segunda-feira, 17 de junho de 2013

Provérbios 1.1-6 – OUÇA A INSTRUÇÃO DE SEU PAI

Antes de começarmos a ver o primeiro capítulo e como iremos falar dos livros do homem – faço questão de enfatizar, dentre os pecadores - mais sábio, achei por bem, fazer esta pequena introdução, para falar um pouco desse homem que nos deixou escrito esses livros interessantes.
Seus pais foram Davi e Bate-Seba, filha de Eliã e mulher de Urias, o Heteu (2 Sm 11:3); filha de Amiel (I Cr 3:5). Foi enquanto os soldados de Israel lutavam contra os Amonitas que Davi se envolveu com Bate-Seba dando ocasião não somente ao adultério como também ao assassinato de Urias, o Heteu.
Davi foi advertido por Natã e se arrependeu, mas isso não impediu o juízo de Deus: foram terríveis as consequências do pecado de Davi. Desse envolvimento, nasceu um menino que por juízo divino faleceu (II Samuel 12:15-18).
Depois, Davi tomou a Bate-Seba por esposa e buscava consolá-la (2Sm 12:24). Com ela, teve ele quatro filhos, entre eles, Salomão, seu primogênito.
Foram duas as instruções do pai ao filho à semelhança da instrução de Deus a Josué – Js 1: 6 e 7:
Primeira, a adesão, manutenção e cumprimento do mandato espiritual:
1 E aproximaram-se os dias da morte de Davi; e deu ele ordem a Salomão, seu filho, dizendo: 2  Eu vou pelo caminho de toda a terra; esforça-te, pois, e sê homem. 3  E guarda a ordenança do SENHOR teu Deus, para andares nos seus caminhos, e para guardares os seus estatutos, e os seus mandamentos, e os seus juízos, e os seus testemunhos, como está escrito na lei de Moisés; para que prosperes em tudo quanto fizeres, e para onde quer que fores. 4  Para que o SENHOR confirme a palavra, que falou de mim, dizendo: Se teus filhos guardarem o seu caminho, para andarem perante a minha face fielmente, com todo o seu coração e com toda a sua alma, nunca, disse, te faltará sucessor ao trono de Israel.” (I Re 2:1-4)
Segunda, que ele amasse o povo de Deus, pois pelo seu amor ao povo de Deus, houve para Davi, consequente ascensão e prosperidade – I Cr 14:2
2  Reconheceu Davi que o SENHOR o confirmara rei sobre Israel; porque, por amor do seu povo de Israel, o seu reino se tinha exaltado muito.
Davi ensinou ao seu filho que o povo de Deus era especial e que deveria ser amado e cuidado com respeito, carinho e dedicação. O pai certamente incutiu no filho e o filho aprendeu do pai, pelo seu exemplo, que estava diante de um povo especial.
A mãe, Bate-Seba aparece na genealogia de Jesus Cristo em Mt 1:6. Seu nome significa filha do juramento ou sétima filha. Com certeza, Bate-Seba deve ter instruído seu filho e dado a ele, educação, respeito, carinho e muito amor.
O nome escolhido pelos pais e o seu significado:
-      seu nome tanto pode significar consolo devido a morte do primeiro filho, como paz, significando a restauração do relacionamento de Davi com Deus. Estão presentes em seu nome as ideias de paz, integridade, totalidade e perfeição como que apontando o Espírito Santo para o Príncipe da Paz, o Filho de Davi, o Senhor (Is 9:6).
O nome escolhido por Natã e o seu significado:
-      Então, Davi veio a Bate-Seba, consolou-a e se deitou com ela; teve ela um filho a quem Davi deu o nome de Salomão; e o SENHOR o amou. Davi o entregou nas mãos do profeta Natã, e este lhe chamou Jedidias, por amor do SENHOR.” (2 Sm 12: 24,25). Jedidias significa o amado, porque o Senhor o amou.
A escolha de Salomão como rei de Israel:
-      Adonias, o irmão mais velho que estava vivo, tentou reivindicar para si o reinado de Israel, mas Davi que estava quase morrendo foi convencido por Bate-Seba e o profeta Natã a consagrarem Salomão como rei (I Reis 1:5-40).
A sua coroação aconteceu sem pompa, sem planejamento, mas firmou-se e durou 40 anos.
