domingo, 18 de outubro de 2015

João 7 1-53 - DE ONDE VINHA A SABEDORIA E A INTELIGÊNCIA DE JESUS?

O Evangelho de João é o livro escrito por João para apresentar a vida de Jesus de tal modo que os incrédulos possam ir a ele pela fé e os cristãos possam desenvolver sua fé em Cristo como o Messias e o Filho de Deus que desceu do céu. Assim, testemunhar de Jesus é o tema central desse Evangelho, tanto por parte de um homem especial como João Batista, do Pai, do Espírito Santo e de seus discípulos e fieis em toda parte do mundo. Estamos vendo o capítulo 7, da parte II.
Breve síntese do capítulo 7
João continua a sua narrativa sobre Jesus onde os seus irmãos não criam nele e, portanto estavam tentando “ajudá-lo”.
Havia um clima de disputa entre todos sobre Jesus procurando saber quem ele era e se de fato era o Messias. As opiniões eram contraditórias e Jesus respondia a eles, mas não da forma como alguém normal, mas como aquele que tem autoridade.
Ele estava com eles, mas não se misturava a eles na tentativa do convencimento sobre a sua pessoa. Jesus sempre exigiu que cressem nele quando ele falava ou fazia algo extraordinário.
Ambiente de discussões, grupos prós e grupos contras e lá vai ele no último dia da festa, o dia mais importante da festa e se levanta e diz: SE ALGUÉM TEM SEDE VENHA A MIM E BEBA!
Vejamos o presente capítulo com mais detalhes, conforme ajuda da BEG:
II. O MINISTÉRIO PÚBLICO DE JESUS (1.19-12.50) - continuação.
Como já dissemos, Jesus passou a maior parte do seu tempo ministrando às pessoas de várias partes, especialmente nas festas judaicas.
Estamos seguindo, conforme já falamos a proposta de divisão da BEG: A. O começo do ministério de Jesus (1.19-51) – já vimos; B. Os eventos que ocorreram durante a viagem entre Caná (na Galileia) e a Judeia (2.1-4.54) – já vimos; C. Uma breve visita a Jerusalém (5.1-47) – já vimos; D. O seu ministério na Galileia (6.1-71) – já vimos; e, E. Vários acontecimentos próximos e dentro de Jerusalém durante várias festas (7.1-12.50) – começaremos a ver agora.
E. Vários acontecimentos próximos e dentro de Jerusalém durante várias festas (7.1-12.50).
Esses vários acontecimentos próximos e dentro de Jerusalém durante várias festas começa no capítulo 7 e termina no 12.
Assim, dividiremos essa alínea “E” em três seções: E1. Em Jerusalém, perto da festa dos tabernáculos (7.1-10.21) – começaremos agora; E2. Em Jerusalém, perto da festa da dedicação (10.22-42); e, E3. Em Jerusalém e vizinhança, perto da páscoa (11.1-12.50).
E1. Em Jerusalém, perto da festa dos tabernáculos (7.1-10.21).
Jesus realizou milagres e ensinou em Jerusalém, perto da Festa dos Tabernáculos. Muitos ainda o rejeitaram. Em Jerusalém, perto da Festa dos Tabernáculos. João passa a registrar uma série de acontecimentos do ministério de Jesus dentro e ao redor de Jerusalém que ocorreram próximo à Festa dos Tabernáculos.
João divide essas atividades de Jesus em três partes principais: 1. Partindo para Jerusalém (7.1-13) – veremos agora; 2. Ensinando os judeus (7.14-8.59) – começaremos a ver agora; e, 3. Curando e ensinando (9.1-10.21).
1. Partindo para Jerusalém (7.1-13).
João prepara a cena para as discussões a seguir. A descrença dos irmãos de Cristo (vs. 5) e o presságio de Jesus quanto à necessidade de comparecer oculto à festa, com o objetivo de evitar a sua prisão (vs. 10), combinam-se para alertar o leitor sobre a crescente hostilidade em relação a Jesus.
Jesus estava percorrendo a Galileia, mas longe da Judéia por causa dos que queria tirar-lhe a vida e estava se aproximando a Festa dos Tabernáculos.
