segunda-feira, 18 de abril de 2016

Apocalipse 20 1-15 - QUAL É A SEGUNDA MORTE?

Como dissemos, o propósito de Apocalipse, conforme a BEG, é estimular a fidelidade a Cristo em meio ao sofrimento pela afirmação de que Deus governa a História e certamente a levará a uma gloriosa consumação de julgamento e bênção em Cristo. Estamos vendo o capítulo 20/22.
Para um maior aprofundamento, vejam o vídeo do capítulo 20, explicado pelo Rev. Leandro Lima - https://youtu.be/GAyIDkEEgKo (Ap 20.1-6, parte 1/2);  https://youtu.be/GAyIDkEEgKo (Ap 20.1-6, parte 2/2); https://youtu.be/hg347-9mnFo (Ap 20.7-10) e https://youtu.be/WKLOaI6WoKw (Ap 20.11-15).
Breve síntese do capítulo 20.
Reparem no verso primeiro que anjo poderoso não deve ser este que tinha na mão a chave do abismo e uma grande corrente que segurou o diabo e o prendeu por 1000 anos, lançando-o no abismo!
Diz a palavra de Deus que neste tempo, durante os 1000 anos, as nações não seriam enganadas! Ora, quem engana as nações hoje? Quem é o sedutor delas? Veja o verso 10.
O verso 5 fala de uma primeira ressurreição e de bem-aventurados e santos os que tem parte nela e que ainda reinarão com Cristo como sacerdotes de Deus e de Cristo neste tempo. Quanto aos demais, não ressuscitarão até que se complete os 1000 anos.
Como dissemos ontem, o capítulo 19 termina com o lançamento da besta e do falso profeta, vivos, dentro do lago de fogo que arde com enxofre! Agora, no verso 10, o diabo é que é lançado, depois, no verso 14, são também lançados a morte e o inferno e, finalmente, aqueles que não foram achados inscritos no Livro da Vida. Esta, diz a palavra, é a segunda morte!
Vejamos como ficou a ordem de lançamento para dentro do lago de fogo e enxofre o qual é a segunda morte: 1º, a besta e o falso profeta; 2º, o diabo; 3º, a morte e o inferno; 4º os que não foram achados inscritos no Livro da Vida.
Vejamos o presente capítulo com mais detalhes, conforme ajuda da BEG:
C. Visões celestiais (4.1-22.5) - continuação.
Como já falamos, dos vs. 4.1 ao 22.5, estamos vendo essas visões celestiais de João. Por meio de Cristo e seus anjos (22 8-9,16) João recebeu uma série de sete ciclos de visões:
(1)   Sete selos do rolo (4.1-8.1) – já vimos.
(2)   Sete anjos e trombetas (8.2-11.19) – já vimos.
(3)   Sete histórias simbólicas (12.1-14.20) – já vimos.
(4)   Sete taças de ira (15.1-16.21) – já vimos.
(5)   Babilônia e a igreja (17.1-19.10) – já vimos.
(6)   A batalha final (19.11-21) – já vimos.
(7)   O reino dos santos e o julgamento final (20.1-21.8), seguidos por uma visão da nova Jerusalém – começaremos a ver agora.
(8)   A nova Jerusalém (21.9 – 22.5).
Essas visões tinham a intenção de advertir e encorajar as igrejas ao abrir seus olhos para a realeza e majestade de Deus, para a natureza da guerra espiritual, o julgamento de Deus sobre o mal e o resultado do conflito.
(7) O sétimo ciclo: o reino dos santos e o último julgamento (20.1-21.8).
Dos vs. 20.1-21.8, veremos o sétimo ciclo: o reino dos santos e o último julgamento.
Um anjo que desce do céu prende Satanás por mil anos. Os mártires fiéis (20.4) voltam à vida e reinam com Cristo. Após mil anos Satanás é solto, reúne as nações para a batalha e é finalmente vencido (20.10).
O período de mil anos, comumente chamado "milênio" recebe várias interpretações (a BEG recomenda seu excelente artigo teológico "O milênio", aqui, neste capítulo de Ap 20).
O último julgamento segue-se ao milênio (veja 20.11-15), assim como a restauração final (21.1-22.5; 21.1-8; 21.9-22.5; 22.1-5).
