sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Romanos 5 1-21 - NÓS NÃO FOMOS A ELE, PELO CONTRÁRIO, ELE VEIO A NÓS.

Como já dissemos e repetiremos isso até ao fim, estamos diante de um escrito que ultrapassa a normalidade em questão de produção de conteúdo intelectual, notadamente espiritual. Não é à toa que esta epístola recebe o apelido de QUINTO EVANGELHO. Se ninguém falou como este homem, referindo-se a Jesus; ninguém escreveu como este homem, digo eu de Paulo.
Paulo escreve aos Romanos para apresentar a mensagem do evangelho aos crentes em Roma e explicar como esse evangelho corrige as divisões entre os crentes judeus e os crentes gentios. (BEG).
São tratadas nesta epístola as questões dos judeus e gentios e seus papéis interconectados na história relacionadas ao pecado, à justiça e ao juízo de Deus; ao recebimento da justificação somente mediante a fé, à parte das obras; à santificação, que conduz à glorificação, a qual ocorre mediante a dependência do Espírito Santo; e, como cristãos judeus e gentios devem aprender a aplicar o evangelho à vida prática. Estamos no capitulo 5/16, na parte II.
Breve síntese do capítulo 5.
Jesus Cristo morreu primeiro por nós. Estávamos mortos! Não poderíamos atender ao chamado do Pai, nem nos voltarmos a ele buscando-o por causa do pecado a que estávamos todos entregues. Não haveria como ir a ele em completa rebeldia e dureza de coração.
Assim, não fomos a ele, mas ele veio a nós. O evangelho não é a mensagem de salvação do homem como se ele estando perdido agora encontra seu Criador. Não é a criatura que encontra seu Criador, antes o Criador que encontra e salva a criatura. O evangelho é a mensagem de salvação de Deus que salva o homem perdido.
No entanto, Deus usa os homens para transmitir a mensagem de salvação dos homens e tudo começou por um homem perfeito: Jesus Cristo. Nós não transmitimos uma mensagem de salvação para encontrarmos o homem perdido, mas nós transmitimos uma mensagem de salvação que salva este homem perdido.
A palavra de Deus que Ezequiel lançou nos ossos secos nem foi ouvida porque eles estavam mortos. Foi a palavra de Deus que gerou neles a vida e ai passaram a escutar. Assim, é a mensagem de salvação do evangelho que encontra ossos secos e gera neles vida.
Confira o que digo no capítulo 5 de Romanos e na segmentação abaixo que deixa isto mais claro ainda:
Vejamos o presente capítulo com mais detalhes, conforme ajuda da BEG:
III. A SALVAÇÃO PARA JUDEUS E GENTIOS (3.21-8.39) – continuação.
Como dissemos, a salvação vem para judeus e gentios do mesmo modo. Para todos, a justificação é somente mediante a fé, à parte das obras; e a santificação mediante a confiança no poder do Espírito Santo. Estamos vendo até o capítulo 8.39, a salvação para judeus e gentios. Tendo mostrado que tanto judeus como gentios são pecadores carentes de salvação, Paulo passou a explicar como a salvação alcança a todos.
Assim, seguindo a divisão proposta pela BEG, teremos duas divisões principais: A. A justificação (3.21-5.21) – estamos vendo: 1. Somente pela fé (3.21-31) – já vimos; 2. O exemplo de Abraão (4.1-25) – veremos agora; 3. Os benefícios da justificação (5.1-11); 4. Cristo: o novo Adão (5.12-21); B. A santificação (6.1-8.39): 1. A destruição do domínio do pecado (6.1-23); 2. A luta contra o pecado (7.1-25); 3. Vivendo pelo Espírito (8.1-39).
A. A justificação (3.21-5.21) - continuação.
Nós dissemos que o apóstolo Paulo encerrou a parte anterior com a afirmação de que ninguém poderia ser declarado justo (justificado) pela lei (3.20). Aqui ele explicou como a justificação acontece.
3. Os benefícios da justificação (5.1-11).
Veremos nos próximos onze versículos, os benefícios da justificação. O apóstolo Paulo expôs vários benefícios que vêm para aqueles que estão justificados pela fé.
ü  Em vez de separação (3.10-17), há paz (v. 1).
ü  No lugar da carência da glória de Deus pelo pecado (3.23), há a esperança da glória (5.2).
