Vamos conhecer o Caminho do Senhor?

Saiba que "O caminho do SENHOR é fortaleza para os íntegros, mas ruína aos que praticam a iniqüidade." (Pv 10:29). Saiba também que aqui no 'JAMAIS DESISTA do Caminho do Senhor' você encontrará, todos os dias uma mensagem baseada na Bíblia que representa o pensamento do autor na sua contínua busca das coisas pertencentes ao reino de Deus e a sua justiça.

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

II Crônicas 10:1-19 - ROBOÃO REI DE ISRAEL - O REINO DIVIDIDO

PARTE III – O REINO DIVIDIDO – 10:1 A 28:27.

Os reinados deste período dividido, que ora teremos a oportunidade de estudar, mostram como o povo de Deus recebeu as bênçãos e também os julgamentos divinos numa época em que se encontrava desunido.

II Cr 10:1-19 Segmentação e Reflexões
O cronista – bem como também nós, em nossas reflexões com as adaptações ao texto que se fizerem necessárias -, usará de modo seletivo o material de I Rs 12:1 – II Rs 17.41.
Seu registro do período dividido evita grande parte da condenação enérgica do norte encontrada em Reis e se concentra nos acontecimentos em Judá, a cidade do templo e do rei.
Ao longo dessa seção, ele relatará como o nível de fidelidade nacional a Deus determinou as condições no reino.
Dividiremos esta parte, conforme BEG, em três: A. Julgamentos e bênçãos crescentes em Judá – 10:1 a 21:3. B. A corrupção do norte em Judá – 21:4 a 24:27. C. A deterioração decorrente da obediência superficial – 25:1 a 28:27.
De forma didática, esses acontecimentos visavam dar aos leitores pós-exílio uma visão mais clara das escolhas que resultariam em bênção ou maldição em seu próprio tempo.
A. Julgamentos e bênçãos crescentes em Judá – 10:1 a 21:3.
A primeira fase do reino dividido compreende – e também será nossa divisão para nossas reflexões – 4 partes: 1. O reinado de Roboão (10:1 - 12:16). 2. O reinado de Abias (13:1 - 14:1a). 3. O reinado de Asa (14:1b - 16:14). 4. O reinado de Josafá (17:1 – 21:3).
Os temas comuns entre esses reinados serão, como teremos a oportunidade de verificar:
·         O foco sobre a separação do Reino do Norte.
·         As narrativas de batalhas.
·         As reações à palavra de Deus.
1. O reinado de Roboão (10:1 - 12:16).
O relato sobre Roboão inclui boa parte do texto de Reis (cf. 10:1 -11:4 com I Rs 12:1-24; 12:9-16 com I Rs 14:21,25-31), expandido e reorganizado com uma ênfase teológica.
Dividiremos o reinado de Roboão em três seções paralelas: a. O pecado inicial de Roboão, o encontro profético e a benção - 10:1 -  11:23. b. O pecado posterior de Roboão, o encontro profético e a bênção - 12:1-12). c. O final do reinado de Roboão – 12:13 – 16, onde o cronista acrescentará um resumo do reinado e um aviso de morte.
Cada uma das partes consistirá numa situação problemática, num encontro profético e numa bênção divina.
Mediante esse arranjo, ele mostrará aos seus leitores pós-exílio um exemplo da maldição de Deus contra o orgulho e a infidelidade e ressaltará os benefícios de viver em humildade e obediência à palavra profética.
a. O pecado inicial de Roboão, o encontro profético e a benção - 10:1 -  11:23.
Esses capítulos tratam dos primeiros anos do reinado de Roboão. Também os dividiremos em duas partes as quais estarão relatando como seus pecados levaram Israel à rebelião (10:1-19) e falarão de sua sujeição à palavra profética de bênção (11:1-23).
(1) O pecado de Roboão e a rebelião de Israel – 10:1-19.
A primeira seção sobre o reinado de Roboão se concentrará em seus três primeiros anos como rei (11:17), um período durante o qual houve conflito entre Judá e Israel.
Podemos didaticamente dividir em duas partes, com seus trechos paralelos em I Reis – Roboão, de forma insensata e abusiva, causa separação entre as tribos – vs 1 ao 15, texto paralelo em I Rs 12:1-15; dez tribos seguem Jeroboão – vs 16 – 19, texto paralelo em I Rs 12:16-20.
Roboão reinou de 930 a 913 a.C. No período da monarquia dividida, o cronista usa essa expressão e outras semelhantes para indicar: somente o Reino do Sul (11:3; 12:1; 28:23), somente o Reino do Norte (v. 16; 11:13; 13:4,15), ou os dois reinos juntos (18:16; 24:5).
