segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Êxodo 33: 1-23 – DEUS SE REVELA AOS QUE CREEM, MAS SE OCULTA DOS INCRÉDULOS.

Que lindo capítulo de Êxodo! Que fantástico o relacionamento do Criador com a criatura. Percebe-se que o Criador quer se revelar ainda mais e andar no meio do povo, mas o povo é de dura cerviz. Deus então se revela aos que creem e se oculta dos incrédulos.
Aquela quebra das duas tábuas da lei por Moisés representavam a quebra da aliança de Deus com o povo por isso estava a coisa toda tomando este rumo. O episódio do bezerro de ouro foi um episódio que trouxe juízo aos desobedientes, ou seja aos incrédulos.
Hebreus 3:11 Assim, jurei na minha ira: Não entrarão no meu descanso.
Hebreus 3:18 E contra quem jurou que não entrariam no seu descanso, senão contra os que foram desobedientes?
Hebreus 4:1 Temamos, portanto, que, sendo-nos deixada a promessa de entrar no descanso de Deus, suceda parecer que algum de vós tenha falhado.
Hebreus 4:3 Nós, porém, que cremos, entramos no descanso, conforme Deus tem dito: Assim, jurei na minha ira: Não entrarão no meu descanso. Embora, certamente, as obras estivessem concluídas desde a fundação do mundo.
Hebreus 4:5 E novamente, no mesmo lugar: Não entrarão no meu descanso.
Hebreus 4:8 Ora, se Josué lhes houvesse dado descanso, não falaria, posteriormente, a respeito de outro dia.
Hebreus 4:10 Porque aquele que entrou no descanso de Deus, também ele mesmo descansou de suas obras, como Deus das suas.
Hebreus 4:11 Esforcemo-nos, pois, por entrar naquele descanso, a fim de que ninguém caia, segundo o mesmo exemplo de desobediência.
Não mais a nação seria uma nação de sacerdotes, desfrutando da comunhão contínua com Deus – 19:3-6; 29:45-46. Era este um momento de grande crise na nação israelita.
Deus continua a insistir com Moisés - apesar de ele ter retrucado que ele -, que foi ele, Moisés, quem fez o povo subir da terra do Egito quando diz, vs. 1: “tu e o teu povo que fizeste subir da terra do Egito” – g.n.
Ele fala a eles para subirem à terra que ele jurou aos seus antepassados Abraão, Isaque e Jacó. Isso indicando que Deus preserva a sua promessa e guarda a sua palavra zelando por ela para a cumprir, mas a sua aliança seria exclusiva para os que buscassem ao Senhor, vs. 7.
A palavra falada do Senhor é nossa garantia e penhor que tudo que ele prometeu se cumprirá no seu devido tempo e nossa fé se baseia não em vento ou é cega, antes é firmada e fundamentada na palavra daquele que prometeu. Ele falou, nós cremos. E ai faremos como o apóstolo Paulo, “cri, por isso falei”.
Eu agora parafraseio ambos e digo: cri, porque ele falou, por isso falarei também. Explicando: a minha fé tem origem na fala de Deus e por causa disso ela gera a fala do meu testemunho. Ele falou, eu cri. Eu cri, por isso falarei!
Veja este “espírito da fé” de que fala Paulo: II Coríntios 4:13 “Tendo, porém, o mesmo espírito da fé, como está escrito: Eu cri; por isso, é que falei. Também nós cremos; por isso, também falamos,”.
E Deus promete enviar um anjo poderoso para ir a frente deles expulsando da terra deles – uma terra especial que mana leite e mel -, dadas por Deus, os cananeus, e os amorreus, e os heteus, e os perizeus, e os heveus, e os jebuseus.
E Deus declara claramente que não subirá no meio deles por serem eles povo de dura cerviz. O povo se entristece, mas reconhece que é assim. Se Deus fica no meio deles, eles seriam consumidos e assim ficam tristes por serem o que são, de dura cerviz.
Foi mesmo uma má notícia o fato de que Deus não poderia estar no meio deles. Hoje, graças ao Cristo, somos nós o próprio Templo e Tabernáculo do Senhor que carrega a sua própria presença por onde quer que vamos.