Essa festa era a mais prolongada do ano judaico (durava sete dias), ocorrendo antes do ano-novo judaico e do Dia da Expiação. (Yom Kippur; veja Lv 23; Dt 16), e celebrava a provisão graciosa de Deus para os israelitas no deserto e o encerramento de cada colheita anual.
Nessas festividades, dois rituais eram muito importantes: o cerimonial da água corrente (que comemorava a provisão de água no deserto, Nm 20.2-13) e o cerimonial de acender lâmpadas.
O primeiro ritual serviu de contexto para o sermão de Jesus em 7.37-38; o segundo; para as suas afirmações em 8.12.
Reparem nos versos 3,5 e 10 e compare com 2.12 e também Mt 12.46, como os seus irmãos não criam nele e se sentiam “empresários” dele querendo cuidar de seus negócios e apresentações ao mundo.
No entanto, Jesus respondeu que o seu tempo ainda não tinha chegado. (Veja 2.4; 7.8,30; 8.20; 12.23; 13.1; 17.1; Mt 26.18; Mc 14.41.) Essas passagens demonstram a preocupação de Jesus em sujeitar-se ao planejamento de Deus; as ações de Jesus em momentos específicos estavam carregadas de importância salvadora para todos os tempos.
João dizia que o mundo não poderia ainda odiá-los, mas a ele sim por causa de seu testemunho contra o que faziam nas trevas. Isso se refere à sua humanidade em sua oposição ao propósito de Deus.
Nesse momento, os irmãos de Jesus representavam o mundo e sua incredulidade; mais tarde, alguns deles se tornaram cristãos (At 1.14).
As pessoas que praticam o mal não gostam de ser desmascaradas pelo bem (3.19-20), antes preferem inventar todo tipo de desculpa, filosofias e religiões para se manterem longe desse Deus que requer compromissos com ele.
Essas palavras dirigidas a seus irmãos de que não subiria ainda não contradizem o vs.10, pois Jesus de fato compareceu à festa. Antes, indica que seus irmãos pediram que ele comparecesse de maneira pública e se apresentasse abertamente à multidão. Jesus diz que não irá dessa maneira.
As pessoas já perguntavam por ele, mas não em público por medo dos judeus (líderes e oficiais dos judeus, particularmente àqueles que aram hostis a Jesus), e muitos boatos se falavam dele, entre eles de que Jesus era bom. Um testemunho digno de pessoas imparciais; disseram algo que era muito mais verdadeiro do que imaginavam (cf. Mc 10.18).
2. Ensinando os judeus (7.14-8.59).
Doravante, até ao capítulo 8, veremos Jesus ensinado aos judeus. Jesus ensinou as multidões em diversos contextos e sobre uma variedade de tópicos.
O primeiro discurso e a primeira interação de Jesus com a multidão se deu dos versos 14 ao 24, conforme veremos a seguir.
Jesus não havia sido discípulo de nenhum rabino conhecido; no entanto, o conhecimento e a sabedoria que demonstrava maravilhavam aqueles que o ouviam (cf. 3.2; Mt 7.28; Lc 2.47).
Jesus respondeu aos judeus que seu ensino não vinha dele, mas de quem o enviou. Jesus revelou a fonte do seu ensino. Ele não era um inovador, e nem a sua mensagem era originária dele mesmo, mas procedia do seu Pai.
Isso é um importante corretivo às pessoas (dessa época e de hoje) que procuram atribuir os ensinos de Jesus a fontes humanas: Deus o Pai era a única fonte dos ensinamentos do Filho. Essa verdade também confirma a origem divina das Escrituras do Antigo Testamento às quais Jesus se referia com frequência.
Deus concede um discernimento correto sobre a natureza divina dos ensinamentos de Cristo àqueles que desejam, com sinceridade, fazer a vontade dele (isto é, aos cristãos verdadeiros, em contraste com aqueles que apenas professam buscar a Deus). Veja o SI 25.14.
Jesus faz um contraste entre os que falam por si mesmos e os que dão glórias a Deus. Um contraste é estabelecido entra aqueles que querem promover a si mesmos e aqueles que estão preocupados unicamente com o cumprimento de sua missão (12.49); Jesus pertence ao último grupo. Ao que é verdadeiro por buscar não a sua própria glória, mas a glória de Deus. Ou "de verdade" (quanto a passagens em que Cristo e sua mensagem são identificados com a verdade, veja 1.14,17; 14.6; 18.37; 2Co 11.10; Ap 3.7,14; 19.11).