Com a morte de Salomão, seu filho Roboão reinou em seu lugar sem problemas algum por parte dos filhos de Israel. Foi em Siquém, um importante centro israelita – Js 8:30-35; 24:1-33 – situado na região norte de Efraim, cerca de 60 km de Jerusalém, que ele foi reunido com o povo para o fazerem rei.
Jeroboão ainda se achava no Egito, mas mandaram chama-lo porque Salomão já tinha morrido e não mais poderia prejudicá-lo e ele veio atendendo ao apelo do povo que por ele tinha estima, devido seu espírito de liderança e capacidade.
Ele veio e já foi procurar, pacificamente, ao novo rei prometendo lealdade e servidão por todo o tempo de sua vida e assim parecia que ia ser.
No entanto, Roboão não toma partido nem diz o que pensa, mas sabiamente, resolve consultar seus conselheiros e começa com os que dantes eram conselheiros de seu pai, mais maduros e experientes. Por fim consulta também aos jovens que com ele estavam começando o reinado.
As opiniões de ambos não foram unânimes, pelo contrário, enquanto os anciãos aprovavam a solicitação de Jeroboão, os jovens, a condenavam e mandaram Roboão falar-lhes asperamente.
Roboão atende aos conselhos dos jovens e fala duramente com Jeroboão que saiu dali para se tornar um líder rebelde por todo o tempo da vida de ambos.
Na multidão dos conselhos, já dizia o sábio, está a sabedoria! “Provérbios 24:6 Com medidas de prudência farás a guerra; na multidão de conselheiros está a vitória.”. No entanto, embora a vitória ou a sabedoria esteja na multidão, a escolha dela é outra coisa! Roboão escolheu não a sabedoria, nem a vitória, mas justamente aquilo que Deus tinha decidido.
Era plano de Deus essa divisão e nada mudaria isso! Foi profetizado pelo profeta Aias e agora estava para se suceder. Porque esta revolta vinha do SENHOR, para confirmar a palavra que o SENHOR tinha falado pelo ministério de Aías, o silonita, a Jeroboão, filho de Nebate.
Nos eventos da história, os sábios entenderão, mas os outros serão atropelados, sem nada entenderem. Por isso que Daniel fala de que os sábios entenderão e ensinarão a muitos, mas somente entenderão e serão igualmente alcançados aqueles que temem a Deus e andam segundo o seu propósito.
Daniel 11:33 Os sábios entre o povo ensinarão a muitos; todavia, cairão pela espada e pelo fogo, pelo cativeiro e pelo roubo, por algum tempo.
Daniel 11:35 Alguns dos sábios cairão para serem provados, purificados e embranquecidos, até ao tempo do fim, porque se dará ainda no tempo determinado.
Daniel 12:3 Os que forem sábios, pois, resplandecerão como o fulgor do firmamento; e os que a muitos conduzirem à justiça, como as estrelas, sempre e eternamente.
Daniel 12:10 Muitos serão purificados, embranquecidos e provados; mas os perversos procederão perversamente, e nenhum deles entenderá, mas os sábios entenderão.
Em tudo isso, Deus jamais violou o direito de escolha de qualquer um, nem deixou de ser soberano. Quem tiver ouvidos para ouvir, que ouça!
Até Adorão, que estava sobre os tributos que o rei Roboão enviara fora apedrejado e assim estava consagrada a divisão dos reinos. Agora Roboão era o rei unicamente de Judá e Benjamim e Jeroboão, o rei do norte, da outras dez tribos de Israel.
II Cr 10:1 E foi Roboão a Siquém, porque todo o Israel se reunira ali,
                para fazê-lo rei. II Cr 10:2 Sucedeu que, ouvindo-o Jeroboão,
                               filho de Nebate (o qual estava então no Egito para onde
                                               fugira da presença do rei Salomão), voltou do Egito,
                II Cr 10:3 Porque enviaram a ele, e o chamaram; e vieram,
                               Jeroboão e todo o Israel, e falaram a Roboão dizendo:
                                               II Cr 10:4 Teu pai fez duro o nosso jugo;
                                                               agora, pois, alivia tu a dura servidão de teu
                                                               pai, e o pesado jugo que nos impôs,
                                                                              e nós te serviremos.
                II Cr 10:5 E ele lhes disse:
                               Daqui a três dias voltai a mim. Então o povo se foi.
                II Cr 10:6 E tomou Roboão conselho com os anciãos,
                               que estiveram perante Salomão seu pai, enquanto viveu,
                                               dizendo:
                               Como aconselhais vós que se responda a este povo?
