quinta-feira, 8 de agosto de 2013

Gênesis 2: 1-25 A CRIAÇÃO DO HOMEM E DA MULHER


Deus concluíra a sua obra da criação. Céus, terra e todo o seu exército foram acabados. No sétimo dia a concluiu e assim abençoou o dia sétimo e ainda o santificou porque descansara de toda a sua obra que criara e fizera. Dois verbos interessantes aqui, “criar” e “fazer”. Assim estão explicadas as origens dos céus e da terra e de tudo o que neles há.
Eu sou criacionista porque creio que Deus criou todas as coisas. Conforme a Bíblia a relata, assim eu creio. Muitos cientistas tentam provar que a vida e tudo o que há é fruto do puro acaso, mas muitos cientistas também tentam provar que tudo foi criado e não que surgiu, simplesmente.
Eu fico triste quando vejo alguém dizer que a ciência diz ou fala alguma coisa. A ciência não é uma pessoa para se expressar, antes uma técnica inventada pelos homens para explicar o nosso meio em que vivemos, por isso que há cientistas crentes e cientistas que não creem em um criador.
Eu quero repetir aqui o que disse ontem sobre a criação:
·       O mundo com tudo o que nele há – a criação de Deus que envolve a concepção, o planejamento, a orquestração e a realização de todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades - foi criado nele – em Jesus Cristo, a Segunda pessoa da Trindade -, por ele e para ele de forma proposital – com propósitos - em função da família a qual Deus quis colocar a sua imagem e a sua semelhança para que recebendo-a e transmitindo-a pela graça e benção da geração de filhos cumprissem a sua aliança com eles por meio dos mandados de Deus, quais sejam os mandados espiritual, social e cultural.
Propósito, inteligência, desígnio, planejamento, ordem, lógica, razão estão presentes em toda a criação. É incrível a quantidade de espécies que Deus fez. Eu tenho uma pergunta que não tenho uma resposta. Será que surgem ainda novas espécies de seres que não sejam produtos da engenharia genética ou do cruzamento de algumas espécies semelhantes? Gostaria de ouvir a resposta de ambos os cientistas, de um crente e de outro não crente.
Estamos agora diante da criação do homem e da mulher. Uma criação especial e única em todo o universo que o Senhor Deus fez. Ele vai colocar no Jardim do Éden que ele criou o homem e a mulher para o cultivar e o guardar.
Alguns destaques interessantes dessa criação especial. Houve uma manifestação e consulta prévia envolvendo a Trindade sobre a criação do homem.
O verbo “façamos” denuncia esse conclave na Trindade. Por ter sido criado por último, entendemos que a Trindade a tinha por especial. Não foi criado o seu corpo do nada, mas do pó da terra. Ele foi formado, manipulado, entretecido como uma escultura ou uma obra valiosa de arte.
Deus soprou em suas narinas o fôlego da vida - em nenhuma criatura foi assim. Isso se deu porque ele estava comunicando com sua criação, especial, a sua imagem e a sua semelhança.
A mulher foi tirada do homem, de uma parte de seu corpo, de uma costela, como se fosse uma obra de engenharia genética, uma espécie de clonagem superior.
Por isso que na junção deles para geração de filhos – um privilégio sem igual - à imagem e à semelhança deles, eles se tornam uma só carne. Deus os tornou logo vice gerentes com a missão de crescer e se multiplicar, encher toda a terra e dominá-la.
Você é família de Deus, criada especialmente por Deus para fins especiais que ele planejou desde a eternidade.
Criação de Eva.
Nós falamos pouco sobre a mulher criada da costela do homem, mas ela foi criada para ser uma ajudadora (ezer = uma ajudante que lhe é oposta; ajudante é um termo fraco, mas a ideia é a de uma interventora ativa em nome de alguém especialmente em um contexto militar onde está em jogo a vida e a morte) e uma que lhe correspondesse (kenegdo).
