quinta-feira, 15 de outubro de 2015

João 4 1-54 - JESUS É A ÁGUA VIVA QUE MATA TODA SEDE!

O Evangelho de João é o livro escrito por João para apresentar a vida de Jesus de tal modo que os incrédulos possam ir a ele pela fé e os cristãos possam desenvolver sua fé em Cristo como o Messias e o Filho de Deus que desceu do céu. Assim, testemunhar de Jesus é o tema central desse Evangelho, tanto por parte de um homem especial como João Batista, do Pai, do Espírito Santo e de seus discípulos e fieis em toda parte do mundo. Estamos vendo o capítulo 4, da parte II.
Breve síntese do capítulo 4
Há tantos mistérios envolvidos na vida de Jesus que pretender a todos eles comentá-los é simplesmente impossível. Por isso, irei passar bem longe, mas mesmo assim, muita coisa interessante aprenderemos.
Aqui neste capítulo Jesus é á água viva! Quem dele beber jamais terá sede e ainda se fará nele uma fonte a jorrar pela eternidade. De uma conversa despretensiosa com uma mulher samaritana – que era proibido e um escândalo à época – Jesus cura a alma dela, a salva e a transforma em uma discípula que sai ganhando almas para o Senhor.
Os samaritanos que não se davam com os judeus reconhece em um judeu, Jesus, o salvador do mundo. E os judeus, por que não o reconheceram? Nós ganhamos com Jesus, ao meu ver, duas coisas, independentemente de qualquer coisa, a ressurreição de nossos corpos – a vida eterna! - e a fé em Deus.
Vejamos o presente capítulo com mais detalhes, conforme ajuda da BEG:
II. O MINISTÉRIO PÚBLICO DE JESUS (1.19-12.50) - continuação.
Como já dissemos, Jesus passou a maior parte do seu tempo ministrando às pessoas de várias partes, especialmente nas festas judaicas. Veremos, doravante, até o capítulo doze, o ministério público de Jesus.
Estamos seguindo, conforme já falamos a proposta de divisão da BEG: A. O começo do ministério de Jesus (1.19-51) – já vimos; B. Os eventos que ocorreram durante a viagem entre Caná (na Galileia) e a Judeia (2.1-4.54) – estaremos concluindo agora; C. Uma breve visita a Jerusalém (5.1-47); D. O seu ministério na Galileia (6.1-71); e, E. Vários acontecimentos próximos e dentro de Jerusalém durante várias festas (7.1-12.50).
B. Os eventos que ocorreram durante a viagem entre Caná (na Galileia) e a Judeia (2.1-4.54) - continuação.
Como já dissemos, Jesus realizou o seu primeiro milagre em Caná e mais tarde retornou ali para realizar um segundo milagre. Enquanto isso, vários acontecimentos importantes deram início a algumas das mudanças mais surpreendentes que Jesus trouxe ao mundo.
Assim, dividimos essa parte em 6 seções para melhor explorá-las: 1. O casamento em Caná (2.1-11) – já vimos; 2. A purificação do Templo (2.12-25) – já vimos; 3. A chegada do reino (3.1-21) – já vimos; 4. Outro testemunho de João (3.22-36) – já vimos; 5. A mulher samaritana (4.1-42) – veremos agora; e, 6. Um oficial do rei em Caná (4.43-54) – veremos e concluiremos agora.
5. A mulher samaritana (4.1-42).
Mais uma vez, João focaliza as mudanças principais que Jesus trouxe para o reino de Deus.
Aqui, identifica Jesus como aquele que concede vida eterna, substituiu o templo em Jerusalém e trouxe salvação aos samaritanos, ainda que a maioria dos judeus o tivessem rejeitado.
O pano de fundo desse incidente é o desprezo profundo que os judeus sentiam dos samaritanos (vs. 9). Mas, como era de se esperar, os samaritanos também não gostavam dos judeus.
Quando os judeus viajavam entre a Galileia e a Judeia, preferiam cruzar o rio Jordão duas vezes a ter de atravessar Samaria. Todavia, Jesus não adotou essa prática (Lc 9.52).