                II Cr 10:7 E eles lhe falaram, dizendo:
                               Se te fizeres benigno e afável para com este povo,
                               e lhes falares boas palavras, todos os dias serão teus servos.
                II Cr 10:8 Porém ele deixou o conselho que os anciãos lhe deram;
                               e tomou conselho com os jovens, que haviam crescido com
                                               ele, e estavam perante ele.
                II Cr 10:9 E disse-lhes:
                               Que aconselhais vós, que respondamos a este povo,
                                               que me falou, dizendo:
                                                               Alivia o jugo que teu pai nos impôs?
                II Cr 10:10 E os jovens, que com ele haviam crescido,
                               lhe falaram, dizendo:
                                               Assim dirás a este povo, que te falou:
                                               Teu pai agravou o nosso jugo, tu porém alivia-nos;
                                                               assim, pois, lhe falarás:
                                                               O meu dedo mínimo é mais grosso
                                                                              do que os lombos de meu pai.
                II Cr 10:11 Assim que, se meu pai vos carregou de um jugo pesado,
                               eu ainda aumentarei o vosso jugo; meu pai vos castigou com
                                               açoites, porém eu vos castigarei com escorpiões.
                II Cr 10:12 Veio, pois, Jeroboão, e todo o povo, ao terceiro dia,
                               a Roboão, como o rei havia ordenado, dizendo:
                                               Voltai a mim ao terceiro dia.
                II Cr 10:13 E o rei lhes respondeu asperamente;
                               porque o rei Roboão deixara o conselho dos anciãos.
                II Cr 10:14 E falou-lhes conforme o conselho dos jovens, dizendo:
                               Meu pai agravou o vosso jugo, porém eu o aumentarei mais;
                               meu pai vos castigou com açoites, porém eu vos castigarei
                                               com escorpiões.
                II Cr 10:15 Assim o rei não deu ouvidos ao povo,
                               porque esta mudança vinha de Deus,
                                               para que o SENHOR confirmasse a sua palavra,
                                                               a qual falara pelo ministério de Aías,
                                                               o silonita, a Jeroboão, filho de Nebate.
II Cr 10:16 Vendo, pois, todo o Israel, que o rei não lhe dava ouvidos,
                tornou-lhe o povo a responder, dizendo:
                               Que parte temos nós com Davi? Já não temos herança
                                               no filho de Jessé.
                Cada um à sua tenda, ó Israel!
                               Olha agora pela tua casa, ó Davi.
                                               Assim todo o Israel se foi para as suas tendas.
                II Cr 10:17 Porém, quanto aos filhos de Israel, que habitavam nas
                               cidades de Judá, sobre eles reinou Roboão.
                II Cr 10:18 Então o rei Roboão enviou a Hadorão,
                               que tinha cargo dos tributos; porém os filhos de Israel
                                               o apedrejaram, e ele morreu.
                Então o rei Roboão se esforçou para subir ao seu carro,
                               e fugiu para Jerusalém.
                II Cr 10:19 Assim se rebelaram os israelitas contra a casa de Davi,
                               até ao dia de hoje.
Veja que no verso 15, o texto segue Reis e explica que a reação de Roboão deve ser considerada à luz dos propósitos soberanos de Deus. A profecia de Aías a Jeroboão (1 Rs 11:29-39) se cumpriu com essa reviravolta.
A soberania divina vai além das ações pecaminosas dos seres humanos.
Sobre o assunto, não podemos deixar de aproveitar a oportunidade para ver um vídeo lançado pela Editora Fiel “Qual a Relação Entre um Deus Soberano e o Nosso Pecado?” por, R. W. Glenn (pastor da Redeemer Bible Church, desde 2002. Serviu por mais de sete anos como um dos pastores da Calvary Baptist Church, em East Millstone, NJ....) – link do vídeo: http://fiel.in/1uMtFu3.
A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdete – 
http://www.jamaisdesista.com.br
...

domingo, 28 de setembro de 2014

II Crônicas 9:1-31 - RECONHECIMENTO INTERNACIONAL, RIQUEZAS E, FINALMENTE, A MORTE DE SALOMÃO

Estamos no capítulo 9, no último capítulo da Parte II e nossas reflexões se encontram aqui:
Parte II – O REINO UNIDO – 9:35 a II CR 9:31.
B. O reinado de Salomão – II Cr 1:1 a 9:31.
Como já dissemos, estamos seguindo o quiasmo encontrado nos primeiros nove capítulos deste início de II Crônicas. Trata-se, como já falamos, de um quiasmo amplo (A B C D D' C' B' A’).