É notável que esse termo “verdadeiro” se aplique:
·         A Deus o Pai (SI 31.5; Is 65.16; Jo 7.28; 8.26; 17.3; Rm 3.4; 1Ts 1.9; 1Jo 5.20; Ap 6.10; 15.3; 16.7).
·         Ao Espírito Santo (Jo 14.17; 15.26; 16.13; lio 4.6; 5.6).
·         Bem como às Escrituras e à pregação apostólica (51119.30,43,138,142,151,160: Jo 17.17; Ef 1.13; Cl 1.5; 2Tm 2.15; Tg 1.18).
Isso contrasta nitidamente com Satanás, que é "mentiroso e pai da mentira" (Jo 8.44).
Apesar de a lei ser dada por Moisés, ninguém o obedecia. A grande bênção de receber a lei como a revelação da vontade de Deus (cf. SI 103.7; Rm 3.2; 9.4) se transforma em responsabilidade pela desobediência (Rm 7.7-12).
Jesus toca então num ponto muito delicado quando afirma que eles queriam matá-lo e eles respondem dizendo que ele tinha demônios por pensar assim. Esse tipo de acusação era típico de pessoas que não tinham mais argumentos (cf. 8.48-52; 10.19-20; Mt 12.24), e resultou numa das mais terríveis condenações que Jesus pronunciou (Mt 12.31-32).
Jesus fez mais de um milagre, mas aqui – vs. 21 - ele estava se referindo a pelo menos um que essas pessoas tinham presenciado: a cura de um paralítico (5.1-15).
A circuncisão estava prescrita na lei de Moisés (Lv 12.3), mas já havia sido instituída por Deus nos dias de Abraão (Gn 17.10-14).
A ordem para que a circuncisão fosse realizada no oitavo dia era encarada com tanta seriedade que tinha prioridade sobre a legislação do descanso no sábado.
Isso não estava estipulado na Escritura, mas obviamente era prática comum entre os judeus nos dias de Jesus. Essa é a razão da argumentação que Jesus apresentou aqui.
Jesus apontou para a inconsistência de seus acusadores, pois havia várias atividades permitidas no sábado, incluindo a circuncisão.
Jesus ponderava como era possível que fosse correto permitir um ato que envolvia apenas o prepúcio, e ao mesmo tempo errado negar um que envolvia toda a pessoa?
Jesus os condenava por julgarem apenas pela aparência e pedia que fossem justos e fizessem julgamentos justos – vs. 24.
Nessa passagem bastante irónica – vs. 25 ao 36 -, a multidão discutia sobre a procedência de Jesus (6.42). As pessoas pensavam que Jesus tinha vindo da Galileia (vs. 41.52), e isso estava em conflito com duas opiniões difundidas pelos judeus nessa época:
·         Um a dizia que o Messias viria de Belém (v. 42; Mt 2.5-6).
·         Outra, que a sua origem seria desconhecida.
Replicando essas opiniões, Jesus indicou a sua origem divina e não o seu nascimento geográfico. Ao negarem a missão divina de Jesus, seus ouvintes demonstraram ignorância quanto ao plano de Deus, apesar dos milagres que evidenciaram o endosso divino (vs.. 31).
Alguns deles tentaram e procuravam prendê-1º, mas como não era ainda a sua hora, não o puderam fazê-lo. A conspiração contra a vida de Jesus não teria sucesso até que o plano de Deus o permitisse. E quanto à nossa vida, não seria o mesmo? Deveríamos confiar mais em Deus.
Alguns creram nele, mas outros permaneciam incrédulos e isso se tornou a questão do momento. Ele dizia que eles haveriam de procurar por ele, mas não iriam achá-lo. Isso não está em contradição com Mt 7.7. A diferença está no "buscai". Em Mt 7.7, Jesus estava falando sobre um desejo genuíno por Deus (cf. vs. 37) que somente o Espírito Santo pode produzir no pecador; porém, em Jo 7.34, Cristo estava se referindo aos esforços para localizá-lo, que seriam inúteis uma vez que os fariseus e lideres religiosos não podiam enviar os guardas do templo ao céu. Observe o contraste entre os incrédulos (vs. 34) e os que criam (14.3).