Cansado da viagem, por causa da sua natureza humana - Jesus sentia fadiga e exaustão (Mt 8.24) -, por volta da hora sexta, isto é, próximo ao meio-dia, sentou-se Jesus à beira de um poço, com sede.
Os seus discípulos tinham saído para comprarem comida e ele estava só quando chegou ali uma mulher samaritana que tinha ido buscar água e Jesus, sendo judeu, pediu a ela, mulher samaritana, água para beber.
Os judeus não se davam com os samaritanos, ou nada tinham em comum com os samaritanos. Na legislação judaica havia itens que proibiam um judeu de usar pratos e copos que tivessem sido previamente utilizados por samaritanos.
A mulher ficou surpresa não tanto por Jesus falar com um samaritano, mas porque ele queria usar um dos seus utensílios para beber água.
Ela mesma o interroga dizendo a ele como teria ele coragem de pedira a ela água para beber e ainda em seu cântaro? E Jesus lhe fala do dom de Deus – vs. 10. Enfatiza que a salvação não é merecida, mas dada (Ef 2.8); Jesus é o dom de Deus (3.16; GI 2.20; Ef 5.25).
Também ele lhe fala que poderia dar a ela água viva. Essa expressão pode significar "água corrente", ou seja; que provavelmente é fresca e pura. No Antigo Testamento, era utilizada num sentido metafórico corno referência à bênção divina (Jr 2.13; Zc 14.8). Veja ainda Jo 4.14; 7.37-39.
A mulher não entendeu, pois Jesus estava ali pedindo água e não tinha com que tirá-la do poço, como poderia ele lhe dar - vs. 11 - água viva? Do mesmo modo que os judeus e Nicodemos, a mulher samaritana não entendeu os termos-chave que Jesus usou (vs. 15; veja também 2.19-21; 3.3-10).
Ela continua sem entender e o questiona mais ainda. Como poderia ele lhe dar água viva e seria ele maior do que seu pai Jacó que lhe deixou aquele poço?
Jesus contrastou a satisfação temporária com a eterna, ensinando que todos os prazeres terrenos, ainda que legítimos, desaparecem.
Jesus expressa a origem divina de sua bênção. Ela seria uma fonte a jorrar eternamente. Enfatiza a sua abundância. Fala-lhe da vida eterna. Enfatiza a sua duração sem fim e de excelente qualidade.
Em vista da propaganda da água viva, a mulher se encantou com seu discurso e já queria dessa água, principalmente para não precisar mais ir ali retirar água do poço.
Jesus então manda ela chamar seu marido, mas ela responde que não tinha. Jesus então apela para o seu conhecimento profético e supranatural e fala a ela da sua vida e da sua realidade. O conhecimento de Jesus sobre a vida da mulher samaritana lembra o que ele havia demonstrado a respeito de Natanael (1.48).
A mulher reconheceu, por isso, que estava diante de um profeta e aprofunda suas questões envolvendo agora a adoração e a forma correta de fazê-la.
Nossos pais adoravam neste monte – vs. 20. Os detalhes e datas são incertos, mas depois que Samaria foi conquistada pela Assíria (722 a.C.) houve uma divisão entre os judeus da Samaria e os de Jerusalém. Os samaritanos construíram um templo no monte Gerizim, que foi destruído por volta de 130 a.C. Eles continuaram a adorar nesse monte mesmo depois da destruição do templo.
Jesus, em sua resposta, vai mais além e sai da dimensão egoísta e terrestre da adoração e aponta para algo maior, uma adoração verdadeira e autêntica, que iria muito além de locais físicos.
Durante o ministério terreno de Jesus e antes de sua morte e ressurreição, havia uma tensão em relação ao fato de que o reino de Deus e suas bênçãos já haviam chegado em parte, mas que essas bênçãos ainda não haviam se manifestado completamente.
Na verdade, há aspectos do reino que não foram realizados nem vão se realizar até a segunda vinda de Cristo. Por outro lado, aquele que havia trazido o reino de Deus já estava presente na terra e havia inaugurado o reino. A BEG recomenda a leitura de seu excelente artigo teológico "O reino de Deus", em Mt 4.