ü  Em vez de sofrer sob o juízo (2.5-6), há motivo para se gloriar na tribulação pelo que Deus produz por meio dela (vs. 3).
ü  Ao contrário do medo da incerteza, há a segurança do amor de Deus (vs. 6-8) e motivos para se alegrar nele (v. 11).
Uma das coisas mais importantes em nossa vida é a paz e a paz com Deus! Embora haja um número considerável de manuscritos de apoio para "tenhamos", a linha de pensamento de Paulo dá maior margem a "temos". O fato de que "recebemos, agora, a reconciliação" (vs. 11) implica que já estamos em paz com Deus. Com a paz estabelecida, agora temos acesso à presença e Deus. Isso é muito sério e gerador de vida dentro de nós.
Por três anos e meio aqueles discípulos andaram com Jesus e estavam tão acostumados como coisas fantásticas e palavras de tirar o fôlego. Eles o viram andar por sobre as águas; repreender os ventos e a tempestade; ressuscitar mortos; curar muitos enfermos; expulsar demônios e escapar de tantos ardis preparados com muita astúcia. De repente, numa sexta-feira, ele é preso e em menos de 24 horas, está morto e sepultado. Aquilo foi demais para todos eles.
No domingo, no dia da ressurreição, eles estavam todos de portas fechadas, reunidos e com medo das autoridades, dos judeus e no meio deles surge Jesus Cristo ressuscitado.
O que Jesus diz em primeiro lugar ao encontrar aqueles discípulos com medo, aterrados e desesperados?
É sempre assim. Jesus não veio para nos destruir, para nos censurar e nos repreender, mas para nos salvar e nos levantar.
Quando Jesus chega ao ambiente, a paz lhe acompanha e o que ele diz antes de tudo? PAZ SEJA CONVOSCO! Esta não é qualquer paz, mas a paz do Senhor, é o Shalom.
Depois ele lhes mostra que é ele mesmo por causa de suas mãos, pés e lado e eles ficam maravilhados. Jesus, então, lhes faz uma segunda ministração e o que ministra a eles na segunda vez. A primeira vez foi a paz e na segunda? Novamente a paz, o shalom.
Quando Jesus chega ao ambiente, a paz lhe acompanha e o que ele diz antes de tudo? PAZ SEJA CONVOSCO! Esta não é qualquer paz, mas a paz do Senhor, é o Shalom.

"Shalom (em hebraico שָׁלוֹם, geralmente traduzido como paz) significa paz entre duas entidades (geralmente duas nações) ou a paz interior de um individuo. Também é utilizada como cumprimento dentro da comunidade judaica à semelhança do salaam árabe. A palavra shalom deriva da raiz shin-lamedh-mem (ש.ל.ם), que nas línguas semíticas aparece com o sentido de ser completo, ser cheio ou ser pleno, aparecendo em diversos textos com o sentido de paz, salvação e prosperidade de indivíduos e nações. É também toda sorte de bens materiais, espirituais e psíquicos que o Messias trará, ou seja, a salvação que Jesus nos trouxe. Dentro da língua hebraica, a palavra Shalom é utilizada em diversas expressões: Shalom aleikhem (שָׁלוֹם עֲלֵיכֶם; literalmente "a paz sobre vós"), é a expressão completa do uso de Shalom quando cumprimento, e é cognato ao árabe Assalamu Aleikum.A resposta à esta expressão é Aleikhem Shalom. Shabbat shalom (שַׁבָּת שָׁלוֹם) cumprimento comum usado no Shabat, sendo muito utilizado em comunidades Mizrahi, Sefaradi e em Israel. Algumas comunidades asquenazi usam o termo iídiche Gut shabbes. Alav hashalom (עַלָיו הַשָּׁלוֹם; literalmente "sobre ele a paz ") é uma expressão usada em algumas comunidades judaicas após mencionar o nome de uma pessoa respeitável, equivalente ao árabe alayhi is-salaam)." Fonte: wikipedia.
Esta saudação inicial de Jesus deve ter abalado toda aquela casa tirando aquela ansiedade e medo que os dominavam para lhes darem a paz do Senhor, esta gostosa paz que somente Deus pode nos dar. Esta paz que todos desejam e se pudessem ou compreendessem seu profundo sentido e significado jamais a trocariam por qualquer oferta deste mundo.
