quarta-feira, 17 de abril de 2013

Salmo 90: 1-17 - A BREVIDADE DA VIDA

Moisés é o autor deste salmo espetacular que fala da brevidade de nossa vida por causa da ira divina que nos consome devido aos nossos pecados. Moisés não fala de Jesus diretamente, mas ora em todo o tempo pedindo a Deus que tenha misericórdia e derrame a sua graça sobre nós. Eu vejo na graça, na fidelidade e naquilo que ele pede a Deus, a pessoa bendita da segunda pessoa da Trindade: Jesus Cristo, a razão de ser de todo homem e de toda a humanidade e criação de Deus.
Eu costumo citar o verso 12 a todos os meus chegados que fazem aniversário. Ensina-nos, Senhor, a contar os nossos dias a fim de que alcancemos corações sábios. Primeiro, está que é Deus quem faz tudo em nossa vida e aqui ele está a nos ensinar com a vida. Se ele não nos ensinar, o que aprenderemos? Se ele não tomar a iniciativa, como nos desenvolveremos?
Assim, Deus está nos ensinando e nos ensinando a contar e  a contar os nossos dias. Em todo o tempo meu coração é do Senhor e eu estou contando suas maravilhas e graça na minha vida. Cada dia vivido é mais um dia que vou somando e vendo o quanto Deus tem feito e ainda continua a fazer, apesar de mim.
Este Jamais Desista é o meu altar no qual todos os dias me curvo diante dele e de sua palavra para meditar nas Escrituras e aprender a contar mais um pouquinho. Meu coração não tem sido rebelde e eu tenho assim aprendido a contar. Contando assim os meus dias, estou me tornando mais sábio e pronto para a obra que ele me deu a fazer para concluir.
A Josué, que depois Paulo aplicou a nós, a palavra de Deus é clara: ela nos ensina a meditar, a ler, a buscar nas Escrituras a vida e a sabedoria. Elas, como disse Deus, não falam de outra coisa, se não de Jesus Cristo! Ele é a nossa vida, esperança, graça, sabedoria e aquele que nos ensina todos dias por ter nos enviado, sem merecimento algum, o Espírito Santo.
Calvino contextualiza, explica, fala de detalhes importantes do salmo que nos ajudam a entender mais ainda a palavra escrita. Entendendo mais um pouquinho, passamos a adorar ainda mais o seu verdadeiro autor: o Espírito Santo!
Moisés está a ponto de tratar também a brevidade e as misérias da vida humana, a partir dos castigos infligidos aos israelitas, para ministrar algum consolo para aliviar o sofrimento e o medo que os fiéis poderiam ter atendido ao observar a operação do direito comum, a que todas as pessoas estão sujeitas, e especialmente, ao considerar suas próprias aflições, abre o salmo falando da graça peculiar que Deus atribuiu às tribos escolhidas. Em seguida, recita sucintamente, quão miserável é a condição dos homens, se eles permitem que seus corações descansem neste mundo, especialmente quando Deus os convoca como pecadores culpados para o tribunal. E depois que ele lamentou, que mesmo os filhos de Abraão haviam experimentado por um tempo tão severo, que eles estavam quase consumidos com tristeza, confiando no favor livre de Deus, pelo qual Ele os adotara para si mesmo, ele ora para que ele poder lidar com eles de uma maneira misericordiosa e graciosa, como tinha feito nos tempos passados, e que continuaria até o fim do curso normal de sua graça.
Uma oração de Moisés, o homem de Deus.
Não é certo se este salmo foi composto por Moisés, ou se algum dos profetas o enquadrava em uma canção para o uso do povo, a partir de uma fórmula de oração escrita por Moisés e transmitida de idade em idade. É, no entanto, altamente provável, que não é sem um terreno atribuído a Moisés no título; e desde que os salmos estavam em uso mesmo em seu tempo, não tenho dúvidas de que ele era seu autor. Alguns afirmam que o motivo pelo qual o nome dele aparece na inscrição é que ele foi cantado por sua posteridade; mas não consigo ver por que eles devem recorrer a uma presunção tão infundada. O epíteto, o homem de Deus, dado a Moisés, que é imediatamente adicionado, claramente os confunde. Esta designação honrosa é expressamente aplicada a ele, que sua doutrina pode ter a maior autoridade. Se as conjecturas devem ser admitidas, é provável que, quando o tempo de sua morte se aproximasse, ele terminou essa oração para aliviar a tristeza prolongada sob a qual as pessoas haviam quase mergulhado, e para consolar seus corações, sob o acúmulo de adversidades com os quais foram oprimidos. Embora a maravilhosa bondade de Deus tenha brilhado em sua libertação do Egito, que, enterrando as misérias anteriormente suportadas por elas, poderia ter cheio de alegria; ainda sabemos que, logo depois, foi extinguida pela ingratidão; de modo que, pelo espaço de não menos de quarenta anos, foram consumidos com languidez contínua no deserto. Por isso, era muito sazonal para Moisés naquela época implorar a Deus que ele tratasse com misericórdia e piedade com seu povo, de acordo com o número dos anos em que ele os afligia.
Sl 90:1 Senhor,
tu tens sido o nosso refúgio,
de geração em geração.
Sl 90:2 Antes que os montes nascessem
e se formassem a terra e o mundo,
de eternidade a eternidade,
tu és Deus.
Sl 90:3 Tu reduzes o homem ao pó e dizes:
Tornai, filhos dos homens.
Sl 90:4 Pois mil anos, aos teus olhos,
são como o dia de ontem que se foi
e como a vigília da noite.
Sl 90:5 Tu os arrastas na torrente,
são como um sono,
como a relva que floresce de madrugada;
Sl 90:6 de madrugada,
viceja e floresce;
à tarde,
murcha e seca.
Sl 90:7 Pois somos consumidos
pela tua ira
e pelo teu furor,
conturbados.
Sl 90:8 Diante de ti
puseste as nossas iniqüidades
e, sob a luz do teu rosto,
os nossos pecados ocultos.
Sl 90:9 Pois todos os nossos dias
se passam na tua ira;
acabam-se
os nossos anos
como um breve pensamento.
Sl 90:10 Os dias da nossa vida
sobem a setenta anos
ou, em havendo vigor,
a oitenta;
neste caso, o melhor deles
é canseira e enfado,
porque tudo passa rapidamente,
e nós voamos.
Sl 90:11 Quem conhece o poder da tua ira?
E a tua cólera,
segundo o temor que te é devido?
Sl 90:12 Ensina-nos
a contar os nossos dias,
para que alcancemos coração sábio.
Sl 90:13 Volta-te,
SENHOR!
Até quando?
Tem compaixão dos teus servos.
Sl 90:14 Sacia-nos
de manhã com a tua benignidade,
para que cantemos de júbilo
e nos alegremos todos os nossos dias.
Sl 90:15 Alegra-nos
por tantos dias
quantos nos tens afligido,
por tantos anos
quantos suportamos a adversidade.
Sl 90:16 Aos teus servos
apareçam as tuas obras,
e a seus filhos,
a tua glória.
Sl 90:17 Seja sobre nós
a graça do Senhor, nosso Deus;
confirma sobre nós
as obras das nossas mãos,
sim,
confirma
a obra das nossas mãos.

Qual seria a obra que Moisés pede a Deus para que confirme sendo sobre nós a sua graça, isto é, sendo sobre nós tão grande salvação, Jesus Cristo? A obra é a evangelização, o anúncio das boas novas que Deus nos incumbiu de fazer por todos os dias que temos recebido de sua graça e verdade.
A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdete – 
http://www.jamaisdesista.com.br

...


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.