sábado, 28 de setembro de 2013

Êxodo 3: 1-22 – O CHAMADO DE DEUS.

O CHAMADO DE DEUS
Neste capítulo, Deus aparece a Moisés e com ele começa a travar um diálogo a fim de convencê-lo a ir ao Egito, em nome dele e libertar o povo das mãos dos egípcios e de Faraó. O diálogo tem sua sequência no próximo capítulo.
O que fazia Moisés quando Deus lhe aparece teofanicamente nas sarças ardentes que pegavam fogo e que não se consumiam e isto chamou a atenção daquele homem que trabalhava apascentando as ovelhas de seu sogro?
Exatamente: ele estava trabalhando! Foi no Monte Horebe que Deus lhe apareceu e ele estava mesmo trabalhando e apascentando as ovelhas de seu sogro. Deus não chama desocupados e sonhadores que somente sonham em suas camas macias e vazias.
Deus nos deixou o trabalho para que este fosse bênção em nossas vidas e não maldição como pensam alguns. Tem gente que sonha ficar rico em loteria e seu sonho é parar de trabalhar para viver curtindo a vida adoidado. Isso não é, nem jamais foi viver a vida que Deus planejou sabiamente para vivermos.
Moisés estava trabalhando e Deus interrompe o seu trabalho para lhe falar. Encantado com o que via e curioso de não haver consumo da sarça, ele quer se aproximar mais ainda a fim de investigar o fenômeno curioso.
Permitam-me um pequeno parêntesis para explorar um pouco melhor essa ideia do trabalho que já comentamos e gravamos quando falamos do capítulo primeiro de gênesis, mas que agora, nesse momento, é também relevante e merece lembrança e destaque.
Gn 2.15 nos diz que o Senhor Deus colocou o homem no jardim do Éden para cuidar e cultivá-lo.
A palavra usada para "colocação/colocar" (yanichehu) Adão no Jardim tem uma raiz conectada ao nome do próximo grande herói bíblico —"Noé" (noach). A palavra Hebraica para Éden (eden) carrega em si mesma a ideia de "prazer", "fertilidade", "deleite", "luxo" e "refinamento". Portanto, o Jardim do Éden deve ser entendido nesses termos. Além disso, aqui somos informados de que Adão foi colocado no Jardim do deleite para "trabalho" (avodah) e "guarda" (shomrah).
Embora existam várias palavras diferentes em Hebraico que comunicam a ideia de adoração (especialmente quando se trata do aspecto de "serviço diante de Deus"), a mesma palavra que é usada para o serviço e adoração a Deus (avodah) é usada nesse contexto para o cultivo do solo.
Mesmo no hebraico moderno, essa é a palavra usada para ir ao trabalho. No Brasil, nós dizemos, por exemplo, que vamos ao culto do domingo, mas no inglês, ir ao culto a Deus no domingo é “Sunday service” (culto do domingo) que nos dá a ideia de serviço, de ser um processo ativo e não passivo.
Nós não devemos ir ao culto para estar ali passivamente, esperando somente receber, mas para servir, para agir, para labutar, para desprender esforço, suor. Eu tenho de ver, assim, a minha adoração como algo ativo que me faça transpirar, suar, empreender esforço e aí, sim, nossa adoração é aperfeiçoada.
A comissão "para trabalhar", que nós associamos hoje com luta e labuta, foi dada a Adão antes que a queda da humanidade tivesse lugar, não depois. Em outras palavras, quando Deus encarregou Adão com o trabalho da terra no Jardim do Éden, ainda era "muito bom", ainda não afetada pelo pecado, morte e miséria.
O dito popular de que Deus amaldiçoou o homem com trabalho é aqui posta por terra, pelo seu significado. O trabalho nunca foi maldição! Talvez, sim, a intensidade disso é que traz complicações.
A mesma palavra é ainda usada para o serviço errado, ou para o culto errado, como a idolatria.”[1]
E tem uma surpresa ao ouvir a voz de Deus falando com ele. Havia uma questão urgente que precisava de atenção e Deus compartilhava com ele que pretendia fazer em breve. Moisés, certamente, conhecia a história do seu povo e sabia desse Deus e também se lembrou que outrora tentou e até pensou em fazer algo, mas do seu jeito.
Ele então se recorda do egípcio morto, de sua tentativa de aproximamento com o povo hebreu, de sua defesa de um deles, das duras palavras que ele sofreu ao ser chamado de assassino e ser rejeitado como libertador, da sua fuga para o deserto e de sua atual vidinha longe de tudo e de todos.
Dá para perceber que ele não era mais aquele homem ousado, atrevido e valente, mas um senhor ponderado, cheio de medos, de dúvidas e inseguro. Ele já devia estar com seus 80 anos quando o senhor estava ali o visitando e o recrutando para uma grande missão.
Deus se apresenta, fala de seu nome, de uma parte da missão, que ele vai agir e cuidar dele - de Moisés - e que vai libertar o povo, mesmo tendo de ir contra a vontade de Faraó.
Deus se identifica como o “EU SOU” e também como o “Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó”. Isso é profundo! Ele não somente “é” e “é Deus” como também, a história está em suas mãos. Ele é o governante absoluto, soberano e providencial.