A primeira aparição de Deus a Salomão
A oferta de Deus:
Pede-me o que queres que eu te dê
Ocorreu em Gibeão: - “temeu muito; porque Gibeão era cidade grande como uma das cidades reais e ainda maior do que Ai, e todos os seus homens eram valentes.” (Js 10:2). Foram os Gibeonitas que enganaram a Israel e com eles fizeram acordo sem consultarem ao Senhor (Js 9:3-7).
A cidade de Gibeão situa-se num morro de cerca de 60m acima das planícies circunvizinhas e próxima de Jerusalém, uns 9,5 Km. Era habitada pelos Heveus que era uma das 7 nações cananéias destinadas à destruição. (Dt 7:1, 2). Essa cidade ainda pertenceu ao território de Benjamim a qual foi designada aos sacerdotes araônicos (Js 18:25).
Ocorreu de noite: – a hora é escolhida por Deus no momento que ele deseja.
Ocorreu em sonhos: – poderia ser de outra forma, mas o Senhor preferiu falar-lhe em sonhos. Certamente que Salomão deveria estar angustiado e pesaroso, pois estava no início de seu reinado e ardia em seu coração o desejo de servir a Deus e ao povo de Deus.
A resposta de Salomão
Reconhecimento da benevolência de Deus para com seu pai, Davi.
Reconhecimento da fidelidade, justiça e retidão de seu pai Davi.
Reconhecimento de que o Senhor está sendo benevolente para com ele.
Reconhecimento de que o desafio de reinar é muito grande e que não se sente capaz, sendo ainda muito criança.
Reconhecimento de que está diante de um povo escolhido, grande, numeroso.
Reconhecimento de que necessita executar a justiça e o juízo como rei e ai faz o seu pedido, um coração compreensivo:
-      Para julgar o “teu” povo
-      Para prudentemente discernir entre o bem e o mal
Obs.: Salomão não pediu: sabedoria como um fim em si mesma.
A resposta de Deus
A sábia resposta de Salomão agradou ao Senhor. Se forçarmos um pouquinho, entenderíamos que surpreendeu a Deus (óbvio que não, mas a ênfase é apenas para destacar o quanto ela foi boa).
Analisando a resposta divina, veremos que Deus disse que:
  • Salomão não pediu: - nem longevidade; nem riqueza; nem a morte de seus inimigos
  • Salomão pediu entendimento para discernir o que é justo (Obs.: repetindo, Salomão não pediu: sabedoria como um fim em si mesma)
  • ... então Salomão receberá:
-      Coração sábio, inteligente e sem igual nem antes nem depois
-      Riquezas e glórias como nem um outro por todos os dias de sua vida
-      Prolongamento de seus dias (benção condicionada!) se:
-      Andar nos caminhos de Deus, como andou Davi
-      Guardar os estatutos de Deus, como andou Davi
-      Guardar os mandamentos de Deus, como andou Davi.
Aplicações
Deus ainda apareceu a Salomão mais duas vezes, uma atendendo a sua oração de dedicação do templo que ele se empenhou em construir ao Senhor, em obediência às ordens de seu pai Davi – I Re 9:2 e outra quando o Senhor o rejeitou – I Re 11:11.
Bem, a vida de Salomão também tem outras vieses que não exploraremos, mas sabemos que Deus se indignou com ele ao final a ponto de levantar contra ele um inimigo, adversário, Hadade, edomita, que era da linhagem real de Edom (descendente de Esaú – Gn 36:43).
Por duas vezes mais uma lhe apareceu (I Re 11:9 e 11) e ainda assim, desviou-se indo após outros deuses por causa de suas muitas mulheres estrangeiras que o Senhor tinha advertido para que não se envolvesse, pois elas lhe perverteriam o seu coração.
O que aprendemos dessa lição – a oferta de Deus, o pedido de Salomão e a resposta de Deus - e como podemos aproveitá-la em nossas vidas e caminhada de fé nos dias atuais?
1°.        Que temos de estar preparados para responder a questão de Deus ... é de repente que acontece... poderá ser em Gibeão, a noite e em sonhos ou poderá ser agora mesmo no momento em que a palavra de Deus é ministrada ao seu coração: PEDE-ME O QUE QUERES QUE EU TE DÊ.
2°.        Que nossa resposta não pode visar a nossa necessidade, mas a do povo de Deus
a.      O povo precisava de justiça e de juízo;
b.     Salomão nada pediu para si mesmo;
c.      Jesus Cristo nos ensinou a orar o pai nosso e em nenhum momento vemos o individualismo, mas a preocupação com o grupo, com a família de Deus, com a coletividade, com o povo de Deus, reparem: nosso, nossas, teu, tua, a nós... o foco não é o “eu”, mas o “nós”.
