quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Marcos 16 1-20 - JESUS RESSUSCITOU E COMISSIONOU EU E VOCÊ PARA PREGARMOS O EVANGELHO.VAMOS?

Estamos vendo o evangelho de Marcos que foi escrito para apresentar as boas-novas de Jesus a um público essencialmente gentio por meio da narração do testemunho dos discípulos a respeito dos fatos notáveis sobre a vida, a morte e a ressurreição de Cristo. Estamos na última parte, a III, no último capítulo, o 16.
III. O MINISTÉRIO DE JESUS NA JUDEIA (10.1-16.20) - continuação.
Como já dissemos, embora Marcos considerasse muito importante o ministério de Jesus no norte, ele apresenta o ministério de Jesus na Judeia como o clímax da vida terrena de nosso Senhor. Nesse ponto, Jesus caminha em direção à sua morte e ressurreição, como ele havia predito.
Didaticamente, para melhor entendermos o assunto, nós dividimos esta parte, conforme a BEG, em dez subpartes: A. Os ensinos durante a jornada (10.1-45) – já vista; B. A cura em Jericó (10.46-52) – já vista; C. A entrada triunfal em Jerusalém (11.1-11) – já vimos; D. A purificação do templo (11.12-26) – já vimos; E. Controvérsias no templo (11.27 - 12.44) – já vimos; F Profecias no monte das Oliveiras (13.1-37) – já vimos; G. Unção em Betânia (14.1-11) – veremos agora; H. A ceia de Páscoa em Jerusalém (14.12-31) – já vimos; I. Abandono, julgamento e morte (14.32 - 15.47) – já vimos; e, J. Ressurreição e comprovação (16.1-20) – veremos e concluiremos agora.
O segundo Adão que morreu e ressuscitou!
Estava passando o sábado! Que sábado complicado e tão sem graça... Nem Jesus estava ali. Ainda não tinha ressuscitado e seu último estado era de morto. Havia sido sepultado num túmulo que era propriedade de José de Arimatéia. Os discípulos estavam tristes e confusos.
No domingo, de madrugada, bem cedinho e sem testemunhas dentre os homens, ali, naquele Jardim onde jazia Jesus no sábado, ocorreu o evento mais importante da vida dos homens depois de sua criação.
A criação do primeiro homem não foi testemunhada pelos homens. Também a criação do segundo homem, do segundo Adão, também não teve testemunha entre os homens. Nem o primeiro homem testemunhou o surgimento do segundo homem.
Este evento foi exclusivo entre Deus e os anjos. A vida é um dom de Deus, uma dádiva que temos recebido gratuitamente. Por que nos perdemos com tantas frivolidades quando Deus nos deu a vida? Que pena que somos tão tolos... Pior, pensamos que somos ‘expertos’ (o “x” ´´e proposital!).
Vejamos, em maiores detalhes, com a ajuda preciosa da BEG, como foi este último capítulo de Marcos.
J. Ressurreição e comprovação (16.1-20).
Marcos encerra o seu Evangelho com um relato da ressurreição e dos aparecimentos de Jesus (a BEG recomenda, nesse momento, a visualização de seu quadro "Aparecimentos de Jesus ressuscitado", em Lc 24).
A nova vida de Jesus vindicou todo o seu ministério e encorajou seus discípulos a realizarem o ministério mundial para o qual foram chamados.
Passado o sábado, após o pôr do sol (seis horas da tarde) do sábado, as Maria(s) – Madalena e a mãe de Tiago, juntamente com Salomé acharam uma ocasião apropriada para comprar aromas, mas não para visitar túmulos.
Elas estavam se preparando para irem ungir o corpo de Jesus. Algumas versões trazem que elas foram embalsamá-lo. Não é uma referência ao embalsamamento, um processo desenvolvido pelos egípcios na esperança de garantir uma vida melhor no mundo após a morte (14.8). Aqui, se refere ao ato de ungir com aromas, uma maneira de demonstrar afeição por aquele que morreu.
No entanto, para isso havia um grande desafio à frente delas que seria a remoção da grande pedra que fechava a entrada do túmulo. Tendo visto a pedra “muito grande” (16.4) ser rolada para fechar o túmulo (15.47), elas perceberam que seria muito difícil removê-la (15.46). Ainda assim foram ao túmulo, mas foram surpreendidas por que ela já tinha sido removida.
