sexta-feira, 18 de agosto de 2017

“PASSAR UM CAMELO PELO FUNDO DE UMA AGULHA”: É POSSÍVEL?!

Após uma conversa com o jovem rico, Jesus olha para seus discípulos e fala: “... ainda vos digo que é mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha do que entrar um rico no reino de Deus” (Mt 19.24)1. O que Jesus quis realmente dizer com essas palavras? Seria possível passar um camelo pelo fundo de uma agulha ou Ele estava se referindo a algum evento ou objeto? Essas palavras provocaram conflitos internos até mesmo nos discípulos, pois falavam: “quem poderá, pois, salvar-se?” (Mt 19.25), isso porque eles compartilhavam da teoria judaica daquela época, a qual ensinava que os ricos eram abençoados por Deus, e que por isso, com certeza alcançariam a salvação eterna. Porém, Jesus corrige esse erro explicando que os ricos têm dificuldades de se converterem, mas não impossibilidade de entrar no reino de Deus (Lc 18.24), e isto está explícito na palavra “dificilmente” (dusko,lwj2, duskólôs) a qual tem o sentido de ser dificultoso de se alcançar, no entanto, não é impossível.
A hipérbole do camelo passando pelo fundo de uma agulha tem sido interpretada de varias formas, Radmacher3, relata que uns ensinam se tratar de “uma corda de pelo de camelo passando pelo buraco de uma agulha, ou mesmo como um camelo de verdade sendo espremido para passar por uma porta bem estreita chamada fundo de agulha, que ficava perto da entrada principal de Jerusalém”.
Short4 comenta ainda que assim como literalmente, era impossível o rico se salvar, assim também, “era impossível que o camelo, o maior animal na Palestina naquela época, passasse pelo fundo de uma agulha”. Já o Dr. Lund5, comenta que esta conversa se realizou em aramaico, e relata que, alguns comentaristas ensinam que os evangelhos foram escritos nesse idioma e posteriormente traduzidos para o grego. Ainda segundo Lund6, o Dr. Lamsa explica que “a palavra aramaica gamla pode significar uma corda grossa, um camelo ou uma viga, e afirma que a palavra camelo é uma tradução errada”, em todas as línguas.      
Vine7 comenta que a palavra grega ka,mhlon (kámêlon, camelo), deriva-se de um termo hebraico que significa “portador, carregador”,  a qual é usada “em provérbios” para indicar algo quase impossível. Semelhantemente, isso pode ser visto de acordo  com Ellison8 e Radmacher9 em um provérbio do Talmude que fala de “um elefante passar pelo fundo de uma agulha”.
Ellison10 e Vine11, afirmam que, a teoria popular segundo a qual, a expressão “fundo de uma agulha”, se refere a uma porta pequena que ficava perto da entrada principal de Jerusalém, é moderna e sem fundamento.  
Com relação à teoria apresentada pelo Dr. Lund12, de que a conversa se realizou em aramaico, não há duvidas, pois segundo Bruce13 esse era o idioma comum da “Palestina, especialmente da Galileia” de onde Jesus era. Já a opinião de alguns comentaristas, com relação aos evangelhos é que eles foram escritos nesse idioma e posteriormente traduzidos para o grego. Baseado nisso, Bruce14 comenta que há “evidências”, porém, divergências têm surgido no decorrer dos séculos. No entanto, ao comparar essas informações com a explicação do Dr. Lamsa15 de “que a palavra aramaica gamla, “camelo” é uma tradução errada... do aramaico para o grego”, convém salientar que, os estudiosos que analisam o texto, a partir deste pressuposto, põem em dúvida a inerência das Escrituras Gregas do Novo Testamento, e sabendo-se que, todo o cânon foi expirado por Deus e que nele não há erros, chega se a conclusão lógica de que a conversa se deu em aramaico, porém, o texto foi escrito em grego.
Em uma rápida analise dos textos de Mateus 19.24 e Marcos 10.25, se verá que os dois evangelistas falam de uma mesma espécie de “agulha” (r`afi,doj, hraphídos), a qual de acordo com Wuest16 era semelhante às dos dias hodiernos, “usada com linha” no seu orifício. Porém, em Lucas 18.25 o termo é belo,nhj (belónês, agulha), que segundo Wuest17 era a “agulha usada nas operações cirúrgicas” pelos médicos. Sendo assim, fica evidente que a ênfase das palavras de Jesus no texto não era com relação à passagem do camelo literalmente pelo fundo de uma agulha, ou de uma suposta porta na muralha visto que há uma variação de palavras nos textos dos evangelhos, entretanto ainda que o texto não tenha sido escrito no idioma aramaico, mas a conversa tenha ocorrido nele, lembre-se que o termo gamla pode significar uma corda grossa, além de camelo. Com isso concorda o Dr. Lamsa18 quando comenta que Jesus quis falar o seguinte: “trabalho mais leve é passar uma corda grossa pelo fundo de uma agulha, que entrar um rico no reino dos céus”, ficando subentendido assim, que as palavras de Jesus demonstrava a dificuldade e não a impossibilidade dos ricos serem salvos.