A garantia de que também não seremos destruídos não está na nossa santidade e porque somos melhores do que o povo de dura cerviz, mas por que o sumo sacerdote está conosco, o Mediador, o Messias. Ele morreu a nossa morte para nos dar a sua vida!
Deus não poderia subir no meio deles porque se não poderia destruí-los, assim ele fala a Moisés para dizer ao povo para o povo tirar os seus atavios, para que ele, o Senhor, saiba o que se há de fazer.
Eles tiram os seus atavios ou seja as vestes festivas associadas à idolatria – Gn 35:4 – e assumem uma postura de pranteadores, mas isso não era arrependimento, antes remorsos, já que eram e continuavam a ser um povo teimoso. No entanto, havia uma palavra e um sinal de esperança nas palavras “para que eu saiba o que te hei de fazer”. Aqui estava instalada uma grande crise em Israel por causa do grande pecado cometido.
A promessa de Deus seria mantida com ele lançando fora os cananeus e dando a terra a seu povo, mas ele, o Senhor, não seria o Senhor que habitaria no meio deles, ao contrário, outro acordo já estava em operação – veja vs. 7 a 11 – e tendo continuidade.
Deus se encontraria com Moisés, e com os israelitas interessados, numa tenda “fora, bem longe do arraial” – vs. 7. Essa “Tenda da Congregação” – vs. 7 – não era a habitação de Deus; Josué vivia lá – vs. 11. Deus ia apenas à entrada da tenda numa coluna de nuvem para falar com Moisés – vs. 9 e 10.
O povo obedece e Moisés entra na tenda.
O relacionamento de Moisés com o Senhor nos impressiona e, diz a palavra, que ele lhe falava como qualquer um fala ao seu amigo, face-a-face! Aqui agora começa um pedido especial de Moisés a Deus e ele insiste nele com muita sutileza.
Moisés quer a garantia de que Deus vá com ele e quer uma prova disso, ou seja, ele estava buscando uma revelação maior de Deus, ele queria ver a glória do Senhor. Havia pouco tempo quase que o Senhor destruiria todo o povo e dele, de Moisés, levantaria uma outra nação. Moisés estava inseguro e precisava de algo mais de Deus.
Moisés vai se aproximando de Deus cada vez mais e o Senhor vai lhe permitindo e ambos vão travando um diálogo que nos empolga e nos incentiva a buscar ao Senhor mais e mais.
A nuvem desce e os cobre. O povo entra em adoração. Moisés faz o seu pedido e Deus não permite que ele veja a sua face porque homem nenhum verá a face de Deus e viverá e assim lhe promete passar diante dele a sua bondade onde ele proclamaria seu nome e no momento certo protegeria ele da sua glória com suas próprias mãos e assim Moisés o veria pelas costas.
Deus diz nesse momento e afirma que ele terá misericórdia de quem ele tiver misericórdia, que ele se compadecerá de quem ele se compadecer. Não há aqui em Deus protecionismo ou favoritismo ou predileção nem preconceito da parte de Deus porque Deus é justo, santo, verdadeiro e perfeito em todos os seus caminhos.
Assim quando ele diz que terá misericórdia e se compadecerá de quem ele quer, ele está sendo justo, santo, bom e verdadeiro. Eu entendo aqui que Deus havia rejeitado os incrédulos e cedido a sua presença aos da fé, os que creem, conforme bem nos explica o autor de Hebreus ao comentar sobre o assunto.
Ex 33:1 Disse mais o SENHOR a Moisés:
Vai, sobe daqui,
tu e o povo que fizeste subir da terra do Egito,
à terra que jurei a Abraão, a Isaque, e a Jacó, dizendo:
A tua descendência a darei.
Ex 33:2 E enviarei um anjo adiante de ti,
e lançarei fora os cananeus, e os amorreus, e os heteus,
e os perizeus, e os heveus, e os jebuseus,
Ex 33:3 A uma terra que mana leite e mel;
porque eu não subirei no meio de ti,
porquanto és povo de dura cerviz,
para que te não consuma eu no caminho.
Ex 33:4 E, ouvindo o povo esta má notícia,
pranteou-se e ninguém pôs sobre si os seus atavios.