Havia as promessas de Deus para se cumprirem, havia o clamor do povo contra a opressão que sofria, havia o próprio povo sofrendo e havia um homem no deserto, naquele Monte Horebe, que Deus queria usar para cumprir a sua missão e também havia o próprio Deus. A história está prestes a se desenrolar doravante e Deus já está agindo em cada lugar.
Olhar a história prontinha e analisá-la é uma coisa, viver o momento que está prestes a se transformar em história e confiar em Deus é bem outra. Deus continua chamando hoje, por meio do seu Filho, do Evangelho e nós agora temos não mais uma sarça ardente ou manifestações teofânicas, mas o próprio Espírito Santo habitando em nós.
Moisés, no próximo capítulo irá resistir ao chamado de Deus a ponto de dizer para Deus enviar outro, menos a ele, mas no final ele vai, assim mesmo e todos sabemos do resultado disso e como Deus o exaltou diante de todo o povo que ele quis libertar.
Ao ouvir o chamado de Deus pelo Espírito Santo para o trabalho da seara, não dê desculpas, mas obedeça.
Ex 3:1 E apascentava Moisés
o rebanho de Jetro,
 seu sogro, sacerdote em Midiã;
e levou o rebanho atrás do deserto,
e chegou ao monte de Deus, a Horebe.
Ex 3:2 E apareceu-lhe o anjo do SENHOR
em uma chama de fogo do meio duma sarça;
e olhou,
e eis que a sarça ardia no fogo,
e a sarça não se consumia.
Ex 3:3 E Moisés disse:
Agora me virarei para lá, e verei esta grande visão,
porque a sarça não se queima.
Ex 3:4 E vendo o SENHOR que se virava para ver,
bradou Deus a ele do meio da sarça, e disse:
Moisés, Moisés.
Respondeu ele:
Eis-me aqui.
Ex 3:5 E disse:
Não te chegues para cá;
tira os sapatos de teus pés;
porque o lugar em que tu estás é terra santa.
Ex 3:6 Disse mais:
Eu sou o Deus de teu pai,
o Deus de Abraão, o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó.
E Moisés encobriu o seu rosto,
porque temeu olhar para Deus.
Ex 3:7 E disse o SENHOR:
Tenho visto atentamente a aflição do meu povo,
que está no Egito,
e tenho ouvido o seu clamor
por causa dos seus exatores,
porque conheci as suas dores.
Ex 3:8 Portanto
desci para livrá-lo da mão dos egípcios,
e para fazê-lo subir daquela terra,
a uma terra boa e larga,
a uma terra que mana leite e mel;
ao lugar do cananeu, e do heteu, e do amorreu,
e do perizeu, e do heveu, e do jebuseu.
Ex 3:9 E agora, eis que o clamor dos filhos de Israel
é vindo a mim,
e também tenho visto a opressão com que os egípcios
os oprimem.
Ex 3:10 Vem agora,
pois, e eu te enviarei a Faraó
para que tires o meu povo (os filhos de Israel)
do Egito.
Ex 3:11 Então Moisés disse a Deus:
Quem sou eu, que vá a Faraó
e tire do Egito os filhos de Israel?
Ex 3:12 E disse:
 Certamente eu serei contigo;
e isto te será por sinal de que eu te enviei:
Quando houveres tirado este povo do Egito,
servireis a Deus neste monte.
Ex 3:13 Então disse Moisés a Deus:
Eis que quando eu for aos filhos de Israel, e lhes disser:
O Deus de vossos pais me enviou a vós;
e eles me disserem:
Qual é o seu nome?
Que lhes direi?
Ex 3:14 E disse Deus a Moisés:
EU SOU O QUE SOU.
Disse mais:
Assim dirás aos filhos de Israel:
EU SOU me enviou a vós.
Ex 3:15 E Deus disse mais a Moisés:
Assim dirás aos filhos de Israel:
O SENHOR Deus de vossos pais,
o Deus de Abraão,
o Deus de Isaque,
e o Deus de Jacó, me enviou a vós;
este é meu nome eternamente,
e este é meu memorial de geração em geração.
Ex 3:16 Vai,
e ajunta os anciãos de Israel e dize-lhes:
O SENHOR Deus de vossos pais,
o Deus de Abraão,
de Isaque
e de Jacó,
me apareceu, dizendo:
Certamente vos tenho visitado
e visto o que vos é feito no Egito.
Ex 3:17 Portanto eu disse:
Far-vos-ei subir da aflição do Egito à terra
do cananeu, do heteu, do amorreu, do perizeu,
do heveu e do jebuseu,
a uma terra que mana leite e mel.
Ex 3:18 E ouvirão a tua voz;
e irás, tu com os anciãos de Israel,
ao rei do Egito, e dir-lhe-eis:
O SENHOR Deus dos hebreus nos encontrou.
Agora, pois, deixa-nos ir caminho de três dias para o deserto,
para que sacrifiquemos ao SENHOR nosso Deus.
Ex 3:19 Eu sei, porém,
que o rei do Egito não vos deixará ir,
nem ainda por uma mão forte.
Ex 3:20 Porque eu estenderei a minha mão,
e ferirei ao Egito com todas as minhas maravilhas
que farei no meio dele;
depois vos deixará ir.
Ex 3:21 E eu darei graça a este povo aos olhos dos egípcios;
e acontecerá que, quando sairdes,
não saireis vazios,
Ex 3:22 Porque cada mulher pedirá
à sua vizinha e à sua hóspeda
 jóias de prata, e jóias de ouro,
e vestes,
as quais poreis
sobre vossos filhos
e sobre vossas filhas;
e despojareis os egípcios.
Deus está dando detalhes a Moisés de como irá libertar o seu povo e de como ele sairá dali de mão cheias e não vazias. Ele chega a dizer para Moisés que saqueará o Egito como era feito com aqueles que eram vencidos nas guerras.
Eu me encanto com a história porque vejo claramente a mão de Deus nela. Por que também não veria nos tempos presentes que irão virar história? Pense nisso!




[1] Do livro “A ORIGEM - A história de Gênesis comentada e segmentada”, de Daniel Deusdete, ed. Os Semeadores.
A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdete – 
http://www.jamaisdesista.com.br
...


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.