Ele ainda voltou a aparecer dessa forma oito dias após. Oito dias se passaram, era, portanto uma segunda-feira e novamente estavam reunidos, mas agora Tomé com eles. Novamente, estando as portas trancadas. Novamente surge no meio deles, do nada, o Senhor Jesus Cristo! Novamente também, a primeira ministração a eles naquele ambiente fora a paz do Senhor. Ele é o Senhor Jesus Cristo que ressuscitara dos mortos e que agora estava dando instruções especiais aos seus discípulos. No entanto, tudo começando, em primeiro lugar, com a paz do Senhor. (Jo 20.19-29).
Como é importante essa paz com Deus que nos vem mediante Jesus Cristo por causa da justificação pela fé é também por meio dele que obtemos acesso a esta graça na qual agora, diz Paulo – vs. 2 – estamos firmados.
Com essa firmeza nos gloriamos na esperança, não em qualquer esperança, mas na esperança da glória de Deus. No Novo Testamento, a esperança é a segurança que vem do conhecimento da certeza da nossa salvação futura. Ela não é um anelo incerto ou um pensamento desejoso. A prova de que essa esperança não será confundida está garantida aqui e agora pelo conhecimento do amor de Deus que o Espírito Santo derrama nos corações dos crentes (vs. 4-5).
Agora nos gloriamos na esperança (na esperança da glória de Deus) e nas tribulações. Reparem em que nos gloriamos, conforme Paulo:
ü  Na esperança.
ü  Nas tribulações.
Por que tribulações? Ele explica:
Tribulação produz perseverança.
Perseverança, produz caráter aprovado.
Caráter aprovado, produz esperança.
Voltamos à esperança novamente depois da perseverança e do caráter aprovado!
Na ARA temos no lugar de “caráter aprovado”, “experiência” - a qualidade de ser testado e aprovado. Ela confirma a nossa confiança de que a glória que aguardamos será nossa um dia (8.17-25).
O resultado da esperança não nos decepciona porque Deus derramou o seu amor em nossos corações, por meio do Espírito Santo que ele nos deu – vs. 5.
A natureza do derramamento desse amor (vs. 5) é compreendida na cruz. Lá Deus agiu "a seu tempo", no sentido de que a morte de Jesus aconteceu segundo o plano imutável e predeterminado de Deus (Jo 17.1; At 2.23; GI 4.4), ou seja, ele se animou, ou teve ânimo, vontade, de morrer por nós, quando éramos fracos, ímpios, quando estávamos mortos em nossos delitos.
Assim como Lc 8.1-4,32, essa passagem ressalta as qualidades de particularidade e eficácia que Paulo atribuía de modo constante à morte de Cristo. Jesus morreu especificamente "por nós" (vs. 8), os que agora cremos e estamos justificados mediante a nossa fé.
Além disso, sua morte alcançou de fato a "reconciliação" que "recebemos, agora" (vs. 11). (A BEG recomenda aqui a refletirmos em seu excelente artigo teológica “Expiação limitada", em Jo 10).
Paulo argumentou do maior para o menor: se Deus fez por nós o mais difícil que foi o sofrimento e a morte (vs. 10) do seu Filho, ele também fará o mais fácil, isto é, vai nos dar a salvação final "por ele (Cristo)" e "pela sua vida" (vs. 10) como Mediador ressurreto e assunto ao céu.
Ao seguir com seu propósito inicial de amor, Deus preserva para a salvação final aqueles que já têm sido justificados. A expressão decisiva e mais custosa desse seu propósito amoroso foi a efetiva morte reconciliadora de Cristo, a qual garante a justificação e a glorificação daqueles pelos quais ele morreu (8.32).
A salvação como reconciliação aparece no Antigo Testamento, especialmente em Oseias. No entanto, no Novo Testamento somente Paulo descreveu a obra de Cristo de carregar o pecado como reconciliação (11.15; 2Co 5.18-20; Ef 2.16; Cl 1.20,22).
Nossa alienação de Deus chega ao fim pela eliminação da causa da mesma (nosso pecado, culpa e condenação) mediante a morte de Cristo (cf. 2Co 5.21). Nesse sentido, a reconciliação é objetiva (2Co 5.15-19).
Todavia, ela deve ser recebida (vs. 11; cf. 2Co 5.20) por meio da atitude de abandono da nossa própria alienação e hostilidade (isto é, pelo arrependimento e pela fé em Cristo).