Por ultimo convém observar que a resposta dada por Jesus, com relação à pergunta: “quem pode salvar-se?” contém duas partes importantes. A primeira é quando ele fala das: “... coisas impossíveis aos homens” à segunda é quando enfatiza que: “... são possíveis para Deus”. Nestas frases, os termos “aos” e “para” em grego é a preposições para (parà, [dos, para]), cujo sentido literal19 é “ao lado de”. Ficando assim evidente que a salvação não é alcançada por mérito humano através daquilo que se possui, mas mediante uma ação do espírito de Deus que age na vida do homem (Lc 18.27; Jo 16.8-11).
Com essas palavras concorda o doutor Radmacher20 ao afirmar que “a humanidade inteira é incapaz de salvar a si mesma e precisa confiar na eficácia da graça de Deus, pois ao homem é isso impossível, mas a Deus tudo é possível”. Assim, conclui-se que a salvação de um homem rico ou pobre, diante da presença de Deus tem a mesma importância. Pois ambos dependem da ação da graça de Deus.
Éder Machado.
Referências bibliográficas.
1.      Veja comentários em: RADMACHER, Earl D. et al. O novo comentário Bíblico Novo Testamento: com recursos adicionais a palavra de Deus ao alcance de todos. Vol 2. Rio de Janeiro: Central Gospel, 2010, 57 e 58 p.
2.      A Bíblia Sagrada: Novo Testamento interlinear grego – português. 2. ed. São Paulo: SBB, 2004, 992 p.
3.      RADMACHER, Earl D. et al. O novo comentário Bíblico Novo Testamento: com recursos adicionais a palavra de Deus ao alcance de todos. Vol 2. Rio de Janeiro: Central Gospel, 2010, 57, 58 p.
4.      BRUCE, F. F. Comentário Bíblico NVI. São Paulo: Vida Nova, 2012, 1119 p.
5.      LUND, E; NELSON P. C. Hermenêutica. Regras de interpretação das Sagradas Escrituras. São Paulo: Vida, 2002, 106 p.
6.      Idem.
7.      VINE, W. E; UNGER, Merril F; White JR, William. Dicionário Vine: O significado exegético e expositivo das palavras do Antigo e do Novo Testamento. 3. ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2003,  447 p.
8.      Sobre o provérbio do elefante consulte BRUCE, F. F. Comentário Bíblico NVI. São Paulo: Vida Nova, 1091 p.
9.      RADMACHER, Earl D. et al. O novo comentário Bíblico Novo Testamento: com recursos adicionais a palavra de Deus ao alcance de todos. Vol 2. Rio de Janeiro: Central Gospel, 2010, 58 p.
10.   BRUCE, F. F. Comentário Bíblico NVI. São Paulo: Vida Nova, 2012, 1091 p.
11.   VINE, W. E; UNGER, Merril F; White JR, William. Dicionário Vine: O significado exegético e expositivo das palavras do Antigo e do Novo Testamento. 3. ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2003,  382 p.
12.   LUND, E; NELSON P. C. Hermenêutica. Regras de interpretação das Sagradas Escrituras. São Paulo: Vida, 2002, 106 p.
13.   BRUCE, F. F. Merece confiança o Novo Testamento? 3. ed. São Paulo: Vida Nova, 2010, 51 p.
14.   Idem.
15.   LUND, E; NELSON P. C. Hermenêutica. Regras de interpretação das Sagradas Escrituras. São Paulo: Vida, 2002, 106 p.
16.   WUEST, Kenneth S. Jóias do NovoTestamento grego. Estudos baseados no Texto grego do Novo Testamento. São Paulo: Imprensa Batista Regular, 1986, 25, 26 p.  
17.   Idem.
18.   LUND, E; NELSON P. C. Hermenêutica. Regras de interpretação das Sagradas Escrituras. São Paulo: Vida, 2002, 106 p.
19.   WUEST, Kenneth S. Jóias do NovoTestamento grego. Estudos baseados no Texto grego do Novo Testamento. São Paulo: Imprensa Batista Regular, 1986, 25, 26 p.  
20.   RADMACHER, Earl D. et al. O novo comentário Bíblico Novo Testamento: com recursos adicionais a palavra de Deus ao alcance de todos. Vol 2. Rio de Janeiro: Central Gospel, 2010, 58 p.
Realização MEP: Ministério Ensinando a Palavra.