Entraram no túmulo, mais precisamente, no vestíbulo da câmara mortuária, no final da qual se encontrava a sepultura onde o corpo de Jesus havia sido colocado. Ao entrarem se espantaram com um jovem de vestes compridas e brancas. Nenhum jovem comum teria causado tanto espanto e medo (vs. 6,8) nessas mulheres adultas.
Assim, o Evangelho de Marcos corrobora o de Mateus, que especifica que esse jovem era na verdade um anjo (Mi 28.2).
O jovem se dirige a elas e logo trata de acalmá-las e informá-las.
1.      Primeiro, dizendo para elas não terem medo.
2.      Segundo, entrando no assunto que era o objetivo delas ali naquele sepulcro: encontrarem o corpo de Jesus que tinha sido crucificado.
3.      Terceiro, informar que ele tinha sido ressuscitado e que, portanto, já não mais estava ali.
4.      Quarto, mostrarem a elas onde ele tinha sido posto.
5.      Quinto, incumbirem elas de levar a palavra de Deus da ressurreição de Jesus aos seus discípulos, especialmente a Pedro, que naquele momento, era o mais abalado de todos eles, por causa de sua negação de Jesus, por três vezes.
6.      Sexto, informarem elas de que o local do encontro seria na Galiléia, onde finalmente, o veriam, como o próprio Senhor já tinha dito antes de sua morte.
Se o Evangelho de Marcos alcança o clímax na confissão de Jesus como o Filho de Deus (15.39), um segundo clímax acontece na declaração da ressurreição de Jesus, confirmando que a pregação sobre a vinda do reino, em poder, é verdadeira (1.15; 9.1). A BEG recomenda aqui a leitura de seu excelente artigo teológico "A ressurreição de Jesus", em Lc 24.
Essas palavras (... e a Pedro – vs. 7) fazem toda a diferença na história subsequente da redenção e no papel importantíssimo que Pedro desempenharia nela.
Essas palavras de Marcos ao final do seu Evangelho (16.9-20), indicam que a preparação dos doze por Jesus não teria sido em vão. Se os vs. 9-20 não são originais, então o Evangelho de Marcos termina com essa frase.
Observe, contudo, que a palavra significa "temor reverencial", e que essa mesma emoção foi produzida nos discípulos quando viram Jesus transfigurado (9.6) — uma espécie de ressurreição antecipada. Porém, o silêncio inicial das mulheres foi urna desobediência (16.7).
O inteiro teor de 9 a 20 contém palavras que não ocorrem em alguns manuscritos antigos importantes. A ausência dessa passagem, bem como seu estilo e vocabulário diferentes, levantam sérias dúvidas quanto à sua autenticidade.
Jesus, tendo ressuscitado no domingo, no primeiro dia da semana, apareceu primeiramente a uma mulher, Maria Madalena – vs. 9 – da qual tinha expulsado sete demônios. E foi ela que partindo dali, anunciou o fato aos discípulos que tinham estado com ele e que se encontravam tristes e chorando. No entanto, não creram no relato dela.
Jesus ainda apareceu, manifestando-se a dois deles que estavam no caminho de Emaús - compare com Lc 24.13-35. Estes também anunciaram a ressurreição, no entanto, continuavam incrédulos.
Finalmente, apareceu, depois, aos onze e os repreendeu por causa da incredulidade e da dureza de coração, apesar de dois testemunhos que Jesus os tinha enviado.
Foi aqui que Jesus os comissionou a irem por todo o mundo anunciarem o evangelho a toda criatura - compare com Mt 28.19.
Mc 16:15 E disse-lhes:
Ide por todo o mundo
e pregai o evangelho a toda criatura.
Mc 16:16 Quem crer e for batizado será salvo;
quem, porém, não crer será condenado.
Mc 16:17 Estes sinais
hão de acompanhar aqueles que crêem:
EM MEU NOME,
expelirão demônios;
falarão novas línguas;
Mc 16:18 pegarão em serpentes;
e, se alguma coisa mortífera beberem,
não lhes fará mal;
se impuserem as mãos sobre enfermos,
eles ficarão curados.
Sobre os sinais que Jesus falou que os acompanhariam, todos os acontecimentos profetizados aqui (exceto beber "coisa mortífera") estão registrados no Novo Testamento, especialmente no livro de Atos (veja também Rm 15.19; Hb 2.3-4).