Então o que importava não eram locais, nem rituais, mas adoração legítima e verdadeira em espírito e em verdade. A expressão "em verdade" significa "efetivamente", isto é, em adoração celestial, da qual a adoração terrena é apenas um tipo.
Aqui, Jesus empregou o termo 'verdade" no mesmo sentido que Hb 8.2; 9.24. Em Hb 8.2, o "verdadeiro tabemáculo" do céu não é contrastado com um falso, mas com o tabernáculo terreno que foi construído seguindo o padrão celeste.
A Jerusalém terrena não era um lugar falso de adoração, mas um lugar terreno; era uma sombra, um tipo, uma cópia da realidade do céu e do culto celestial.
Uma vez que Jesus é aquele que reunificou não apenas Deus e o seu povo, mas também a terra e o céu, logo chegaria o momento em que todas as questões sobre o lugar ideal para adorar se tornariam irrelevantes, pois aquilo para o que o templo terreno apontava estava se tornado realidade para o povo de Deus (Mt 27.51). Em espírito, referia-se à terceira pessoa da Trindade, o Espírito Santo, aquele que o Antigo Testamento prometeu para o final dos tempos (Jl 2.28-29).
Logo, a adoração cristã não está limitada a nenhum local terreno, mas antes se dirige aos céus e é oferecida na plenitude do Espírito Santo.
Jesus então afirma que Deus é espírito, e é necessário que os seus adoradores o adorem em espírito e em verdade" – vs. 24.
A mulher, vendo a resposta profunda de Jesus, lhe fala da vinda do Messias que ensinaria a eles todas as coisas.
Jesus responde precisamente que ele era o Messias esperado. Ele diz para ela “Eu o sou” – vs. 26. A única ocasião registrada antes do julgamento na qual Jesus afirma ser o Messias.
Talvez implicações políticas associadas ao pensamento judaico sobre o conceito de Messias tivessem feito com que fosse imprudente para Jesus usá-lo com mais frequência (cf. 6.14-15).
Foi bem nesse momento que a conversa estava intensa que chegaram os seus discípulos e se admiraram de que estivesse ali conversando com uma mulher e ainda mais samaritana – vs. 27.
A atitude dos discípulos refletiu o desprezo dos judeus para com os samaritanos e também o chauvinismo masculino desses dias, que considerava ensinar as mulheres como perda de tempo.
No entanto, ninguém ousou questioná-lo ou mesmo censurá-lo. A mulher aproveitou o momento para sair dali e ir anunciar a toda a cidade que tinha achado o Messias que iria vir e eles vieram com ela para ver e conferir – v. 30. O testemunho dessa mulher foi mais efetivo nessa cidade do que a visita dos doze discípulos.
Enquanto isso, os discípulos insistiam com ele: "Mestre, come alguma coisa". Mas ele dizia a eles que tinha algo a comer que eles não conheciam, ou seja, fazer a vontade daquele que o tinha enviado e concluir para ele a sua obra.
Jesus entendia que eles já deveriam abrirem os seus olhos e verem os campos, pois que esses estavam já maduros para a colheita. Aquele que colhe já recebe o seu salário e colhe fruto para a vida eterna, de forma que se alegram juntos o que semeia e o que colhe (vs. 31-36).
Jesus citou o ditado como verdadeiro, pois um é o semeador, e outro é o ceifeiro. Jesus deixou claro que os seus discípulos tinham responsabilidades distintas das suas: eles deveriam colher os frutos da semeadura de Jesus. Essa instrução pode ter antecipado deliberadamente um ensinamento que viria mais tarde (veja 12.23-24).
Os samaritanos gostaram mesmo de Jesus e queriam que ele ficasse ali com eles. Por causa do testemunho daquela mulher, muitas almas foram alcançadas para o reino de Deus e eles reconheceram, ao contrário dos judeus, que ali estava diante deles o Messias, o Salvador do mundo – vs. 42.
Eles reconheceram que Jesus é mais do que um profeta (vs. 19,29,39); ele é o Salvador (1Jo 4.14) do mundo.
6. Um oficial do rei em Caná (4.43-54).
Depois daqueles dias de bênçãos, partiu Jesus com seus discípulos para a Galiléia e ele mesmo tinha dito que nenhum profeta tem honra em sua própria casa – vs. 43, 44.