Ex 33:5 Porquanto o SENHOR tinha dito a Moisés:
Dize aos filhos de Israel:
És povo de dura cerviz;
se por um momento subir no meio de ti,
te consumirei;
porém agora tira os teus atavios,
para que eu saiba o que te hei de fazer.
Ex 33:6 Então os filhos de Israel se despojaram
dos seus atavios, ao pé do monte Horebe.
Ex 33:7 E tomou Moisés a tenda,
e a estendeu para si fora do arraial,
desviada longe do arraial,
e chamou-lhe
a tenda da congregação.
E aconteceu que todo aquele que buscava o SENHOR
saía à tenda da congregação,
que estava fora do arraial.
Ex 33:8 E acontecia que, saindo Moisés à tenda,
todo o povo se levantava,
e cada um ficava em pé à porta da sua tenda;
e olhava para Moisés pelas costas,
até ele entrar na tenda.
Ex 33:9 E sucedia que, entrando Moisés na tenda,
descia a coluna de nuvem,
e punha-se à porta da tenda;
e o SENHOR falava com Moisés.
Ex 33:10 E, vendo todo o povo a coluna de nuvem que estava à porta da tenda,
todo o povo se levantava e cada um, à porta da sua tenda,
adorava.
Ex 33:11 E falava o SENHOR a Moisés
face a face,
como qualquer fala com o seu amigo;
depois tornava-se ao arraial;
mas o seu servidor, o jovem Josué, filho de Num,
nunca se apartava do meio da tenda.
Ex 33:12 E Moisés disse ao SENHOR:
Eis que tu me dizes:
Faze subir a este povo,
porém não me fazes saber
a quem hás de enviar comigo;
e tu disseste:
Conheço-te por teu nome,
também achaste graça aos meus olhos.
Ex 33:13 Agora, pois, se tenho achado graça aos teus olhos,
rogo-te
que me faças saber o teu caminho,
e conhecer-te-ei,
para que ache graça aos teus olhos;
e considera que esta nação é o teu povo.
Ex 33:14 Disse pois:
Irá a minha presença contigo para te fazer descansar.
Ex 33:15 Então lhe disse:
Se tu mesmo não fores conosco,
não nos faças subir daqui.
Ex 33:16 Como, pois, se saberá agora
que tenho achado graça aos teus olhos, eu e o teu povo?
Acaso não é por andares tu conosco,
de modo a sermos separados,
eu e o teu povo,
de todos os povos que há sobre a face da terra?
Ex 33:17 Então disse o SENHOR a Moisés:
Farei também isto, que tens dito;
porquanto achaste graça aos meus olhos,
e te conheço por nome.
Ex 33:18 Então ele disse:
Rogo-te
que me mostres a tua glória.
Ex 33:19 Porém ele disse:
Eu farei passar toda a minha bondade por diante de ti,
e proclamarei o nome do SENHOR diante de ti;
e terei misericórdia de quem eu tiver misericórdia,
e me compadecerei de quem eu me compadecer.
Ex 33:20 E disse mais:
Não poderás ver a minha face,
porquanto homem nenhum verá a minha face,
e viverá.
Ex 33:21 Disse mais o SENHOR:
Eis aqui um lugar junto a mim;
aqui te porás sobre a penha.
Ex 33:22 E acontecerá que, quando a minha glória passar,
pôr-te-ei numa fenda da penha,
e te cobrirei com a minha mão,
até que eu haja passado.
Ex 33:23 E, havendo eu tirado a minha mão,
me verás pelas costas;
mas a minha face
não se verá.
No próximo capítulo nos aprofundaremos no que Deus falou e declarou baseado no que diz Gerard Van Groningen.
A bondade do Senhor velou aquilo que Moisés não suportaria ver e revelou tudo o que ele suportaria. Com Jesus Cristo, a glória velada a Moisés é revelada ao crente – Jo 1:14, 18; 2 Co 3:18 – por meio do Espírito Santo. (BEG).
A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdete – 
...