Por fim, ele ainda nos afirma de que nos gloriemos em Deus, por meio de nosso Senhor Jesus Cristo, mediante quem recebemos agora essa reconciliação – vs. 11.
4. Cristo: o novo Adão (5.12-21).
Dos versos doze ao final deste capítulo, ele nos falará de Cristo, como o novo Adão. Paulo comparou o significado radical da desobediência de Adão com o da obediência de Cristo a Deus.
Essa comparação está relacionada à exposição anterior dos vários benefícios que vem para aqueles que são justificados pela fé em Cristo (5.1-11).
Embora a queda de Adão no pecado tenha afetado toda a humanidade, Paulo tinha em mente particularmente os efeitos do pecado de Adão naqueles que estão de modo definitivo redimidos em Cristo (cf. "quando inimigos"; vs. 10), tanto na época do Antigo quanto na do Novo Testamento.
A ênfase de Paulo na expressão "um só homem' (Adão ou Cristo) ao longo de toda a passagem (vs. 12, 15-17,19) indica que ele via tanto Adão quanto Cristo como indivíduos históricos.
Foi por meio de um homem que entrou o pecado no mundo. Junto com o pecado, veio a entrada da morte e dessa forma, como todos se tornaram pecadores, todos se tornaram mortais.
No caso de Adão, o "um só homem" desse versículo, o apóstolo falou de “uma só ofensa" dele (vs. 16,18) pela qual todos "se tornaram pecadores" (isto é, a condição de pecador foi passada por fim a toda humanidade em decorrência da união de ações dela com Adão como seu representante perante Deus; vs. 19).
O pecado é a causa da morte na medida em que Deus pune o mesmo com a morte. O fato de todos morrerem demonstra que todos pecam. Até mesmo Jesus não morreu até que o pecado fosse imputado a ele (2Co 5.21). Caso contrário, ele não poderia ter morrido, jamais.
Essa expressão “todos os homens” tem sido tradicionalmente entendida como uma referência a toda a humanidade. Essa perspectiva teológica é certamente correta, pois todos os seres humanos caíram em pecado e morte por causa de Adão.
No entanto, o ponto principal de Paulo nesse contexto de 5.12-21 deve ter sido mais limitado. Ele afirmou que todos os que estão agora em Cristo (quer sejam judeus ou gentios) estavam por natureza em Adão, mas agora foram salvos por Jesus do mesmo modo (ou seja, mediante imputação; observe a proeminência do uso de verbos na primeira pessoa do plural em 5.1-11). Sob esse aspecto, "todos os homens" pode significar "cada um de nós" ou 'todo tipo de pessoas".
A morte veio a todos os homens porque todos pecaram. Novamente, a ênfase de Paulo deve ter sido no fato de que todos aqueles que são crentes agora foram contados outrora entre os que caíram em Adão. O reino universal da morte é a consequência do pecado.
O apóstolo não explicou de modo preciso como toda a humanidade estava envolvida com Adão em seu pecado, mas simplesmente assumiu esse fato. S
Uma perspectiva de Adão como representante da humanidade teve origem num ponto de vista muito difundido no Antigo Testamento de que Deus escolhia tratar com as pessoas por meio de representantes, tais como os antepassados (p. ex., Adão, Noé, Abraão) ou os líderes políticos (p. ex., Moisés, Davi) os quais ele ordenava como representantes de um grande número de pessoas.
Paulo introduz a lei no verso 13, mas afirma que o pecado já existia, mesmo sem o conhecimento da lei. O pecado já estava no mundo, mas não era levado em conta.
Paulo está se referindo a uma característica única do tempo entre Adão e Moisés. Ele não quis dizer com isso que não houvesse pecado individual pelo qual as pessoas fossem consideradas responsáveis durante esse período.
Uma interpretação como essa não leva em conta as reações de Deus para com Caim (Gn 4.314) e diante da violência que encheu a terra (Gn 6.1-7). De fato, os princípios básicos da lei divina sempre foram revelados à humanidade (1.18-23).
Entretanto, antes de Moisés a lei de Deus não estava codificada ou escrita em detalhes de modo a fornecer uma regra unificada e clara e um guia para Israel como nação.