João viu descer do céu um anjo que trazia na mão a chave do abismo e uma grande corrente o qual prendeu o dragão, a antiga serpente, que é o diabo, Satanás, e o acorrentou por mil anos.
O poder de Satanás para influenciar as nações é suprimido.
·       Os pré-milenistas e alguns pós-milenistas associam esse acontecimento com a vinda de uma extraordinária era de paz e prosperidade, em contraste com a era atual (1 Ts 2.18; 1 Pe 5.8).
·       Os amilenistas e outros pós-milenistas pensam que a prisão de Satanás já ocorreu por meio da inauguração do reino de Deus realizada por Cristo na terra (12.9; Mt 12.22-29; Mc 3.22-27; Jo 12.31; Cl 2.15; novamente a BEG recomenda seu excelente artigo teológico "O plano das eras", em Hb 7).
·       O atual avanço do evangelho entre as nações, iniciado em Atos, é resultado da restrição do poder de Satanás para enganar. É possível que essa restrição do poder de Satanás esteja intimamente associada com o atual desaparecimento temporário de domínio da besta (17.8).
Depois de o acorrentar por mil anos (10x10x10) anos:
·       Lançou-o no abismo.
·       Fechou-o.
·       Pôs um selo sobre ele.
O objetivo foi para assim impedi-lo de enganar as nações até que terminassem os mil anos. Depois disso, é necessário que ele seja solto por um pouco de tempo.
João continua com as suas visões e dessa vez ele vê tronos e almas.
·       Viu tronos em que se assentaram aqueles a quem havia sido dada autoridade para julgar.
·       Viu as almas dos que foram decapitados por causa do testemunho de Jesus e da palavra de Deus.
Veja 6.9-10. Os mártires são destacados como o grupo mais notável de testemunhas fiéis, mas outros santos não são excluídos dos privilégios mencionados.
Eles não tinham adorado a besta nem a sua imagem, e não tinham recebido a sua marca na testa nem nas mãos. Eles ressuscitaram e reinaram com Cristo durante mil anos.
Quanto ao restante dos mortos, eles não voltaram a viver até se completarem os mil anos.
Esta é a primeira ressurreição.
·       Felizes e santos os que participam da primeira ressurreição!
·       A segunda morte não tem poder sobre eles.
·       Eles serão sacerdotes de Deus e de Cristo.
·       Eles reinarão com ele durante mil anos.
Se isso se refere a uma ressurreição corporal, então ela coincide com a segunda vinda (1Co 15.51-57; lTs 4.13-18), e os pré-milenistas estariam possivelmente corretos (vs. 11-15).
Por outro lado, a linguagem relacionada à segunda morte nos vs. 6,14; 21.8 sugere um contraste entre a primeira e a segunda morte.
·       A primeira morte é uma morte corporal, mas é apenas preliminar, e não final.
·       A segunda morte é final e tem um caráter espiritual.
Do mesmo modo, a primeira e a segunda ressurreição podem ser preliminar e final, respectivamente.
·       A primeira ressurreição é espiritual.
A primeira ressurreição deve, portanto, ser compreendida como coincidindo ou com o novo nascimento (Jo 5.24-25) ou como a estar com Cristo na ocasião da morte corpórea (6.9-10; 2Co 5.8; Fp 1.23).
·       A segunda é a ressurreição do corpo.
Em vista da importância dada no Apocalipse à defesa dos mártires (vs. 4), a segunda alternativa parece preferível.
Felizes e santos – vs. 6 – são os que participam da primeira ressurreição! Para esses:
·       A segunda morte não tem poder sobre eles.
·       Eles serão sacerdotes de Deus e de Cristo.
·       Eles reinarão com ele durante mil anos.
Quando terminarem os mil anos:
·       Satanás será solto da sua prisão.
·       Sairá para enganar as nações que estão nos quatro cantos da terra, Gogue e Magogue, a fim de reuni-las para a batalha.
Gogue e Magogue são nomes tirados de Ez 38-39. Eles representam os inimigos finais de Deus.
·       Seu número será como a areia do mar.
·       As nações marcharão por toda a superfície da terra e cercarão o acampamento dos santos, a cidade amada.
