quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Isaías 63:1-19 - LAMENTOS E ARREPENDIMENTOS - DEUS É SOBERANO E O HOMEM RESPONSÁVEL.

Em nossa leitura, meditação e reflexão, capítulo por capítulo, nós nos encontramos aqui no capítulo 63 e nas seguintes partes:
Parte IV – ISAÍAS E O JULGAMENTO BABILÔNICO – 40:1 – 66:24.
D. O caminho de arrependimento e restauração que Israel precisava percorrer para poder desfrutar da restauração (56:1 – 66:24).
2. O arrependimento que leva à restauração (59:1-66:24).
a. Arrependimento e resposta 1 - 59:1-63:6
(2) A resposta de salvação de Deus (59:14-63:6) - continuação.
Como já dissemos, até 63:6, finalizando essa seção primeira “a. Arrependimento e Salvação 1”, veremos como será a resposta de salvação de Deus. Tendo levado os leitores a confessarem o seu pecado, Isaías agora lhes assegura que Deus responderia à sua situação deplorável e libertaria Israel do exílio.
Também dividimos essa seção “(2)” em quatro partes: a. O mal será vencido – 59:14 – 60:22 – já vimos; b. A proclamação do ano aceitável do Senhor – 61:1-11 – já vimos; c. A gloriosa Jerusalém futura – 62:1-12 – já vista; e, d. Julgamento das nações – 63:1-6 – veremos agora.
É importante frisar que desde o primeiro verso do capítulo 60 até ao verso 6, do capítulo 63, magníficas profecias sobre o futuro dourado de Jerusalém encontram o seu cumprimento hoje na Jerusalém celestial (isto é, na "Jerusalém lá de cima" Gl 4:26) e terão o seu cumprimento definitivo nos novos céus e na nova terra, quando Cristo voltar (Ap 21:1-27). Que dia glorioso não será esse dia?
d. Julgamento das nações – 63:1-6.
No capítulo anterior, vimos uma breve descrição da gloriosa Jerusalém futura em que a cidade se tornou o foco enquanto Isaías descrevia as promessas de Deus quanto à salvação do exílio.
Aqui, nos próximos seis versículos, veremos o julgamento das nações. Juntamente com a glória de Jerusalém aconteceria a derrota e o julgamento de todos aqueles que se opuseram a Deus. Isso, realmente é terrível! É como o caráter duplo da pregação que em um determinado público gera a vida e em outro o juízo!
Quem é este que vem? O mesmo que viria ao seu povo com salvação (62:11) também viria para julgar os outros. Edom, de Bozra (cidade edomita localizada a cerca de 40 km a sudeste do mar Morto) aqui é o representante das nações ímpias e orgulhosas (21:11-12; 25:10; 34:1-17; Sl 137:7; Jr 49:7-22; Lm 4:21-22; Ez 25:12-14; Jl 3:19; Am 1:11-12; Ob 14-15; MI 1:2-5).  
Ele está de vestiduras escarlate e glorioso em seu traje, marchando na plenitude da sua força, falando em justiça e poderoso para salvar. As suas vestes estão assim vermelhas por que sozinho pisou o lagar da ira de Deus.
Ninguém houve com ele capaz de pisar no lagar – vs. 3 - e esmagar no seu furor os rebeldes e contradizentes, filhos do diabo, cheios de toda perversão e maldade.
Está implícito nessa metáfora ampliada do Dia do Senhor (Lm 1:15; JI 3:13; Ap 14:17-20; 19:15) que o lagar representa a batalha e o suco representa o "sangue".
Essa passagem é aplicada a Cristo em Ap 19:15 porque a sua segunda vinda será o clímax do julgamento de Deus contra os seus inimigos.
Ele contrasta, no vs. 4, o dia da vingança de Deus com o ano da redenção dos redimidos. O julgamento e a redenção caminham lado a lado. Um não pode acontecer plenamente sem o outro. O mesmo se dá, como tenho falado, pregado e ensinado que a pregação tem a função dupla, tanto de salvação quanto de juízo.
Apesar de procurar, não houve quem o ajudasse e admirou-se de que ninguém o sustivesse, por isso que o seu braço – o poder de Deus manifestado em seus atos de libertação e vingança - é que lhe trouxe a vitória e foi o seu furor que o susteve – 40:10; 59:16. O fato é que os israelitas não tinham condições de corrigir, por si mesmos, a sua situação, de modo que Deus determinou-se a mediar em seu favor.
b. Arrependimento e resposta 2 - 63:7-66:24.
A partir de agora até 66:24 estaremos vendo o arrependimento e a resposta 2 e assim, concluindo o livro de Isaías. Nesse ponto, Isaías repete o padrão básico de arrependimento e lamento seguido pela garantia de Deus de que ele restauraria o seu povo.
As duas seções principais são o lamento (63:7-64:12) e a resposta de Deus (65:1-66:24). Isso nos obrigará a fazer a seguinte divisão: (1) Lamento e arrependimento - 63:7-64:12 – começaremos a ver agora; (2) A resposta de julgamento e salvação vindos de Deus - 65:1-66:24.