O padrão do reinado de Salomão é:
(A) A grande sabedoria e riqueza de Salomão (1:1-17) – já vista.
(B) Assistência internacional (2:1-18) – já vista.
(C) A construção e os móveis e utensílios do templo (3:1-5:1) – já vista.
(D) A dedicação do templo (5:2-7:10) – já vista.
(D') A resposta divina à dedicação (7:11-22) – já vista.
(C') A conclusão da construção do templo (8:1-16) – já vista.
(B') O reconhecimento internacional (8:17-9:21) – encerraremos agora.
(A') A grande sabedoria e riqueza (9:22-28) – também encerraremos agora.
O cronista encerra com um relato sucinto da morte de Salomão (9:29-31) – será finalizado neste capítulo.
Esta parte “B”, que irá até o capítulo 9, foi também dividido em nove partes, como o quiasmo acima, ao qual estamos já seguindo.
No presente capítulo 9, encontraremos os seguintes trechos paralelos em I Reis: A rainha Sabá visita a Salomão – vs 1 ao 12, texto paralelo em I Re 10:1 ao 13. As riquezas de Salomão – vs 13 ao 28, texto paralelo em I Re 10:14 ao 29. A morte de Salomão – vs 29 ao 31, texto paralelo em I Re 11:41 ao 43.
(B') O reconhecimento internacional (8:17-9:21) – continuação
Aqui o cronista tem se voltado para o tema do reconhecimento internacional recebido por Salomão. A passagem se concentra em Hirão – vs. 8:17 e 18, já vistos – e na rainha de Sabá – 9:1-12. A passagem também segue seu texto paralelo em I Re 9:26 até 10:13.
A rainha de Sabá – II Cr 9:1-13 e I Re 9:26 – 10:13.
O domínio de Salomão tinha se estendido até ao Oriente e suas ações prejudicaram o comércio das caravanas Árabes. A rainha de Sabá fez uma visita a Salomão, em parte para negociar um acordo comercial, mas acabou se surpreendendo com suas aptidões e realizações.
Até Jesus Cristo, o Messias esperado, falou da visita dela a Salomão. Lucas 11:31 A rainha do Sul se levantará, no Juízo, com os homens desta geração e os condenará; porque veio dos confins da terra para ouvir a sabedoria de Salomão. E eis aqui está quem é maior do que Salomão.
Isso demonstra que sua viagem não teve a motivação principal do acordo comercial, mas este com certeza acabou acontecendo.
Essa visita da rainha de Sabá foi, como já dissemos, mencionada por Cristo na qual, conta-se que ela saiu de sua terra para ouvir o que Salomão falava e que ao encontrá-lo verificou que nem a metade falaram sobre a sabedoria e sobre as palavras dele e ali estava ele, maior do que Salomão.
Dentre os homens pecadores, filhos de Adão, de fato, nunca houve, nem havia, nem haverá, conforme as Escrituras mesmo dizem, homem mais sábio e poderoso do que Salomão.
Sua sabedoria excedia em tudo e em todos os conhecimentos e níveis. Ele nem tinha buscado isso, antes queria tão simplesmente ser justo para com o povo de Deus e fazer justiças.
Era esse desejo de justiça, tão somente, o desejo de seu coração quando disse a Deus o que gostaria de receber diante da pergunta de Deus: “Pede-me o que queres que eu te dê” – I Re 3:5.
No entanto, Deus tanto se agradou de seu pedido por justiça e ainda mais que não era para a sua própria glória, mas buscando o bem geral da nação onde ele estava sendo posto como rei que Deus o honrou e lhe deu muito mais do que ele queria e lhe deu sabedoria, conhecimento e riquezas.
Assim, foi que a rainha de Sabá que veio do Egito, desconfiada, mas ficou pasma diante do rei Salomão que em tudo excedia as suas próprias expectativas e ela conversou com o rei e lhe fez perguntas e ele respondeu a todas elas.
Ela se admirou da organização, das construções, dos palácios, obras, objetos, riquezas, bens, servos e com ele fez acordos comerciais e ainda deixou todo aquele ouro ali na terra de Israel, o equivalente em toneladas a 4,5 Ton.
Saiu dali feliz e alegre por ter conhecido alguém especial demais e voltou para sua terra levando um pouco do que aprendera e, com certeza, um pouco da fé em Deus que lhe apareceu dando-lhe todas essas coisas.