Não está claro se “na sua própria terra" se refere à Judéia (de onde Jesus partiu (4.3) para ir à Galileia) ou à Galileia.
A favor da Galiléia há dois fatores:
(1)    Geralmente Jesus não era bem recebido na Judeia, fato que é consistente com 1.11.
(2)    O vs. 45 diz que "os galileus o receberam".
Porém, a favor da Judéia também há dois fatores:
(1)    Nesse Evangelho, a Caldeia é considerada como a região de origem de Jesus (1.46; 2.1; 7.42,52).
(2)    Embora os galileus tivessem recebido Jesus, a passagem demonstra que Jesus estava descontente com a dependência deles de "sinais e prodígios” (vs. 48).
João está encerra o seu relato da viagem de Jesus a Caná narrando um segundo milagre: a cura do filho de um oficial do rei.
Do mesmo modo que muitos judeus hipócritas desprezavam os samaritanos tanto pela ancestralidade como pelo culto misturado deles, eles também desprezavam os oficiais reais porque estes colaboravam com os romanos; Jesus, porém, louvou a fé do oficial - um oficial a serviço de Herodes Antipas, tetrarca da Galileia (cf. Mt 14.1-12; Lc 23.7) -, em contraste com a maioria dos judeus, que o rejeitaram.
Jesus respondeu ao oficial do rei que se, porventura, não vissem sinais e prodígios, de modo nenhum creriam, mas o oficial parecia muito preocupado com seu filho e pedia desesperadamente que ele o acompanhasse antes que seu filho morresse.
Jesus lhe dá uma palavra de poder e anuncia que ele não morrerá e que, portanto, poderia o pai ir tranquilo até o filho – vs. 50. Foi mesmo uma palavra de poder para efetuar a cura, e não apenas uma profecia de que ele se recuperaria sozinho.
O oficial creu em Jesus e foi até o seu filho e no caminho, seus servos o encontraram com notícias de que o menino vivia e ele quis saber detalhes da hora que se deu a melhora de seu filho e eles disseram que foi na hora sétima, à uma hora da tarde. Justamente na mesma hora que Jesus tinha dito para ele ir tranquilo que o menino vivia.
Resultado disso: muitos creram nele, inclusive todos os da casa do oficial. Foi esse o segundo sinal – vs. 54. Embora Jesus tenha realizado muitos outros sinais (2.23), esse é o segundo que aconteceu em Caná da Galileia (cf. 2.11).
A referência tripla à vida do filho (vs. 50-51,53) indica que o propósito desse milagre foi demonstrar que Jesus tem poder para dar vida; correspondendo a isso está a progressão da fé do oficial (vs. 48,50,53). Esse foco no poder da palavra de Jesus para dar vida prepara o leitor para o sermão que se segue sobre a vida por meio do Filho (5.19-30).
Jo 4:1 Quando, pois, o Senhor veio a saber
                que os fariseus tinham ouvido dizer que ele,
                               Jesus, fazia e batizava mais discípulos que João Jo 4:2
                                               (se bem que Jesus mesmo não batizava,
e sim os seus discípulos),
                Jo 4:3 deixou a Judéia, retirando-se outra vez para a Galiléia.
                Jo 4:4 E era-lhe necessário atravessar a província de Samaria.
Jo 4:5 Chegou, pois, a uma cidade samaritana, chamada Sicar,
                perto das terras que Jacó dera a seu filho José.
                               Jo 4:6 Estava ali a fonte de Jacó.
Cansado da viagem,
                assentara-se Jesus junto à fonte, por volta da hora sexta.
Jo 4:7 Nisto, veio uma mulher samaritana tirar água.
Disse-lhe Jesus:
                Dá-me de beber.
Jo 4:8 Pois seus discípulos tinham ido à cidade para comprar alimentos.
Jo 4:9 Então, lhe disse a mulher samaritana:
                Como, sendo tu judeu, pedes de beber a mim,
                               que sou mulher samaritana
                                               (porque os judeus não se dão com os samaritanos)?
Jo 4:10 Replicou-lhe Jesus:
                Se conheceras o dom de Deus
                e quem é o que te pede:
                               dá-me de beber,
                                               tu lhe pedirias,
                                               e ele te daria
                                                               água viva.