Os judeus ficaram confusos com a procedência de Cristo e isso refletiu no fato de que não compreenderam o seu destino, que era o céu. Eles entendiam esse conceito apenas em termos geográficos e não ficaram contentes com a ideia de Jesus ir ministrar entre os gregos pagãos a quem eles desprezavam.
Jesus esperou por esse momento e bem no auge da festa, Jesus comunicou uma mensagem enfática por meio da sua postura (de pé) e da sua voz (exclamou). Aqui, a mensagem que havia sido dada à mulher samaritana (4.10-14) foi repetida e explicada pela identificação de “vir a mim” com “crer em mim”.
Quando Jesus disse que creriam nele como diz as Escrituras, ele não estava sendo específico, lembrando de alguma passagem precisa. Não era uma citação exata do Antigo Testamento, mas poderia estar se referindo a fontes do Antigo Testamento que associam a água com o dom escatológico do Espírito (p. ex., Is 44.3; Ez 36.25-27), bem como passagens que empregam a metáfora da água para descrever as bênçãos da era messiânica (p. ex., Is 12.3; 58.11; Ez 47).
O ímpeto da proclamação de Jesus é claro: nele se cumpre a tipologia da Festa dos Tabernáculos (vs. 2). Os rios representam a abundância que beneficia não apenas os cristãos, mas todos os que estão ao redor deles.
Ali, naquele momento, ele estava se referindo ao Espírito Santo. O Espírito até aquele momento não fora dado. A interpretação inspirada de João a respeito da afirmação de Jesus deixa claro que isso é unia referência à bênção do Pentecostes.
Embora o Espirito Santo já operasse no período do Antigo Testamento, no Pentecostes, ele entraria num relacionamento ainda mais íntimo com os cristãos (14.17; 1Co 6.19).
O Espírito Santo é o presente do Messias para o seu povo (Mt 3.11; Mc 1.8; Lc 3.16; Jo 16.7; At 2.1-21; cf. Ef 4.8).
Ouvindo-o falar dessa forma, alguns exclamaram que ele era  o profeta (6.14). Testemunhos divergentes foram dados por aqueles que não estavam cegos pelo preconceito:
(1)   O Messias não teria feito mais sinais do que Jesus fez (vs. 31);
(2)   Jesus pode ser "o profeta" prometido por Moisés (vs. 40).
(3)   Jesus era “o Cristo", o Messias (vs. 41);
(4)   Ninguém nunca havia falado da maneira como Jesus falou (vs. 46).
Um estudo interessante poderia ser feito a partir do testemunho dado pelos inimigos de Jesus.
A discussão sobre a identidade de Jesus continuou focalizada na sua procedência (cf. vs. 25-36; 6.42; 7.27). Equívocos semelhantes ocorreram durante a conversa de Jesus com Nicodemos (3.1-15) e com a mulher samaritana (4.1-26).
O preconceito dos principais sacerdotes e dos fariseus fica evidente na reprovação que fizeram aos guardas do templo (vs. 47.48), à multidão (vs. 49), e até mesmo a Nicodemos, que fazia parte do grupo deles (vs. 52).
Os guardas enviados a prenderem a Jesus, voltaram dizendo que ninguém tinha falado antes como ele. Quão impressionante não seria ouvi-lo? Nicodemos era mais prudente e tentava defende-lo, mas eles não o ouviram e ainda diziam zombando que nada de bom poderia vir da Galileia.
A Galileia era desprezada pelo Sinédrio, por ser uma região de população miscigenada onde a lei não era observada com zelo. Um antigo manuscrito traz "o profeta”; logo, essa negação não significa que nenhum profeta poderia vir da Galileia (o profeta Jonas era dessa região; 2Rs 14.25), mas que "o profeta" certamente não viria de uma região tão desonrosa. Aqui, novamente, aparece a discussão sobre a questão da procedência de Jesus (6.42; 7.27).
O trecho a seguir, dos vs. 53 ao 8.11, não ocorrem na maioria dos melhores manuscritos gregos desse Evangelho.