(1) Lamento e arrependimento - 63:7-64:12.
Isaías fornece aqui um lamento modelar para levar os exilados ao arrependimento.
Isaías fez uma proclamação pública dos atos poderosos do Senhor no passado (Sl 51:13-15; 89:1; 145:7).
Ele se refere a esses atos:
·         Como "benignidades" (55:3; Sl 89:1; 54:6-8).
·         Como "atos gloriosos" (isto é, louváveis; 60:6; SI 77; 78; 135; 136).
·         Como "tudo o que o Senhor nos concedeu" (isto é, recompensas; Sl 13:6; 16:7).
·         Como "grande bondade" (isto é, atos de fidelidade à aliança; SI 23:6).
·         Como "misericórdias" (isto é, compaixão; ver na BEG, a nota sobre 14:1).
Ele afirmava que eles são seu povo, filhos que não mentirão, "Filhos fiéis" (Êx 4:22; Dt 14:1), ao contrário de 1:2-4 que fala de filhos criados pelo Senhor que a ele se rebelaram. Filhos que não procederão com falsidade e assim o Senhor se fez deles seu salvador.
Em toda a angústia deles, foi ele angustiado, sendo que o anjo de sua presença os salvou. O sofrimento de Israel no Egito (Êx 2.25) foi terrível, mas Deus esteve com eles. O Anjo da sua presença - Éx 14:19; 23:20-23 – os conduziu - Êx 19:4; Dt 1:31; 32:10-12.
No seu amor e na sua compaixão, ele os remiu, e os tomou, e os carregou todos os dias da antiguidade. Também fez assim durante o cativeiro assírio e babilônico. É certo que João diz por isso – Jo 3:16 - que Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu único filho para que todo aquele que nele crê, não pereça, mas tenha a vida eterna..
Apesar disso – vs. 10 – eles se rebelaram e contristaram o seu Espírito Santo. Quando o povo de Deus se rebela contra ele, isso traz tristeza e dor ao Espírito de Deus (cf. Sl 106:33, At 7:51; Et 4:30). Por isso é que Deus se fez inimigo deles e mesmo pelejou contra eles – vs. 11.
Em meio ao sufoco e às lutas por causa da rebelião, se lembraram do Senhor e dos dias da antiguidade, do período do êxodo e da caminhada no deserto, do mar Vermelho (Êx 14:21-15:21). Moises foi "pastor do seu rebanho". Jesus é nosso Pastor (Hb 13:20).
Eles perguntavam onde estava aquele que pôs no meio deles o seu Santo Espírito Santo, fazendo uma alusão a Nm 11:17,25.
Continuavam a se lembrar do braço glorioso – vs. 12, fazendo alusão a Êx 15:6; 51:9; do Senhor que fendeu as águas diante deles pra fazer um nome eterno para si mesmo - Êx 14:16,21; Sl 78:13; do Deus Todo-Poderoso que os guiou pelos abismos – vs. 13; Êx 15:5,8; Sl 106:9 sem se quer fazer tropeçar qualquer um deles; do Sumo Pastor de Israel que os fez descer ao vale como o gado – vs. 14 -, onde o Espirito de Deus lhes deu descanso e assim os guiou e nisso fez para si e para a nação de Israel um nome muito glorioso.
Depois dessas lembranças do Deus de Israel, eles fazem uma cobrança forte a Deus como se este não lhes desse a mínima. Eles rogavam que ele atentasse lá dos céus e visse lá de sua santa e gloriosa habitação. Onde estão, diziam eles, o seu zelo e as suas obras poderosas?
Será que Deus os abandonaria em definitivo e nada faria por eles? Teria Deus mesmo cessado sua ternura e estancado suas misericórdias para com eles?
No desespero da situação apelam a ele como Pai. Deus sempre foi o Pai do seu povo (64:8; Dt 32:6; Jr 3:4,19); eles são seus filhos por adoção (Êx 4:22-23; cf: Jo 8:41). Nem Abraão, nem Israel eram como ele, o Pai. O Pai não se esqueceria dos seus filhos, ainda que Abraão e Israel o fizesse, mas ele, o Pai, não! Somente Deus é o redentor e somente ele é desde a antiguidade, assim, somente ele pode libertar (vs: 5,8).
No verso 17, uma grande verdade teológica que dá nó na cabeça de muitos teólogos não acostumados com a soberania de Deus, com a responsabilidade humana e com o fato de não termos livre-arbítrio, ou seja, não sermos capazes de agir contrariamente à nossa natureza.
Esse verso diz bem assim: “Por que, ó Senhor, nos fazes errar dos teus caminhos? Por que endureces o nosso coração, para te não temermos? Faze voltar, por amor dos teus servos, as tribos da tua herança.”