Jo 4:11 Respondeu-lhe ela:
                Senhor, tu não tens com que a tirar,
                e o poço é fundo;
                               onde, pois, tens
                                               a água viva?
                Jo 4:12 És tu, porventura, maior do que Jacó, o nosso pai,
                               que nos deu o poço, do qual
                                               ele mesmo bebeu,
                                               e, bem assim, seus filhos,
                                               e seu gado?
Jo 4:13 Afirmou-lhe Jesus:
                Quem beber desta água tornará a ter sede;
                Jo 4:14 aquele, porém, que beber da água que eu lhe der
                               nunca mais terá sede; pelo contrário,
                                               a água que eu lhe der será nele
                                                               uma fonte a jorrar para a vida eterna.
Jo 4:15 Disse-lhe a mulher:
                Senhor, dá-me dessa água
                               para que eu não mais tenha sede,
                               nem precise vir aqui buscá-la.
Jo 4:16 Disse-lhe Jesus:
                Vai, chama teu marido e vem cá;
Jo 4:17 ao que lhe respondeu a mulher:
                Não tenho marido.
Replicou-lhe Jesus:
                Bem disseste, não tenho marido;
                               Jo 4:18 porque cinco maridos já tiveste,
                               e esse que agora tens não é teu marido;
                                               isto disseste com verdade.
Jo 4:19 Senhor, disse-lhe a mulher,
                vejo que tu és profeta.
                               Jo 4:20 Nossos pais adoravam neste monte;
                                               vós, entretanto, dizeis que em Jerusalém
é o lugar onde se deve adorar.
Jo 4:21 Disse-lhe Jesus:
                Mulher, podes crer-me que a hora vem,
                               quando nem neste monte,
                               nem em Jerusalém adorareis o Pai.
                Jo 4:22 Vós adorais o que não conheceis;
                               nós adoramos o que conhecemos,
                                               porque a salvação vem dos judeus.
                Jo 4:23 Mas vem a hora e já chegou,
                               em que os verdadeiros adoradores
                                               adorarão o Pai
                                                               em espírito
                                                               e em verdade;
                                                                              porque são estes que o Pai procura
para seus adoradores.
                Jo 4:24 Deus é espírito;
                               e importa que os seus adoradores o adorem
                                               em espírito
                                               e em verdade.
Jo 4:25 Eu sei, respondeu a mulher,
                que há de vir o Messias, chamado Cristo;
                               quando ele vier, nos anunciará todas as coisas.
Jo 4:26 Disse-lhe Jesus:
                Eu o sou, eu que falo contigo.
Jo 4:27 Neste ponto,
                chegaram os seus discípulos
                e se admiraram de que estivesse falando com uma mulher;
                               todavia, nenhum lhe disse:
                                               Que perguntas? Ou: Por que falas com ela?
Jo 4:28 Quanto à mulher,
                deixou o seu cântaro,
                               foi à cidade
                               e disse àqueles homens:
                                               Jo 4:29 Vinde comigo
                                               e vede um homem que me disse tudo
quanto tenho feito.
                                               Será este, porventura, o Cristo?!
Jo 4:30 Saíram, pois, da cidade
                e vieram ter com ele.
Jo 4:31 Nesse ínterim,
                os discípulos lhe rogavam, dizendo:
                               Mestre, come!
Jo 4:32 Mas ele lhes disse:
                Uma comida tenho para comer,
                               que vós não conheceis.
Jo 4:33 Diziam, então, os discípulos uns aos outros:
                Ter-lhe-ia, porventura, alguém trazido o que comer?
Jo 4:34 Disse-lhes Jesus:
                A minha comida consiste
                               em fazer a vontade daquele que me enviou
                               e realizar a sua obra.
                Jo 4:35 Não dizeis vós que ainda há quatro meses até à ceifa?
                Eu, porém, vos digo:
                               erguei os olhos
                               e vede os campos,
                                               pois já branquejam para a ceifa.
                Jo 4:36 O ceifeiro recebe desde já a recompensa
                e entesoura o seu fruto para a vida eterna;
                e, dessarte, se alegram
                               tanto o semeador como o ceifeiro.
