quinta-feira, 3 de julho de 2014

II Reis 18:1-37 - EZEQUIAS MODELO E PADRÃO DE CONFIANÇA EM DEUS

Parte III – SOMENTE JUDÁ (715-586 A.C.) – 18:1 – 25:30
Estava, agora, Israel, o Reino do Norte, no cativeiro da Assíria, de seu rei Sargão II porquanto ele e os seus reis, no total 20, incluindo-se Oseias, haviam abandonado a Deus e tinham adorado deuses pagãos – II Re 17:7-18; 21-23; 18:12.
Essa deportação de populações inteiras para outras regiões do império tinha por objetivo a garantia de seu domínio. Assim ficavam eliminados os possíveis focos de resistência nos territórios submetidos – II Re 17:6,24. Mais tarde, os babilônios empregariam o mesmo método _ II Re 25:1-12, com Judá.
Isso também afetava de um modo especial as classes dirigentes, como funcionários do reino, sacerdotes, administradores dos bens da coroa e grandes latifundiários – II Re 24:14.
Os deportamentos, diz a BEG,  foram levados para o norte da Mesopotânia e para a região da Média, a leste do rio Tigre. Tanto Gozã como “as cidades dos medos” ficavam na fronteira do império assírio, em áreas que haviam sido anexadas ao império pouco tempo antes.
Agora, o narrador bíblico se volta somente para Judá para continuar com a descrição dos reis de Judá.
Veremos que os últimos anos de Judá revelarão como Deus recompensará a fidelidade de modo maravilhoso e como julgará a casa de Davi com severidade por causa de sua apostasia ostensiva. E, no entanto, a história se encerrará com um lembrete sutil de que Deus havia prometido restaurar a casa de Davi depois do exílio.
Essa última parte de I e II de Reis será dividida em 9 partes, indo de “A” até “I”, que abordará as histórias dos reis Ezequias, Manassés, Amom, Josias, Jeoacaz, Jeoaquim, Joaquim, Zedequias e, finalmente, do exílio.
A. Ezequias (715-686 a.C.) – 18:1 – 25:30.
A história do rei Ezequias, muito elogiado, no início deste capítulo pelo narrador bíblico, a ponto de considerá-lo o melhor antes e o melhor depois dele, não havendo outro igual, também dividiremos em quatro partes. 1. O início do reinado – 18:1-4. 2. Resumo do reinado de Ezequias – 18:5-8. 3. As invasões assírias – 18:9-20:19. 4. O final do reinado – 20:20-21.
1. O início do reinado – 18:1-4.
Ao contrário de seu pai Acaz, Ezequias foi um exemplo no seu reinado. Ele foi um rei extraordinário  em vários sentidos, inclusive na sua oposição à idolatria.
O ano em que começou a reinar foi o terceiro do rei Oseias, filho de Elá, rei de Israel. Começou com apenas 25 anos e reinou por 29 anos. Sua mãe se chamava Abi, filha de Zacarias. Fez o que era reto diante do Senhor, conforme fez Davi, seu pai.
É interessante que o modelo de comparação dos reis de Judá sempre tiveram por base o rei Davi – I Re 3:14; 9:4; 11:4; 14:8; 15:3; II Re 8:18,19; 22:2. Davi, como pai de Salomão, cometeu muitos erros – II Sm 11; 12; 24:1-15; I Re 15:5 – porém, mesmo quando pecava, a atitude contrita de Davi era exemplar – II Sm 12:16,17; 24:9-17.
Em nenhuma ocasião o narrador bíblico registra que Davi tenha adorado a algum deus falso. Sua devoção constante a Deus era inabalável. Por isso que era, é e sempre será um modelo a ser seguido como rei e um modelo de homem segundo o coração de Deus.
Ezequias, inclusive, removeu os altos, coisa que nenhum rei antes dele teve coragem de fazer. Ele reformou o culto do se povo destruindo os santuários pagãos. Ainda quebrou ele as colunas e deitou abaixo o poste-ídolo e fez em pedaços a serpente de bronze que Moisés fizera, porque até àquela época os filhos de Israel lhe queimavam incenso e lhe chamavam Neustã.
Essa serpente foi preservada no inicio como memorial da misericórdia de Deus para com os israelitas quando estavam no deserto – Nm 21:6-9 -, com o tempo, havia se tornado um objeto de adoração idólatra que fazia o povo pecar. Ezequias, temente a Deus e zeloso dele, a destruiu evitando assim que novas gerações caíssem nesse erro maligno.
2. Resumo do reinado de Ezequias – 18:5-8.
Aqui nesses versos, o escritor apresenta uma visão geral do caráter e das realizações de Ezequias.