Enquanto Salomão foi honrado, nosso Senhor, maior do que Salomão, foi totalmente desprezado em sua primeira vinda, mas estamos aguardando o seu retorno, o qual se dará em breve, sendo que todo o olho o verá.
 (A') A grande sabedoria e riqueza (9:22-28).
Sem dúvidas, esse reconhecimento internacional e suas riquezas prefiguraram a esperança de Israel de alcançar prosperidade e reconhecimento entre as nações no período pós-exílico.
Como dissemos, a rainha de Sabá tinha se admirado da organização, das construções, dos palácios, obras, objetos, riquezas, bens, servos e, por conta disso, com ele fez acordos comerciais e ainda deixou todo aquele ouro ali na terra de Israel, o equivalente em toneladas a 4,5 Ton. Realmente essa visita trouxe muitos benefícios para Israel.
A movimentação de ouro anual no reinado de Salomão chegava perto das 25 toneladas, ou seja, os 666 talentos de ouro. Também outras materiais preciosos e madeiras e todo tipo de joias, brilhantes. De fato, era um reinado próspero e rico, muito abastado também em mantimentos e especiarias.
II Cr 9:1 E ouvindo a rainha de Sabá a fama de Salomão,
                veio a Jerusalém, para prová-lo com questões difíceis,
                               com um grande séquito, e com camelos
                                               carregados de especiarias;
                                               ouro em abundância e pedras preciosas;
                               e foi a Salomão, e falou com ele de tudo
                                               o que tinha no seu coração.
                II Cr 9:2 E Salomão lhe respondeu a todas as suas questões;
                               e não houve nada que não lhe pudesse esclarecer.
                II Cr 9:3 Vendo, pois, a rainha de Sabá a sabedoria de Salomão,
                               e a casa que edificara; II Cr 9:4 E as iguarias da sua mesa,
                               o assentar dos seus servos, o estar dos seus criados,
                               e as vestes deles; e os seus copeiros e as vestes deles;
                               e a sua subida pela qual ele chegava à casa do SENHOR,
                                               ela ficou como fora de si.
                II Cr 9:5 Então disse ao rei:
                               Era verdade a palavra que ouvi na minha terra acerca
                                               dos teus feitos e da tua sabedoria.
                               II Cr 9:6 Porém não cria naquelas palavras, até que vim,
                                               e meus olhos o viram, e eis que não me disseram
                                               a metade da grandeza da tua sabedoria;
                                                               sobrepujaste a fama que ouvi.
                II Cr 9:7 Bem-aventurados os teus homens,
                               e bem-aventurados estes teus servos, que estão sempre diante
                                               de ti, e ouvem a tua sabedoria!
                II Cr 9:8 Bendito seja o SENHOR teu Deus, que se agradou de ti
                               para te colocar no seu trono como rei para o SENHOR
                                               teu Deus; porque teu Deus ama a Israel,
                                                               para estabelecê-lo perpetuamente;
                                               por isso te constituiu rei sobre eles para fazeres
                                                               juízo e justiça.
                II Cr 9:9 E deu ao rei cento e vinte talentos de ouro,
                               e especiarias em grande abundância, e pedras preciosas;
                               e nunca houve tais especiarias, quais a rainha de Sabá
                                               deu ao rei Salomão.
                II Cr 9:10 E também os servos de Hirão e os servos de Salomão,
                               que de Ofir tinham trazido ouro, trouxeram madeira
                                               de algumins, e pedras preciosas.
                II Cr 9:11 E, da madeira de algumins, o rei fez balaústres,
                               para a casa do SENHOR, e para a casa do rei,
                                               como também harpas e saltérios para os cantores,
                                               quais nunca dantes se viram na terra de Judá.
                II Cr 9:12 E o rei Salomão deu à rainha de Sabá
                               tudo quanto ela desejou, e tudo quanto lhe pediu,
                                               mais do que ela mesma trouxera ao rei.
                Assim voltou e foi para a sua terra, ela e os seus servos.
II Cr 9:13 E o peso do ouro, que vinha em um ano a Salomão,
                era de seiscentos e sessenta e seis talentos de ouro,
                II Cr 9:14 Afora o que os negociantes e mercadores traziam;
                               também todos os reis da Arábia, e os governadores da mesma
                                               terra traziam a Salomão ouro e prata.
                II Cr 9:15 Também fez o rei Salomão
                               duzentos paveses de ouro batido; para cada pavês destinou
                                               seiscentos siclos de ouro batido.
                II Cr 9:16 Como também trezentos escudos de ouro batido;
                               para cada escudo destinou trezentos siclos de ouro;
                                               e Salomão os pôs na casa do bosque do Líbano.