Conforme nos explica a BEG, os manuscritos antigos em que esses versículos ocorrem o colocam em lugares diferentes (aqui; após 7.36; após 21.25; após Lc 21.38; e após Lc 24.53). A partir de 7.53 e 8.1, fica claro que a localização dessa narrativa não é a original, pois Jesus não estava presente na reunião descrita em 7.45-52. Essa evidência sugere que esses versículos não faziam parte do original desse Evangelho, mas que provavelmente têm origem apostólica e reproduzem um incidente que, de fato, ocorreu durante o ministério de Jesus.
Jo 7:1 Passadas estas coisas,
Jesus andava pela Galiléia,
porque não desejava percorrer a Judéia,
visto que os judeus procuravam matá-lo.
Jo 7:2 Ora, a festa dos judeus,
chamada de Festa dos Tabernáculos,
estava próxima.
Jo 7:3 Dirigiram-se, pois, a ele os seus irmãos e lhe disseram:
Deixa este lugar e vai para a Judéia,
para que também os teus discípulos vejam as obras que fazes.
Jo 7:4 Porque ninguém há que procure ser conhecido em público
e, contudo, realize os seus feitos em oculto.
Se fazes estas coisas,
manifesta-te ao mundo.
Jo 7:5 Pois nem mesmo os seus irmãos criam nele.
Jo 7:6 Disse-lhes, pois, Jesus:
O meu tempo ainda não chegou,
mas o vosso sempre está presente.
Jo 7:7 Não pode o mundo odiar-vos,
mas a mim me odeia,
porque eu dou testemunho a seu respeito
de que as suas obras são más.
Jo 7:8 Subi vós outros à festa;
eu, por enquanto, não subo,
porque o meu tempo ainda não está cumprido.
Jo 7:9 Disse-lhes Jesus estas coisas
e continuou na Galiléia.
Jo 7:10 Mas, depois que seus irmãos subiram para a festa,
então, subiu ele também,
não publicamente, mas em oculto.
Jo 7:11 Ora, os judeus o procuravam na festa e perguntavam:
Onde estará ele?
Jo 7:12 E havia grande murmuração a seu respeito entre as multidões.
Uns diziam:
Ele é bom.
E outros:
Não, antes, engana o povo.
Jo 7:13 Entretanto,
ninguém falava dele abertamente, por ter medo dos judeus.
Jo 7:14 Corria já em meio a festa,
e Jesus subiu ao templo
e ensinava.
Jo 7:15 Então, os judeus se maravilhavam e diziam:
Como sabe este letras, sem ter estudado?
Jo 7:16 Respondeu-lhes Jesus:
O meu ensino não é meu,
e sim daquele que me enviou.
Jo 7:17 Se alguém quiser fazer a vontade dele,
conhecerá a respeito da doutrina,
se ela é de Deus
ou se eu falo por mim mesmo.
Jo 7:18 Quem fala por si mesmo está procurando
a sua própria glória;
mas o que procura a glória de quem o enviou,
esse é verdadeiro,
e nele não há injustiça.
Jo 7:19 Não vos deu Moisés a lei?
Contudo, ninguém dentre vós a observa.
Por que procurais matar-me?
Jo 7:20 Respondeu a multidão:
Tens demônio.
Quem é que procura matar-te?
Jo 7:21 Replicou-lhes Jesus:
Um só feito realizei,
e todos vos admirais.
Jo 7:22 Pelo motivo de que Moisés vos deu a circuncisão
(se bem que ela não vem dele, mas dos patriarcas),
no sábado circuncidais um homem.
Jo 7:23 E, se o homem pode ser circuncidado em dia de sábado,
para que a lei de Moisés não seja violada,
por que vos indignais contra mim,
pelo fato de eu ter curado, num sábado,
ao todo, um homem?
Jo 7:24 Não julgueis segundo a aparência,
e sim pela reta justiça.
Jo 7:25 Diziam alguns de Jerusalém:
Não é este aquele a quem procuram matar?
Jo 7:26 Eis que ele fala abertamente, e nada lhe dizem.
Porventura, reconhecem verdadeiramente as autoridades
que este é, de fato, o Cristo?
Jo 7:27 Nós, todavia, sabemos donde este é;
quando, porém, vier o Cristo, ninguém saberá donde ele é.