Paulo argumentou que a violação de Adão ao mandamento específico dado no jardim (Gn 2.16-17) era semelhante às violações aos mandamentos específicos de Deus por meio da lei mosaica.
Embora o pecado não fosse levado em conta por não existir a lei, a morte tinha reinado desde o princípio. Mesmo durante o tempo em que havia muito poucos mandamentos explícitos registrados na Bíblia, a morte ainda era um acontecimento universal, confirmando que a humanidade era pecadora e continuava a pecar.
Todavia, a morte reinou desde o tempo de Adão até o de Moisés, mesmo sobre aqueles que não cometeram pecado semelhante à transgressão de Adão, o qual era um tipo daquele que haveria de vir – vs. 14.
Adão, o primeiro homem, foi divinamente apontado como principal representante de toda a raça humana, e o pecado dele provocou a perda do direito à justiça por todos aqueles que ele representava.
Do mesmo modo, Deus fez de Cristo o principal representante da nova humanidade para que a obediência dele até a morte pudesse obter a justificação dela.
Todos aqueles que creem ("todos os homens” no vs. 18; e “muitos" nos vs. 15,19) eram representados em Adão antes de alcançar a fé e receber a representação de Cristo. É a salvação em Jesus que reverte os efeitos da queda de Adão no pecado (1Co 15.45-49; Hb 2.14-18).
Embora as obras de Adão e de Cristo sejam parecidas, a graça da obra de Cristo é maior que o pecado, o juízo e a condenação de Adão. E embora seja verdade que toda a humanidade tenha caído em Adão, esse versículo deixa claro que a ênfase de Paulo está naquelas pessoas que têm sido redimidas em Jesus (os "muitos").
Deveras interessante este versículo que compara o dom gratuito com a ofensa. O pecado x a graça de Deus. Veja que no verso 16 ele afirma que não se pode comparar a dádiva de Deus com a consequência do pecado de um só homem.
Por um pecado veio o julgamento que trouxe a condenação; por inúmeros pecados veio a graça que trouxe a justificação.
Paulo, nos vs. 18 e 19, voltou à questão principal da sua analogia: que há um paralelo entre Adão e Cristo na qual a condenação e a justificação, respectivamente, são os frutos imediatos das ações deles.
Por meio de (isto é, "com base nas ações de") "um só homem, muitos" são constituídos ou pecadores ou justos. Com Adão como o seu principal representante, todos os que agora são crentes (junto com toda a humanidade) pecaram e caíram quando ele pecou. Já com Cristo, todos os crentes (a nova humanidade) são feitos "justos" nele.
Vejam só a finalidade da lei. Ela não entrou no mundo para trazer a cura, mas para revelar o pecado. Ela é o agente revelador da condição pecadora de todos os homens, ela veio para que se avultasse a ofensa – vs. 20.
As leis específicas e codificadas de Moisés foram acrescentadas em primeiro lugar para guiar Israel à justiça (Dt 6.24-25).
Entretanto, em sua infinita sabedoria, Deus também ordenou que o conhecimento da lei aumentasse realmente o pecado na vida dos descrentes.
A consciência de seus padrões torna uma pessoa mais responsável diante Deus ler 12.48) e suscita desejos contrários no coração dos pecadores (7.5,8 – a BEG recomenda reflexão em seu excelente artigo teológico "Os três usos da lei", em SI 119 – pedagógico, civil e moral).
A pecaminosidade da humanidade deu ocasião para Deus se mostrar ainda mais gracioso ao perdoar os pecados das pessoas, tal como a graça expressa na propiciação de Jesus que prevaleceu sobre a situação de pecado da nova humanidade (vs. 15-19).
Esse fato é coerente com a promessa de Deus a Israel de que, embora o seu povo fosse receber a punição de ser arrancado de sua terra e deportado, ele mostraria grande misericórdia para com os exilados perdoando-lhes os pecados, restaurando-os e abençoando-os mais do que nunca antes (Dt 30.1-6).
O Novo Testamento identifica Cristo como o único que traz essas supremas bênçãos de restauração (incluindo a salvação) ao povo de Deus.
Rm 5:1 Justificados, pois, mediante a fé,
temos paz com Deus
por meio de nosso Senhor Jesus Cristo;
Rm 5:2 por intermédio de quem obtivemos igualmente acesso,
pela fé,
a esta graça
na qual estamos firmes;
e gloriamo-nos na esperança da glória de Deus.