3°.        Que temos de ter em nossas vidas e em nossas mentes uma atitude ou disposição mental que esteve em Salomão de
a.      reconhecimento da bondade de Deus
b.     reconhecimento da soberania de Deus
c.      reconhecimento da sabedoria de Deus
4°.        Que somos um povo de Deus
a.      Eleito
b.     Grande
c.      Numeroso
5°.        Que Deus atende a necessidade do povo – juízo e justiça e ainda as nossas necessidades, de forma maior do que pedimos, sonhamos ou imaginamos – riquezas, fama, sabedoria (Ef 3:20).
6°.        Que Deus se agrada quando deixamos o egoísmo e passamos a pensar na coletividade – ele amou a resposta de Salomão porque ele não foi egoísta.
7°.        Que precisamos de sabedoria do alto, isto é, que precisamos de Jesus Cristo, a nossa verdadeira sabedoria. Deus apareceu a Salomão, o filho de Davi e lhe disse que pedisse o que quisesse. Deus Pai também deu ao Filho de Davi, Jesus Cristo, todas as coisas porque o Filho de Deus deu a sua própria vida por causa de seu povo.
8°.        Que as minhas maiores necessidades serão saciadas pelo próprio Senhor quando eu também aprender a ter uma atitude e uma disposição não egoísta. “Ao que tem sem lhe dará para que tenha mais ainda, mas ao que não tem, até o que tem ser-lhe-á tirado” (Mt 25:29)
9°.        Que assim como Davi deu ao seu filho ordens, duas ordens, nós também recebemos do Senhor ordenanças, principalmente de evangelização:
18  E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É-me dado todo o poder no céu e na terra. 19  Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; 20  Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém.” (Mt 28: 18-20)
Palavras finais da introdução
Ainda quero aproveitar o ensejo para comunicar aos amados leitores que as versões impressas e eletrônicas poderão apresentar alguma diferença na disposição gráfica do texto devido a sua indentação, mas o conteúdo é o mesmo.
Agradeço sua compreensão e paciência.
A Deus toda a glória!

Pr. Daniel Deusdete
Estamos a partir de hoje[1] começando a segmentação do livro de Provérbios e aproveitando o momento da sua segmentação para meditar um pouco em suas palavras. Quem dera eu pudesse comentar de tudo o que fala o livro de Provérbios. Não posso por dois motivos principais, falta-me o conhecimento necessário e também falta-me o tempo.
No entanto, falarei e abordarei algumas ideias principais que estão na mente dos autores de Provérbios (Salomão, Ezequias, Agur, Leluel e outros) procurando entender sua linguagem e uso das expressões dentro de uma cosmovisão reformada. Vejamos o que diz deste livro em linhas gerais a BEG.
Verdades fundamentais do livro: Deus é a fonte de toda a sabedoria e ele a revelou para que os seres humanos a aprendam; a sabedoria humana pode ser obtida apenas no contexto da reverência a Deus; os jovens precisam da instrução de pais e mães mais velhos e sábios; e, os líderes do povo de Deus, em especial, devem ser instruídos nos caminhos da sabedoria.
Vamos ao presente capítulo de Provérbios, o primeiro. O atrativo usado aqui neste primeiro capítulo é o da sabedoria e a máxima ensinada é o temor do Senhor como o princípio dela. Você quer se tornar mais sábio ou adquirir a sabedoria e a instrução? Quer entender, receber, conhecer, adquirir e crescer?
A receita final é o temor do Senhor onde se acha o princípio da sabedoria e do conhecimento. É engraçado que ele já comece falando dos pais e das suas lições para nós filhos. Em seguida, ele fala dela clamando, chamando, até implorando por vez, mas as pessoas estão com seus corações em outros lugares e afazeres e a desprezam.
Resultado, logo que perceberem e perceberão o erro cometido pelo desprezo, procurarão voltar-se mas ai já será tarde demais...
É um privilégio tão maravilhoso sermos pais que Deus concedeu para nós que nem imaginamos o mistério envolvido nisso. A imagem e a semelhança de Deus nos foram comunicadas por Deus, nosso Pai maior e agora, na geração de filhos, ele permite que geremos filhos à nossa imagem e à nossa semelhança.
