sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Josué 5:1-15 - O ENCONTRO DE JESUS COM JOSUÉ.

Como já dissemos, até o capítulo 12, estaremos na primeira parte de nossa divisão em três grandes partes, ou seja A CONQUISTA DA TERRA – 1:1 a 12:24 e, dentro dela, em nossa segunda subparte de nossa divisão em seis subpartes. Esta segunda subparte é chamada de “o contraste entre as batalhas iniciais”, ou seja, os exemplos de maneiras apropriadas e impróprias de conduzir uma batalha, vai de 2:1 até 8:29.
De forma resumida, veremos a descrição das batalhas iniciais ressaltando os seus contrastes. Primeiro Israel lutará em Jericó 2:1 – 6:27 e, depois, em Ai – 7:1 – 8:29. Esta primeira batalha é apresentada como exemplo de combate ideal, não havendo menção de nenhuma deficiência. A segunda, será mostrada como uma sucessão de erros e de pecados. Comparando uma com a outra, Israel poderá aprender muito e se aprimorar para continuar sua missão de conquistar toda a Terra Prometida.
A luta em Jericó está também sendo dividida em quatro partes principais: a aliança firmada entre os espias e Raabe – 2:1-24 (já vista no capítulo 2) ; a consagração do exército de Israel – 3:1 – 5:12 (finalizaremos neste capítulo); a queda de Jericó – 5:13 (começaremos neste para terminarmos no 6) – 6:21; e, o cumprimento da aliança firmada com Raabe – 6:22-27.
A consagração do exército de Israel – 3:1 – 5:12 – continuação.
Estamos vendo Josué preparar o exército de Israel para a primeira batalha na Terra Prometida consagrando os guerreiros a Deus. Antes de dar início à conquista, Josué pedirá que todos os ídolos sejam removidos, erguerá memoriais, circuncidará o exército e celebrará a Páscoa.
O presente capítulo começa falando do temor e do terror que se espalhou entre as outras nações por causa da travessia maravilhosa do Jordão.
Todos os que habitavam o ocidente do Jordão e todos os reis cananeus estavam desfalecidos, desanimados e sabiam que a hora deles iria se aproximar e não seriam páreo para um exército que tinha um Deus ao seu lado que fazia coisas extraordinárias pelo seu povo.
De Deus veio a ordem e as instruções para que o povo fosse circuncidado como ele e Calebe eram. Então Josué fez facas de pedras e começou a circuncidar todos os que nasceram no deserto que não tinham ainda sido circuncidados.
Relembramos que a população de Israel tinha dois homens com mais de 80 anos que eram Josué e Calebe e o mais velho, depois deles, tinha 60 anos e ai vinha o restante da população, com 60  anos para baixo, até os mais novos e os que iam nascendo neste período.
Todos foram circuncidados e ali ficaram alguns dias, geralmente de três a sete dias para ficarem completamente curados.
O nome daquele lugar onde foram circuncidados - a circuncisão era o sinal da aliança de Deus com Abraão e um requisito para se participar da páscoa, Ex 12:48 - ficou conhecido como Gilgal porque ali tinha o Senhor retirado de Israel o opróbrio do Egito.
Ou seja, houve uma promessa com um objetivo em Ex 3:8. Se tal objetivo não tivesse sido alcançado – a redenção do Egito se completou apenas com a entrada na Terra Prometida -, o opróbrio ou a humilhação do Egito teria permanecido – Dt 9:28.
Era este um momento especial e crucial na vida da nação de Israel, principalmente porque atrás deles estava o deserto e à sua frente uma nova vida na terra da promessa.
Dois atos simbólicos marcaram aquele momento: a circuncisão e a celebração da páscoa. A circuncisão marcava os israelitas como filhos de Abraão e a  Páscoa  celebrava a sua redenção do Egito. Tanto a promessa a Abraão quanto a redenção do Egito anteciparam este dia – Gn 17:8; Ex 3:8.
A circuncisão física era um sinal da exterior da aliança, a qual indicava a necessidade de uma circuncisão interior, do coração – Gn 17; Dt 10:16; 30:6.
Outro sinal de que uma nova era estava começando para Israel fora que imediatamente ao outro dia depois da páscoa, nesse mesmo dia, comeram, do fruto da terra, pães ázimos e espigas tostadas. E cessou o maná completamente no dia seguinte – vs 12.
Já não mais seriam alimentados daquela forma que durou uns 40 anos, mas a partir de agora, teriam de obter o seu sustento com os frutos da terra e com seu trabalho.
Tudo agora estava preparado e feito para que um novo tempo começasse e neste momento importante aparece Deus para Josué.
Ele estava ali diante das muralhas de Jericó e estava pensando e muito provavelmente orando, buscando a Deus e ele levanta seus olhos e vê um homem com uma espada nua, desembainhada em suas mãos.
Josué, valente e destemido, cônscio de seu dever e pronto para a batalha, vai na direção do homem e lhe faz uma pergunta que era mais uma ousada provocação.
Aquele homem nem afirma ser de um lado, nem afirma ser de outro lado, a sua resposta não poderia ser categorizada nos termos simples da pergunta de Josué, mas se identifica como príncipe do exército do Senhor. Era ele mesmo, Jesus, o Filho de Deus pré-encarnado, o mesmo que apareceu a Abraão e a Moisés e agora a Josué.
