terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Romanos 16 1-27 - NÃO DESANIME, DEUS É PODEROSO PARA NOS CONFIRMAR.

Como já dissemos e repetiremos isso até ao fim, estamos diante de um escrito que ultrapassa a normalidade em questão de produção de conteúdo intelectual, notadamente espiritual. Não é à toa que esta epístola recebe o apelido de QUINTO EVANGELHO. Se ninguém falou como este homem, referindo-se a Jesus; ninguém escreveu como este homem, digo eu de Paulo.
Paulo escreve aos Romanos para apresentar a mensagem do evangelho aos crentes em Roma e explicar como esse evangelho corrige as divisões entre os crentes judeus e os crentes gentios. (BEG).
São tratadas nesta epístola as questões dos judeus e gentios e seus papéis interconectados na história relacionadas ao pecado, à justiça e ao juízo de Deus; ao recebimento da justificação somente mediante a fé, à parte das obras; à santificação, que conduz à glorificação, a qual ocorre mediante a dependência do Espírito Santo; e, como cristãos judeus e gentios devem aprender a aplicar o evangelho à vida prática. Estamos no capitulo 16/16, na parte V.
Breve síntese do capítulo 16.
Chegamos, finalmente, ao final, de Romanos e de sua segmentação. Se eu já sabia um pouquinho, agora sei um pouquinho mais...
Eu não posso falar pelo meu leitor, nem pelos curiosos, ou por qualquer um que esteja acompanhando este trabalho. As minhas estatísticas – médias, em crescimento – apontam uma média de 2.000 visitas/dia, ou 60.000/mês, mas posso falar de mim mesmo e sei que estou sendo edificado com esta segmentação.
No último capítulo, Paulo dá início a uma série de saudações e estudando-as atentamente poderemos aprender muitas coisas interessantes que muitas das vezes nos passa despercebidas, como por exemplo, ele chamar de apóstolos nomes que não estamos acostumados a ouvir e que nos geram dúvidas quanto ao sexo: são mulheres ou são homens?
Para cada um, ou para cada grupo de irmãos ele vai falando de características e de peculiaridades que merecem reflexões e estudos. Percebe-se mesmo em tudo o que diz respeito a este apóstolo especial, seu zelo pela evangelização e a sua preocupação em plantar igrejas e delas cuidar.
Vejamos o presente capítulo com mais detalhes, conforme ajuda da BEG:
VI. SAUDAÇÕES FINAIS (15.14-16.27) - continuação.
Como já falamos, Paulo encerrou com algumas saudações finais e palavras de esperança para o futuro. Ele encerrou essa carta tocando de modo breve em seis assuntos, os quais formaram as divisões propostas para este final: A. Os planos para o ministério (15.14-22) – já vimos; B. O plano para visitar Roma (15.23-33) – já vimos; C. As saudações aos romanos (16.1-16) – veremos agora; D. Advertências contra os rebeldes (16.17-20) – veremos agora; E. As saudações dos companheiros (16.21-24) – veremos agora; e, F. A doxologia apostólica (16.25-27) – veremos agora.
C. As saudações aos romanos (16.1-16).
Até ao verso 16, veremos as saudações aos cristãos de Roma. As cartas de Paulo terminam, tipicamente, com saudações e notícias pessoais.
O capítulo final de Romanos é notável pelo grande número de companheiros cristãos mencionados. Esses versículos dão uma ideia da cordialidade que existia nos relacionamentos pessoais do apóstolo, como também da comunhão desfrutada pelos cristãos primitivos.
Ele começa recomendando Febe, provavelmente, a portadora da carta de Paulo. O nome Febe é comum na mitologia grega e indica uma origem gentílica.
Ela, Febe, está servindo - do grego, diakonos. Pode ser traduzida como "ministro” (1Tm 4.6) ou "diácono" (veja Fp 1.1; 1Tm 3M). Essa linguagem sugere que Febe exercia um ministério específico, mas há pouco consenso sobre se ela ocupava o cargo eclesiástico de diaconisa, ou se servia à igreja numa posição não oficial.
Cencreia era onde se localizava a sua igreja e era o porto de Corinto no golfo Sarônico. Paulo gostaria que lhe prestassem ajuda no que fosse necessário, principalmente porque ela tinha sido muito útil tanto a ele como aos demais irmãos.
Priscila e Áquila eram também seus colaboradores. Na verdade, Paulo usava a forma "Prisca" (2Tm 4.19) em vez do apelido 'Priscila', usado por Lucas (At 18.2,18,26).