terça-feira, 15 de agosto de 2017

TOMADAS DE DECISÕES - COMO DECIDIR?

Veja que engraçado!
Preciso de tomar uma decisão muito importante que irá impactar em minha vida e na vida de minha família.
Eu não sei o que decidir, mas estou orando e pedindo a direção de Deus e creio que ele me direcionará.
Agora, vamos fazer uma pequena viagem ao futuro:
·     Vamos para o dia em que eu já tomei minha decisão: Não foi fácil, mas orei, busquei ao Senhor e ele me direcionou. Obrigado Senhor! Deu tudo certo e agora é hora de trabalhar ainda mais para a glória de Deus. Graças a Deus pela decisão tomada!
Voltemos, novamente ao presente:
·     Meu Deus que angústia! Tenho orado tanto, mas não tenho ouvido você falar comigo.
Sabem o que ocorreu ao meu coração? Que eu deveria mudar a minha oração. Ao invés de eu pedir: "- Deus, fala comigo!" eu deveria pedir: " - Deus, tira as ceras de meus ouvidos para que eu o ouça".
É engraçado: estamos presos no tempo: 
·     Passei pelo passado, vivo o presente e tomo decisões que irão impactar no meu futuro.
Deus não está preso no tempo: 
·     O passado, o presente e o futuro para ele são a mesma coisa. Ele não se angustia, não se preocupa, não teme.
Daqui há pouquinho o tempo, para mim, irá passar e a decisão que eu precisava de tomar, terei tomado. 
·     Deus sempre cuidou de mim no passado. No presente, ele anda comigo e sinto a sua presença e a força que me dá para prosseguir. No futuro, Deus será comigo, assim diz a minha fé! Não há o que temer!
Parece simples, mas a angústia ainda está com suas garras em mim.

Como tomar decisões?
Este é o meu método de tomada de decisões. Antes de tomá-las, eu ouço algumas vozes e depois de ouvi-las, decido-me:
Vozes quem me ajudam a formar minha opinião e convicção nas minhas tomadas de decisões (Eu ouço e julgo... I Ts5:21 “julgai todas as coisas, retende o que é bom;”; I Co 14:29 “Tratando-se de profetas, falem apenas dois ou três, e os outros julguem.” e I Co 2:15 “Porém o homem espiritual julga todas as coisas, mas ele mesmo não é julgado por ninguém.”):
  1. Do Espírito Santo.
Óbvio que é aquilo que entendo que é o Espírito Santo que está falando.
  1. Da palavra de Deus que está na Bíblia.
Também é óbvio que a Bíblia não fala de per-se, logo, será aquilo que entendo que a Bíblia, a Palavra de Deus está falando.
  1. Oriundas das minhas orações, jejuns, campanhas pessoais, vida piedosa...
  2. Da minha consciência.
Ela é sempre consultada, antes de qualquer coisa. Sendo reprovada pela consciência, nem me atreverei a avaliá-la em outros níveis.
  1. Oriundas das pregações, testemunhos e outros fatores presentes nos cultos, inclusive daquelas em que sou o respectivo autor.
  2. Dos homens de Deus
Pastores, minha mãe, esposa, meus filhos, irmão, amigos que me aconselham e dão suas opiniões quer me aprovando, quer me reprovando.
  1. Dos profetas
Com suas profecias, sonhos, visões e revelações. Pode ser que o profeta seja o próprio recebedor das profecias, sonhos, visões, revelações ou outras experiências com os dons do Espírito Santo.
  1. Dos testemunhos e experiências de diversos homens de Deus em todos os tempos, inclusive daqueles que são bíblicos, os da história e os da contemporaneidade....
  2. Dos meus sonhos normais e daqueles que entendo significativos ou proféticos.
  3. Oriundos da minha própria experiência e vivência de fé.
  4. Do próprio diabo, ou daquilo que entendo que seja ele falando, óbvio que não para segui-lo, mas evita-lo.
  5. De outros fatos/experiências que me ajudarão a formar minha opinião.