Ele lhe fala exatamente as mesmas palavras que falou para Moisés em Ex3:5 e Josué conhecia muito bem essa história e essas palavras e entendia o que Deus estava querendo e iria fazer com ele e com toda a nação de Israel.
Js 5:1 E sucedeu que, ouvindo todos os reis dos amorreus,
                que habitavam deste lado do Jordão, ao ocidente, e todos os reis dos
                               cananeus, que estavam ao pé do mar, que o SENHOR tinha
                               secado as águas do Jordão, de diante dos filhos de Israel,
                                               até que passassem, desfaleceu-se-lhes o coração,
                               e não houve mais ânimo neles, por causa dos filhos de Israel.
Js 5:2 Naquele tempo disse o SENHOR a  Josué:
                Faze facas de pedra, e torna a circuncidar segunda vez
                               aos filhos de Israel.
                Js 5:3 Então Josué fez para si facas de pedra,
                               e circuncidou aos filhos de Israel no monte dos prepúcios.
                Js 5:4 E foi esta a causa por que Josué os circuncidou:
                               todo o povo que tinha saído do Egito, os homens,
                                               todos os homens de guerra, já haviam morrido
                               no deserto, pelo caminho, depois que saíram do Egito.
                Js 5:5 Porque todos os do povo que saíram estavam circuncidados,
                               mas a nenhum dos que nasceram no deserto, pelo caminho,
                               depois de terem saído do Egito, haviam circuncidado.
                Js 5:6 Porque quarenta anos andaram os filhos de Israel pelo deserto,
                               até se acabar toda a nação, os homens de guerra,
                               que saíram do Egito, e não obedeceram à voz do SENHOR;
                                               aos quais o SENHOR tinha jurado que lhes
                                               não havia de deixar ver a terra que o SENHOR
                                                               jurara a seus pais dar-nos;
                                                                              terra que mana leite e mel.
                Js 5:7 Porém em seu lugar pôs a seus filhos;
                               a estes Josué circuncidou, porquanto estavam incircuncisos,
                                               porque os não circuncidaram no caminho.
                Js 5:8 E aconteceu que, acabando de circuncidar a toda a nação,
                               ficaram no seu lugar no arraial, até que sararam.
Js 5:9 Disse mais o SENHOR a Josué:
                Hoje retirei de sobre vós o opróbrio do Egito;
                               por isso o nome daquele lugar se chamou Gilgal,
                                               até ao dia de hoje.
                Js 5:10 Estando, pois, os filhos de Israel acampados em Gilgal,
                               celebraram a páscoa no dia catorze do mês, à tarde,
                                               nas campinas de Jericó.
                Js 5:11 E, ao outro dia depois da páscoa, nesse mesmo dia, comeram,
                               do fruto da terra, pães ázimos e espigas tostadas.
                Js 5:12 E cessou o maná no dia seguinte,
                               depois que comeram do fruto da terra,
                                               e os filhos de Israel não tiveram mais maná;
                               porém, no mesmo ano comeram dos frutos da terra de Canaã.
Js 5:13 E sucedeu que, estando Josué perto de Jericó,
                levantou os seus olhos e olhou; e eis que se pôs em pé diante dele
                               um homem que tinha na mão uma espada nua;
                                               e chegou-se Josué a ele, e disse-lhe:
                És tu dos nossos, ou dos nossos inimigos?
Js 5:14 E disse ele:
                Não, mas venho agora como príncipe do exército do SENHOR.
Então Josué se prostrou com o seu rosto em terra e o adorou, e disse-lhe:
                Que diz meu senhor ao seu servo?
Js 5:15 Então disse o príncipe do exército do SENHOR a Josué:
                Descalça os sapatos de teus pés,
                               porque o lugar em que estás é santo.
                E fez Josué assim.
Josué com essa aparição de Deus já estava se sentindo um novo Moisés de Deus que tinha por obrigação o dever de conduzir o povo para onde Deus desejasse.
A vantagem de Josué sobre Moisés era o fato de ele ter ouvido atentamente toda a história antecipadamente pela boca do próprio Moisés. E a nossa é que temos ouvido pela Bíblia a história de todos eles. As experiências deles, servem para nós de edificação.
Não é que somos melhores ou piores do que eles, mas que temos por fundamento suas experiências de vida com Deus.

A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdete – 
http://www.jamaisdesista.com.br
...


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.