Esse casal, com quem o apóstolo morou em Corinto, era fazedor de tendas (como ele, At 18.3). Eles tinham deixado Roma seguindo o decreto de Cláudio e tinham acompanhado Paulo até Éfeso (At 18.18), onde instruíram a Apolo (At 18.24-26) antes de retornarem a Roma. Nenhuma informação adicional é dada quanto aos seus feitos heroicos em defesa do apóstolo Paulo.
Outro irmão que Paulo cita como amado era Epêneto. Esse nome significa "digno de louvor". Ele foi, evidentemente, o primeiro de uma colheita de convertidos na Ásia.
Depois saúda Maria, que muito trabalhou por eles. Sob outros aspectos, não identificada. Paulo reconhecia o serviço dedicado que era realizado pelas mulheres (vs. 12). O trabalho de Maria pela igreja romana era conhecido para além de sua própria congregação.
Saúda ainda Andrônico e Júnias. Ambos estão traduzidos como nomes masculinos, mas os primeiros comentaristas acreditavam se tratar de marido e mulher (isto é, "Júnia").
Eles eram seguidores de Cristo, que se converteram (“em Cristo”) antes de Paulo. Seria admirável, mas não impossível que fossem 'parentes' de Paulo (membros familiares próximos; veja também os vs. 11,21). Todavia, o termo "compatriotas" é também possível (cf. 9.3 em que a mesma palavra é usada para descrever o relacionamento do apóstolo com toda a nação judaica).
Ele os cita como notáveis entre os apóstolos. Eles devem ter sido mensageiros especiais das igrejas, porém não ocupavam o cargo de autoridade de apóstolos (cf. a nota sobre 2Co 1.1). Opcionalmente, essa frase pode ser traduzida como “bem conhecidos pelos apóstolos".
Amplíato era um nome comum de escravo romano. Talvez seja o mesmo Amplíato cujo nome aparece numa inscrição da Catacumba de Domitila, sobrinha do imperador Domiciano.
Urbano e Estáquis – vs. 9 - eram nomes comuns de escravos. O primeiro era romano, e o segundo grego.
Apeles era um nome grego comum levado por alguém que havia se destacado pelas provações que enfrentara, e que havia permanecido fiel ("aprovado") - uma ideia dupla transmitida por meio de uma única palavra grega usada por Paulo.
O estilo de saudação empregado pelo apóstolo aqui (como no vs. 11, mas em contraste com os vs. 5,14-15) pode sugerir que Aristóbulo não fazia parte da igreja. Possivelmente, tratava-se do neto de Herodes, o Grande, e um amigo do imperador Cláudio.
Já  Herodião era talvez um liberto da casa de Herodes, tendo em vista que um servo liberto, costumeiramente, tomava o nome de quem o libertou.
Narciso era possivelmente identificado como o Narciso que era ajudante de Cláudio e que foi forçado por Agripina a cometer suicídio, após a ascensão de Nero.
Trifena e Trifosa – vs. 12 -, as quais trabalharam no Senhor, eram duas mulheres com nomes vindos de uma raiz comum (“dócil"/"delicada") e, portanto, é possível que se trate aqui de duas irmãs, ou até mesmo de gémeas. No entanto, Pérside era um nome comum para escravas femininas.
Rufo era o eleito no Senhor. Um dos nomes mais intrigantes listados, considerando Mc 15.21 (é possível que esse Evangelho tenha sido escrito em Roma). O epíteto "eleito" pode refletir as circunstâncias únicas que levaram a família dele a ter contato com Cristo. A alusão de Paulo à mãe de Rufo sugere a sua profunda afeição por essa família.
No vs. 16 Paulo cita o ósculo santo. O beijo era um sinal comum de saudação no Oriente. Aqui o apóstolo Paulo advertiu os crentes a santificarem suas saudações como símbolos de sua comunhão.
D. Advertências contra os rebeldes (16.17-20).
Depois dessas saudações iniciais, dos vs. 17 ao 20, vemos diversas advertências contra os rebeldes.
O comentário feito com base no conhecimento de Paulo acerca desses crentes, os problemas deles em Roma (cap. 14) e a ação de Satanás para dividi-los (vs. 20) convocava com urgência os cristãos a guardarem a sua unidade (veja Ef 4.3).
Eles deveriam evitar aqueles que causavam divisões. De modo franco, o apóstolo mostrou que o espírito de divisão é de natureza pecaminosa, um sinal da vida na carne. No entanto, por mais plausível que seja o seu fundamente lógico, trata-se de uma forma de auto complacência (GI 5.19-20).
Os cristãos devem aprender a discernir entre a realidade (engano; vs. 18) e a aparência ("suaves palavras e lisonjas"; vs. 18); eles não devem ser ingénuos (1Co 14.20).