Rm 5:3 E não somente isto,
mas também nos gloriamos nas próprias tribulações,
sabendo que a tribulação produz perseverança;
Rm 5:4 e a perseverança, experiência;
e a experiência, esperança.
Rm 5:5 Ora, a esperança não confunde,
porque o amor de Deus é derramado em nosso coração
pelo Espírito Santo, que nos foi outorgado.
Rm 5:6 Porque Cristo,
quando nós ainda éramos fracos,
morreu a seu tempo pelos ímpios.
Rm 5:7 Dificilmente, alguém morreria por um justo;
pois poderá ser que pelo bom alguém se anime a morrer.
Rm 5:8 Mas Deus prova o seu próprio amor para conosco
pelo fato de ter Cristo morrido por nós,
sendo nós ainda pecadores.
Rm 5:9 Logo, muito mais agora,
sendo justificados pelo seu sangue,
seremos por ele salvos da ira.
Rm 5:10 Porque, se nós, quando inimigos,
fomos reconciliados com Deus
mediante a morte do seu Filho,
muito mais, estando já reconciliados,
seremos salvos pela sua vida;
Rm 5:11 e não apenas isto,
mas também nos gloriamos em Deus
por nosso Senhor Jesus Cristo,
por intermédio de quem recebemos, agora,
a reconciliação.
Rm 5:12 Portanto, assim como por um só homem
entrou o pecado no mundo,
e pelo pecado,
a morte,
assim também a morte
passou a todos os homens,
porque todos pecaram.
Rm 5:13 Porque até ao regime da lei
havia pecado no mundo,
mas o pecado não é levado em conta quando não há lei.
Rm 5:14 Entretanto, reinou a morte desde Adão até Moisés,
mesmo sobre aqueles que não pecaram
à semelhança da transgressão de Adão,
o qual prefigurava aquele que havia de vir.
Rm 5:15 Todavia, não é assim o dom gratuito como a ofensa;
porque, se, pela ofensa de um só,
morreram muitos,
muito mais a graça de Deus
e o dom pela graça de um só homem, Jesus Cristo,
foram abundantes sobre muitos.
Rm 5:16 O dom, entretanto,
não é como no caso em que somente um pecou;
porque o julgamento derivou de uma só ofensa,
para a condenação;
mas a graça
transcorre de muitas ofensas,
para a justificação.
Rm 5:17 Se, pela ofensa de um
e por meio de um só,
reinou a morte,
muito mais os que recebem
a abundância da graça
e o dom da justiça
reinarão em vida por meio de um só,
a saber, Jesus Cristo.
Rm 5:18 Pois assim como,
por uma só ofensa,
veio o juízo sobre todos os homens
para condenação,
assim também,
por um só ato de justiça,
veio a graça sobre todos os homens
para a justificação que dá vida.
Rm 5:19 Porque, como, pela desobediência de um só homem,
muitos se tornaram pecadores,
assim também, por meio da obediência de um só,
muitos se tornarão justos.
Rm 5:20 Sobreveio a lei
para que avultasse a ofensa;
mas onde abundou o pecado,
superabundou a graça,
Rm 5:21 a fim de que,
como o pecado reinou pela morte,
assim também reinasse
a graça pela justiça
para a vida eterna,
mediante Jesus Cristo,
nosso Senhor.
O homem perdido, ate hoje não aceita ou tem dificuldade de aceitar a salvação plena de Deus, isto é, sem participação alguma do homem. A graça de Deus é plena sobre os que ele quer salvar. O mesmo caso se dá com a questão da fé e das obras. Ele sempre quer fazer, justificar-se, mostrar algo como se estivesse provando e mesmo merecendo.
Quem faz e realiza obras tem de que se gloriar, mas não diante de Deus!
Adão prefigurava aquele que haveria de vir! Imaginem que o homem  foi criado já apontando para o Filho do homem! Para aquele que haveria de vir e está para voltar! Aos poucos vamos falando um pouco mais... há muito no que meditar.
p.s.: link da imagem original:
Contagem regressiva: Faltam 140 dias para 20/04/16 (Inicio: 05/05/15). Tu, SENHOR, conservarás em perfeita paz aquele cujo propósito é firme; porque ele confia em ti. (Is 26.3).
A Deus toda glória! p/ pr. Daniel Deusdete.

...


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.