A palavra Hebraica para "mulher" é (isha). Por um lado, ela está conectada com a palavra usada nesta seção para "homem" (ish), mas, por outro lado, ela também soa como a palavra "fogo" (esh). É claro que é possível que a conexão com o fogo é coincidência e somente a conexão entre homem e mulher deve ser seriamente considerada (afinal, apenas essa é explicitamente afirmada no texto).
O que é muito interessante, no entanto, é que essas duas palavras, "homem" (ish) e "mulher" (isha) não são de fato relacionadas etimologicamente.
Pela tradição rabínica, há algo interessante relacionado ao nome em hebraico para homem e mulher:
1.      Quanto à pronúncia, temos uma conexão fonética:
A palavra mulher se pronuncia isha. A palavra homem se pronuncia ish. A palavra fogo se pronuncia esh. Tudo é muito parecido foneticamente.
Graficamente, não se levando em conta as vogais:
Isha (mulher) tem as letras “alef”+”shin”+”he”.
Ish (homem) tem as letras “alef”+”Yod”+”shin”. Repare que homem e mulher tem em comum as letras “alef” e “shin”.
Esh (fogo) tem as letras “alef”+”shin”.
O curioso disso é que o nome de Deus, impronunciável – é composto das letras “yod”+”he”+”vav”+”he” (em português Y+H+W+H). Observem que há um duplo “he” no nome de Deus. O mesmo “he” que aparece no final da palavra isha (mulher).
Essa tradição rabínica diz então que quando Deus (representado pela letra dupla “he”) não está presente entre o homem e a mulher, a união de ambos é pura paixão “esh”, fogo que logo se apaga e acaba, mas quando Deus se faz presente, então é duradoura e eterna.
No contexto sagrado, então, um homem e uma mulher sem Deus é puro fogo apenas e nada mais.
Com relação ao nome de Deus, quando ele surge em algum escrito, nunca se lê o nome, mas se lê ADONAI que é o mesmo que SENHOR. A pronúncia que ouvimos de Jeová ou Ieová é por causa das vogais que foram juntadas ao nome impronunciável, mas isso não é verdadeiro, antes uma junção forçada. Eles pegaram os sinais massoréticos de Adonai, também composto de 4 letras hebraicas, e colocaram no nome impronunciável, gerando assim uma pronúncia não verdadeira.
2.      Quanto à raiz da palavra, etimologicamente falando:
A palavra homem “ish” vem da raiz “alef”+”vav”+”shin” que significa força.
A palavra mulher “isha” vem da raiz “alef”+”nun”+”shin” que significa frágil.
Também a mulher foi formada da costela (tzela) do homem, elemento duro, mais resistente e mais complexo, que o homem formado do pó (afar) da terra.
O JARDIM DO ÉDEN.
Ambos criados, foram colocados no jardim do Éden, local que nos remete, no hebraico, como já dissemos, a “prazer”, “fertilidade”, “deleite”, “luxo” e “refinamento”. Essa palavra colocar também nos remete a essa ideia de grande paz e gozo. Era esse um lugar onde começou a graça de Deus que os colocou ali e os abençoou – os libertou – para cultivar (trabalhar – avodar) e guardar. Nesse lugar foi que Deus abençoou a família!
Onde Deus começou, repare, ali naquele lugar que hoje se trata do Iraque, é um berço atualmente de conflitos e de terrorismos, guerras, mortes e cegueira espiritual. Que triste, não é?
Por isso que a própria natureza geme e espera com ansiedade a manifestação dos filhos de Deus – Rm 8.19.
Reparem, no entanto, que também foi num jardim, o Jardim do Gtsêmani que o Filho de Deus venceu a maior de todas as batalhas. Dali, vencedor, ele se levantou e pode suportar a cruz, morrer e depois ressuscitou para nos dar a vida e vida com abundância.
O que você irá fazer com esse conhecimento que já era de sua ciência, mas que foi reavivado pela pregação da Palavra de Deus?
Gn 2:1 Assim
os céus,
a terra
e todo o seu exército foram acabados.
Gn 2:2 E havendo Deus
acabado no dia sétimo a obra que fizera,
descansou no sétimo dia de toda a sua obra, que tinha feito.
Gn 2:3 E abençoou Deus o dia sétimo,
e o santificou;