Jo 7:28 Jesus, pois, enquanto ensinava no templo, clamou, dizendo:
Vós não somente me conheceis,
mas também sabeis donde eu sou;
e não vim porque eu, de mim mesmo, o quisesse,
mas aquele que me enviou é verdadeiro,
aquele a quem vós não conheceis.
Jo 7:29 Eu o conheço,
porque venho da parte dele
e fui por ele enviado.
Jo 7:30 Então, procuravam prendê-lo;
mas ninguém lhe pôs a mão,
porque ainda não era chegada a sua hora.
Jo 7:31 E, contudo, muitos de entre a multidão creram nele e diziam:
Quando vier o Cristo, fará, porventura,
maiores sinais do que este homem tem feito?
Jo 7:32 Os fariseus,
ouvindo a multidão murmurar estas coisas a respeito dele,
juntamente com os principais sacerdotes
enviaram guardas para o prenderem.
Jo 7:33 Disse-lhes Jesus:
Ainda por um pouco de tempo estou convosco
e depois irei para junto daquele que me enviou.
Jo 7:34 Haveis de procurar-me
e não me achareis;
também aonde eu estou,
vós não podeis ir.
Jo 7:35 Disseram, pois, os judeus uns aos outros:
Para onde irá este que não o possamos achar?
Irá, porventura, para a Dispersão entre os gregos,
com o fim de os ensinar?
Jo 7:36 Que significa, de fato, o que ele diz:
Haveis de procurar-me e não me achareis;
também aonde eu estou, vós não podeis ir?
Jo 7:37 No último dia, o grande dia da festa, levantou-se Jesus e exclamou:
Se alguém tem sede,
venha a mim e beba.
Jo 7:38 Quem crer em mim, como diz a Escritura,
do seu interior fluirão rios de água viva.
Jo 7:39 Isto ele disse com respeito ao Espírito
que haviam de receber os que nele cressem;
pois o Espírito até aquele momento não fora dado,
porque Jesus não havia sido ainda glorificado.
Jo 7:40 Então, os que dentre o povo tinham ouvido estas palavras diziam:
Este é verdadeiramente o profeta;
Jo 7:41 outros diziam:
Ele é o Cristo;
outros, porém, perguntavam:
Porventura, o Cristo virá da Galiléia?
Jo 7:42 Não diz a Escritura que o Cristo vem
da descendência de Davi
e da aldeia de Belém, donde era Davi?
Jo 7:43 Assim, houve uma dissensão entre o povo por causa dele;
Jo 7:44 alguns dentre eles queriam prendê-lo,
mas ninguém lhe pôs as mãos.
Jo 7:45 Voltaram, pois, os guardas à presença
dos principais sacerdotes e fariseus,
e estes lhes perguntaram:
Por que não o trouxestes?
Jo 7:46 Responderam eles:
Jamais alguém falou como este homem.
Jo 7:47 Replicaram-lhes, pois, os fariseus:
Será que também vós fostes enganados?
Jo 7:48 Porventura, creu nele alguém dentre as autoridades
ou algum dos fariseus?
Jo 7:49 Quanto a esta plebe que nada sabe da lei, é maldita.
Jo 7:50 Nicodemos, um deles, que antes fora ter com Jesus, perguntou-lhes:
Jo 7:51 Acaso, a nossa lei julga um homem,
sem primeiro ouvi-lo e saber o que ele fez?
Jo 7:52 Responderam eles:
Dar-se-á o caso de que também tu és da Galiléia?
Examina e verás
que da Galiléia não se levanta profeta.
Jo 7:53 [E cada um foi para sua casa.
A discussão continua até hoje e continuará até a sua parousia. Quando ele voltar, como prometeu, as discussões cessarão. O tema hoje de nossas discussões é Jesus! Ou você crê nele e o segue e recebe a vida ou continuará nas trevas.
p.s.: link da imagem original:
Contagem regressiva: Faltam 186 dias para 20/04/16 (Inicio: 05/05/15). Tu, SENHOR, conservarás em perfeita paz aquele cujo propósito é firme; porque ele confia em ti. (Is 26.3).
A Deus toda glória! p/ pr. Daniel Deusdete.
...


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.