domingo, 27 de outubro de 2013

ÁLCOOL, UM VERDADEIRO LADRÃO DE CÉREBROS




Mais de cinquenta por cento dos acidentes de trânsito e dos crimes passionais estão ligados ao consumo de álcool e outras drogas. O álcool é um ladrão de cérebros. Não é um estimulante, mas um depressivo. As cadeias estão lotadas de seus "heróis" e os cemitérios de suas vítimas. É doloroso ver uma mulher tendo que buscar o marido bêbado na sarjeta. É dramático ver um pai tendo que buscar os filhos nos antros das drogas. Precisamos dizer não ao álcool. Precisamos fugir dessa sedução perigosa. O álcool é um grande embusteiro. O álcool promete alegria e produz tristeza; promete liberdade e escraviza; promete vida e mata!
Hernandes Dias Lopes

Êxodo 32: 1-35 - O SACERDÓCIO INTERMEDIADO PELOS HOMENS É FALHO.

Que história terrível a deste capítulo quando se narra que o povo de Moisés, ou seja, o povo do Senhor, se corrompeu ao se inclinar para adorar o deus feito de ouro, um bezerro, construído por Arão e depois se entregaram a orgia.
Tudo porque viram que Moisés tardava a descer do monte. É uma impaciência e falta de controle do tamanho do universo. Era algo que consumia o povo e o deixava instável e ai procuram por Arão para ver o que fariam, mas Arão, sem qualquer dúvida, sem pestanejar, sem nenhum amor pelo povo ou por Deus, atende ao povo.
Orienta-lhes a obterem objetos de ouro para que ele pudesse fazer algo e o povo atende Arão e trazem aos seus pés ouro que, segundo Arão, explicando a pergunta incisiva feita por Moisés no vs. 21 - Que te tem feito este povo, que sobre ele trouxeste tamanho pecado?  - responde-lhe, na maior tranquilidade: eu joguei no fogo e virou isso ai.
O bezerro de ouro formado como símbolo da divindade era muito comum no Egito. Talvez fosse o símbolo de Ápis, o deus-touro egípcio. Quem sabe Arão tenha identificado o bezerro de ouro com o Senhor, porque declarou o dia como de “festa ao Senhor” – vs. 5. O certo mesmo era que isso indicava algo muito sério: o sacerdócio intermediado pelos homens era falho!
A pergunta de Moisés já colocava Arão em mal lençóis e a sua resposta então, nada explica, apenas complica.
Tamanha impaciência do povo sendo resolvida por atos estultos e tresloucados que somente levariam o povo a uma situação muito perigosa. Deus queria já destruir o povo e falou com Moisés de sua pretensão, mas Moisés, o homem mais manso da terra, age como um perfeito sacerdote e mediador entre o povo e Deus.
O fracasso de Arão diante disso foi um indicativo de que este sacerdócio era imperfeito e portanto, ao seu tempo, deveria ser substituído por uma que fosse perfeita, o qual foi realizado por Cristo Jesus.
Ele não justifica a loucura do povo, mas intercede por ele a ponto de se oferecer para ter seu nome retirado do livro de Deus. Isso que é sacerdote, profeta, mediador e homem temente a Deus. Poderia ter levado vantagem da situação e ser uma figura muito importante com uma nação começando dele, mas preferiu ter paciência que o povo não teve.
Engraçado que no início deste capítulo quando Deus dá ciência do ocorrido ele diz para Moisés no vs. 7 que o povo dele, de Moisés, que ele tinha feito subir do deserto tinha se corrompido.
Moisés ao interceder pelo povo diz, reconhecendo a soberania de Deus, vs. 11, exatamente o contrário ao lembrar a Deus que ele, o Senhor, tinha feito subir o povo do deserto e que não era para ele deixar que sua ira se acendesse contra eles.
É interessante observar essas narrativas porque ambas, na verdade, são verdadeiras e curiosas por estarem sendo citadas quase que juntas e como se fossem uma provocando a outra.
Soberanamente, Moisés nada fez mesmo e Deus tirou o povo do Egito com sua forte mão, no entanto, para executar seu propósito, Deus levantou Moisés que agindo livremente e responsavelmente – não estou falando nem defendendo o livre-arbítrio o qual não creio – tirou o seu povo que liderava, fazendo-o subir do Egito.