                II Cr 9:17 Fez mais o rei um grande trono de marfim,
                               e o revestiu de ouro puro.
                II Cr 9:18 E o trono tinha seis degraus, e um estrado de ouro,
                               que eram ligados ao trono, e encostos de ambos os lados
                                               no lugar do assento; e dois leões
                                                               estavam junto aos encostos.
                II Cr 9:19 E doze leões estavam ali de ambos os lados,
                               sobre os seis degraus; outro tal não se fez em nenhum reino.
                II Cr 9:20 Também todas as taças do rei Salomão eram de ouro,
                               e todos os vasos da casa do bosque do Líbano, de ouro puro;
                                               a prata reputava-se por nada nos dias de Salomão.
                II Cr 9:21 Porque, indo os navios do rei com os servos de Hirão,
                               a Társis, voltavam os navios de Társis, uma vez em três anos,
                                               e traziam ouro e prata, marfim, bugios e pavões.
                II Cr 9:22 Assim excedeu o rei Salomão a todos os reis da terra,
                               em riquezas e sabedoria.
                II Cr 9:23 E todos os reis da terra buscavam a presença de Salomão,
                               para ouvirem a sabedoria que Deus tinha posto
                                               no seu coração.
                II Cr 9:24 E cada um trazia o seu presente, vasos de prata,
                               e vasos de ouro, e roupas, armaduras, especiarias, cavalos
                                               e mulas; assim faziam de ano em ano.
                II Cr 9:25 Teve também Salomão quatro mil estrebarias
                               para os cavalos de seus carros, e doze mil cavaleiros;
                                               e colocou-os nas cidades dos carros,
                                                               e junto ao rei em Jerusalém.
                II Cr 9:26 E dominava sobre todos os reis, desde o rio até à terra
                               dos filisteus, e até ao termo do Egito.
                II Cr 9:27 Também o rei fez que houvesse prata em Jerusalém
                               como pedras, e cedros em tanta abundância
                                               como os sicômoros que há pelas campinas.
                II Cr 9:28 E do Egito e de todas aquelas terras traziam
                               cavalos a Salomão.
II Cr 9:29 Os demais atos de Salomão, tanto os primeiros como os últimos,
                porventura não estão escritos no livro das crônicas de Natã, o profeta,
                               e na profecia de Aías, o silonita, e nas visões de Ido,
                                               o vidente, acerca de Jeroboão, filho de Nebate?
                II Cr 9:30 E reinou Salomão em Jerusalém quarenta anos
                               sobre todo o Israel.
                II Cr 9:31 E dormiu Salomão com seus pais, e o sepultaram
                               na cidade de Davi seu pai;
                                               e Roboão, seu filho, reinou em seu lugar.
Relato sucinto da morte de Salomão (9:29-31).
Antes de finalizarmos essa Parte II, em II Crônicas, queremos ressaltar que o presente cronista, aqui, omitiu a profanação do culto por Salomão, conforme se vê em I Re 9:26 a 11:13.

Depois do relato de como Salomão instituiu o templo como único local aceitável para a adoração a Deus, o autor, em Reis, de I Re 9:26 a 11:13,  tinha se voltado para um período da vida do rei durante o qual ele profanou o culto em Israel.
Conforme o autor de I Reis, essas indicações já foram antes previamente preparadas pelo narrador bíblico – I Re 3:1-3; 7:8; 9:24-26 -, mas agora estava tratando diretamente do envolvimento de Salomão com outras nações – I Re 9:26 a 10:29 - o que o levou a se casar com várias mulheres estrangeiras que, tragicamente,  conduziram Salomão à idolatria – I Re 11:1-13.
Tudo isso foi omitido aqui nessa narrativa, pois era desejo do cronista apresentar Salomão como um modelo para a comunidade pós-exílio. O autor omite os problemas causados pelas esposas estrangeiras do rei – I Re 11:1-40.
Ele passa da glória do rei diretamente para o final do seu reinado, de maneira semelhante àquela como deixou fora o pecado de Davi com Bate-Seba e os problemas decorrentes ocorridos em seu reino.
A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdete – 
http://www.jamaisdesista.com.br
...

sábado, 27 de setembro de 2014

II Crônicas 8:1-18 - A CONCLUSÃO DA CONSTRUÇÃO DO TEMPLO

Estamos no capítulo 8 e nossas reflexões se encontram aqui:
Parte II – O REINO UNIDO – 9:35 a II CR 9:31.
