segunda-feira, 1 de abril de 2013

Salmo 74: 1-23 - LAMENTO POR CAUSA DA PROFANAÇÃO

Este é um salmo de Asafe. O salmista está triste e chateado por que não vê saída para o povo de Deus e assim apresenta sua queixa diante de Deus. Qualquer que seja a situação que vivemos, sempre haveremos de entender que Deus está no controle de tudo. Essa era a mentalidade do salmista. Eles estavam sendo rejeitados mesmo por Deus e a ira do Senhor os tinha alcançado. Por isso que desabafa dizendo esquecer-te-ás para sempre de nós?
Parece mesmo um ciclo vicioso. A gente enfrenta uma luta grande, vem uma tremenda perseguição, oramos a Deus pedindo misericórdia, arrependemo-nos e clamamos, Deus envia o socorro e um libertador/salvador, somos libertos, prosperamos e ai, caímos novamente. O povo de Deus estava colhendo aquilo que tinha semeado.
Então o salmista pede a Deus para se lembrar deles e de suas promessas. Os inimigos aproveitando a ocasião ultrajavam o nome de Deus e também o desafiavm não sabendo, estes, que tudo vinha do Senhor. Assim, cavavam sua própria ruína e destruição que logo se cumpriria com a execução da justiça e do juízo de Deus.
Depois de apresentarem a Deus, o que os ímpios estão fazendo e como estão oprimindo seu povo, eles agora começam a exaltar a Deus e a buscar em suas memórias os grandes feitos do Senhor no passado, por amor do povo e para preservação de sua aliança perpétua. Essa forma de fazer os salmos é bem peculiar e representava um padrão em toda a Bíblia, isso eu tenho observado.
No comentário de Calvino, na sua introdução acerca deste salmo, há detalhes procurando contextualizá-lo a fim de melhor compreender o que Asafe quis dizer.
O povo de Deus neste salmo lamenta a condição desolada da Igreja, que era tal que o próprio nome de Israel estava quase aniquilado. Parece daquelas suas humildes súplicas que imputaram aos seus próprios pecados todas as calamidades que sofreram; mas, ao mesmo tempo, colocaram diante de Deus a sua própria aliança pela qual ele adotou a raça de Abraão como seu povo peculiar. Depois, eles invocam a lembrança de quão poderosamente e gloriosamente eles foram nos tempos passados. Incentivando-se desta consideração, eles lhe pedem que ele viesse em sua ajuda, e remedie esse estado de assuntos tão deploráveis ​​e desesperados.
Uma instrução de Asaph.
A inscrição mskyl, maskil, concorda muito bem com o assunto do salmo; pois, embora às vezes seja aplicado a assuntos de uma descrição alegre, como vimos no salmo quarenta e cinco, contudo, geralmente indica que o sujeito tratado trata-se dos juízos divinos, pelos quais os homens são obrigados a se curvarem e a examinarem seus próprios pecados, para que se humilhem diante de Deus. É fácil reunir os conteúdos do salmo, que sua composição não pode ser atribuída a Davi; pois no seu tempo não havia motivo para luto por uma condição tão desperdiçada e calamitosa da Igreja como aqui é retratada. Os que são de uma opinião diferente alegam que Davi pelo espírito de profecia predisse o que ainda não havia acontecido. Mas, como é provável que haja muitos dos salmos que foram compostos por diferentes autores após a morte de Davi, esse salmo, sem dúvida, é um deles. De onde é falada a calamidade, não é fácil determinar com precisão. Neste ponto, existem duas opiniões. Alguns supõem que a referência é a esse período da história judaica quando a cidade e o templo foram destruídos, e quando as pessoas foram levadas cativas para a Babilônia sob o rei Nabucodonosor; e outros, que se relaciona com o período em que o templo foi profanado, sob Antíoco Epifânio. Existe uma certa plausibilidade em ambas as opiniões. Pelo fato de que os fiéis aqui se queixam de estar agora sem sinais e profetas, a última opinião pareceria mais provável; Pois é sabido que muitos profetas floresceram quando as pessoas foram levadas ao cativeiro. Por outro lado, quando se diz um pouco antes que os santuários foram queimados em cinzas, as obras esculpidas destruídas e que nada permaneceu inteira, essas declarações não se aplicam à crueldade e tirania de Antíoco. Ele realmente poluiu vergonhosamente o templo, introduzindo nessas superstições pagãs; mas o prédio em si continuou intacto, e