No entanto, um fogo descerá do céu para os devorar – vs. 9. Em consequência disso – vs. 10:
·       O diabo, que as enganava, será lançado no lago de fogo que arde com enxofre, onde já haviam sido lançados a besta e o falso profeta.
·       Eles serão atormentados dia e noite, para todo o sempre.
Dos vs. 11 ao 15, Deus aparece para o julgamento final. A autoridade de Deus como juiz já havia sido afirmada anteriormente em 4.1-5.14.
Agora ele executa o julgamento que condiz como seu caráter e poder sobre o universo criado.
A visão compartilha alguns aspectos com SI 7.6-8; 47.8-9; Dn 7.9-10 e outras cenas de julgamento do Antigo Testamento (veja também Mt 25.31-46).
As injustiças e os sofrimentos na História nunca escapam dos olhos de Deus. Os que perseguem e praticam injustiça nunca ganharão.
Deus julgará cada ação, todos os erros serão endireitados e todas as tentativas de destronar a Deus e entronar a si mesmo serão revertidas para frustrar totalmente os inimigos de Deus.
A perspectiva do julgamento final deve ser um terror para os inimigos de Deus, mas também numa base de segurança para os santos.
Esse julgamento se segue aos mil anos dos vs. 2,7. Os pré-milenistas creem que a segunda vinda precede os mil anos e, assim, deve incluir um julgamento próprio, distinto e separado.
Argumentam que na segunda vinda os cristãos recebem seus galardões, enquanto esse último julgamento será para os ímpios e para aqueles ainda vivendo em corpos não transformados durante o milénio.
Do outro lado, os amilenistas e pós-milenistas geralmente compreendem essa passagem como uma das muitas referências a um julgamento final e universal na segunda vinda (21.1-8).
Depois dessas coisas – vs. 11 -, João viu:
·       Um grande trono branco e aquele que nele estava assentado.
A terra e o céu fugiram da sua presença, e não se encontrou lugar para eles.
·       Os mortos, grandes e pequenos, de pé diante do trono.
·       Que livros foram abertos.
·       Outro livro que foi aberto, o livro da vida.
Os mortos foram julgados de acordo com o que tinham feito, segundo o que estava registrado nos livros.
Para serem julgados de acordo com o que tinham feito:
·       O mar entregou os mortos que nele havia.
·       A morte e o Hades entregaram os mortos que neles havia.
Então a morte e o Hades foram lançados no lago de fogo. O lago de fogo é a segunda morte.
Se o nome de alguém não foi encontrado no livro da vida, este foi lançado no lago de fogo.
Ap 20:1 Então, vi
               descer do céu um anjo;
                              tinha na mão a chave do abismo
                              e uma grande corrente.
                              Ap 20:2 Ele segurou o dragão,
                                            a antiga serpente,
                                                           que é o diabo,
                                                                          Satanás,
                              e o prendeu por mil anos;
                              Ap 20:3 lançou-o no abismo,
                              fechou-o
                              e pôs selo sobre ele,
                                            para que não mais enganasse as nações
                                                           até se completarem os mil anos.
                                                                          Depois disto, é necessário
que ele seja solto pouco tempo.
Ap 20:4 Vi também
               tronos,
               e nestes sentaram-se aqueles
                              aos quais foi dada autoridade de julgar.
Vi ainda
               as almas dos decapitados
                              por causa do testemunho de Jesus,
                              bem como por causa da palavra de Deus,
               tantos quantos não adoraram a besta,
               nem tampouco a sua imagem,
               e não receberam a marca
                              na fronte
                              e na mão;
               e viveram
               e reinaram com Cristo
                              durante mil anos.
Ap 20:5 Os restantes dos mortos
               não reviveram
                              até que se completassem os mil anos.
Esta é a primeira ressurreição.
Ap 20:6 Bem-aventurado e santo
               é aquele que tem parte na primeira ressurreição;
                              sobre esses a segunda morte
                                            não tem autoridade;
                                                           pelo contrário,
                                                                          serão sacerdotes
                                                                                         de Deus
                                                                                         e de Cristo
                                                           e reinarão com ele
                                                                          os mil anos.