Deus faz com que aqueles que o rejeitam se desviem (Rm 1:20-24). O Senhor endurece os corações dos incrédulos para lhes dar aquilo que desejam. “Portanto, tem misericórdia de quem quer, e a quem quer endurece.” – Rm 9:18.
Is 63:1 Quem é este, que vem de Edom, de Bozra,
                com vestiduras tintas de escarlate?
                               este que é glorioso no seu traje,
                                               que marcha na plenitude da sua força?
                                               Sou eu, que falo em justiça, poderoso para salvar.
                Is 63:2 Por que está vermelha a tua vestidura,
                               e as tuas vestes como as daquele que pisa no lagar?
                Is 63:3 Eu sozinho pisei no lagar,
                               e dos povos ninguém houve comigo;
                                               eu os pisei na minha ira,
                                                               e os esmaguei no meu furor,
                                                               e o seu sangue salpicou as minhas vestes,
                                                                              e manchei toda a minha vestidura.
                Is 63:4 Porque o dia da vingança estava no meu coração,
                               e o ano dos meus remidos é chegado.
                Is 63:5 Olhei, mas não havia quem me ajudasse;
                               e admirei-me de não haver quem me sustivesse;
                                               pelo que o meu próprio braço me trouxe a vitória;
                                                               e o meu furor é que me susteve.
                Is 63:6 Pisei os povos na minha ira,
                               e os embriaguei no meu furor;
                                               e derramei sobre a terra o seu sangue.
Is 63:7 Celebrarei as benignidades do Senhor,
                e os louvores do Senhor,
                               consoante tudo o que o Senhor nos tem concedido,
                                               e a grande bondade para com a casa de Israel,
                               bondade que ele lhes tem concedido
                                               segundo as suas misericórdias,
                                               e segundo a multidão das suas benignidades.
                Is 63:8 Porque dizia:
                               Certamente eles são meu povo,
                                               filhos que não procederão com falsidade;
                                                               assim ele se fez o seu Salvador.
                Is 63:9 Em toda a angústia deles foi ele angustiado,
                               e o anjo da sua presença os salvou;
                                               no seu amor, e na sua compaixão ele os remiu;
                                                              e os tomou, e os carregou
                                                                              todos os dias da antigüidade.
                Is 63:10 Eles, porém, se rebelaram,
                               e contristaram o seu santo Espírito;
                                               pelo que se lhes tornou em inimigo,
                                                               e ele mesmo pelejou contra eles.
                Is 63:11 Todavia se lembrou dos dias da antigüidade, de Moisés,
                               e do seu povo, dizendo:
                                               Onde está aquele que os fez subir do mar
                                                               com os pastores do seu rebanho?
                                               Onde está o que pôs no meio deles
                                                               o seu santo Espírito?
                Is 63:12 Aquele que fez o seu braço glorioso
                               andar à mão direita de Moisés?
                                               que fendeu as águas diante deles,
                                                               para fazer para si um nome eterno?
                Is 63:13 Aquele que os guiou pelos abismos,
                               como a um cavalo no deserto,
                                               de modo que nunca tropeçaram?
                Is 63:14 Como ao gado que desce ao vale,
                               o Espírito do Senhor lhes deu descanso;
                                               assim guiaste o teu povo,
                                                               para te fazeres um nome glorioso.
                Is 63:15 Atenta lá dos céus e vê, lá da tua santa e gloriosa habitação;
                               onde estão o teu zelo e as tuas obras poderosas?
                                               A ternura do teu coração e as tuas misericórdias
                                                               para comigo estancaram.
                 Is 63:16 Mas tu és nosso Pai, ainda que Abraão não nos conhece,
                               e Israel não nos reconhece; tu, ó Senhor, és nosso Pai;
                                                nosso Redentor desde a antigüidade é o teu nome.
                Is 63:17 Por que, ó Senhor, nos fazes errar dos teus caminhos?
                               Por que endureces o nosso coração, para te não temermos?
                                               Faze voltar, por amor dos teus servos,
                                                               as tribos da tua herança.
                Is 63:18 Só por um pouco de tempo o teu santo povo a possuiu;
                               os nossos adversários pisaram o teu santuário.
                Is 63:19 Somos feitos como aqueles sobre quem tu nunca dominaste,
                               e como os que nunca se chamaram pelo teu nome.
Ao endurecer os corações estaria Deus usurpando a sua justiça e tornando-a nula? Estaria Deus vilipendiando a vontade humana, tornando os seres criados em fantoches seus? De forma alguma. Deus é 100% justo e o homem 100% responsável.
O triste lamento do povo continua até o verso 19, mas não acusando a Deus, mas entendendo que ele é soberano e que a situação poderia mudar, por isso é que oram e pedem a Deus socorro.
O capítulo termina sem uma conclusão, mas apenas com o lamento e com a luta com Deus em oração.
p.s.: link da imagem original:
Contagem regressiva: Faltam 187 dias para 04/08/2015, quando eu irei concluir a Segmentação de toda a Bíblia.

A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdetehttp://www.jamaisdesista.com.br
...

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.