Já começa rasgando um elogio a ele de forma muito especial porquanto sua opção foi a de confiar no Senhor. É uma das qualidades de homem de Deus que mais prezo e a que mais mexe comigo em meu ser.
Ezequias foi especialmente notável – padrão - na maneira como confiou no Senhor – vs 5, assim, como foram notáveis também, Salomão pela sua sabedoria – I Re 3:12 – e Josias, pela reforma que fez – II Re 23:25.
Sendo essa a sua opção a de confiar no Senhor e a ele se apegar não deixando de segui-lo e guardando os seus mandamentos, o Senhor foi com ele. Para onde ia, lograva bom êxito e assim, rebelou-se contra o rei da Assíria e não o serviu; feriu os filisteus até Gaza e seus limites, desde as atalaias dos vigias até à cidade fortificada.
3. As invasões assírias – 18:9-20:19.
O narrador bíblico descreve vários aspectos importantes das invasões assírias à Terra Prometida. Seu registro apresenta duas partes principais:  a destruição anterior de Samaria – 18:9 a 12 - e o ataque de Senaqueribe a Judá – 18:13 – 20:19.
a. A queda de Samaria – 18:9-12.
Nesses versos, o narrador fornece um resumo da queda de Samaria, um acontecimento narrado em detalhes em 17:1-6 e comentado em 17:7-23 o que serve de prelúdio para o conteúdo a seguir.
O interessante é o período do cerco que durou três anos. Tempo esse que daria condições de se arrepender e ter assim mudada a sua história, no entanto a opção deles foi pelo endurecimento de seus corações. Não obedeceram à voz do SENHOR seu Deus, antes transgrediram a sua aliança; e tudo quanto Moisés, servo do SENHOR, tinha ordenado, nem o ouviram nem o fizeram.
b. A invasão de Judá por Senaqueribe - 18:13 – 20:19.
Já se havia passado alguns anos do exílio de Israel, mais precisamente, 10 anos, se contados a partir do cerco de Israel, e Senaqueribe, rei da Assíria subiu contra as cidades fortificadas de Judá e as tomou. Este tinha substituído a Sargão II, em 705 a.C.
Percebendo o perigo do cerco de Judá, Ezequias reúne mensageiros para irem ao encontro de Senaqueribe para pagar tributos a fim de ficar livre. O rei assírio diz o valor dos tributos que seria de trezentos talentos de prata e trinta de ouro.
Ezequias, inadvertidamente, indo contra a sua fé e confiança característica dele, usa os recursos do tesouro do templo e do palácio para pagá-lo. Ao fazer isso se fez igual aso reis que o antecederam Asa – I RE 15:18 – e seu próprio pai, Acaz – II Re 16:8-9.
Nos anais de Senaqueribe, conforme BEG, constam uma campanha contra a Fenícia, Judá e cidades da Filístia e o Egito. Ele declara ter tomado 46 cidades e muitos vilarejos. Também se orgulha de ter prendido Ezequias em Jerusalém, como “um pássaro na gaiola”, mas os mesmos registros não declaram que tenha conquistado Jerusalém. Em seus anais também contam que Ezequias lhe enviou um grande tributo.
A partir do verso 17, começa a descrição do ataque à Jerusalém, onde Senaqueribe a sitiou fazendo a destruição de Ezequias parecer inevitável.
Estudiosos do assunto, afirmam que essa investidura de Senaqueribe tenha se dado uns 12 a 13 anos depois de sua primeira investida contra Ezequias. O fato é que Ezequias enviou o tributo a ele, mas não abdicou, como era o costume dos reis assírios fazer com os reis que eles dominavam de alguma forma.
Rabsaqué, da parte do rei da Assíria, começa a afrontar tanto a Ezequias quanto ao Senhor – vs 19 a 26. E o tema da afronta é, principalmente, a confiança no Senhor é inútil diante dos assírios.
Naquele momento pediram a Rabsaqué para falar  em aramaico somente para que não caísse no ouvido do povo, pois eles lhes falavam em judaico.
Foi então que Rabsaqué ficou ainda mais ousado e atrevido e falava em judaico abertamente para que todos ouvissem e ficassem atemorizados com os assírios.
A sua afronta atingiu o ápice quando disse em alto e bom som que como eram eles, os deuses das nações que não puderam livrá-los de suas mãos, tal seria para o Senhor ser impossível o seu socorro – vs 33 a 35.
O povo ficou calado e nada respondeu, pois assim tinha ensinado o rei Ezequias para que ficassem calados. Todos estavam apavorados, em pânico, em panos de saco e cinzas, com suas vestes rasgadas e humilhando-se diante do Senhor.