sexta-feira, 11 de agosto de 2017

MAIS UMA VOLTINHA EM TORNO DO SOL...

Hoje é um dia especial em minha vida! Aliás, todos os dias são especiais, mas neste, em especial (rs...rs....) estou completando mais uma volta em torno do sol, viajando na nave Terra-Mãe.
Por falar em voltinhas, como nossa vida está cheia delas e quem disse que percebemos isso? Em torno da Terra, já dei, com o dia de hoje, 21.185 voltinhas. Confesso que ainda não estou tonto!
A gente gira em torno da terra, a gente gira em torno do Sol, a gente vive girando, girando, dando voltinhas, e o tempo vai passando, passando e vamos assim fazendo nosso história.
Estamos juntos, todos nós, dando suas voltinhas, navegando numa nave segura, que nunca falhou um dia se quer. Se houvesse uma mínima variação, creio, seríamos lançados para fora dela para sempre!
Não é incrível como ela é exata, precisa, perfeita? Não tem como não reconhecer o Criador! Não tem como não dar glórias por esse dia especial! Não tem como não louvá-lo!
Além dessas voltinhas, vamos caminhando, nunca estamos parados, viajando, mas agora em forma espiralada, formando ondas... para onde estamos indo?
A terra é nossa nave principal, mas também o sol está se movendo e ainda toda a galáxia com milhares de sóis, estrelas, planetas, asteroides, satélites... nada está parado, nem no macro, nem no microcosmos... Tudo está em movimento o tempo todo.
Isso é vida! A Vida não está parada mas circulando, dando voltinhas, completanto mais um período. Nem mesmo o móvel ou a rocha que parece paradinha, está parada. Não existe zero absoluto, somente na teoria; não existe trevas absoluta, somente na teoria.
Não é incrível a natureza, a criação de Deus, a vida? Jesus Cristo disse dele mesmo: eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida e ninguém vem ao Pai se não por mim – Jo 14:6.
Não fomos feitos para vivermos isolados, sozinhos, mas juntos, fazendo parte do conjunto, se sentindo participante, ativo, produtivo, vivo.
Muito obrigado a todos que se lembraram de meu aniversário... Amo todos vocês! Obrigado pelas mensagens, pelos votos de felicidades, pelas demonstrações de carinho, atenção, abraços, calor humano, presentes.
Quero finalizar com uma historinha que recebi hoje que me deixou estupefato.... Amei, amigão César Arévalo, meu sócio na CACOS Business:
          Havia um povo antigo, dos tempos dos Sumérios, muito religioso e guerreiro. A todo momento repetiam as palavras sacras que abundantemente eram encontradas na língua falada por aquela tribo.
          As palavras DAR, DOAR, DOM guardavam uma semelhança entre si, de ordem divina, segundo eles, e, por isso mesmo, eram conjugadas por um só verbo, o verbo “dete”. 
          Seu Rei, um herói divino, um desígnio de Deus, um guerreiro muito amado, temido e forte, jamais precisou usar sua lança para vencer uma guerra, enfrentou e venceu batalhas somente com a fé nas palavras de Deus, mesmo diante dos seus piores inimigos. E, com a sua fé inabalável, manteve seu povo sempre em paz e unido.
No dia do seu aniversário, o povo saía às ruas em festa, clamando:
Deusdete!!! Deusdete!!! Deusdete!!!
Feliz aniversário meu grande amigo.
Viva o 11 de agosto de 2017.