B. O reinado de Salomão – II Cr 1:1 a 9:31.
Como já dissemos, estamos seguindo o quiasmo encontrado nos primeiros nove capítulos deste início de II Crônicas. Trata-se, como já falamos, de um quiasmo amplo (A B C D D' C' B' A’).
O padrão do reinado de Salomão é:
(A) A grande sabedoria e riqueza de Salomão (1:1-17) – já vista.
(B) Assistência internacional (2:1-18) – já vista.
(C) A construção e os móveis e utensílios do templo (3:1-5:1) – concluiremos neste capítulo.
(D) A dedicação do templo (5:2-7:10) – estamos vendo agora.
(D') A resposta divina à dedicação (7:11-22).
(C') A conclusão da construção do templo (8:1-16).
(B') O reconhecimento internacional (8:17-9:21).
(A') A grande sabedoria e riqueza (9:22-28).
O cronista encerra com um relato sucinto da morte de Salomão (9:29-31).
Esta parte “B”, que irá até o capítulo 9, foi também dividido em nove partes, como o quiasmo acima, ao qual estamos já seguindo.
No presente capítulo 8, encontraremos somente um trecho paralelo em I Reis: As demais atividades de Salomão – vs 1 ao 17, texto paralelo em I Re 9:10 ao 28.
(C') A conclusão da construção do templo (8:1-16).
Aqui o cronista relatará vários projetos de construção e organização do templo, em paralelo com o material de 3:1 a 5:1 e para isso, segue aproximadamente o texto de I Re 9:10-28.
Dá para se notar a sua preocupação em mostrar ao povo do pós-exílio somente aspectos positivos e edificantes do reinado de Salomão e isso, verdadeiramente, não é bom!
Aqueles que serviram a Salomão depois das construções, num paralelo com 5:1-18, o narrador bíblico irá falar de 1. Hirão – 8:1-6; I Re 9:10-14 e, em seguida, de 2. Trabalhadores conscritos – 8: 7-16; I Re 9:15-23.
1. Hirão – 8:1-6; I Re 9:10-14.
Depois dos vinte anos de construções, Hirão que muito ajudou nessas obras, esperava da parte de Salomão uma melhor paga para ele, mas Salomão lhe deu terras que não foram bem recebidas.
Hirão chegou a dar para as construções cerca de quatro toneladas e meia de outro (120 talentos) e o pagamento que recebeu de Salomão foi de vinte cidades da Galiléia que não o agradou.
Salomão havia dado essas cidades a Hirão, e este, posteriormente, as devolveu (1 Rs 9.10-14). O autor omite esse detalhe a fim de se concentrar nas benfeitorias realizadas por Salomão nesses lugares.
2. Trabalhadores conscritos – 8: 7-16; I Re 9:15-23.
Ainda há mais detalhes sobre os trabalhadores e as obras que realizaram depois da construção do templo.
Houve na época das construções o emprego de mão de obra forçada tanto da parte dos egípcios como das terras que deveriam ter sido eliminadas de Israel como os amorreus, heteus, perizeus, heveus, e jebuseus. Salomão não se utilizou de trabalho escravo ou forçado da parte dos filhos de Israel.
As obras de Salomão construídas no período foram:
·  A Casa do Senhor.
·  A sua própria casa – seu palácio real.
· As fortificações das cidades de Milo, Jerusalém – construção do muro -, Hazon, Megido e Gezer.
Com isso ele estava se garantindo nas rotas comerciais de forma que nada ali passava sem que ele tivesse controle e sem que pudesse exercer fiscalizações e cobrar taxas e impostos.
O narrador bíblico menciona novamente a mudança da filha de Faraó e as práticas de sacrifícios, exclusivamente, no templo como seria feito doravante.
O livro de Reis também relata que Salomão transferiu a sua esposa egípcia para outro lugar (1 Rs 9.24). O cronista aqui acrescenta o detalhe referente à sua motivação.
Salomão tirou a sua esposa gentia da cidade de Davi em consideração à arca e ao complexo constituído pelo templo e pelo palácio.
Ao contrário dos autores dos livros de Reis (1 Rs 11:1-13) e Neemias (Ne 13:26-27), o cronista não comenta de maneira negativa os casamentos de Salomão com as mulheres estrangeiras.
Assim, ele, nas festas instituídas por Deus – Festa dos Pães Asmos (incluindo a Páscoa), a Festa das Semanas e a Festa dos Tabernáculos (Ex 23:14-17; 34:18-24; Lv 23:1-44; Dt 16:1-17) - sempre estava a oferecer sacrifícios pacíficos e holocaustos ao Senhor.