Depois disso, o Senhor foi recebido no céu e assentou-se à direita de Deus Pai, Todo Poderosos. O assentar-se à direita de Deus era uma posição de autoridade exclusiva que Jesus compartilha com Deus o Pai (Fp 2.7; cf. SI 14.62; 110.1), confirmando a palavra por meio de sinais. Vs. 17.
Assim, em obediência ao Senhor, saíram eles pregando a palavra e com eles ia o Senhor confirmando suas pregações com aqueles sinais que se seguiram.
Mc 16:1 Passado o sábado,
Maria Madalena, Maria, mãe de Tiago, e Salomé,
compraram aromas para irem embalsamá-lo.
Mc 16:2 E, muito cedo,
no primeiro dia da semana,
ao despontar do sol,
foram ao túmulo.
Mc 16:3 Diziam umas às outras:
Quem nos removerá a pedra da entrada do túmulo?
Mc 16:4 E, olhando,
viram que a pedra já estava removida;
pois era muito grande.
Mc 16:5 Entrando no túmulo,
viram um jovem assentado ao lado direito,
vestido de branco,
e ficaram surpreendidas e atemorizadas.
Mc 16:6 Ele, porém, lhes disse:
Não vos atemorizeis;
buscais a Jesus,
o Nazareno, que foi crucificado;
ele ressuscitou,
não está mais aqui;
vede o lugar onde o tinham posto.
Mc 16:7 Mas ide,
dizei a seus discípulos
e a Pedro
que ele vai adiante de vós para a Galiléia;
lá o vereis,
como ele vos disse.
Mc 16:8 E, saindo elas,
fugiram do sepulcro,
porque estavam possuídas de temor e de assombro;
e, de medo,
nada disseram a ninguém.
Mc 16:9 Havendo ele ressuscitado
de manhã cedo no primeiro dia da semana,
apareceu primeiro a Maria Madalena,
da qual expelira sete demônios.
Mc 16:10 E, partindo ela,
foi anunciá-lo àqueles que,
tendo sido companheiros de Jesus,
se achavam tristes e choravam.
Mc 16:11 Estes,
ouvindo que ele vivia e que fora visto por ela,
não acreditaram.
Mc 16:12 Depois disto,
manifestou-se
em outra forma
a dois deles que estavam de caminho para o campo.
Mc 16:13 E, indo,
eles o anunciaram aos demais,
mas também a estes dois
eles não deram crédito.
Mc 16:14 Finalmente,
apareceu Jesus aos onze,
quando estavam à mesa,
e censurou-lhes
a incredulidade
e dureza de coração,
porque não deram crédito aos que
o tinham visto já ressuscitado.
Mc 16:15 E disse-lhes:
Ide por todo o mundo
e pregai o evangelho a toda criatura.
Mc 16:16 Quem crer e for batizado será salvo;
quem, porém, não crer será condenado.
Mc 16:17 Estes sinais
hão de acompanhar aqueles que crêem:
em meu nome, expelirão demônios;
falarão novas línguas;
Mc 16:18 pegarão em serpentes;
e, se alguma coisa mortífera beberem,
não lhes fará mal;
se impuserem as mãos sobre enfermos,
eles ficarão curados.
Mc 16:19 De fato,
o Senhor Jesus,
depois de lhes ter falado,
foi recebido no céu
e assentou-se à destra de Deus.
Mc 16:20 E eles,
tendo partido,
pregaram em toda parte,
cooperando com eles o Senhor
e confirmando a palavra
por meio de sinais,
que se seguiam.
Aqui estão os discípulos pregando, indo... É também o nosso ministério: IR-PREGAR-ENSINAR-CURAR... e o Senhor cooperando com eles, ou melhor, com eles por causa da palavra pregada, por meio de sinais que se seguiam. Creio eu em sinais? Sim, creio que o Senhor confirma a sua palavra do jeito que ele quiser confirmar.
p.s.: link da imagem original:
Contagem regressiva: Faltam 217 dias para 20/04/16 (Inicio: 05/05/15). Tu, SENHOR, conservarás em perfeita paz aquele cujo propósito é firme; porque ele confia em ti. (Is 26.3).

A Deus toda glória! p/ pr. Daniel Deusdetehttp://www.jamaisdesista.com.br
...


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade para tecer seus comentários.
No entanto, lembre-se de juntar Cl 3:17 com 1 Co 10:31 :
devemos tudo fazer para a glória de Deus e em nome de Jesus! Deus o abençoe.