Agora que estava feita a porcaria, começavam a vir as consequências disso e foi que houve mortes, juízo e grande peso e tristeza no acampamento. Os levitas executaram a ordem de Moisés e se levantaram contra os mal feitores e foram executadas 3000 mortes.
Vê-se na narrativa que Josué estava com Moisés e não tinha participado dessa coisa terrível e desajuizada do povo de dura cerviz. Um povo endurecido pelo pecado e impaciente com o coração cheio de adultério e porcarias que se irromperam na noite maldita do bezerro de ouro.
Eles não queriam deuses, nem Deus, eles queriam é deixar que seus corpos fossem possuídos pela luxúria que estava neles e que encontrou uma desculpa para vir à tona. Precisamos ter muito cuidado com a idolatria em nossa natureza adâmica que desperta em nós desejos malignos que uma vez saciados nos trazem grande problemas.
Ex 32:1 Mas vendo o povo que Moisés tardava em descer do monte,
acercou-se de Arão, e disse-lhe:
Levanta-te, faze-nos deuses, que vão adiante de nós;
porque quanto a este Moisés,
o homem que nos tirou da terra do Egito,
não sabemos o que lhe sucedeu.
Ex 32:2 E Arão lhes disse:
Arrancai os pendentes de ouro,
que estão nas orelhas de vossas mulheres, e de vossos filhos,
e de vossas filhas,
e trazei-mos.
Ex 32:3 Então todo o povo arrancou os pendentes de ouro,
que estavam nas suas orelhas, e os trouxeram a Arão.
Ex 32:4 E ele os tomou das suas mãos,
e trabalhou o ouro com um buril,
e fez dele um bezerro de fundição.
Então disseram:
Este é teu deus, ó Israel, que te tirou da terra do Egito.
Ex 32:5 E Arão,
vendo isto,
edificou um altar diante dele;
e apregoou Arão, e disse:
Amanhã será festa ao SENHOR.
Ex 32:6 E no dia seguinte madrugaram, e ofereceram holocaustos,
e trouxeram ofertas pacíficas;
e o povo assentou-se a comer e a beber;
depois levantou-se a folgar.
Ex 32:7 Então disse o SENHOR a Moisés:
Vai, desce;
porque o teu povo, que fizeste subir do Egito,
se tem corrompido,
Ex 32:8 E depressa se tem desviado do caminho
que eu lhe tinha ordenado;
eles fizeram para si um bezerro de fundição,
e perante ele se inclinaram,
e ofereceram-lhe sacrifícios, e disseram:
Este é o teu deus, ó Israel,
que te tirou da terra do Egito.
Ex 32:9 Disse mais o SENHOR a Moisés:
Tenho visto a este povo,
e eis que é povo de dura cerviz.
Ex 32:10 Agora, pois, deixa-me, para que o meu furor
se acenda contra ele, e o consuma;
e eu farei de ti uma grande nação.
Ex 32:11 Moisés, porém, suplicou ao SENHOR seu Deus e disse:
O SENHOR, por que se acende o teu furor contra
o teu povo,
que tiraste da terra do Egito
com grande força e com forte mão?
Ex 32:12 Por que hão de falar os egípcios, dizendo:
Para mal os tirou, para matá-los nos montes,
e para destruí-los da face da terra?
Torna-te do furor da tua ira,
e arrepende-te deste mal contra o teu povo.
Ex 32:13 Lembra-te de Abraão, de Isaque, e de Israel,
os teus servos, aos quais por ti mesmo tens jurado,
e lhes disseste:
Multiplicarei a vossa descendência como as estrelas dos céus,
e darei à vossa descendência toda esta terra,
de que tenho falado,
para que a possuam por herança eternamente.
Ex 32:14 Então o SENHOR
arrependeu-se do mal que dissera que havia de fazer ao seu povo.
Ex 32:15 E virou-se Moisés e desceu do monte
com as duas tábuas do testemunho na mão,
tábuas escritas de ambos os lados;
de um e de outro lado estavam escritas.