Ap 20:7 Quando, porém, se completarem os mil anos,
               Satanás será solto da sua prisão
                              Ap 20:8 e sairá a seduzir as nações
                                            que há nos quatro cantos da terra,
                                                           Gogue e Magogue,
                                                                          a fim de reuni-las para a peleja.
                                            O número dessas é como a areia do mar.
                                            Ap 20:9 Marcharam, então, pela superfície da terra
                                                           e sitiaram o acampamento dos santos
                                                           e a cidade querida;
                                                                          desceu, porém, fogo do céu
                                                                                         e os consumiu.
Ap 20:10 O diabo,
               o sedutor deles,
                              foi lançado para dentro do lago de fogo e enxofre,
                                            onde já se encontram
                                                           não só a besta
                                                           como também o falso profeta;
                                                           e serão atormentados de dia e de noite,
                                                                          pelos séculos dos séculos.
Ap 20:11 Vi
               um grande trono branco
               e aquele que nele se assenta,
                              de cuja presença fugiram a terra e o céu,
               e não se achou lugar para eles.
Ap 20:12 Vi também
               os mortos,
                              os grandes e os pequenos,
                                            postos em pé diante do trono.
Então, se abriram livros.
               Ainda outro livro,
                              o Livro da Vida,
                                            foi aberto.
E os mortos foram julgados,
               segundo as suas obras,
               conforme o que se achava escrito nos livros.
Ap 20:13 Deu o mar
               os mortos que nele estavam.
A morte e o além entregaram
               os mortos que neles havia.
E foram julgados,
               um por um,
                              segundo as suas obras.
Ap 20:14 Então, a morte e o inferno
               foram lançados para dentro do lago de fogo.
Esta é a segunda morte,
               o lago de fogo.
Ap 20:15 E, se alguém não foi achado
               inscrito no Livro da Vida,
                              esse foi lançado
                                            para dentro do lago de fogo.
São livros que são abertos juntamente com o Livro da Vida e todos serão julgados conforme os livros, segundo as suas obras.
O milênio: Cristo reinará por mil anos?[1]
Crendo que "Na Escritura não são todas as coisas igualmente claras em si, nem do mesmo modo evidentes a todos" (CFW 1.7), os teólogos reformados costumam reconhecer que cristãos sinceros diferem em sua visão sobre vários assuntos, entre eles, a questão do milênio.
As confissões e os catecismos reformados afirmam unanimemente uma série de verdades cardeais acerca da escatologia bíblica, a doutrina das últimas coisas (CFW 32; 33; CM 84,85,86,87,88,89,90; BC 38; CB 37; CH 52). As Escrituras ensinam claramente que: (1) Cristo voltará em glória (CI 3.4). (2). Os justos e perversos serão ressuscitados de entre os mortos ao 5.28-29). (3) Um julgamento final ocorrerá (Mt 25.31ss.). (4) Aqueles que foram justificados em Cristo serão recompensados com a vida eterna nos novos céus e nova terra (Mc 10.29-30; Ap 21.1-5). (5) Os perversos serão condenados ao castigo eterno (Mt 25.41,46).
Ainda assim, as confissões e os catecismos reformados se mostram intencionalmente silenciosos quanto a várias questões relacionadas ao fim dos tempos, sobre as quais há pouca unanimidade entre os teólogos reformados. Quando Cristo voltará? Quais serão os sinais da sua vinda? Em que estado a igreja e o mundo se encontrarão quando ele voltar?
A questão do milênio, o reinado de Cristo na terra durante mil anos, é relacionada, em sua maior parte, à interpretação de Ap 20. Em geral, essa passagem é abordada de três modos, todos inteiramente aceitáveis pela teologia reformada: a pré-milenista, a pós-milenista e a amilenista.
Os pré-milenistas acreditam que os mil anos do reino de Cristo serão subsequentes à segunda vinda (descrita em Ap 19.11-21). Depois da segunda vinda, Satanás será amarrado e Cristo dará início a um longo período de paz e prosperidade na terra. Alguns acreditam que os mil anos são um período literal, enquanto outros o consideram um número simbólico referente a um período extremamente longo. Os cristãos receberão um corpo renovado no início do milênio, mas a ressurreição dos ímpios (e daqueles que estiverem vivendo num corpo não transformado durante esse período), bem como o julgamento final de todos os outros, ocorrerá no final do milênio, depois de uma rebelião liderada por Satanás. No entanto, o pré-milenismo reformado deve ser distinguido do pré-milenismo dispensacionalista popular da atualidade que acrescenta a essa visão características como o arrebatamento da igreja antes, durante ou depois de um período de sete anos de tribulação anterior ao reino milenar Cristo.