a madeira e as pedras não estavam consumadas pelo fogo. Alguns afirmam que, por meio dos santuários, entendemos as sinagogas nas quais os judeus estavam acostumados a manter as suas sagradas assembléias, não só em Jerusalém, mas também nas outras cidades da Judéia. É também um caso suposto de que os fiéis que contemplam a terrível profanação do templo por Antíoco foram conduzidos de um espetáculo tão melancólico para levar seus pensamentos de volta ao tempo em que foi queimado pelos caldeus e que eles compreendem as duas calamidades em uma descrição. Assim, a conjectura será mais provável que essas queixas pertençam ao tempo de Antíoco; pois a Igreja de Deus estava sem profetas. Se, no entanto, qualquer um preferiria referir-se ao cativeiro babilônico, será uma questão fácil resolver essa dificuldade; pois, apesar de Jeremias, Ezequiel e Daniel, estavam vivos, mas sabemos que eles ficaram em silêncio por um tempo, como se tivessem terminado o curso de sua vocação, até que finalmente Daniel, um pouco antes do dia de sua libertação, novamente surgiram com o propósito de inspirar os pobres exilados com coragem para retornar ao seu próprio país. Para isso, o profeta Isaías parece ter um olho, quando ele diz no capítulo quarenta (Isaías 40: 1) de suas profecias no início: "Conforto, consolar o meu povo, o seu Deus dirá". O verbo, que está no tempo futuro, mostra que os profetas foram ordenados a manter a paz por um tempo.
Sl 74:1 Por que nos rejeitas,
ó Deus,
para sempre?
Por que se acende a tua ira
contra as ovelhas do teu pasto?
Sl 74:2 Lembra-te da tua congregação,
que adquiriste desde a antiguidade,
que remiste para ser a tribo da tua herança;
lembra-te do monte Sião,
no qual tens habitado.
Sl 74:3 Dirige os teus passos
para as perpétuas ruínas,
tudo quanto de mau tem feito o inimigo no santuário.
Sl 74:4 Os teus adversários
bramam no lugar das assembléias
e alteiam os seus próprios símbolos.
Sl 74:5 Parecem-se
com os que brandem machado no espesso da floresta,
Sl 74:6 e agora a todos esses lavores de entalhe
quebram também,
com machados e martelos.
Sl 74:7 Deitam fogo ao teu santuário;
profanam,
arrasando-a até ao chão,
a morada do teu nome.
Sl 74:8 Disseram no seu coração:
Acabemos com eles de uma vez.
Queimaram todos os lugares santos de Deus na terra.
Sl 74:9 Já não vemos os nossos símbolos;
já não há profeta;
nem, entre nós,
quem saiba até quando.
Sl 74:10 Até quando, ó Deus,
o adversário nos afrontará?
Acaso,
blasfemará o inimigo incessantemente o teu nome?
Sl 74:11 Por que retrais a mão,
sim, a tua destra,
e a conservas no teu seio?
Sl 74:12 Ora, Deus,
meu Rei,
é desde a antiguidade;
ele é
quem opera feitos salvadores no meio da terra.
Sl 74:13 Tu,
com o teu poder,
dividiste o mar;
esmagaste sobre as águas a cabeça dos monstros marinhos.
Sl 74:14 Tu
espedaçaste as cabeças do crocodilo
e o deste por alimento às alimárias do deserto.
Sl 74:15 Tu
abriste fontes e ribeiros;
secaste rios caudalosos.
Sl 74:16 Teu é o dia;
tua, também, a noite;
a luz e o sol,
tu os formaste.
Sl 74:17 Fixaste os confins da terra;
verão e inverno,
tu os fizeste.
Sl 74:18 Lembra-te disto:
o inimigo tem ultrajado ao SENHOR,
e um povo insensato
tem blasfemado o teu nome.
Sl 74:19 Não entregues à rapina
a vida de tua rola,
nem te esqueças perpetuamente
da vida dos teus aflitos.
Sl 74:20 Considera a tua aliança,
pois os lugares tenebrosos da terra
estão cheios de moradas de violência.
Sl 74:21 Não fique envergonhado o oprimido;
louvem o teu nome
o aflito
e o necessitado.
Sl 74:22 Levanta-te,
ó Deus,
pleiteia a tua própria causa;
lembra-te
de como o ímpio te afronta todos os dias.
Sl 74:23 Não te esqueças
da gritaria dos teus inimigos,
do sempre crescente tumulto
dos teus adversários.

Ai dos que se levantam contra os que temem ao Senhor querendo deles se aproveitarem. Deus é vingador e ainda que os crentes não se vinguem a si mesmo, Deus age por eles e os vinga. Deus é zeloso e tem cuidado de nós. Vamos então confiar em Deus, louvá-lo e aceitar o seu governo, inda que contrário ao que queremos.
A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdete – 
http://www.jamaisdesista.com.br

...


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.