Na verdade o significado de meu nome “Deusdete” vem do latim que significa – dádiva, dom, presente de Deus. TMJ...

terça-feira, 8 de agosto de 2017

O FIM DO ÍMPIO - PV 2.22; SL 24

O mal para prosperar precisa do bem. Ele é como um câncer.
Não faz parte do corpo, mas precisa do corpo para se manifestar e enganar.
Diz a Palavra de Deus e eu assim creio que o ímpio (o mal, o câncer) será exterminado da face da terra (não haverá mais corrupção, não haverá mais ladrão, não haverá mais violência, nem ignorância, nem mal algum no Monte Santo do Senhor) - Sl 24; Pv 2.22.
Não se fará mal nem dano algum em todo o meu santo monte, porque a terra se encherá do conhecimento do Senhor, como as águas cobrem o mar. Isaías 11:9.
Quanto a nós, nesse ínterim, façamos sempre o bem e escolhamos sempre a verdade; Embora nessa caminhada possamos ser enganados, jamais enganaremos quem quer que seja. Deus é nosso juiz e bem assim nossa consciência.
Uma coisa também não podemos fazer é deixar de lutar e acreditar no bem, custe o que custar, doa o que doer.
Sendo possível, exterminemos o câncer; não sendo, convivamos com ele lutando sempre pela vida. 

Nascidos heterossexuais ou homossexuais?

Feto, Bebê, Desenvolvimento De, Mãe, Útero, GrávidasEntão, respondeu ele: Não tendes lido que o Criador, desde o princípio, os fez homem e mulher”.1
No texto em apreço, observa-se nas palavras de Jesus, que a criação é composta por apenas dois sexos. E, que nessa criação, não há variações e/ou mudanças de comportamentos e/ou sexos por parte do criador. No entanto, se tais alterações ocorrerem, devem ser vistas como atitudes de comportamentos e/ou vontades dos seres humanos. Isso pelo fato da humanidade viver em um estágio de decadência psicossomática.2
Hernandes Dias Lopes enfatiza que Deus “instituiu o casamento heterossexual” e que “o homossexualismo é visto nas Escrituras como um mal” que “traz conseqüências graves no tempo e na eternidade” e que tal prática, “não pode cumprir o pleno propósito de Deus para a família”.3
Conforme John S. H. Tay doutor em genética humana, “Há 23 pares de cromossomos no homem, e o último par é chamado de cromossomos sexuais”.4 O qual, de acordo com Adalto J. B. Lourenço une-se ao da mãe, e por ser o do pai composto pelo par XY e o da mãe pelo par XX, o sexo do novo ser gerado é determinado pelo cromossomo do pai. Isso porque, se o X do pai se une com o X da mãe o novo ser gerado é uma mulher. Se o Y do pai se une com o X da mãe será um homem.5
Sendo assim, não há base cientifica para a homossexualidade,6 visto que na formação genética não existe outra possibilidade de sexo.
Portanto, a opção homossexual, seja masculina ou feminina, é uma questão do coração corrompido pelo pecado. E, somente a Palavra de Deus para mudar esse comportamento no caráter do ser humano e resgatar o pleno proposito de Deus. A heterossexualidade,7 que é à base da família.8
Notas bibliográficas
1 Texto extraído da Bíblia Sagrada; traduzida por João Ferreira de almeida. Almeida Revista e Atualizada (ARA), SBB, 1993. Confira Mateus 19.4. As palavras a; ἄρσεν και θῆλυ (arsen kai thelu [macho e fêmea]) foram citadas por Jesus, demonstrando assim que só existem apenas duas espécies de sexo, masculino e feminino.
2 A palavra psicossomática é um termo composto dos vocábulos grego psichê (vida, alma) e soma (corpo) os quais na teologia referem-se ao ser humano como uma unidade, e não uma dicotomia de alma e corpo.
3 LOPES, Hernandes Dias. Casamento, divórcio e novo casamento. São Paulo: Hagnos, 2005, p. 26, 27.
4 TAY, John S. H. Nascido Gay? existem evidências científicas para a homossexualidade? Rio de Janeiro: Central Gospel, 2011, p. 89, 90 e 92; sobre os cromossomos consulte também SGRECCIA, Elio. Manual de Bioética: fundamentos e ética biomédica. Vol 1. 3 ed. São Paulo: Edições Loyola, 2009, p. 303-308.
5 LOURENÇO, Adalto J. B. Gênesis 1 & 2: a mão de Deus na criação. São Paulo: Fiel, 2011, p. 193, 196; para mais detalhes sobre os cromossomos consulte TAY, John S. H. Nascido Gay? existem evidências científicas para a homossexualidade? Rio de Janeiro: Central Gospel, 2011, p. 91-94.
6 Ademais, a atração sexual entre pessoas do mesmo sexo sejam Gays, lésbicas ou travestis, é condenada nas Escrituras Sagradas. Confira Gênesis 19.1-11; Levítico 18.22; Romanos 1.25-27; 1 Coríntios 6.9.
7 É a união entre pessoas de sexos diferentes. Ou seja, entre um homem e uma mulher.
8 Para uma análise do conceito Sócio-Histórico sobre a Família consulte BENTHO, Esdras Costa. A família no Antigo Testamento: história e sociologia. 2. ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2006, p 23-237.
Bibliografia
A BÍBLIA Sagrada; Almeida Revista e Atualizada.São Paulo: SBB, 1993.
BENTHO, Esdras Costa. A família no Antigo Testamento: história e sociologia. 2. ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2006, p 256.
KIDNER, Derek. Gênesis: introdução e comentário. São Paulo: Vida Nova, 2011, p. 208.
LOURENÇO, Adalto J. B. Gênesis 1 & 2: a mão de Deus na criação. São Paulo. Fiel, 2011, p. 238.
RADMACHER, Earl D. et al. O novo comentário Bíblico Novo Testamento: com recursos adicionais a palavra de Deus ao alcance de todos. Vol 2. Rio de Janeiro: Central Gospel, 2010, p. 844.
SGRECCIA, Elio. Manual de Bioética: fundamentos e ética biomédica. Vol 1. 3 ed. São Paulo: Edições Loyola, 2009, p. 784.
TAY, John S. H. Nascido Gay? existem evidências científicas para a homosexualidade? Rio de Janeiro: Central Gospel, 2011, p. 180.
Éder Machado