                Jo 4:37 Pois, no caso, é verdadeiro o ditado:
                               Um é o semeador,
                               e outro é o ceifeiro.
                Jo 4:38 Eu vos enviei para ceifar
                               o que não semeastes;
                                               outros trabalharam,
                                               e vós entrastes no seu trabalho.
Jo 4:39 Muitos samaritanos daquela cidade
                creram nele,
                               em virtude do testemunho da mulher, que anunciara:
                                               Ele me disse tudo quanto tenho feito.
Jo 4:40 Vindo, pois, os samaritanos ter com Jesus,
                pediam-lhe que permanecesse com eles;
                e ficou ali dois dias.
Jo 4:41 Muitos outros creram nele,
                por causa da sua palavra, Jo 4:42 e diziam à mulher:
                               Já agora não é pelo que disseste que nós cremos;
                                               mas porque nós mesmos temos ouvido
                                               e sabemos que este é verdadeiramente
o Salvador do mundo.
Jo 4:43 Passados dois dias,
                partiu dali para a Galiléia.
Jo 4:44 Porque o mesmo Jesus testemunhou
                que um profeta não tem honras na sua própria terra.
Jo 4:45 Assim, quando chegou à Galiléia,
                os galileus o receberam,
                               porque viram todas as coisas que ele fizera em Jerusalém,
                                               por ocasião da festa,
                                                               à qual eles também tinham comparecido.
Jo 4:46 Dirigiu-se, de novo, a Caná da Galiléia,
                onde da água fizera vinho.
Ora, havia um oficial do rei,
                cujo filho estava doente em Cafarnaum.
Jo 4:47 Tendo ouvido dizer que Jesus viera da Judéia para a Galiléia,
                foi ter com ele e lhe rogou que descesse para curar seu filho,
                               que estava à morte.
Jo 4:48 Então, Jesus lhe disse:
                Se, porventura,
                               não virdes sinais e prodígios,
                                               de modo nenhum crereis.
Jo 4:49 Rogou-lhe o oficial:
                Senhor, desce, antes que meu filho morra.
Jo 4:50 Vai,
                disse-lhe Jesus;
                               teu filho vive.
O homem
                creu na palavra de Jesus
                e partiu.
Jo 4:51 Já ele descia,
                quando os seus servos lhe vieram ao encontro,
                               anunciando-lhe que o seu filho vivia.
Jo 4:52 Então, indagou deles
                a que hora o seu filho se sentira melhor.
Informaram:
                Ontem, à hora sétima a febre o deixou.
Jo 4:53 Com isto,
                reconheceu o pai ser aquela precisamente a hora
                               em que Jesus lhe dissera:
                                               Teu filho vive;
                                                               e creu ele
                                                               e toda a sua casa.
Jo 4:54 Foi este
                o segundo sinal que fez Jesus,
                               depois de vir da Judéia para a Galiléia.
Como devemos adorar a Deus hoje? Jesus ainda nos responde, como respondeu àquela mulher: em espírito e em verdade! Por que Deus é espírito e a verdade. E são exatamente estes que o Pai procura como adoradores.
Pela exortação de Jesus, deveríamos crer nele independentemente de sinais e prodígios. Um oficial do rei com um filho doente procura Jesus e ao encontrá-lo faz o seu pedido pelo seu filho. Jesus o ouve e lança sua palavra de cura e o menino é curado e toda sua família crê nele. Não somos nós, os vivos de hoje, os oficiais do rei? Façamos, então, como ele fez.
Jesus cura sim nossas enfermidades. Eu creio! Não devemos nos esquecer, no entanto, que maior do que a provisão é o provedor; que maior do que a cura, é o que cura; que maior que a bênção, é o abençoador. Ao invés da coisa, procuremos sempre aquele que nos entrega todas as coisas.
p.s.: link da imagem original:
Contagem regressiva: Faltam 189 dias para 20/04/16 (Inicio: 05/05/15). Tu, SENHOR, conservarás em perfeita paz aquele cujo propósito é firme; porque ele confia em ti. (Is 26.3).

A Deus toda glória! p/ pr. Daniel Deusdete.
...


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.