Ex 32:16 E aquelas tábuas eram obra de Deus;
também a escritura era a mesma escritura de Deus,
esculpida nas tábuas.
Ex 32:17 E, ouvindo Josué a voz do povo que jubilava, disse a Moisés:
Alarido de guerra há no arraial.
Ex 32:18 Porém ele respondeu:     
Não é alarido dos vitoriosos, nem alarido dos vencidos,
mas o alarido dos que cantam, eu ouço.
Ex 32:19 E aconteceu que, chegando Moisés ao arraial,
e vendo o bezerro e as danças,
acendeu-se-lhe o furor,
e arremessou as tábuas das suas mãos,
e quebrou-as ao pé do monte;
Ex 32:20 E tomou o bezerro que tinham feito,
e queimou-o no fogo,
moendo-o até que se tornou em pó;
e o espargiu sobre as águas,
e deu-o a beber aos filhos de Israel.
Ex 32:21 E Moisés perguntou a Arão:
Que te tem feito este povo,
que sobre ele trouxeste tamanho pecado?
Ex 32:22 Então respondeu Arão:
Não se acenda a ira do meu senhor;
tu sabes que este povo é inclinado ao mal;
Ex 32:23 E eles me disseram:
Faze-nos um deus que vá adiante de nós;
porque não sabemos o que sucedeu a este Moisés,
a este homem que nos tirou da terra do Egito.
Ex 32:24 Então eu lhes disse:
Quem tem ouro, arranque-o; e deram-mo, e lancei-o no fogo,
e saiu este bezerro.
Ex 32:25 E, vendo Moisés que o povo estava despido,
porque Arão o havia deixado despir-se
para vergonha entre os seus inimigos,
Ex 32:26 Pôs-se em pé Moisés na porta do arraial e disse:
Quem é do SENHOR, venha a mim.
Então se ajuntaram a ele todos os filhos de Levi.
Ex 32:27 E disse-lhes:
Assim diz o SENHOR Deus de Israel:
Cada um ponha a sua espada sobre a sua coxa;
e passai e tornai pelo arraial de porta em porta,
e mate cada um a seu irmão,
e cada um a seu amigo,
e cada um a seu vizinho.
Ex 32:28 E os filhos de Levi fizeram conforme à palavra de Moisés;
e caíram do povo aquele dia uns três mil homens.
Ex 32:29 Porquanto Moisés tinha dito:
Consagrai hoje as vossas mãos ao SENHOR;
porquanto cada um será contra o seu filho
e contra o seu irmão;
e isto, para que ele vos conceda hoje uma bênção.
Ex 32:30 E aconteceu que no dia seguinte Moisés disse ao povo:
Vós cometestes grande pecado.
Agora, porém, subirei ao SENHOR;
porventura farei propiciação por vosso pecado.
Ex 32:31 Assim tornou-se Moisés ao SENHOR, e disse:
Ora, este povo cometeu grande pecado fazendo para si
deuses de ouro.
Ex 32:32 Agora, pois,
perdoa o seu pecado,
se não,
risca-me,
peço-te,
do teu livro, que tens escrito.
Ex 32:33 Então disse o SENHOR a Moisés:
Aquele que pecar contra mim,
a este riscarei do meu livro.
Ex 32:34 Vai, pois, agora,
conduze este povo para onde te tenho dito;
eis que o meu anjo irá adiante de ti;
porém no dia da minha visitação
visitarei neles o seu pecado.
Ex 32:35 Assim feriu o SENHOR o povo,
por ter sido feito o bezerro que Arão tinha formado.
Moisés pretendeu controlar o livro de Deus, mas Deus disse que não seria assim; não seria ele quem decidiria que nome ficaria ali ou não, pois isso pertencia, exclusivamente, ao Senhor. E ele nos disse a regra áurea: aquele que pecar contra ele!

Estão, portanto, de fora, os pecadores! Exceto, óbvio, os pecadores remidos que Cristo Jesus deu a sua vida por eles.

A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdete – 
http://www.jamaisdesista.com.br
...


sábado, 26 de outubro de 2013

Êxodo 31: 1-18 – DEUS ESCOLHE, CHAMA, CAPACITA, ENVIA e SUPRE.