Realização MEP: Ministério Ensinando a Palavra.

sábado, 5 de agosto de 2017

TODOS PECARAM EM ADÃO - por Pr. Éder Machado

Todos pecaram em  Adão[1]

O apóstolo Paulo escreveu em Romanos 5.12 o seguinte: “Portanto, assim como por um só homem [i.e., Adão] entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens [i.e., todas as pessoas], porque todos pecaram [i.e., em Adão]” (cf. ARA). 
Sem dúvida, esse texto é claramente uma referência à narrativa da queda em Gênesis capítulo 3. E segundo F. F. Bruce,[2] essa mesma tecla é tocada no livro Apócrifo de 2 Esdras 7.118 que diz: ‘Ó Adão, que fizeste? Pois embora sejas tu quem pecou, a queda não foi só tua, mas também nossa, que somos teus descendentes’. No entanto, Bruce[3] entende que o escritor não vê coisa alguma da significação mais profundo da queda como agora desvendado por Paulo.
John Murray[4] comenta que, do versículo 12 a 21, o apóstolo Paulo “desenvolve uma analogia entre Adão e Cristo”, na qual Adão está “na qualidade de cabeça de toda raça humana e Cristo na qualidade de cabeça da nova humanidade”.     
Entretanto, o que chama a atenção nesse texto é a solidariedade[5] entre Adão e seus descendentes, os quais estão vinculados pelo pecado. 
Assim, conforme Murray,[6] a expressão ‘Por um só homem entrou o pecado no mundo’, “se refere a Adão”, “[...] ao início da existência do pecado na raça humana [...]” e “a esfera da existência humana”. O mencionado autor ainda explica que, a frase ‘E pelo pecado, a morte’, Paulo usa para fazer uma alusão a Gênesis 2.17 e 3.19. Murray[7] esclarece também que, na segunda metade do versículo 12, “a ênfase recai sobre a penetração universal da morte e do pecado de todos”. 
Porém, a grande pergunta é: o que Paulo quis dizer com a cláusula “porque todos pecaram”?
 Bruce[8] afirma que, “pecaram, quer dizer, em Adão, e não subseqüentemente, imitando o pecado de Adão, que é o sentido das palavras de Romanos 3:23”. Bruce diz ainda que, “Não é simplesmente porque Adão é o ancestral da humanidade que se diz que todos pecaram no pecado dele [...]”, mas “porque Adão é a humanidade”.[9]
Todavia, Shedd[10] enfatiza que essa questão tem dividido e deixado perplexos os intérpretes quanto a história da exegese paulina. E acrescenta que, “Se examinarmos essa passagem à luz do princípio da personalidade coletiva, é provável que se justifique uma resposta dupla”.  
John Stott[11] explica que, existem duas respostas gramaticalmente possíveis para esta questão. A primeira, segundo ele, “seria um caso de imitação (todos pecaram como Adão), e a segunda seria um caso de participação (todos pecaram em e com Adão)”.
Stott[12] diz que, a primeira explicação é geralmente associada ao monge Pelágio, o qual “negava o pecado original” e  ensinava que “Adão foi simplesmente o primeiro pecador, e desde então todo mundo acabou seguindo seu mau exemplo”.
No entanto, conforme Murray,[13] na tradição agostiniana, frequentemente “a cláusula em questão alude ao pecado original, ou seja, em Adão toda a sua posteridade tornou-se depravada”. Com isso, ele[14] entende que “esse ponto de vista fundamenta-se em alicerces bíblicos mais claros do que o anterior” (cf. Rm 5. 17-19).
Shedd[15] é de opinião que, “precisamos, numa primeira análise, admitir que o pecado de Adão foi coletivo, isto é, partilhado por todos os homens”. Isso por que, segundo ele, “o emprego do aoristo hēmarton [i.e., pecaram] é um indício nesse sentido”.
Bruce[16] diz que, “embora a tradução da Vulgata de ‘porque’ (grego eph’ hō) por ‘em quem’ (latim in quo) possa ser uma tradução errônea, é interpretação certa”. Portanto, ele afirma que, “é melhor tomar o eph’ hō (Velha latina in quo) como expondo a velha solidariedade corporificada na culpa humana — ‘todos pecaram em Adão’ ”.
Convém ressaltar ainda que, o termo, “pecaram”, no grego,  é um verbo aoristo indicativo,[17] o qual tem sua ação concluída no passado (pecaram) quando Adão transgrediu. Assim, fica claro que em Adão estava a culpa, a qual tornou toda humanidade participante do pecado original.[18]