Ao falar de sabedoria e da aquisição dela, ele fala dos pais e do desprezo da sabedoria. As coisas não estão desconexas, antes compõe um quadro geral ilustrativo e bem real. Se quisermos aprender de fato a sabedoria é necessário atentarmos bem ao significado de cada coisa exposta e buscarmos em Deus o entendimento.
Pv 1:1  Provérbios de Salomão,
filho de Davi,
rei de Israel;
Pv 1:2 Para se conhecer a sabedoria e a instrução;
para se entenderem, as palavras da prudência.
Pv 1:3 Para se receber a instrução
do entendimento, a justiça, o juízo e a eqüidade;
Pv 1:4 Para dar
aos simples, prudência,
e aos moços, conhecimento e bom siso;
Pv 1:5 O sábio ouvirá e crescerá em conhecimento,
e o entendido adquirirá sábios conselhos;
Pv 1:6 Para entender
os  provérbios e sua interpretação;
as palavras dos sábios e as suas proposições.
Pv 1:7 O temor do SENHOR é o princípio do conhecimento;
os loucos desprezam a sabedoria e a instrução.
Pv 1:8 Filho meu,
ouve a instrução de teu pai,
e não deixes o ensinamento de tua mãe,
Pv 1:9 Porque serão como diadema gracioso em tua cabeça,
e colares ao teu pescoço.
Pv 1:10 Filho meu,
se os pecadores procuram te atrair com agrados, não aceites.
Pv 1:11 Se disserem:
Vem conosco a tocaias de sangue;
embosquemos o inocente sem motivo;
Pv 1:12 Traguemo-los vivos, como a sepultura;
e inteiros, como os que descem à cova;
Pv 1:13 Acharemos toda sorte de bens preciosos;
encheremos as nossas casas de despojos;
Pv 1:14 Lança a tua sorte conosco;
teremos todos uma só bolsa!
Pv 1:15 Filho meu,
não te ponhas a caminho com eles;
desvia o teu pé das suas veredas;
Pv 1:16 Porque os seus pés correm para o mal,
e se apressam a derramar sangue.
Pv 1:17 Na verdade é inútil estender-se a rede
ante os olhos de qualquer ave.
Pv 1:18 No entanto
estes armam ciladas contra o seu próprio sangue;
e espreitam suas próprias vidas.
Pv 1:19 São assim as veredas de todo aquele
que usa de cobiça:
ela põe a perder a alma
dos que a possuem.
Pv 1:20 A sabedoria clama lá fora;
pelas ruas levanta a sua voz.
Pv 1:21 Nas esquinas movimentadas ela brada;
nas entradas das portas e nas cidades profere as suas palavras:
Pv 1:22 Até quando, ó simples, amareis a simplicidade?
E vós escarnecedores, desejareis o escárnio?
E vós insensatos, odiareis o conhecimento?
Pv 1:23 Atentai para a minha repreensão;
pois eis que vos derramarei abundantemente do meu espírito
e vos farei saber as minhas palavras.
Pv 1:24 Entretanto,
porque eu clamei e recusastes;
e estendi a minha mão e não houve quem desse atenção,
Pv 1:25 Antes rejeitastes todo o meu conselho,
e não quisestes a minha repreensão,
Pv 1:26 Também de minha parte
eu me rirei na vossa perdição
e zombarei, em vindo o vosso temor.
Pv 1:27 Vindo o vosso temor como a assolação,
e vindo a vossa perdição como uma tormenta,
sobrevirá a vós aperto e angústia.
Pv 1:28 Então clamarão a mim,
mas eu não responderei;
de madrugada me buscarão,
porém não me acharão.
Pv 1:29 Porquanto odiaram o conhecimento;
e não preferiram o temor do SENHOR:
Pv 1:30 Não aceitaram o meu conselho,
e desprezaram toda a minha repreensão.
Pv 1:31 Portanto
comerão do fruto do seu caminho,
e fartar-se-ão dos seus próprios conselhos.
Pv 1:32 Porque o erro dos simples os matará,
e o desvario dos insensatos os destruirá.
Pv 1:33 Mas o que me der ouvidos
habitará em segurança,
e estará livre do temor do mal.
Não sejamos desprezadores da instrução que o Espírito Santo está ministrando aos nossos corações por meio de sua palavra. Antes meditemos nela de dia e de noite e seremos esclarecidos pela sua graça e misericórdia se não desistirmos de o buscarmos de todo o nosso coração.


[1] O autor se refere a data de 2 de maio de 2013.
A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdete – 
http://www.jamaisdesista.com.br

...


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.