da casa do Senhor,
                               e proclama ali esta palavra, e dize:
                                               Ouvi a palavra do Senhor, todos de Judá,
                                                               os que entrais por estas portas,
                                                                              para adorardes ao Senhor.
                Jr 7:3 Assim diz o Senhor dos exércitos, o Deus de Israel:
                               Emendai os vossos caminhos e as vossas obras,
                                               e vos farei habitar neste lugar.
                Jr 7:4 Não vos fieis em palavras falsas, dizendo:
                               Templo do Senhor, templo do Senhor, templo do Senhor
                                               são estes.
                Jr 7:5 Mas, se deveras emendardes os vossos caminhos
                               e as vossas obras; se deveras executardes a justiça
                                               entre um homem e o seu próximo;
                               Jr 7:6 se não oprimirdes o estrangeiro, e o órfão, e a viúva,
                                               nem derramardes sangue inocente neste lugar,
                                                               nem andardes após outros deuses
                                                                              para vosso próprio mal,
                Jr 7:7 então eu vos farei habitar neste lugar,
                               na terra que dei a vossos pais desde os tempos antigos
                                               e para sempre.
                Jr 7:8 Eis que vós confiais em palavras falsas,
                               que para nada são proveitosas.
                Jr 7:9 Furtareis vós, e matareis, e cometereis adultério,
                               e jurareis falsamente, e queimareis incenso a Baal,
                                               e andareis após outros deuses que não conhecestes,
                Jr 7:10 e então vireis, e vos apresentareis diante de mim nesta casa,
                               que se chama pelo meu nome, e direis:
                                               Somos livres para praticardes ainda
                                                               todas essas abominações?
                Jr 7:11 Tornou-se, pois, esta casa, que se chama pelo meu nome,
                               uma caverna de salteadores aos vossos olhos?
                                               Eis que eu, eu mesmo, vi isso, diz o Senhor.
                Jr 7:12 Mas ide agora ao meu lugar, que estava em Siló,
                               onde, ao princípio, fiz habitar o meu nome,
                                               e vede o que lhe fiz, por causa da maldade
                                                               do meu povo Israel.
                Jr 7:13 Agora, pois, porquanto fizestes todas estas obras,
                               diz o Senhor, e quando eu vos falei insistentemente,
                                               vós não ouvistes, e quando vos chamei,
                                                               não respondestes,
                Jr 7:14 farei também a esta casa, que se chama pelo meu nome,
                               na qual confiais, e a este lugar, que vos dei a vós
                                               e a vossos pais, como fiz a Siló.
                Jr 7:15 E eu vos lançarei da minha presença,
                               como lancei todos os vossos irmãos,
                                               toda a linhagem de Efraim.
                Jr 7:16 Tu, pois, não ores por este povo,
                               nem levantes por ele clamor ou oração, nem me importunes;
                                               pois eu não te ouvirei.
                Jr 7:17 Não vês tu o que eles andam fazendo nas cidades de Judá,
                               e nas ruas de Jerusalém?
                Jr 7:18 Os filhos apanham a lenha, e os pais acendem o fogo,
                               e as mulheres amassam a farinha para fazerem bolos
                                               à rainha do céu, e oferecem libações
                                               a outros deuses, a fim de me provocarem à ira.
                Jr 7:19 Acaso é a mim que eles provocam à ira? diz o Senhor;
                               não se provocam a si mesmos, para a sua própria confusão?
                20 Portanto assim diz o Senhor Deus:
                               Eis que a minha ira e o meu furor se derramarão
                                               sobre este lugar, sobre os homens
                                               e sobre os animais, sobre as árvores do campo
                                               e sobre os frutos da terra; sim, acender-se-á,
                                                               e não se apagará.
                Jr 7:21 Assim diz o Senhor dos exércitos, o Deus de Israel:
                               Ajuntai os vossos holocaustos aos vossos sacrifícios,
                                               e comei a carne.
                Jr 7:22 Pois não falei a vossos pais no dia em que os tirei da terra
                               do Egito, nem lhes ordenei coisa alguma acerca
                                               de holocaustos ou sacrifícios.
                Jr 7:23 Mas isto lhes ordenei:
                               Dai ouvidos à minha voz, e eu serei o vosso Deus,
                                               e vós sereis o meu povo;
                               andai em todo o caminho que eu vos mandar,
                                               para que vos vá bem.
                Jr 7:24 Mas não ouviram, nem inclinaram os seus ouvidos;
                               porém andaram nos seus próprios conselhos,
                                               no propósito do seu coração malvado;
                                                               e andaram para trás, e não para diante.
                Jr 7:25 Desde o dia em que vossos pais saíram da terra do Egito,
                               até hoje, tenho-vos enviado insistentemente todos os meus
                                               servos, os profetas, dia após dia;
                Jr 7:26 contudo não me deram ouvidos, nem inclinaram
                               os seus ouvidos, mas endureceram a sua cerviz.
                                               Fizeram pior do que seus pais.
                Jr 7:27 Dir-lhes-ás pois todas estas palavras,
                               mas não te darão ouvidos; chamá-los-ás,
                                               mas não te responderão.
                Jr 7:28 E lhes dirás:
                               Esta é a nação que não obedeceu a voz do Senhor seu Deus
                                               e não aceitou a correção; já pereceu a verdade,
                                                               e está exterminada da sua boca.
                Jr 7:29 Corta os teus cabelos, Jerusalém, e lança-os fora,
                               e levanta um pranto sobre os altos escalvados;
                               porque o Senhor já rejeitou e desamparou esta geração,
                                               objeto do seu furor.
                Jr 7:30 Porque os filhos de Judá fizeram o que era mau
                               aos meus olhos, diz o Senhor; puseram as suas abominações
                                               na casa que se chama pelo meu nome,
                                                               para a contaminarem.
                Jr 7:31 E edificaram os altos de Tofete,
                               que está no Vale do filho de Hinom, para queimarem no fogo
                                               a seus filhos e a suas filhas, o que nunca ordenei,
                                                               nem me veio à mente.
                Jr 7:32 Portanto, eis que vêm os dias, diz o Senhor,
                               em que não se chamará mais Tofete,
                                               nem Vale do filho de Hinom,
                                                               mas o Vale da Matança;
                               pois enterrarão em Tofete, por não haver mais outro lugar.
                Jr 7:33 E os cadáveres deste povo servirão de pasto às aves do céu
                               e aos animais da terra; e ninguém os enxotará.
                Jr 7:34 E farei cessar nas cidades de Judá, e nas ruas de Jerusalém,
                               a voz de gozo e a voz de alegria, a voz de noivo
                                               e a voz de noiva; porque a terra se tornará
                                                               em desolação.
Ai deles que agora sofriam a palavra profética de juízo, pois os seus cadáveres iriam servir de pasto para as aves dos céus e aos animais da terra e ninguém os poderia enxotar. Na antiguidade, o fim mais terrível que podia ser dado a um corpo era deixá-lo insepulto.
Por causa disso tudo, Deus faria cessar nas cidades de Judá e nas ruas de Jerusalém a voz de gozo, de alegria, de noivo, de noiva onde a terra seria tornada desolada. Confira a maldição da aliança em Dt 28.26.
p.s.: link da imagem original:
Contagem regressiva: Faltam 177 dias para 04/08/2015, quando eu irei concluir a Segmentação de toda a Bíblia.
A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdetehttp://www.jamaisdesista.com.br

...

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.