II Re 18:1 E sucedeu que, no terceiro ano de Oséias, filho de Elá, rei de Israel,
            começou a reinar Ezequias, filho de Acaz, rei de Judá.
            II Re 18:2 Tinha vinte e cinco anos de idade quando começou a reinar,
                        e vinte e nove anos reinou em Jerusalém;
                        e era o nome de sua mãe Abi, filha de Zacarias.
            II Re 18:3 E fez o que era reto aos olhos do SENHOR,
                        conforme tudo o que fizera Davi, seu pai.
            II Re 18:4 Ele tirou os altos, quebrou as estátuas,
                        deitou abaixo os bosques, e fez em pedaços a serpente de metal
                                   que Moisés fizera; porquanto até àquele dia os filhos
                                               de Israel lhe queimavam incenso,
                                                           e lhe chamaram Neustã.
            II Re 18:5 No SENHOR Deus de Israel confiou,
                        de maneira que depois dele não houve quem lhe fosse
                                   semelhante entre todos os reis de Judá,
                                               nem entre os que foram antes dele.
            II Re 18:6 Porque se chegou ao SENHOR, não se apartou dele,
                        e guardou os mandamentos que o SENHOR tinha dado
                                   a Moisés.
            II Re 18:7 Assim foi o SENHOR com ele; para onde quer que saía
                        se conduzia com prudência; e se rebelou contra o rei da Assíria,
                                   e não o serviu.
            II Re 18:8 Ele feriu os filisteus até Gaza, como também os seus
                        termos, desde a torre dos atalaias até à cidade fortificada.
            II Re 18:9 E sucedeu, no quarto ano do rei Ezequias
                        (que era o sétimo ano de Oséias, filho de Elá, rei de Israel),
                        que Salmanasar, rei da Assíria, subiu contra Samaria,
                                   e a cercou.
            II Re 18:10 E a tomaram ao fim de três anos, no ano sexto de
                        Ezequias, que era o ano nono de Oséias, rei de Israel,
                                   quando tomaram Samaria.
            II Re 18:11 E o rei da Assíria transportou a Israel para a Assíria;
                        e os fez levar a Hala e a Habor, junto ao rio de Gozã,
                                   e às cidades dos medos;
            II Re 18:12 Porquanto não obedeceram à voz do SENHOR
                        seu Deus, antes transgrediram a sua aliança;
                                   e tudo quanto Moisés, servo do SENHOR,
                                   tinha ordenado, nem o ouviram nem o fizeram.
            II Re 18:13 Porém no ano décimo quarto do rei Ezequias subiu
                        Senaqueribe, rei da Assíria, contra todas as cidades
                                   fortificadas de Judá, e as tomou.
            II Re 18:14 Então Ezequias, rei de Judá, enviou ao rei da Assíria,
                        a Laquis, dizendo:
                                   Pequei; retira-te de mim; tudo o que me impuseres
                                               suportarei.
            Então o rei da Assíria impôs a Ezequias, rei de Judá,
                        trezentos talentos de prata e trinta talentos de ouro.
            II Re 18:15 Assim deu Ezequias toda a prata que se achou na casa
                        do SENHOR e nos tesouros da casa do rei.
            II Re 18:16 Naquele tempo cortou Ezequias o ouro das portas do
                        templo do SENHOR, e das ombreiras, de que ele,
                                   rei de Judá, as cobrira, e o deu ao rei da Assíria.
            II Re 18:17 Contudo enviou o rei da Assíria a Tartã, e a Rabe-Saris,
                        e a Rabsaqué, de Laquis, com grande exército ao rei
                                   Ezequias, a Jerusalém; subiram, e vieram a
                                               Jerusalém.
                        E, subindo e vindo eles, pararam ao pé do aqueduto da piscina
                                   superior, que está junto ao caminho do campo
                                               do lavandeiro.
            II Re 18:18 E chamaram o rei; e saíram a eles Eliaquim,
                        filho de Hilquias, o mordomo, e Sebna, o escrivão,
                                   e Joá, filho de Asafe, o cronista.
            II Re 18:19 E Rabsaqué lhes disse:
                        Ora, dizei a Ezequias:
                                   Assim diz o grande rei, o rei da Assíria:
                                               Que confiança é esta em que te estribas?
                        II Re 18:20 Dizes tu (porém são palavras só de lábios):
                                   Há conselho e poder para a guerra. Em quem, pois,
                                               agora confias, que contra mim te rebelas?
                        II Re 18:21 Eis que agora tu confias naquele bordão de cana
                                   quebrada, no Egito, no qual, se alguém se encostar,
                                   entrar-lhe-á pela mão e a furará; assim é Faraó,
                                   rei do Egito, para com todos os que nele confiam.