porque nele descansou de toda a sua obra
que Deus criara e fizera.
Gn 2:4 Estas são as origens dos céus e da terra,
quando foram criados;
no dia em que o SENHOR Deus fez a terra e os céus,
Gn 2:5 E toda a planta do campo que ainda não estava na terra,
e toda a erva do campo que ainda não brotava;
porque ainda o SENHOR Deus não tinha feito chover sobre a terra,
e não havia homem para lavrar a terra.
Gn 2:6 Um vapor, porém, subia da terra,
e regava toda a face da terra.
Gn 2:7 E formou o SENHOR Deus
o homem
do pó da terra,
e soprou em suas narinas
o fôlego da vida;
e o homem foi feito
alma vivente.
Gn 2:8 E plantou o SENHOR Deus
um jardim no Éden,
do lado oriental;
e pôs ali o homem que tinha formado.
Gn 2:9 E o SENHOR Deus
fez brotar da terra
toda a árvore agradável à vista, e boa para comida;
e a árvore da vida no meio do jardim,
e a árvore do conhecimento do bem e do mal.
Gn 2:10 E saía um rio do Éden para regar o jardim;
e dali se dividia e se tornava em quatro braços.
Gn 2:11 O nome do primeiro é Pisom;
este é o que rodeia toda a terra de Havilá,
onde há ouro.
Gn 2:12 E o ouro dessa terra é bom;
ali há o bdélio, e a pedra sardônica.
Gn 2:13 E o nome do segundo rio é Giom;
este é o que rodeia toda a terra de Cuxe.
Gn 2:14 E o nome do terceiro rio é Tigre;
este é o que vai para o lado oriental da Assíria;
e o quarto rio é o Eufrates.
Gn 2:15 E tomou o SENHOR Deus o homem,
e o pôs no jardim do Éden
para o lavrar e o guardar.
Gn 2:16 E ordenou o SENHOR Deus ao homem, dizendo:
De toda a árvore do jardim comerás livremente,
Gn 2:17 Mas da árvore do conhecimento do bem e do mal,
dela não comerás;
porque no dia em que dela comeres,
certamente morrerás.
Gn 2:18 E disse o SENHOR Deus:
Não é bom que o homem esteja só;
far-lhe-ei uma ajudadora idônea para ele.
Gn 2:19 Havendo, pois, o SENHOR Deus
formado da terra todo o animal do campo,
e toda a ave dos céus,
os trouxe a Adão,
para este ver como lhes chamaria;
e tudo o que Adão chamou
a toda a alma vivente,
isso foi o seu nome.
Gn 2:20 E Adão pôs os nomes
a todo o gado,
e às aves dos céus,
e a todo o animal do campo;
mas para o homem não se achava
ajudadora idônea.
Gn 2:21 Então o SENHOR Deus
fez cair um sono pesado sobre Adão,
e este adormeceu;
e tomou uma das suas costelas,
e cerrou a carne em seu lugar;
Gn 2:22 E da costela que o SENHOR Deus tomou do homem,
formou uma mulher,
e trouxe-a a Adão.
Gn 2:23 E disse Adão:
Esta é agora osso dos meus ossos,
e carne da minha carne;
esta será chamada mulher,
porquanto do homem foi tomada.
Gn 2:24 Portanto
deixará o homem o seu pai e a sua mãe,
e apegar-se-á à sua mulher,
e serão ambos uma carne.
Gn 2:25 E ambos estavam nus,
o homem e a sua mulher;
e não se envergonhavam.
Não havia vergonha neles porque não precisavam se esconder de Deus, mas no momento em que transgrediram, sim, ficaram nus e não podiam fazer o que faziam na sua presença, precisavam de se esconder.
Quem pratica o pecado está nas trevas e precisa de privacidade. Ninguém que pratica o mal quer testemunha, por isso tudo o que faz, procura fazer às ocultas, principalmente às ocultas de Deus – como se isso fosse possível.
O homem diz insensatamente que Deus não existe para poder ficar mais à vontade com seus pecados. Quando ele é desmascarado e fica nu, ele se perturba e logo procura algo para se esconder e assim usa qualquer coisa no lugar de suas vestes originais. Uma desculpa é tudo o que precisa para poder continuar rejeitando o conhecimento de Deus.

Até aqui Satanás – invejoso - não tinha entrado na história e Adão e Eva eram os seres criados por Deus com livre-arbítrio, únicos, especiais, mas logo, logo iriam perder o que Deus lhes deu.

A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdete – 
http://www.jamaisdesista.com.br
...


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.