Os que usavam de engano e de suaves palavras e lisonjas não estavam mesmo servindo a Cristo, mas o próprio ventre, no entanto, sobre eles, os irmãos fiéis, todos têm ouvido falar da obediência, por isso Paulo estava muito alegre e gostaria que cada vez mais eles fossem sábios em relação ao que é bom, e sem malícia, ou símplices, em relação ao que é mau. Os romanos precisavam de sabedoria espiritual e de corações livres da mistura com o mal.
Antes das últimas saudações e da doxologia, o apóstolo Paulo incluiu uma promessa de natureza profética, arraigada na primeira promessa de libertação em Gn 3.15.
Ele indica que Satanás é a fonte da divisão (cf. Gn 3.12). Mas "o Deus da paz" (implicando unidade e integridade, bem como tranquilidade) agirá como um divino guerreiro para derrotar Satanás. E isso acontecerá "em breve".
Paulo pode ter falado cronologicamente (em pouco tempo) ou escatologicamente (vendo a segunda vinda de Cristo como o próximo acontecimento no calendário divino). A graça do nosso Senhor Jesus seja convosco. Um final caracteristicamente paulino (Cl 6.18; 1Ts 5.28).
E. As saudações dos companheiros (16.21-24).
Dos vs. 21 ao 24, as saudações dos companheiros. Paulo passou a palavra para os homens que viajavam com ele para que fizessem suas saudações.
Juntamente com Silas, Timóteo foi um dos colaboradores mais chegados de Paulo, após o desentendimento com Barnabé (At 15.36-40), e ele é mencionado em dez cartas do apóstolo.
Lúcio (que alguns identificam como Lucas), Jasom (possivelmente, o hospedeiro de Paulo em Tessalônica; At 17.5:9) e Sosipatro (talvez, o "Sópatro” de At 20.4) podem ter sido representantes de igrejas que o acompanhavam na entrega da coleta para Jerusalém.
Eu, Tércio. Normalmente, o apóstolo Paulo usava um secretário, identificando suas cartas como de sua autoria por meio de uma breve saudação escrita de próprio punho (1Co 16.21; GI 6.11; Cl 4.18; 2Ts 3.17).
Na época em que escreveu essa carta, Paulo devia estar morando com Gaio. Presume-se que esse seja o mesmo Gaio de 1Co 1.14, e, possivelmente, o (Gaio?) Tício Justo de At 18.7.
Um Erasto é mencionado em At 19.22; 2Tm 4.20, mas não se sabe se esses exemplos dizem respeito à mesma pessoa. Entretanto, o fato de maior interesse sobre Erasto é que um cristão ocupasse um tamanho cargo de responsabilidade no governo local de Corinto.
F. A doxologia apostólica (16.25-27).
Finalizando, a sua doxologia apostólica. A autenticidade dessa doxologia final tem sido questionada com base em sua extensão, sua ênfase no mistério e sua história textual (é encontrada em diferentes pontos na carta ou ainda totalmente omitida em vários manuscritos antigos).
No entanto, a sua extensão talvez seja adequada, vindo no final dessa carta especifica. Além disso, seus assuntos se dirigem para uma conclusão apropriada sobre muito do que já se foi dito.
Em especial, aqui Paulo chamou a atenção para o seu ensino do evangelho (2.16; cf. lTs 1.5; 2Tm 2.8) e seu poder de edificar (1.11), para a revelação do mistério de Deus (11.25; cf. Ef 3.2-6), para a fé e obediência entre as nações (1.5) e para a sabedoria de Deus na redenção (11.33; Ef 3.10.12).
O "agora" de Paulo – vs. 26 - pode sugerir que ele tinha as Escrituras do Novo Testamento em vista aqui. Entretanto, a sua ênfase estava no fato de que somente agora (isto é, à luz da vinda de Cristo) a mensagem, já entesourada no Antigo Testamento, espalhava-se entre as nações.
Rm 16:1 Recomendo-vos a nossa irmã Febe,
                que está servindo à igreja de Cencréia,
                               Rm 16:2 para que a recebais no Senhor
como convém aos santos
                               e a ajudeis em tudo que de vós vier a precisar;
                                               porque tem sido protetora de muitos
e de mim inclusive.
Rm 16:3 Saudai Priscila e Áqüila,
                meus cooperadores em Cristo Jesus,
                               Rm 16:4 os quais pela minha vida arriscaram
a sua própria cabeça;
                                               e isto lhes agradeço, não somente eu,
                                                               mas também todas as igrejas dos gentios;
Rm 16:5 saudai igualmente a igreja que se reúne na casa deles.
