terça-feira, 25 de maio de 2010

365 dias de propósito! Dia 308/365

TEMA: A LEI DO JULGAMENTO – Mt 7:1-5; Mc 4:24,25

 

1 Não julgueis, para que não sejais julgados. 2 Porque com o juízo com que julgardes sereis julgados, e com a medida com que tiverdes medido vos hão de medir a vós. 3 E por que reparas tu no argueiro que está no olho do teu irmão, e não vês a trave que está no teu olho? 4 Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o argueiro do teu olho, estando uma trave no teu? 5 Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho, e então cuidarás em tirar o argueiro do olho do teu irmão.” (Mt 7: 1-5).

 

Primeiro, está o Espírito Santo nos advertindo para não julgarmos. A lição que eu aprendo aqui é que quem julga ou fica fazendo uso do julgamento está sendo julgado. É automático, comecei a julgar o meu irmão, eu também começo a ser julgado.

 

A palavra ainda acrescenta e fala de medidas, medidas de julgamento. Uma medida representa um padrão que com base nele comparamos as outras coisas para vermos e confirmarmos se determinada coisa que estamos medindo está dentro daquele padrão que estabelecemos.

 

Quem fica fazendo uso de julgamentos está sendo medido, comparado da mesma forma e com a mesma intensidade. Poderíamos tirar daqui uma lei ou um princípio. Toda vez que você julgar alguém e medi-lo, você automaticamente será julgado e também medido.

 

O Espírito Santo continua a nos exortar de que estamos muito preocupados com o cisco que está visivelmente no olho de nosso irmão. Estamos sim tão preocupados com ele que nem reparamos na trava, na lasca, no pedaço que está no nosso próprio olho. Isso sim que é cegueira.

 

Por um lado somos hábeis para enxergar nos outros inúmeros ciscos, mas incapazes de enxergarmos a trave que está nos nossos olhos. Se primeiro tirássemos de nossos olhos as traves que nos impedem de ver direito, seríamos capazes de ajudar o nosso irmão retirando dele todo cisco inconveniente.

 

O Espírito Santo nos chama então de hipócritas, isto é, chama os que são apressados no julgamento de hipócritas. Sabendo então da existência dessa lei espiritual a qual eu a chamarei a lei do julgamento, sensato seria se vigiássemos para não cairmos na tentação de ficar julgando ninguém para que nós mesmos não sejamos julgados por ninguém.

 

E disse-lhes: Atendei ao que ides ouvir. Com a medida com que medirdes vos medirão a vós, e ser-vos-á ainda acrescentada a vós que ouvis. Porque ao que tem, ser-lhe-á dado; e, ao que não tem, até o que tem lhe será tirado. (Mc 4:24,25).

 

O texto de Marcos ainda adverte que a medida do nosso julgamento será maior do que a do julgamento que fizermos. Quer dizer que se eu fui duro com meu irmão, serão ainda mais severos comigo.

 

Deus está nos ensinando que devemos amar, perdoar e conviver. Sabe um desafio interessante, uma espécie de ginástica espiritual que irá fortalecer nossa musculatura e nos deixar atletas no Reino de Deus e de sua Justiça? É você aceitar o desafio de vencer em você mesmo a barreira que se levanta dentro de você mesmo contra alguém que você considere antipático, chato, desprezível!

 

Ao dizer que meu irmão é antipático, chato e desprezível o que estou fazendo se não julgando? Ainda há muito o que meditar. Deus abençoe você nesse dia. Surpreenda alguém “chato” hoje, sabe como, dizendo a ele que você o ama e está orando por ele.

 

A Deus toda a glória! - Acompanhamento de Minhas Leituras Diárias – estou pensando em armazenar essas informações em algum outro lugar, enquanto isso, as atualizações somente serão feitas futuramente.

Reações:

1 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.