No capítulo 31 encontraremos a escolhas dos artífices da obra do tabernáculo bem como a orientação sobre o sábado santo e as duas tábuas do Testemunho.
É Deus quem elege, depois chama, depois capacita e depois envia. Com certeza, Deus não observou Bezalel e depois o escolheu, chamou, capacitou e enviou. Antes, desde o ventre materno, mesmo antes da fundação dos mundos,  Deus já tinha separado este para fazer as funções que precisaria fazer doravante.
Realmente estudar a Bíblia é descobrir que Deus é quem tudo faz, conforme Isaias 64:4 - Porque desde a antiguidade não se ouviu, nem com ouvidos se percebeu, nem com os olhos se viu um Deus além de ti, que opera a favor daquele que por ele espera.
A escolha de Deus - Rm 9:11
Romanos 9:11 Porque, não tendo eles ainda nascido, nem tendo feito bem ou mal (para que o propósito de Deus, segundo a ELEIÇÃO, ficasse firme, não por causa das obras, mas por aquele que chama),
Quem escolhe é Deus. Ele nos escolheu desde a fundação dos mundos, antes mesmo de sermos formados, Deus nos escolheu. Veja o que Paulo diz aos Efésios: Ef 1:4 assim como nos escolheu, nele, antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis perante ele; e em amor.
O fator determinante na escolha de Deus é o propósito de Deus. Essa escolha na eleição é baseada exclusivamente na vontade soberana de Deus e não mediante as ações previstas do homem.
Foi o próprio Senhor quem afirmou que não fomos nós que o escolhemos, pelo contrário, ele nos escolheu e nos designou para irmos e darmos frutos e nossos frutos permanecerem a fim de que tudo quanto pedirdes ao Pai em seu nome, o pai o conceda. – Jo 15:16.
No capítulo primeiro também vemos João, versos 12 e 13 falando que  todos quantos receberam a Cristo, deu-lhes, o Pai, o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber os que creem no seu nome, os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus.
O chamado de Deus
Romanos 9:11 Porque, não tendo eles ainda nascido, nem tendo feito bem ou mal (para que o propósito de Deus, segundo a eleição, ficasse firme, não por causa das obras, mas por aquele que CHAMA),
Depois de escolhidos, Deus nos chama no seu devido tempo. Deus chamará todos os escolhidos? Sim, certamente que sim. Para cada um ele tem um chamado específico conforme sua escolha soberana e seus propósitos eternos.
A capacitação de Deus
II Coríntios 3:5 Não que sejamos capazes, por nós, de pensar alguma coisa, como de nós mesmos; mas a nossa capacidade vem de Deus,
II Coríntios 3:6 O qual nos fez também CAPAZES de ser ministros de um novo testamento, não da letra, mas do espírito; porque a letra mata e o espírito vivifica.
Uma vez escolhidos e chamados, seremos agora capacitados por Deus para sermos ministros de um novo testamento, não da letra, mas do espírito; porque a letra mata, mas o espírito vivifica.
O enviar de Deus
Romanos 10:15 E como pregarão, se não forem ENVIADOS? como está escrito: Quão formosos os pés dos que anunciam o evangelho de paz; dos que trazem alegres novas de boas coisas.
Depois de capacitados, estamos prontos para irmos e trabalharmos para o Senhor em sua seara. Agora é Deus quem nos envia e quem coloca em nós a certeza de que devemos ir.
Agora estamos diante deste desafio de Deus que nos escolheu, nos chamou, nos capacitou e nos enviou, portanto, devemos agora obedecê-lo indo e percorrendo as aldeias e povoados, onde estiver uma alma que precise de ouvir a palavra que é poderosa, depois de ouvida, de gerar nele vida e salvação.
Foi Deus, então, quem elegeu, chamou, capacitou e enviou Bezalel e Aoliabe para todas as obras relacionadas ao Templo a fim de que fosse construído exatamente conforme o modelo que fora mostrado por Deus.
Interessante aqui observar que Paulo, em I Co 3:5-17, representou a si mesmo como Bezalel – à sombra de Deus - e Apolo como Aoliabe – o pai é minha tenda – do templo da nova aliança em Corinto.