[1] Tópico do livro “A origem da alma” do escritor Éder Machado. Lançamento em breve, no prelo.
[2] BRUCE, F. F. Romanos: introdução e comentário. São Paulo: Vida Nova, 2011, p. 105.
[3] Idem. 
[4] MURRAY, John. Comentário bíblico fiel Romanos. São Paulo: Editora Fiel, 2003, p. 205.
[5] Ensina que toda a humanidade está vinculada a Adão, como numa única entidade. Para uma discusão ampla sobre a Solidariedade, consulte SHEDD, Russell P. A solidariedade da raça: o homem em Adão e em Cristo. São Paulo: Vida Nova, 1995, p. 80-122.
[6] MURRAY, op.cit., p. 207.
[7] Idem, p. 208.
[8] Bruce, op.cit., p. 105.
[9] É verdade que o termo avnqrw,pou em Romanos 5.12 (ánthrôpou [homem, humanidade]) e em outras passagens são genéricos. Cf. Mc 2.27; Mt 4.4. 
[10] Consulte SHEDD, op.cit., p. 106.
[11] STOTT, John R. W. Romanos. São Paulo. ABU Editora, 2003, p. 175.
[12] Idem, p. 175, 176. 
[13] MURRAY, op.cit., p. 210.
[14] Idem, p. 211.
[15] SHEDD, op.cit., p. 106.  
[16] Bruce, op.cit., p. 105. 
[17] Para uma compeenção maior sobre o aoristo no modo indicativo veja REGA, Lourenço Stelio, BERGMANN, Johannes. Noções do grego bíblico: gramática fundamental. São Paulo: Vida Nova, 2004, p. 139 e 140.
[18] A continuação do tópico está no livro: “A origem da alma” do PROF: Éder Machado, Evangelista e Preletor itinerante da Assembleia de Deus de Brasília. É bacharel em Teologia (Th.B.) pela FATEH, especializado em Hebraico Bíblico e em Grego Bíblico pela SEBI (DF), pós-graduado em Teologia Sistemática pela Faculdade MAUÁ de Brasília. Licenciando em História pelo ICFP-Instituto Cristão de Formação Pedagógica. eder.more12@gmail.com