Os pós-milenistas acreditam que o reino de Cristo e a igreja passarão por um período de maior expansão na terra antes da segunda vinda. Alguns entendem os mil anos como um período final de triunfo cristão no mundo depois da propagação do evangelho (descrita em Ap 1 9.11- 21). Outros pós-milenistas concordam com os amilenistas, identificando Ap 20.1-6 com o período que começou na ressurreição de Cristo e terminará na sua volta.
Os amilenistas consideram o milênio uma imagem do reinado presente de Cristo e dos santos no céu (análogo a Ap 6.9-10) e do início do domínio de Cristo sobre a terra, especialmente por meio da igreja. A primeira ressurreição é a vida dos cristãos que estão vivendo com Cristo no céu ainda sem o corpo renovado, ou é a vida em Cristo que começa com o novo nascimento espiritual (Rm 6.8-11; Ef 2.6; Cl 3.1-4). Satanás foi amarrado pelo triunfo de Cristo em sua crucificação e ressurreição (Jo 12.31; Cl 2.15). Apesar de algumas variações quanto aos detalhes, grande parte dos amilenistas não adota uma visão específica dos últimos dias. A situação da igreja poderá ou não ser mais favorável; o mal se fortalecerá ou se enfraquecerá. No final, porém, Cristo voltará em glória para recompensar sua igreja e julgar os perversos.
A discordância entre essas visões diz respeito, em parte, à relação cronológica entre Ap 20.1-10 e 19.11-21. Os pré-milenistas acreditam que Ap 20.1-10 é simplesmente uma sequência da segunda vinda (descrita em Ap 19.11-21). No entanto, Ap 20.1-15 também pode representar um sétimo ciclo de julgamentos que levarão à segunda vinda. A batalha final em Ap 20.7-10 parece ser a mesma de Ap 16.14,16; 17.14; 19.11-21. Uma linguagem semelhante à de Ez 38-39 é usada em várias descrições. O julgamento de Satanás em Ap 20.10 é paralelo ao julgamento contra a Babilónia (Ap 17-18) e contra a besta e o falso profeta (Ap 19.11-21). Esses inimigos de Deus são entregues à condenação e Ap 20.11-15 corresponde a descrições anteriores da segunda vinda (Ap 6.14; 11.18). O mais importante é que todos os inimigos de Cristo já terão sido destruídos em Ap 19.11-21. Se Ap 20.1-6 se refere a acontecimentos posteriores, não restará ninguém para Satanás enganar em Ap 20.3, e Satanás não estará mais presente para enganar ninguém.
É necessário usar de cautela, pois as diferentes posições quanto ao milênio dependem da interpretação de passagens de textos proféticos do Antigo Testamento, bem como de Ap 20.1-10. Ademais, como grande parte do livro de Apocalipse, a passagem de 20.1-10 faz uso de uma linguagem que, a princípio, pode ter mais de um significado concreto. Todos esses fatos dificultam uma interpretação precisa. O mais importante é que Satanás será derrotado definitivamente e que, mesmo antes desse tempo, Deus cuida dos seus santos e permite que desfrutem os benefícios desse reinado triunfante. Qualquer que seja a nossa posição em relação ao milênio, devemos ser consolados por essa certeza.
p.s.: link da imagem original:
Contagem regressiva: Faltam 3 dias para 20/04/16 (Inicio: 05/05/15). Tu, SENHOR, conservarás em perfeita paz aquele cujo propósito é firme; porque ele confia em ti. (Is 26.3).
Obs.: nessa fase atual das postagens do Jamais Desista, a estruturação e a divisão dos assuntos e os comentários produzidos são, em sua grande maioria, baseados na Bíblia de Estudo de Genebra – BEG.
A Deus toda glória! p/ pr. Pr. Daniel Deusdete. 



[1] Extraído literalmente da BEG, em Ap 20.

...


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.