De fato, ao descrever a si mesmo como o “prudente construtor” – I Co 3:10 – e a Apolo como “o outro edifica sobre ele – o fundamento que Paulo havia lançado -, Paulo tomou emprestado termos da descrição de Bezalel que aparecem no Antigo Testamento grego – vs. 4; 35:32, 34. (BEG).
Em seguida, completando mais instruções a respeito do tabernáculo e todos os seus móveis, Deus fala de sua aliança e do sábado. Assim como Deus trabalhou seis dias e descansou no sábado, ele estava orientando o povo para trabalhar seis dias e descansar no sábado, a fim de o buscar e andar na sua presença e se lembrar de sua aliança perpétua.
Ex 31:1 Depois falou o SENHOR a Moisés, dizendo:
Ex 31:2 Eis que eu tenho chamado por nome a Bezalel,
o filho de Uri, filho de Hur, da tribo de Judá,
Ex 31:3 E o enchi do Espírito de Deus,
de sabedoria, e de entendimento, e de ciência,
em todo o lavor,
Ex 31:4 Para elaborar projetos, e trabalhar
em ouro, em prata, e em cobre,
Ex 31:5 E em lapidar pedras para engastar,
e em entalhes de madeira, para trabalhar em todo o lavor.
Ex 31:6 E eis que eu tenho posto com ele
a Aoliabe, o filho de Aisamaque, da tribo de Dã,
e tenho dado
sabedoria ao coração de todos aqueles que são hábeis,
para que façam tudo o que te tenho ordenado.
Ex 31:7 A saber:
a tenda da congregação,
e a arca do testemunho,
e o propiciatório que estará sobre ela,
e todos os pertences da tenda;
Ex 31:8 E a mesa com os seus utensílios,
e o candelabro de ouro puro com todos os seus pertences,
e o altar do incenso;
Ex 31:9 E o altar do holocausto
com todos os seus utensílios, e a pia com a sua base;
Ex 31:10 E as vestes do ministério,
e as vestes sagradas de Arão o sacerdote,
e as vestes de seus filhos,
para administrarem o sacerdócio;
Ex 31:11 E o azeite da unção,
e o incenso aromático para o santuário;
farão conforme a tudo que te tenho mandado.
Ex 31:12 Falou mais o SENHOR a Moisés, dizendo:
Ex 31:13 Tu, pois, fala aos filhos de Israel, dizendo:
Certamente guardareis meus sábados;
porquanto isso é um sinal entre mim e vós
nas vossas gerações;
para que saibais que eu sou o SENHOR,
que vos santifica.
Ex 31:14 Portanto guardareis o sábado,
porque santo é para vós;
aquele que o profanar certamente morrerá;
porque qualquer que nele fizer alguma obra,
aquela alma será eliminada do meio do seu povo.
Ex 31:15 Seis dias se trabalhará,
porém o sétimo dia é o sábado do descanso,
santo ao SENHOR;
qualquer que no dia do sábado fizer algum trabalho,
certamente morrerá.
Ex 31:16 Guardarão, pois, o sábado os filhos de Israel,
celebrando-o nas suas gerações por aliança perpétua.
Ex 31:17 Entre mim e os filhos de Israel
será um sinal para sempre;
porque em seis dias fez o SENHOR os céus e a terra,
e ao sétimo dia descansou,
e restaurou-se.
Ex 31:18 E deu a Moisés
(quando acabou de falar com ele no monte Sinai)
as duas tábuas do testemunho,
tábuas de pedra,
escritas pelo dedo de Deus.

Este capítulo termina com a fala de Deus dizendo que deu a Moisés as duas tábuas escritas pelo próprio dedo de Deus, certamente em hebraico ou aramaico. Não se sabe ao certo se eram duas cópias da Lei ou se as duas pedras era uma continuação da outra.
Após eleger, chamar, capacitar, enviar, ele irá suprir, isso mesmo, sustentar e manter aqueles que estiverem servindo ao Senhor no ministério seja ele qual for para a glória de Deus.
A Deus toda glória! p/ Daniel Deusdete – 
http://www.jamaisdesista.com.br

...