Saudai meu querido Epêneto, primícias da Ásia para Cristo.
Rm 16:6 Saudai Maria, que muito trabalhou por vós.
Rm 16:7 Saudai Andrônico e Júnias, meus parentes e companheiros de prisão,
                os quais são notáveis entre os apóstolos
                e estavam em Cristo antes de mim.
Rm 16:8 Saudai Amplíato, meu dileto amigo no Senhor.
Rm 16:9 Saudai Urbano, que é nosso cooperador em Cristo,
e também meu amado Estáquis.
Rm 16:10 Saudai Apeles, aprovado em Cristo.
Saudai os da casa de Aristóbulo.
Rm 16:11 Saudai meu parente Herodião.
Saudai os da casa de Narciso, que estão no Senhor.
Rm 16:12 Saudai Trifena e Trifosa, as quais trabalhavam no Senhor.
Saudai a estimada Pérside, que também muito trabalhou no Senhor.
Rm 16:13 Saudai Rufo, eleito no Senhor,
                e igualmente a sua mãe, que também tem sido mãe para mim.
Rm 16:14 Saudai Asíncrito, Flegonte, Hermes, Pátrobas, Hermas
                e os irmãos que se reúnem com eles.
Rm 16:15 Saudai Filólogo, Júlia, Nereu e sua irmã, Olimpas
                e todos os santos que se reúnem com eles.
Rm 16:16 Saudai-vos uns aos outros com ósculo santo.
Todas as igrejas de Cristo vos saúdam.
Rm 16:17 Rogo-vos, irmãos, que noteis bem
                aqueles que provocam divisões e escândalos,
                               em desacordo com a doutrina que aprendestes;
                afastai-vos deles,
Rm 16:18 porque esses tais não servem a Cristo, nosso Senhor,
                e sim a seu próprio ventre;
                e, com suaves palavras e lisonjas,
                               enganam o coração dos incautos.
Rm 16:19 Pois a vossa obediência é conhecida por todos;
                por isso, me alegro a vosso respeito;
                e quero que sejais sábios para o bem
                e símplices para o mal.
Rm 16:20 E o Deus da paz, em breve,
                esmagará debaixo dos vossos pés a Satanás.
A graça de nosso Senhor Jesus seja convosco.
Rm 16:21 Saúda-vos Timóteo, meu cooperador,
e Lúcio, Jasom e Sosípatro, meus parentes.
Rm 16:22 Eu, Tércio, que escrevi esta epístola,
                vos saúdo no Senhor.
Rm 16:23 Saúda-vos Gaio, meu hospedeiro e de toda a igreja.
Saúda-vos Erasto, tesoureiro da cidade,
e o irmão Quarto.
Rm 16:24 [A graça de nosso Senhor Jesus Cristo seja com todos vós. Amém!]
Rm 16:25 Ora, àquele
                que é poderoso para vos confirmar
                               segundo o meu evangelho
                               e a pregação de Jesus Cristo,
                                               conforme a revelação do mistério
guardado em silêncio nos tempos eternos,
Rm 16:26 e que, agora, se tornou manifesto
                               e foi dado a conhecer por meio das Escrituras proféticas,
                                               segundo o mandamento do Deus eterno,
                                                               para a obediência por fé,
                                                                              entre todas as nações,
Rm 16:27 ao Deus único e sábio
                seja dada glória,
                               por meio de Jesus Cristo,
                                               pelos séculos dos séculos. Amém!
Deus é poderoso para nos confirmar e não para nos desanimar. Se você está abatida e com sua fé abalada, veja que Paulo disse que ele é poderoso para nos confirmar segundo o seu evangelho e a sua pregação sobre Jesus Cristo de que devemos viver pela fé!
Abandone hoje mesmo sua dúvida, desânimo, falta de fé, antes que elas, como raízes malignas parasitas, comecem a crescer e com elas atrairem com sua podridão toda espécie de insetos peçonhentos que sugarão a seiva da sua vida e te levarão à morte!
Citando Paulo, em breve o Deus da paz esmagará Satanás debaixo dos pés de vocês. A graça de nosso Senhor Jesus seja com vocês. Maranata! Ora vem Senhor Jesus!
p.s.: link da imagem original:
Contagem regressiva: Faltam 129 dias para 20/04/16 (Inicio: 05/05/15). Tu, SENHOR, conservarás em perfeita paz aquele cujo propósito é firme; porque ele confia em ti. (Is 26.3).
A Deus toda glória! p/ pr. Daniel Deusdete.

...


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.