                        II Re 18:22 Se, porém, me disserdes:
                                   No SENHOR nosso Deus confiamos;
                                               porventura não é esse aquele cujos altos
                                               e cujos altares Ezequias tirou, dizendo a
                                                           Judá e a Jerusalém:
                                   Perante este altar vos inclinareis em Jerusalém?
            II Re 18:23 Ora, pois, dá agora reféns ao meu senhor,
                        o rei da Assíria, e dar-te-ei dois mil cavalos,
                                   se tu puderes dar cavaleiros para eles.
            II Re 18:24 Como, pois, farias virar o rosto de um só capitão
                        dos menores servos de meu senhor, quando tu confias no Egito,
                                   por causa dos carros e cavaleiros?
            II Re 18:25 Agora, pois, subi eu porventura sem o SENHOR contra
                        este lugar, para o destruir? O SENHOR me disse:
                                   Sobe contra esta terra, e destrói-a.
            II Re 18:26 Então disse Eliaquim, filho de Hilquias, e Sebna e Joá,
                        a Rabsaqué:
                                   Rogamos-te que fales aos teus servos em siríaco;
                                   porque bem o entendemos; e não nos fales em judaico,
                                   aos ouvidos do povo que está em cima do muro.
            II Re 18:27 Porém Rabsaqué lhes disse:
                        Porventura mandou-me meu senhor somente a teu senhor e a ti,
                                   para falar estas palavras e não antes aos homens, que
                                   estão sentados em cima do muro, para que juntamente
                                               convosco comam o seu excremento
                                                           e bebam a sua urina?
            II Re 18:28 Rabsaqué, pois, se pôs em pé, e clamou em alta voz em
                        judaico, e respondeu, dizendo:
                                   Ouvi a palavra do grande rei, do rei da Assíria.
            II Re 18:29 Assim diz o rei:
                        Não vos engane Ezequias; porque não vos poderá livrar da
                                   sua mão; II Re 18:30 Nem tampouco vos faça
                                               Ezequias confiar no SENHOR, dizendo:
                        Certamente nos livrará o SENHOR, e esta cidade não será
                                   entregue na mão do rei da Assíria.
                        II Re 18:31 Não deis ouvidos a Ezequias; porque assim diz
                                   o rei da Assíria:
                        Contratai comigo por presentes, e saí a mim, e coma cada um
                                   da sua vide e da sua figueira, e beba cada um a água
                                               da sua cisterna;
                        II Re 18:32 Até que eu venha, e vos leve para uma terra como
                                   a vossa, terra de trigo e de mosto, terra de pão e de
                                   vinhas, terra de oliveiras, de azeite e de mel; e assim
                                               vivereis, e não morrereis;
                                   e não deis ouvidos a Ezequias; porque vos incita,
                                               dizendo: O SENHOR nos livrará.
            II Re 18:33 Porventura os deuses das nações puderam livrar,
                        cada um a sua terra, das mãos do rei da Assíria?
            II Re 18:34 Que é feito dos deuses de Hamate e de Arpade?
            Que é feito dos deuses de Sefarvaim, Hena e Iva?
                        Porventura livraram a Samaria da minha mão?
            II Re 18:35 Quais são eles, dentre todos os deuses das terras,
                        que livraram a sua terra da minha mão,
                        para que o SENHOR livrasse a Jerusalém da minha mão?
            II Re 18:36 Porém calou-se o povo, e não lhe respondeu uma só
                        palavra; porque mandado do rei havia, dizendo:
                                   Não lhe respondereis.
            II Re 18:37 Então Eliaquim, filho de Hilquias, o mordomo, e Sebna,
                        o escrivão, e Joá, filho de Asafe, o cronista, vieram a Ezequias
                                   com as vestes rasgadas, e lhe fizeram saber as
                                               palavras de Rabsaqué.
Para um rei cuja bandeira dele era a confiança em Deus, agora havia uma situação que exigiria dele total confiança no Senhor, pois Senaqueribe estava ali em cerco a Jerusalém pronto para a devorar e nada parecia que pudesse ser feito para impedir o grande massacre.
Ezequias como bom servo do Senhor buscando uma saída resolve fazer uma consulta ao Senhor por meio do seu servo, seu profeta, Isaias. Continuaremos no próximo capítulo essa história fantástica que Paulo comenta em Romanos ao falar do medo da morte e do domínio do pecado! Não perca!
p.s.: link da imagem original:
Contagem regressiva: Faltam 397 dias para 04/08/2015, quando eu irei concluir a Segmentação de toda a Bíblia.

A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdetehttp://www.jamaisdesista.com.br
...

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.