Nos versos 12 e 13, podemos ver que motivado pelo interesse do templo, o cronista fornece detalhes acerca do culto, dos levitas e dos sacerdotes que vão além do material dos livros de Reis que lhe serviram de fonte.
II Cr 8:1 E sucedeu, ao fim de vinte anos,
                nos quais Salomão edificou a casa do SENHOR,
                               e a sua própria casa,
                II Cr 8:2 Que Salomão edificou as cidades que Hirão lhe tinha dado;
                               e fez habitar nelas os filhos de Israel.
                II Cr 8:3 Depois foi Salomão a Hamate-Zobá, e a tomou.
                II Cr 8:4 Também edificou a Tadmor no deserto,
                               e todas as cidades de provisões, que edificou em Hamate.
                II Cr 8:5 Edificou também a alta Bete-Horom, e a baixa Bete-Horom;
                               cidades fortes, com muros, portas e ferrolhos;
                II Cr 8:6 Como também a Baalate, e todas as cidades de provisões,
                                que Salomão tinha, e todas as cidades dos carros
                                               e as cidades dos cavaleiros;
                               e tudo quanto, conforme ao seu desejo,
                                               Salomão quis edificar em Jerusalém, e no Líbano,
                                                               e em toda a terra do seu domínio.
II Cr 8:7 Quanto a todo o povo, que tinha ficado dos heteus,
                amorreus, perizeus, heveus e jebuseus, que não eram de Israel,
                II Cr 8:8 Dos seus filhos, que ficaram depois deles na terra,
                               os quais os filhos de Israel não destruíram,
                                               Salomão os fez tributários, até ao dia de hoje.
                II Cr 8:9 Porém, dos filhos de Israel, Salomão não fez servos
                               para sua obra (mas eram homens de guerra, chefes dos seus
                                               capitães, e capitães dos seus carros e cavaleiros),
                II Cr 8:10 Destes, pois, eram os chefes dos oficiais
                               que o rei Salomão tinha, duzentos e cinqüenta,
                                               que presidiam sobre o povo.
II Cr 8:11 E Salomão fez subir a filha de Faraó da cidade de Davi
                para a casa que lhe tinha edificado; porque disse:
                               Minha mulher não morará na casa de Davi, rei de Israel,
                                               porquanto santos são os lugares nos quais entrou
                                                               a arca do SENHOR.
II Cr 8:12 Então Salomão ofereceu holocaustos ao SENHOR,
                sobre o altar do SENHOR, que tinha edificado diante do pórtico,
                II Cr 8:13 E isto segundo a ordem de cada dia, fazendo ofertas
                               conforme o mandamento de Moisés, nos sábados e nas luas
                                               novas, e nas solenidades, três vezes no ano;
                                                               na festa dos pães ázimos,
                                                               na festa das semanas,
                                                               e na festa das tendas.
II Cr 8:14 Também, conforme à ordem de Davi seu pai,
                designou as turmas dos sacerdotes para seus ministérios,
                               como também as dos levitas acerca dos seus cargos,
                                               para louvarem e ministrarem diante dos sacerdotes,
                                               segundo o que estava ordenado para cada dia,
                               e os porteiros pelas suas turmas a cada porta;
                                               porque assim tinha mandado Davi,
                                                               o homem de Deus.
                II Cr 8:15 E não se desviaram do mandado do rei aos sacerdotes
                               e levitas, em negócio nenhum, nem acerca dos tesouros.
                II Cr 8:16 Assim se preparou toda a obra de Salomão,
                               desde o dia da fundação da casa do SENHOR, até se acabar;
                                               e assim se concluiu a casa do SENHOR.
II Cr 8:17 Então foi Salomão a Eziom-Geber, e a Elote, à praia do mar,
                na terra de Edom.
                II Cr 8:18 E enviou-lhe Hirão, por meio de seus servos, navios,
                               e servos práticos do mar, e foram com os servos de Salomão
                                               a Ofir, e tomaram de lá quatrocentos e cinqüenta
                                                               talentos de ouro;
                               e os trouxeram ao rei Salomão.
Veremos a partir de agora mais informações sobre as relações internacionais de Salomão.
(B') O reconhecimento internacional (8:17-9:21)
A partir do verso 17, veremos Israel se envolvendo com várias relações comerciais internacionais que trouxeram bênçãos econômicas para Israel e, desse modo, ficaram extremamente valiosas para a nação, no entanto, por causa do envolvimento de Salomão com muitas mulheres estrangeiras, isso acabou pervertendo o seu coração e este acabou profanando o culto ao Senhor.
A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdete – 
http://www.jamaisdesista.com.br
...